A QUEDA DO EURO – por TEJVAN PETTINGER

Temaseconomia1

 Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

Euro

A queda do Euro

Tejvan Pettinger, Fall in Euro

Economics.help, 16 de Março de 2015

 

Recentemente, o Euro caiu de 1,5 dólares por  1 Euro em 2011 para estar agora próximo da  paridade em Março de 2015.

pettingereuro - I

A queda no valor do Euro foi muito grande nos últimos seis meses.

Esta é uma depreciação muito significativa no Euro, e reflecte primeiramente uma  maior  fragilidade económica da zona euro. E  relacionada com essa fragilidade  económica, está a decisão da zona euro de   começar recentemente a política monetária expansionista (a flexibilização  quantitativa ou quantitative easing).

Porque é que o euro está a cair?

  1. O BCE embarcou na aplicação da Quantitative easing  –  a criação de dinheiro para comprar obrigações do Estado. A   Quantitative  easing  tende a reduzir o valor de uma moeda porque:

– este acréscimo na  quantidade de moeda oferecida  tende  a reduzir o valor da moeda (uma maior oferta  tende a reduzir o seu  preço.)

– a Q.E aumenta as  expectativas de uma inflação mais alta – uma inflação mais alta tende a reduzir o valor de uma moeda porque  esta se tornará menos atractiva para comprar bens na UE.

– a compra de títulos da dívida pública  reduzirá os rendimentos   dos títulos   na  Europa, tornando-os   menos atractivos  para que os investidores privados  coloquem o seu dinheiro na zona euro  – obtém-se   um rendimento  mais baixo aplicando nos activos na zona euro . Os investidores  poderão de  preferência   colocar o dinheiro em  activos dos E.U., onde as taxas de juro  irão com maior probabilidade  aumentar e assim se obterá uma rentabilidade maior.

  1. Uma maior fragilidade da economia da zona euro . Alguns analistas acreditam que a quantitative easing da União Europeia pode ser vista como tendo vindo demasiado tarde , como sendo demasiado pequena; acreditam que a Quantitative easing   na  Europa pode realmente ter um efeito bastante limitado. Isto é devido a dois factores:

  2. Na Europa (em comparação com os Estados Unidos) as empresas dependem mais dos bancos do que do mercado de títulos e não irão  beneficiar muito da descida das taxas  sobre os  títulos  da dívida pública  e das empresas  – um objectivo da quantitative easing.

  3. As expectativas de uma baixa taxa de inflação são muito fortes na zona  euro, e pode ser muito difícil para o BCE  realmente aumentar a inflação e o crescimento económico nominal.

  4. há ainda forte oposição à quantitative asing pela parte da Alemanha de modo que o montante do seu valor  na EU  pode ainda ser    insuficiente.

Esta fragilidade  da zona euro a  longo prazo está a ter um grande impacto sobre o valor do Euro. As pessoas não querem deter euros  se terão que  esperar vários anos em situação de  baixo crescimento, de taxas de juro baixas e de aumento da dívida em termos de  PIB. A fragilidade  a longo prazo da zona euro está a deixar  os investidores menos propensos a colocar as suas poupanças em euros. A queda do euro é maior que a queda da libra ou do dólar, quando o Reino Unido e EUA embarcaram na sua respectiva quantitative easing,   o que sugere que há mais efeitos subjacentes na descida do valor do euro, para além da expansão da oferta de dinheiro .

Taxas de juros. Um factor importante na determinação das taxas de câmbio são as  taxas de juros reais. Se as taxas de juros são relativamente mais baixas na zona euro do que noutros lugares, haverá menos procura na colocação de  poupanças em euros, há pois menos procura de euros e este vai cair. Porque a recuperação económica é muito mais forte nos EUA e noutros lugares, os analistas esperam que as taxas de juros irão  em breve aumentar   nos EUA. Em comparação, as taxas de juros na Europa são esperadas  permanecer em zero por um período de  tempo muito considerável. ( as taxas de juros reais em títulos alemães a 10 anos são negativas-0.9%)

Outros factores que possam influenciar a taxas de câmbio (teoria)

A baixa taxa de inflação.  A UE tem uma inflação mais baixa do que a existente noutros lugares com uma taxa de-0.2% – isso deve em teoria fazer  com que a União Europeia se torne   relativamente mais competitiva e aumente   o valor do Euro, mas actualmente este efeito é  neutralizado  por outros factores.

Impacto da queda do Euro

Um queda do Euro vai ajudar a que as mercadorias  produzidas  na Europa se tornem relativamente mais baratas, fornecendo um impulso ao turismo na UE, à  indústria transformadora e à  exportação. Devemos então esperar por um maior excedente na balança  corrente da União Europeia, o que  fornece uma injecção na economia da zona euro. Isto deve  ajudar a recuperação da União Europeia – isso é particularmente importante dada a actual  insuficiência da procura interna à zona  e dadas as  pressões deflacionistas  na zona euro.

Um dólar mais forte diminui  a retoma da economia dos  EUA. A força do dólar tornará as  exportações dos EUA mais caras e irá reduzir a procura.

De certa forma a taxa de câmbio flutuante estará a ajudar a equalizar a procura  entre  os  Estados Unidos e a  Europa. Uma das principais razões pelas quais  o Euro está a cair  contra o dólar é a maior fragilidade económica da Europa em comparação com os EUA. Mas, a queda do euro, ira conduzir a uma situação a que a diferença na fragilidade entre as duas economias se reduza.

Inflação na Europa?  A  queda do euro pode ajudar a resolver a deflação / muito baixa inflação na Europa. Em primeiro lugar, o custo das importações subirá,  criando uma inflação  pelos custos.  Mas, também, a crescente procura pelas  exportações pode contribuir para um pequeno aumento na  procura e para que esta tenha então um efeito positivo sobre  a inflação fazendo-a aumentar. Dado o estado actual da economia da zona euro, o impacto sobre a inflação é provável que seja muito limitado. Mas, se ajuda a evitar uma prolongada  deflação, isto pode ser positivo.

Tejvan Pettinger, Fall in Euro.

________ 

Texto disponível em : http://www.economicshelp.org/blog/13178/economics/fall-in-euro/

 ________

Related

Understanding exchange rates

Leave a Reply