DEIXEMOS AS CRIANÇAS FALAREM! por clara castilho

 

Produzido pelo CECIP – Centro de Criação de Imagem Popular – o livro “Deixa eu falar!” é uma iniciativa da Rede Nacional Primeira Infância (RNPI ),que reúne entidades públicas e civis de todo o Brasil. Em 2010, a RNPI lançou o Plano Nacional pela Primeira Infância, uma agenda de reivindicações para que crianças até 6 anos sejam respeitadas e  seus direitos assegurados pela Constituição e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Em “Deixa eu falar!”, é a vez das próprias crianças se expressarem sobre suas condições de vida: o que é bom, o que é ruim, o que faz bem, o que falta.

– “Eu brinco porque me deixa feliz”.

 – “Eu preferia não ter que ir mais na escola. A gente aprende com brinquedos, com amigos, com jogos, com a vida”.

 – “Eu moro lá em cima, no morro. Eu não fico cansado de subir. Eu vou pulando e contando os degraus. Ah, também eu inventei uma brincadeira de pular de dois em dois. A minha mãe é que fica muito cansada. Eu não gosto quando ela fica cansada. Ela fica triste”.

 – “Não tenho certidão porque minha mãe não comprou”.
– “Eu não sei por que preciso estudar. Você sabe?”

– “Depois você lê de novo? Eu gosto de ouvir a história muitas vezes. Eu gosto de contar a história só olhando a figura. Eu não conto sempre igual. Eu invento. Mas, se você lê, tem que ser igual”.

 – “Onde tem rato e inseto tem doença e precisa acabar”.

– “Como é que vocês sabem escrever o meu nome? “

 

– “Precisa comer bem, dormir, descansar, se agasalhar, tomar banho, escovar os dentes, não ficar de pé no chão, brincar no sol e ter a casa limpa, sem rato e mosquito, porque doença de rato deixa a gente sem respirar”.

– “Criança não pode ficar sem comida. Se não comer fica branco, amarelo, roxo”.

“No Jornal, passa que o ônibus bate – deixa eu falar… – um monte de carro bate, depois vem polícia, depois jornal, depois novela”.

– “Minha casa não tem quintal, mas eu desenhei um quintalzinho para poder brincar”.

– “Às vezes quando a gente fica nervoso fala palavrão. As palavras ficam voando em cima da nossa cabeça. É meio maluco e também a gente se esquece de muitas coisas. Às vezes, uma pessoa está com raiva e não tem jeito de conversar”.

Leave a Reply