Posts Tagged: euro

Hoje é dia de eleições europeias – “A Alemanha na mó de cima, a Europa na mó de baixo. Debate” (parte II), por Jonathan Story

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota  Por Jonathan Story, professor emérito, INSEAD Publicado por Writing about history, politics & economics, em 6 de março de 2019 (texto original aqui)   O livro de Douglas Webber é um livro muito

Hoje é dia de eleições europeias – “A Alemanha na mó de cima, a Europa na mó de baixo. Debate” (parte II), por Jonathan Story

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota  Por Jonathan Story, professor emérito, INSEAD Publicado por Writing about history, politics & economics, em 6 de março de 2019 (texto original aqui)   O livro de Douglas Webber é um livro muito

Hoje é dia de eleições europeias – “A Alemanha na mó de cima, a Europa na mó de baixo. Debate” (parte I), por Jonathan Story

  Introdução, por Júlio Marques Mota Hoje é dia de eleições, de eleições europeias. Nesse sentido, editamos dois textos de Jonathan Story, professor emérito do INSEAD em Fontainebleau, França, escola de onde hoje sai uma grande parte dos neoliberais que ocupam

Hoje é dia de eleições europeias – “A Alemanha na mó de cima, a Europa na mó de baixo. Debate” (parte I), por Jonathan Story

  Introdução, por Júlio Marques Mota Hoje é dia de eleições, de eleições europeias. Nesse sentido, editamos dois textos de Jonathan Story, professor emérito do INSEAD em Fontainebleau, França, escola de onde hoje sai uma grande parte dos neoliberais que ocupam

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 4º Texto – Tratado de Aix-la-Chapelle : de que direito ? (Parte B)

(Bolmann Yvonne, 12 de Março de 2018)

O que se segue, quem se segue? A própria França, talvez? Sentimo-nos tentados a acreditar nisso a partir do discurso de Richard Ferrand quando apresentou o projeto de acordo parlamentar[39]. A criação de uma assembleia interparlamentar parece ser o estabelecimento de um “verdadeiro contrapoder franco-alemão, um lugar de intercâmbio e debate, mas também de decisão”. Como pode um Presidente da Assembleia Nacional regozijar-se com uma tal negação da liberdade e independência nacionais, que afetaria a própria existência da instituição a que preside, e que trairia o “princípio” da República de “governo do povo, pelo povo e para o povo”?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 4º Texto – Tratado de Aix-la-Chapelle : de que direito ? (Parte B)

(Bolmann Yvonne, 12 de Março de 2018)

O que se segue, quem se segue? A própria França, talvez? Sentimo-nos tentados a acreditar nisso a partir do discurso de Richard Ferrand quando apresentou o projeto de acordo parlamentar[39]. A criação de uma assembleia interparlamentar parece ser o estabelecimento de um “verdadeiro contrapoder franco-alemão, um lugar de intercâmbio e debate, mas também de decisão”. Como pode um Presidente da Assembleia Nacional regozijar-se com uma tal negação da liberdade e independência nacionais, que afetaria a própria existência da instituição a que preside, e que trairia o “princípio” da República de “governo do povo, pelo povo e para o povo”?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 4º Texto – Tratado de Aix-la-Chapelle : de que direito ? (Parte A)

(Bolmann Yvonne, 12 de Março de 2018)

O intraduzível, o indizível, até mesmo o irracional, estão, no entanto, bem no tratado, mas não como a elegância do romantismo. Porque o objetivo enunciado no artigo 13º, “facilitar a eliminação dos obstáculos nos territórios fronteiriços”, é uma verdadeira empresa de destruição, tanto para o território nacional da França como para os seus cidadãos. Nada será mais inteiramente deles, deles somente,  dado o apetite sem limites expresso pelo desejo de “ultrapassar os obstáculos à execução de projetos transfronteiriços”. Esta desmedida  pode conduzir à sua recusa, que os cidadãos franceses, a quem os “obstáculos” efetivamente unem e protegem, deveriam poder expressar num referendo.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 4º Texto – Tratado de Aix-la-Chapelle : de que direito ? (Parte A)

(Bolmann Yvonne, 12 de Março de 2018)

