REVISTA DA SEMANA por Luís Rocha

revista semana

Revista da semana

De 27/12/2015 a 02/01/2016

Começou esta semana o ano de 2016. Novo governo em funções (não se sabe por quanto tempo); Vai haver novo Presidente da República (quem será…será…!); Novas regras sobre a garantia dos depósitos bancários (será que é desta que os Presidentes e responsáveis da gestão da Banca (eleitos em Assembleia geral pelos accionistas “maioritários”), passam a ser responsabilizados e julgados pelos actos de “má gestão” que praticam (presos com confiscação dos bens pessoais), ao usar e abusar dos “depositantes” que até pagam para ter lá o seu dinheiro.

Na minha opinião o ano de 2016 vai ter tudo menos de “NOVO”. Os portugueses, em relação ao poder político e económico,  terão de começar a assumir a imagem do “zé povinho” de Bordalo Pinheiro

No final do ano de 2015 toda a política nacional foi comandada do exterior e daí a correria na privatização da TAP, das soluções para a situação de parte da Banca (Banif e Novo Banco/BES). Por esta razão inicio a revista desta semana com um artigo sobre o que ainda ficou por privatizar!

ARTIGOS PUBLICADOS

1 – Privatizações, um ciclo que terminou

2 – Novo Banco

3 – O que muda para os depositantes com as novas regras de resgate dos bancos?

4 – António Costa: Orçamento vai reverter o empobrecimento

5 – A anunciada saída de Paulo Portas da presidência do CDS

6 – De privado para privado: Os grandes negócios do ano

7 – Espanha, França e Alemanha lideram em Portugal o valor acrescentado de filiais estrangeiras

8 – O que aí vem (e mexe diretamente com a nossa vida)

9 – Preços de rendas, luz, pão. O que vai subir em 2016

10 – Política Internacional

11 – Acordo Ortográfico

12 – Morreu a cantora Natalie Cole

1 – Privatizações, um ciclo que terminou – Clara Teixeira/Visão sapo (30/12/2015)

Nem privatizar, nem concessionar – é a promessa feita pelo novo Governo no final de um ano marcado por grandes negócios, tanto públicos como privados

Pouco resta ao Estado para vender e o que resta não irá ser vendido em 2016. Com alguma arte, uma pitada de sorte e uma “ajudinha” do erário público, até pode ser que o Governo recupere parte do que o anterior entregou a privados nas últimas semanas.[…]

O que sobrou

Em relação aos planos iniciais do anterior governo, inscritos no Orçamento do Estado para 2015, ficaram adiadas a privatização da EMEF (sem candidatos) e da Carristur. Nas concessões, foi abandonada a intenção de entregar a privados as docas de Pedrouços e do Bom Sucesso, a Silopor e as atividades turísticas da Companhia das Lezírias. O resto foi concluído, embora em contra relógio.

Ler todo o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/economia/2015-12-30-Privatizacoes-um-ciclo-que-terminou

2 – Novo Banco: Desta vez, os grandes é que pagam – Clara Teixeira/Visão sapo (30/12/2015)

Imagem de Luís Barra. Em vez de reforçar (de novo) o capital, o Banco de Portugal decidiu aliviar o Novo Banco de cerca de dois mil milhões de euros de obrigações séniores que regressam ao BES “mau”. Os grandes investidores estão contra, os pequenos estão a favor[…]

Dizem os manuais que a diferença fundamental entre dívida sénior e dívida subordinada é o maior ou o menor risco de perder o investimento: em caso de falência, por exemplo, os crédores séniores têm o direito de serem ressarcidos antes de outros credores, incluindo os que detêm dívida subordinada.[…]

Investidores recorremNo campo oposto, a Associação de Investidores e Analistas Técnicos do Mercado de Capitais (ATM) admite o recurso aos tribunais. Também em declarações à Lusa, Octávio Viana, dirigente da ATM, explicou que a dimensão do problema “ultrapassa os investidores qualificados”. Em sua opinião, a medida “é manifestamente ilegal porque viola princípios muito importantes do tratamento igual dos detentores das mesmas categorias de valores mobiliários”.[…]

