O BANCO DO GORRINGE, por João Machado

O banco do Gorringe fica no Atlântico, a cerca de 200 quilómetros do Cabo de S. Vicente, e está situado na Zona Económica Exclusiva portuguesa. É uma gigantesca cadeia montanhosa submarina, de cerca de 180 quilómetros de comprimento, que se ergue até 5 000 metros acima do fundo do mar (em relação à planície abissal do Tejo), formando dois picos, o Gorringe e o Gettysburg, a apenas cerca de 30 metros da superfície. Fica sobre uma falha tectónica, chamada Açores-Gibraltar, que separa as placas africana e euro-asiática, esta última formando ali a sub-placa ibérica. A segunda tende a sobrepor-se à primeira, causando numerosos fenómenos sísmicos, com o epicentro na zona, alguns deles muito fortes, como foi o caso do terramoto de 1755.

Gorringe - II
Elevações submarinas da costa sudoeste da Península Ibérica – Fonte: Filipe M. Rosas (http://lisbonstructuralgeologist.blogspot.com/) e GoogleEarth
Fomos buscar este mapa ao blogue Histórias da Vida e da Terra.
http://vidaterra.wordpress.com/category/geologia/tectonica/

O banco do Gorringe foi descoberto em 1875 por um navio norte-americano, o Gettysburg, que era comandado pelo capitão Gorringe. Posteriormente houve outras explorações oceanográficas, mas só recentemente começaram a ser mais regulares e constantes. Destacam-se as promovidas pela Associação Atlântico Selvagem (http://www.atlanticoselvagem.org/), pela Universidade do Algarve (Centro de Ciências do Mar do Algarve – http://www.ccmar.ualg.pt/) e pela Oceana (http://oceana.org/en/eu/home), uma organização internacional para a defesa dos oceanos, que agrega personalidades de diferente formação. No site desta última pode-se consultar um estudo, The Seamounts of the Gorringe Bank (http://oceana.org/sites/default/files/reports/seamounts_gorringe_bank_eng2.pdf), que terá sido apoiado pela Fondazione Ermenegildo Zegna, bastante informativo nos aspectos geológicos, oceanográficos e relativos à biodiversidade, e mesmo sobre as ameaças de poluição que começam a aparecer. Outras entidades, como a Universidade Lusófona, têm promovido expedições científicas ao local.

Banco%20do%20Gorringe

Obrigado ao Forum Estudante (http://forum.pt/blogue-semana-tanto-mar/blogue-semana-tanto-mar/3536)

Há quem defenda que o Gorringe, com os seus dois picos, é a montanha mais alta de Portugal, o que não será muito exacto, porque o Pico, nos Açores, conta mais de 2000 metros de altitude, acima do nível do mar. Se for medida a sua altitude em relação ao fundo do mar, talvez exceda o Gorringe. Contudo, este forma uma enorme cadeia montanhosa que merece bem ser melhor conhecida, não só pela problemática sísmica, mas também pela enorme riqueza da fauna e flora marinhas existentes na região. Devido ao solo submarino muito acidentado e às correntes marinhas, afluem à zona espécies variadas, das águas superficiais, ainda banhadas pela luz do sol, mas também outras de águas mais profundas. Muitas afluem ali à procura do alimento abundante que ali é fácil de encontrar. Apresentamos um vídeo da Oceana, que dá uma ideia da biodiversidade da zona, muito procurada pelos pescadores:

Obrigado a todas as entidades acima citadas.

Leave a Reply