O intraduzível, o indizível, até mesmo o irracional, estão, no entanto, bem no tratado, mas não como a elegância do romantismo. Porque o objetivo enunciado no artigo 13º, “facilitar a eliminação dos obstáculos nos territórios fronteiriços”, é uma verdadeira empresa de destruição, tanto para o território nacional da França como para os seus cidadãos. Nada será mais inteiramente deles, deles somente,  dado o apetite sem limites expresso pelo desejo de “ultrapassar os obstáculos à execução de projetos transfronteiriços”. Esta desmedida  pode conduzir à sua recusa, que os cidadãos franceses, a quem os “obstáculos” efetivamente unem e protegem, deveriam poder expressar num referendo.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 3º Texto – A Europa, peça central no declínio do Ocidente – O afogamento do Ocidente na finança

(Jean Claude Werrebrouck, 1 de Abril de 2019)

E quando o Ocidente fica atolado num mar de liquidez para: salvar os seus bancos, acelerar fusões e aquisições sem investimentos e, portanto, sem crescimento além da reavaliação de ativos, para permitir recompras ilimitadas de ações, etc.; a China, equipada com um Estado forte, transforma as suas economias em investimentos reais, que amanhã abanarão os restos do que foi a glória do Ocidente.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 3º Texto – A Europa, peça central no declínio do Ocidente – O afogamento do Ocidente na finança

(Jean Claude Werrebrouck, 1 de Abril de 2019)

E quando o Ocidente fica atolado num mar de liquidez para: salvar os seus bancos, acelerar fusões e aquisições sem investimentos e, portanto, sem crescimento além da reavaliação de ativos, para permitir recompras ilimitadas de ações, etc.; a China, equipada com um Estado forte, transforma as suas economias em investimentos reais, que amanhã abanarão os restos do que foi a glória do Ocidente.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 2º Texto – Os Coletes Amarelos pedem respeito, o poder responde-lhes pelo insulto

(Entrevista a Christophe GuilluyDaoud Boughezala, Elisabeth Lévy e Gil Mihaely) (Dezembro de 2018)

A divisão entre a elite e o povo está a aumentar. Nunca na história estes dois mundos foram tão estranhos um ao outro.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 2º Texto – Os Coletes Amarelos pedem respeito, o poder responde-lhes pelo insulto

(Entrevista a Christophe GuilluyDaoud Boughezala, Elisabeth Lévy e Gil Mihaely) (Dezembro de 2018)

A divisão entre a elite e o povo está a aumentar. Nunca na história estes dois mundos foram tão estranhos um ao outro.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 1º Texto – As onze questões sobre a União Europeia, de Coralie Delaume e David Cayla

(Jacques Sapir, 16 de Março de 2018)

Sobre a questão de Portugal, Coralie Delaume e David Cayla analisam de forma muito interessante, em poucas páginas, tanto o sucesso (relativo) da estratégia do governo português como as suas limitações. Mostram de forma convincente que aquilo a que agora se chama um “sucesso” nos círculos de “esquerda” se baseia, na realidade, numa emigração massiva e numa estratégia desenvergonhada de dumping social e fiscal [19]. A conclusão a que chegam é que Portugal adotou uma estratégia “parasitária”[20], uma estratégia que seria chamada, na linguagem de um economista (e entusiasta da teoria dos jogos), uma estratégia de passageiro clandestino.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 1º Texto – As onze questões sobre a União Europeia, de Coralie Delaume e David Cayla

(Jacques Sapir, 16 de Março de 2018)

Sobre a questão de Portugal, Coralie Delaume e David Cayla analisam de forma muito interessante, em poucas páginas, tanto o sucesso (relativo) da estratégia do governo português como as suas limitações. Mostram de forma convincente que aquilo a que agora se chama um “sucesso” nos círculos de “esquerda” se baseia, na realidade, numa emigração massiva e numa estratégia desenvergonhada de dumping social e fiscal [19]. A conclusão a que chegam é que Portugal adotou uma estratégia “parasitária”[20], uma estratégia que seria chamada, na linguagem de um economista (e entusiasta da teoria dos jogos), uma estratégia de passageiro clandestino.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 19. A Europa alemã vai ser confirmada e muito rapidamente