O Novo Banco, cujo processo de venda vai ser relançado em janeiro, informou entretanto a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários que está em condições de cumprir os requisitos de capital, depois da medida do Banco de Portugal. Aos colaboradores, a administração garantiu que os “depósitos do Novo Banco, independentemente do seu montante, não foram objeto desta medida”.[…]

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/economia/2015-12-30-Novo-Banco-Desta-vez-os-grandes-e-que-pagam

2.1 – Investidores do BES perdem mais €2 mil milhões – João Vieira Pereira e Isabel Vicente/Expresso sapo (29/12/2015)

Foto de Tiago Miranda – Banco de Portugal ordenou que cerca de €2 mil milhões em obrigações seniores passem do Novo Banco para o BES. Investidores institucionais podem perder tudo. Obrigacionistas de retalho estão salvaguardados

O Novo Banco precisava de €1,4 mil milhões em capital e alguém tinha de pagar a conta. O Banco de Portugal decidiu que essa seria suportada pelos detentores de dívida sénior, que até agora fazia parte do balanço do Novo Banco.[…]

De acordo com o que foi possível apurar pelo Expresso, esta medida permitirá colocar o rácio de capital do banco em quase 13%. Isto porque os ativos do banco não são alterados mas a dívida desce em quase €2 mil milhões. A medida irá também permitir aumentar consideravelmente o preço de venda do Novo Banco.[…]

Ler o artigo em: http://expresso.sapo.pt/economia/2015-12-29-Investidores-do-BES-perdem-mais-2-mil-milhoes

2.2 Quem são os 30 maiores perdedores do Novo Banco – Texto: Isabel Vicente e Elisabete Tavares/Expresso (30/12/2015)

TOP 30 DE INVESTIDORES LESADOS (imagem extraída do artigo publicado pelo Expresso)

INVESTIDORES LESADOS BES

3 – O que muda para os depositantes com as novas regras de resgate dos bancos?

Pedro Crisóstomo e Rosa Soares/Publico (01/01/2016) – A partir de 1 de Janeiro, os depositantes acima de 100 mil euros podem ser chamados a assumir perdas quando um banco for resgatado. O que está em jogo com as novas regras europeias? Quinze respostas sobre o mecanismo único de resolução.

O novo ano vai trazer ao sector bancário na Europa mudanças na forma como os governos e as autoridades de supervisão terão de lidar com a resposta às situações de risco de colapso dos bancos. A partir de 1 de Janeiro, sexta-feira, entram em pleno funcionamento as regras do Mecanismo Único de Resolução (MUR).

Quando uma instituição à beira da insolvência não conseguir recapitalizar-se no mercado pelos seus próprios meios e estiver à beira de um resgate, o apoio público tem de ser acompanhado por um resgate interno, ou seja, um processo de recapitalização interna. O bail-in, como é conhecido, pressupõe que os accionistas e os credores do banco sejam chamados a esse esforço de recapitalização. Uma mudança relevante é que os depositantes acima dos 100 mil euros ficam sujeitos a assumir perdas.[…]

Dos vários artigos que li sobre o assunto, este parece-me o mais entendível para a maioria dos portugueses. Recomendo por isso a leitura de todo o artigo em: http://www.publico.pt/n1718833

4 – António Costa: Orçamento vai reverter o empobrecimento –  Miguel Marujo/DN (02/01/2016)

Andre Kosters/Lusa – Exclusivo. Com pouco mais de um mês em funções, o primeiro-ministro presta as primeiras contas e aponta a 2016.

O primeiro-ministro aponta o Orçamento do Estado para este ano como o instrumento para “reverter o empobrecimento, cumprir a Constituição da República Portuguesa e garantir finanças públicas equilibradas”. Num texto de opinião com que assinala o início do ano de 2016 e os “primeiros 20 dias de governação”, António Costa regista os “primeiros passos” dados pelo governo para concretizar “o compromisso eleitoral da viragem da página da austeridade na realidade do quotidiano dos portugueses”.[…]

Os escolhos que possam vir da Europa merecem apenas breves palavras, para referir que é necessário “um novo impulso para a convergência”. A rematar o texto, Costa recupera uma canção de Sérgio Godinho, Liberdade, de 1974, com os versos “a sede de uma espera só se estanca na torrente”, para defender que depois de “brutais anos de austeridade” é precisa “inteligência” para gerir a “torrente”. É esta canção que nos diz que “esperar tantos anos torna tudo mais urgente”: “Só há liberdade a sério quando houver/A paz, o pão/habitação/saúde, educação./Só há liberdade a sério quando houver/Liberdade de mudar e decidir.” Resta saber o que dirá a Europa.

