BELCANTO – Placido Domingo – por Carla Romualdo e Carlos Loures

Já aqui temos falado do grande tenor e maestro Placido Domingo, mas hoje recordamos a importância da música espanhola, alguma dela praticamente desconhecida internacionalmente, no repertório deste tenor. Com efeito, ao longo da sua já longa carreira Domingo tem contribuído para a divulgação de numerosos compositores espanhóis.

É o caso de Pablo Sorozábal, compositor e maestro basco (1897-1988), conhecido em particular pela suas obras sinfónicas e líricas, nomeadamente zarzuelas e operetas. A morte de Sorozabal, aos 91 anos, marcou, de certa forma, o fim da zarzuela, ou não fosse o compositor e maestro o último dos grandes compositores deste género musical.

A sua obra mais famosa, La Tabernera del Puerto, uma zarzuela conhecida igualmente como Romance Marinheiro, com libreto de Federico Romero e Guillermo Fernández-Shaw, e que teve a sua estreia em 1936, em Barcelona, cerca de três meses antes do início da Guerra Civil. Por esse motivo, após a estreia em Barcelona, La Tabernera só voltaria a ser encenada em 1940, já em Madrid, após o final da guerra.

“No puede ser”, romance do II Acto, faz parte do repertório habitual de Placido Domingo e a sua interpretação é particularmente apreciada pelos amantes da zarzuela.

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=1ULkmrh45R4

Leave a Reply