(Hélène Nouaille. 16/03/2019)

Na União Europeia tal como ela se tornou, os cidadãos britânicos preferiram deitar a toalha abaixo. Por toda parte, outros, que prefeririam estar juntos, porém, e que conhecem sua utilidade no mundo como ele é, rugem para se sentirem desconfortáveis em um navio que lhes parece vagar em perdição sem bússola e sem mapa. Um navio que foi dessalinizar, alemão ou não.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 19. A Europa alemã vai ser confirmada e muito rapidamente

(Hélène Nouaille. 16/03/2019)

Na União Europeia tal como ela se tornou, os cidadãos britânicos preferiram deitar a toalha abaixo. Por toda parte, outros, que prefeririam estar juntos, porém, e que conhecem sua utilidade no mundo como ele é, rugem para se sentirem desconfortáveis em um navio que lhes parece vagar em perdição sem bússola e sem mapa. Um navio que foi dessalinizar, alemão ou não.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 18. O euro tem 20 anos: quem são os perdedores? quem são os ganhadores? – Parte II

(Alessandro Gasparotti et Matthias Kullas, Fevereiro de 2019)

Conclusão: Portugal apenas beneficiou marginalmente do euro nos primeiros anos após a sua introdução. Nos anos seguintes, o euro conduziu cada vez mais a perdas de prosperidade. No seu conjunto, deu origem a uma quebra de prosperidade de 424 mil milhões de euros, ou seja, 40 604 euros per capita. Só em França e em Itália é que as perdas foram maiores.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 18. O euro tem 20 anos: quem são os perdedores? quem são os ganhadores? – Parte II

(Alessandro Gasparotti et Matthias Kullas, Fevereiro de 2019)

Conclusão: Portugal apenas beneficiou marginalmente do euro nos primeiros anos após a sua introdução. Nos anos seguintes, o euro conduziu cada vez mais a perdas de prosperidade. No seu conjunto, deu origem a uma quebra de prosperidade de 424 mil milhões de euros, ou seja, 40 604 euros per capita. Só em França e em Itália é que as perdas foram maiores.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 18. O euro tem 20 anos: quem são os perdedores? quem são os ganhadores? – Parte I

(Alessandro Gasparotti et Matthias Kullas, Fevereiro de 2019)

Em 2017, dos países da zona euro examinados, apenas a Alemanha e os Países Baixos ganharam com o euro. Na Alemanha, o PIB aumentou 280 mil milhões de euros e o PIB per capita 3 390 euros. A Itália foi  o país  que mais perdeu. Sem o euro, o PIB italiano teria sido superior em 530 mil milhões de euros, o que corresponde a uma perda de 8,756 euros per capita. Também em França, o euro provocou perdas significativas de prosperidade de 374 mil milhões de euros, o que corresponde a 5 5 570 euros per capita.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 18. O euro tem 20 anos: quem são os perdedores? quem são os ganhadores? – Parte I

(Alessandro Gasparotti et Matthias Kullas, Fevereiro de 2019)

Em 2017, dos países da zona euro examinados, apenas a Alemanha e os Países Baixos ganharam com o euro. Na Alemanha, o PIB aumentou 280 mil milhões de euros e o PIB per capita 3 390 euros. A Itália foi  o país  que mais perdeu. Sem o euro, o PIB italiano teria sido superior em 530 mil milhões de euros, o que corresponde a uma perda de 8,756 euros per capita. Também em França, o euro provocou perdas significativas de prosperidade de 374 mil milhões de euros, o que corresponde a 5 5 570 euros per capita.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 17. . A União Europeia, o outro inimigo dos Coletes Amarelos

(Eugène Favier-Baron, 25/01/2019)

Se existe um denominador comum entre estes “Coletes Amarelos” europeus, é antes na negação do atual projeto europeu. Mesmo quando não é diretamente formulada, esta rejeição está presente de facto, uma vez que as expectativas dos “Coletes Amarelos” estão em contradição com as políticas conduzidas e prescritas pela União Europeia.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 17. . A União Europeia, o outro inimigo dos Coletes Amarelos