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/portugal/interior/antonio-costa-orcamento-vai-reverter-o-empobrecimento-4961132.html

5 – A anunciada saída de Paulo Portas da presidência do CDS

A nova composição governamental a “expectativa” de eleições antecipadas e o melhor aproveitamento e posicionamento para o futuro, são estratégias de um jogo político em que Paulo Portas é “mestre”. Daí a escolha (entre várias notícias publicadas) do artigo de opinião que se segue

O rei da manobra no seu melhor  – João Garcia/Visão Sapo (29/12/2015)

Portas sai, não penalizando-se por ter contribuído para afastar o CDS/PP do poder, mas dizendo-se cansado, assumindo o papel de vítima, esgotado por 16 anos de liderança. Não foi derrotado, ele é que quer mudar de vida

Paulo Portas fez bem? Ou fez mal? É bom para ele? E para o CDS/PP e para o país?[…]

Portas fez, há dias, 53 anos. Não vai ser advogado o resto da vida. Nem jornalista. Com este Governo dificilmente (ou talvez não…) será nomeado para um posto diplomático. Mais prognósticos, só lá mais para frente. Apenas um: a política vai ser diferente. Esperemos que mais fiável.

Ler todo o artigo em: http://visao.sapo.pt/opiniao/joao-garcia/2015-12-29-O-rei-da-manobra-no-seu-melhor

6 – De privado para privado: Os grandes negócios do ano – Clara Teixeira/Visão sapo (30/12/2015)

Gonçalo Rosa da Silva – Nem só de privatizações e concessões se fizeram as manchetes dos jornais em 2015. Os privados deram uma ajuda

O ano começou em grande: Em janeiro, a PT ficou francesa – depois de ter sido rejeitada pela “noiva” brasileira -, embora a venda à Altice, por cerca de 7 mil milhões de euros, só tenha sido assinada meses depois, em junho. O carnaval trouxe a OPA do acionista espanhol Caixabank sobre o BPI, a qual não agradou a Isabel dos Santos (também acionista com 20% do banco) que inviabilizou a operação. Os meses seguintes ficaram marcados pela venda de alguns ativos do antigo GES a estrangeiros.[…]

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/economia/2015-12-30-De-privado-para-privado-Os-grandes-negocios-do-ano

7 – Espanha, França e Alemanha lideram em Portugal o valor acrescentado de filiais estrangeiras – 29 Dez 2015 Lusa

Existiam em Portugal 5.521 filiais de empresas estrangeiras, em 2014, segundo o INE.

Quase 75% do valor acrescentado bruto (VAB) gerado por filiais estrangeiras em Portugal em 2014 teve origem em sociedades controladas por entidades da União Europeia (UE), com destaque para os líderes Espanha, França e Alemanha, divulgou esta terça-feira o INE.

De acordo com as Estatísticas da Globalização 2010-2014 do Instituto Nacional de Estatística (INE), estes três países foram responsáveis por quase 50% do VAB gerado pelo total de filiais estrangeiras em Portugal e “mantiveram-se entre 2010 e 2014”, apenas com algumas variações de posição no ‘ranking’.[…]

Ler o artigo em: http://economico.sapo.pt/noticias/espanha-franca-e-alemanha-lideram-em-portugal-o-valor-acrescentado-de-filiais-estrangeiras_238533.html

8 – O que aí vem (e mexe diretamente com a nossa vida) – Clara Teixeira e Luís Ribeiro/Visão sapo (02/01/2016)

Reuters – Os feriados que recuperamos, o início do fim do roaming, a carta de condução por pontos: conheça as pequenas grandes mudanças nas nossas vidas

1 de janeiro – NOVA LEI DO TABACO; 8 de janeiro (debate no Parlamento); REGRESSAM OS FERIADOS ?

