BANKSY CRIOU PARQUE DE DIVERSÕES COMO CRÍTICA À ALIENAÇÃO, FECHOU-O PASSADAS 5 SEMANAS E UTILIZOU O MATERIAL EM CAMPO DE REFUGIADOS

O parque temático Banksy, que nasceu como uma sátira à Disneylândia em Inglaterra, num questionamento aos valores da sociedade. Apesar disto, o público aprovou. E falando do momento actual, lá estavam os barcos superlotados e dos corpos boiando num fictício Mar Mediterrâneo, numa clara referência à tragédia real dos migrantes.

banksy-dismaland-preview-1

 Foi comentado que era o parque de diversões mais triste de todos os tempos, pois não era um lugar de sonhos, nem de alegria. Aparecia como uma Disneylândia toda detonada, onde ninguém se divertia pois o mundo das ilusões aparecia como um mundo dos pesadelos.

20_DismalLandCoach_x--(None)

Principes e princesas? Não. O castelo estava caindo aos pedaços, a Cinderela não conseguia chegar ao baile, em cenas facilmente comparadas à morte da princesa Diana. A pequena sereia estava num fosso de água suja.

 “Dismaland”, assim se chamava era uma crítica à alienação. O local escolhido para abrigar tanta imaginação foi um terreno abandonado de dez mil metros quadrados numa cidade litorânea perto de Bristol, onde o artista nasceu.

Esteve sempre esgotado, com cerca de 150 mil visitantes no total. Fechou portas passadas 5 semanas.

 Agora, parte do trabalho que ali se via vai ser usado no campo de refugiados de Calais, França.  “Toda a madeira e utensílios de Dismaland estão a ser enviados para a ‘Selva’, o campo de refugiados perto de Calais para que se construam abrigos”,

2015-837840121-20150802083201369afp.jpg_20150802

 Estima-se que haja entre três mil e quatro mil migrantes ali acampados. Todos os dias chega mais de uma centena de migrantes que ambicionam fazer a travessia de cerca de 30 quilómetros para o Reino Unido.

Leave a Reply