(Eugène Favier-Baron, 25/01/2019)

Se existe um denominador comum entre estes “Coletes Amarelos” europeus, é antes na negação do atual projeto europeu. Mesmo quando não é diretamente formulada, esta rejeição está presente de facto, uma vez que as expectativas dos “Coletes Amarelos” estão em contradição com as políticas conduzidas e prescritas pela União Europeia.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 16. A construção europeia: o caminho mais fácil era também uma via sem saída

(Jean-Claude Werrebrouck., 09/01/2019)

A Europa não passa agora de um modelo de direitos humanos e de direitos  cada vez mais aberto a todas as particularidades, cada vez menos e menos definíveis, cada vez menos baseados em valores. Isto faz do mundo europeu um mundo sem forças e sem voz fora da voz do indivíduo como sujeito de desejos, ajudado pelas burocracias judiciais. É este movimento que arruína qualquer desejo de acção colectiva e, por conseguinte, de cooperação para um objectivo que já não é definível.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 16. A construção europeia: o caminho mais fácil era também uma via sem saída

(Jean-Claude Werrebrouck., 09/01/2019)

A Europa não passa agora de um modelo de direitos humanos e de direitos  cada vez mais aberto a todas as particularidades, cada vez menos e menos definíveis, cada vez menos baseados em valores. Isto faz do mundo europeu um mundo sem forças e sem voz fora da voz do indivíduo como sujeito de desejos, ajudado pelas burocracias judiciais. É este movimento que arruína qualquer desejo de acção colectiva e, por conseguinte, de cooperação para um objectivo que já não é definível.

Do plano técnico ao plano político: do sistema Target 2 à fragmentação financeira da União Europeia – 16. A nova morfologia do risco na zona euro (6/6). Por Marcello Minenna

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 16. A nova morfologia do risco na zona euro (6/6)  Por Marcello Minenna Publicado por  em 25 de fevereiro de 2019 (texto original aqui) [N.E.: Este texto conclui a série Do plano técnico

Do plano técnico ao plano político: do sistema Target 2 à fragmentação financeira da União Europeia – 16. A nova morfologia do risco na zona euro (6/6). Por Marcello Minenna

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 16. A nova morfologia do risco na zona euro (6/6)  Por Marcello Minenna Publicado por  em 25 de fevereiro de 2019 (texto original aqui) [N.E.: Este texto conclui a série Do plano técnico

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 15. O euro: um aniversário de 20 anos que ninguém quer festejar

(Bruno Colmant, 27/12/2018)

Para alguns países, sobretudo do Sul da Europa, esta moeda tornar-se-á um uma ascese estatal  que poderá levar à sua rejeição pelas  populações asfixiadas pela crise económica. A moeda federal será dividida  por políticas orçamentais confederais. Minada  por expressões políticas centrífugas, a sustentabilidade do euro é, por conseguinte, condicional.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 15. O euro: um aniversário de 20 anos que ninguém quer festejar

(Bruno Colmant, 27/12/2018)

Para alguns países, sobretudo do Sul da Europa, esta moeda tornar-se-á um uma ascese estatal  que poderá levar à sua rejeição pelas  populações asfixiadas pela crise económica. A moeda federal será dividida  por políticas orçamentais confederais. Minada  por expressões políticas centrífugas, a sustentabilidade do euro é, por conseguinte, condicional.

Do plano técnico ao plano político: do sistema Target 2 à fragmentação financeira da União Europeia – 16. A nova morfologia do risco na zona euro (5/6). Por Marcello Minenna

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 16. A nova morfologia do risco na zona euro (5/6)  Por Marcello Minenna Publicado por  em 25 de fevereiro de 2019 (texto original aqui) [N.E.: Este texto conclui a série Do plano técnico

Do plano técnico ao plano político: do sistema Target 2 à fragmentação financeira da União Europeia – 16. A nova morfologia do risco na zona euro (5/6). Por Marcello Minenna

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 16. A nova morfologia do risco na zona euro (5/6)  Por Marcello Minenna Publicado por  em 25 de fevereiro de 2019 (texto original aqui) [N.E.: Este texto conclui a série Do plano técnico