1 de fevereiro – ADEUS NIB, OLÁ IBAN; 15 de fevereiro – VALIDAR FATURAS DO IRS; 15 de março – NOVOS PRAZOS NO IRS

1 de maio – ROAMING EM VIAS DE EXTINÇÃO; 1 de junho – CHEGA A CARTA POR PONTOS

Ainda antes do verão, entra em vigor o novo sistema de penalizações de trânsito.

Cada condutor passará a ter 12 pontos, que poderão ser acrescentados ou reduzidos consoante o comportamento na estrada. As contraordenações graves implicam a perda de dois pontos e as muito graves, três ou quatro.

Aos oito pontos, impõe-se uma ação de formação, cujos custos serão suportados pelo infrator. Quem chegar aos 10 pontos de falhas acumuladas fica obrigado a novo exame teórico. Caso chumbe, deixa de poder conduzir. Na mesma lógica, a condução com álcool será ainda mais penalizada: três pontos para as contraordenações graves e cinco para as muito graves. Mas será possível aos infratores fazerem uma “reabilitação” para evitar ficar sem a carta de condução. E também há novidades para os bem comportados: três anos sem infrações rendem três pontos, até um máximo de 15.

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/economia/2016-01-02-O-que-ai-vem–e-mexe-diretamente-com-a-nossa-vida–1

9 – Preços de rendas, luz, pão. O que vai subir em 2016 – Lusa (31/12/2015)

Leonardo Negrão/Global Imagens – Poucas tarifas ficam inalteradas no próximo ano. Saiba o que vai mudar

Os portugueses podem contar, a partir de janeiro de 2016, com aumentos nos preços de eletricidade, pão, rendas ou telecomunicações, enquanto os preços do gás, do leite e dos transportes públicos deverão manter-se.

Fique a saber tudo lendo o artigo em: http://www.dn.pt/dinheiro/interior/precos-de-rendas-luz-pao-o-que-vai-subir-em-2016-4959794.html

10 – Política Internacional

10.1 – Para onde vais Europa? Artigo de opinião de Francisco Galope/Visão sapo (29/12/2015)

Na VISÃO desta semana, o embaixador Francisco Seixas da Costa escreve sobre a Europa. Reflete sobre as suas idiossincrasias, as pressões contraditórias que enfrenta, os ciclos políticos de 2016 e a agenda pesada, muito pesada. A propósito, destacamos aqui alguns dos desafios que o velho continete terá de enfrentar.

O ano Novo traz à União Europeia uma série de desafios que já não são propriamente novos. O principal será o risco de aprofundamento da desintegração. A inversão da marcha iniciada após a Segunda Guerra Mundial é mais do que evidente. O próximo ano será decisivo para saber se os sintomas vão (ou não) agravar-se. Aqui vai uma síntese.[…]

GRÉCIA MARCA A AGENDA […]; CONTESTAÇÃO A SUL[…]; SEPARATISMOS RENASCEM[…]; AVANÇO DO RADICALISMO DE DIREITA[…]; A INCÓGNITA TURCA

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/mundo/2015-12-29-Para-onde-vais-Europa-

10.2 – Putin aponta EUA e NATO como ameaças à estratégia de segurança russa – Maria João Burbon/Expresso sapo (02/01/2016)

Ria Novosti/Reuters – Os Estados Unidos (EUA) e a NATO são duas das grandes ameaças para a Rússia, expressas pela primeira vez na estratégia de segurança nacional russa. “Sobre a Estratégia de Segurança Nacional da Federação Russa” é o nome do documento (válido até 2020) e assinado na quinta-feira pelo Presidente Vladimir Putin no último dia do ano, que vem substituir o anterior (de 2009), aprovado pelo então Presidente e atual primeiro-ministro Dmitry Medvedev.

A expansão da NATO em direção às fronteiras russas constituem, na perspetiva do Kremlin, uma das grandes ameaças. “A construção do potencial militar da Organização do Tratado Atlântico Norte (NATO), com funções globais implementadas através de violações das normas de direito internacional, dinamização de atividades militares dos países-membros e a expansão da Aliança até às fronteiras russas criam uma ameaça para a segurança nacional”, pode ler-se no documento, citado pela agência russa Tass.[…]

Ler o artigo em: http://expresso.sapo.pt/internacional/2016-01-02-Putin-aponta-EUA-e-NATO-como-ameacas-a-estrategia-de-seguranca-russa

10.3 – José Eduardo dos Santos: O Rei Sol angolano – Texto de Nicolau Santos e ilustrações de Jeanne Waltz/Expresso sapo (02/01/2016)

O homem que domina a política angolana quase há 36 anos está a caminho de dar mais um golpe de mestre. Invocando as circunstâncias excecionais que o país enfrenta, como já o fez em várias outras ocasiões, prepara-se para ficar no palácio presidencial até 2022, quando tiver 80 anos. Nessa altura terá talvez a tentação de proceder a uma sucessão dinástica. Ou então, quem sabe, fazer uma nova alteração da Constituição, como tem ocorrido em vários países africanos, que lhe permita eternizar-se no poder até à morte[…]

Ler todo o artigo em: http://expresso.sapo.pt/internacional/2016-01-02-Jose-Eduardo-dos-Santos-O-Rei-Sol-angolano

10.4 – Acordo de comércio UE-Ucrânia intensifica guerra económica – Maria João Bourbon/Expresso sapo (01/01/2016)

Aleksey Filippov/AFP/Getty Images – Entra esta sexta-feira em vigor o acordo de comércio livre entre Kiev e Bruxelas, adiado cerca de um ano no contexto de crise ucraniana e pressões russas. A resposta da Rússia não se fez esperar: no mesmo dia, suspende o acordo de comércio com Kiev e impõe embargo aos produtos alimentares ucranianos. Uma reação que poderá custar €550 milhões à Ucrânia. “É outra parte da guerra contra nós”, diz Poroshenko

No primeiro dia de 2016, entrou em vigor o tão esperado acordo de comércio livre entre a União Europeia (UE) e a Ucrânia – esperado, porque a sua implementação foi adiada cerca de um ano, na sequência da crise ucraniana e das crescentes preocupações e pressões russas em relação à escolha europeia da Ucrânia.[…]

Recorde-se que o Acordo de Associação entre Bruxelas e Kiev está na base do deteriorar das relações entre a Ucrânia e UE, por um lado, e a Rússia, por outro. No final de 2013, e após vários incentivos da Rússia, o Presidente Viktor Ianukovych rejeitou o Acordo de Associação em prol da Rússia, originando protestos na praça central de Kiev (Euromaidan). Estes levariam à sua queda e, indiretamente, às ações dos rebeldes pró-russos no Leste da Ucrânia e anexação russa da Crimeia.

Ler o artigo em: http://expresso.sapo.pt/internacional/2016-01-01-Acordo-de-comercio-UE-Ucrania-intensifica-guerra-economica

10.5 – Síria. Morreram mais de 55 mil pessoas em 2015 – Lusa/Expresso sapo (31/12/2015)

Entre as vítimas provocadas pelo conflito no país estão mais de 2500 crianças, revelam os números do Observatório Sírio dos Direitos Humanos

Mais de 55 mil pessoas morreram na Síria, em 2015, das quais mais de 2.500 crianças, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos sobre um país que há cinco anos é palco de um conflito sangrento.

A organização não-governamental sediada na Grã-Bretanha avançou que desde o início do conflito, em março de 2011, mais de 260 mil pessoas morreram.[…]

Ler o artigo em: http://expresso.sapo.pt/internacional/2015-12-31-Siria.-Morreram-mais-de-55-mil-pessoas-em-2015

11- Acordo ortográfico

11.1 – Entra em vigor no Brasil e já é obrigatório para 215 milhões – DN/Lusa (01/01/2016)

Global Imagens – O Acordo Ortográfico entra hoje em vigor no Brasil

A aplicação do Acordo Ortográfico, a partir de hoje, no Brasil eleva para 215 milhões os falantes de Português a usar a nova grafia, mas a norma está em diferentes estágios de implementação nos vários países que a ela aderiram.

O Brasil, que assinou o acordo em Lisboa a 16 de dezembro de 1990 e o ratificou a 18 de abril de 1995, terminou, no último dia de 2015, o período de transição, tornando a norma obrigatória a partir de hoje.

Dos 215 milhões, a grande fatia cabe ao Brasil, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística estima ter 204.450.649 habitantes, seguindo-se os 10,3 milhões de portugueses, em números redondos facultados em julho passado pelo Eurostat, e os 512.096 cabo-verdianos, segundo um levantamento efetuado em 2013 pelo Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde.[…]

Ler todo o artigo em: http://www.dn.pt/sociedade/interior/entra-em-vigor-no-brasil-e-ja-e-obrigatorio-para-215-milhoes-4960523.html

11.2 – Angola não autorizou Acordo Ortográfico “a nenhum nível governamental” – Agência Lusa/Observador (1/1/2016)

O Acordo Ortográfico não foi “autorizado a nenhum nível governamental” em Angola. Para o país, “o Acordo tem lacunas e é necessário retificá-las antes da implementação”.

Rosa Cruz e Silva, ministra da Cultura de Angola, afirma que o país tem todo o interesse em ratificar o acordo ortográfico – Fayez Nureldine/AFP/Getty Images

O Acordo Ortográfico não foi “autorizado a nenhum nível governamental” em Angola, mas Marisa Guião de Mendonça, diretora-executiva do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), assinala que o país ” está muito cooperante na criação do Vocabulário Ortográfico Comum”.

Em entrevista à agência Lusa, Marisa Mendonça afirmou que “o Acordo não foi ainda autorizado a nenhum nível governamental pelo Estado angolano”, o que se deverá ao facto de “Angola estar a pedir uma retificação do Acordo”, ou seja, a inclusão de alterações.

Para Angola, “o Acordo tem lacunas e é necessário retificá-las antes da implementação”, sendo que as mesmas estão relacionadas com a incorporação, no vocabulário, “daquilo que são empréstimos das línguas nacionais”, isto é, termos que fazem parte de outras línguas faladas no território.[…]

Ler o artigo em: http://observador.pt/2016/01/01/angola-nao-autorizou-acordo-ortografico-nenhum-nivel-governamental/

11.3 – Um mundo de línguas num país – Texto de Carolina Reis e Infografia de Sofia Miguel Rosa/Expresso sapo (02/01/2016)

Diz o provérbio popular que “é a falar que a gente se entende”, MAS nem sempre falamos o mesmo idioma. Resultado da história de um país, há mais línguas a coabitar com o português

A história de qualquer país faz-se de aparentes pequenos momentos cuja dimensão só mais tarde se percebe. As banais conversas do dia a dia são um desses detalhes. Basta olhar para o português, uma língua que há séculos partiu da Europa para se espalhar pelo mundo — o seu estudo permite perceber a afirmação do país como potência europeia e também o seu declínio. Do mesmo modo, quando dentro de séculos se ensinar a influência da comunidade latina nos EUA, essa lição terá de incluir os quase 60 milhões de americanos que em casa falam espanhol.

Na etapa mais recente da cronologia histórica da miscigenação do povo português é preciso olhar para os que todos os dias cruzam os seus idiomas maternos, como crioulos e línguas eslavas, com o português, transformando o país num enorme mosaico linguístico. “Em Portugal, além do português, fala-se essencialmente crioulo de Cabo Verde, da Guiné-Bissau, de São Tomé, línguas eslavas, fruto da imigração dos países de Leste, chinês e urdu [do Paquistão]”, diz o linguista João Veloso, presidente da Associação Portuguesa de Linguística. Através de cada língua é possível encontrar um fluxo de imigração. E o português é o elo que as une.[…]

Ler o artigo em: http://expresso.sapo.pt/sociedade/2016-01-02-Um-mundo-de-linguas-num-pais

12 – Morreu a cantora Natalie Cole – DN (01/01/2016)

Natalie Cole em março de 2015  |  Reuters/Lucas Jackson – Filha de Nat “King” Cole e vencedora de prémios Grammy, morreu aos 65 anos esta quinta-feira à noite, vítima de insuficiência cardíaca[…]

Natalie Cole venceu nove prémios Grammy e vendeu mais de 30 milhões de discos em todo o mundo. O álbum O seu álbum Unforgettable… With Love vendeu cerca de 14 milhões de cópias, é composto por versões de alguns dos temas mais icónicos do seu pai, o “rei” do jazz, Nat King Cole. Unforgettable, que lhe dá título, é um dueto virtual em que Natalie canta com a voz gravada do pai, que morreu de cancro do pulmão em 1965.

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/artes/interior/morreu-natalie-cole-4960742.html

Natalie Cole LIVE – Unforgettable

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: