Posts Tagged: impostos

A crítica demolidora de Michael Pettis à teoria e à política económica neoliberal – 17. Será que a redução de impostos a favor dos ricos conduz a uma maior taxa de crescimento? Por Michael Pettis

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 17. Será que a redução de impostos a favor dos ricos conduz a uma maior taxa de crescimento?  Por Michael Pettis Publicado por  em 26 de junho de 2017   As políticas que

A crítica demolidora de Michael Pettis à teoria e à política económica neoliberal – 17. Será que a redução de impostos a favor dos ricos conduz a uma maior taxa de crescimento? Por Michael Pettis

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 17. Será que a redução de impostos a favor dos ricos conduz a uma maior taxa de crescimento?  Por Michael Pettis Publicado por  em 26 de junho de 2017   As políticas que

A crítica demolidora de Michael Pettis à teoria e à política económica neoliberal – 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (3ª parte-conclusão). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (3ª parte-conclusão) A contribuição de Wolfgang Stützel para uma economia racional  por Heiner Flassbeck Este texto, cuja preparação é de autoria de Júlio Marques

A crítica demolidora de Michael Pettis à teoria e à política económica neoliberal – 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (3ª parte-conclusão). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (3ª parte-conclusão) A contribuição de Wolfgang Stützel para uma economia racional  por Heiner Flassbeck Este texto, cuja preparação é de autoria de Júlio Marques

A crítica demolidora de Michael Pettis à teoria e à política económica neoliberal – 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (2ª parte). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (2ª parte) A contribuição de Wolfgang Stützel para uma economia racional  por Heiner Flassbeck Este texto, cuja preparação é de autoria de Júlio Marques

A crítica demolidora de Michael Pettis à teoria e à política económica neoliberal – 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (2ª parte). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (2ª parte) A contribuição de Wolfgang Stützel para uma economia racional  por Heiner Flassbeck Este texto, cuja preparação é de autoria de Júlio Marques

A crítica demolidora de Michael Pettis à teoria e à política económica neoliberal – 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (1ª parte). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (1ª parte) A contribuição de Wolfgang Stützel para uma economia racional  por Heiner Flassbeck Este texto, cuja preparação é de autoria de Júlio Marques

A crítica demolidora de Michael Pettis à teoria e à política económica neoliberal – 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (1ª parte). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 14. Paradoxos em macroeconomia e a moderna economia política (1ª parte) A contribuição de Wolfgang Stützel para uma economia racional  por Heiner Flassbeck Este texto, cuja preparação é de autoria de Júlio Marques

ENTRE 2011 E 2015 (PSD/CDS) OS IMPOSTOS AUMENTARAM 4.474 MILHÕES € E A RIQUEZA CRIADA NO PAÍS (PIB) AUMENTOU 3.643 MILHÕES €, ENTRE 2015 E 2017 (PS) OS IMPOSTOS AUMENTARAM 3.304 MILHÕES € MAS O PIB CRESCEU 13.240 MILHÕES € – por EUGÉNIO ROSA

  ENTRE 2011 E 2015 (PSD/CDS) OS IMPOSTOS AUMENTARAM 4.474 MILHÕES € E A RIQUEZA CRIADA NO PAÍS (PIB) AUMENTOU 3.643 MILHÕES €, ENTRE 2015 E 2017 (PS) OS IMPOSTOS AUMENTARAM 3.304 MILHÕES € MAS O PIB CRESCEU 13.240 MILHÕES

ENTRE 2011 E 2015 (PSD/CDS) OS IMPOSTOS AUMENTARAM 4.474 MILHÕES € E A RIQUEZA CRIADA NO PAÍS (PIB) AUMENTOU 3.643 MILHÕES €, ENTRE 2015 E 2017 (PS) OS IMPOSTOS AUMENTARAM 3.304 MILHÕES € MAS O PIB CRESCEU 13.240 MILHÕES € – por EUGÉNIO ROSA

  ENTRE 2011 E 2015 (PSD/CDS) OS IMPOSTOS AUMENTARAM 4.474 MILHÕES € E A RIQUEZA CRIADA NO PAÍS (PIB) AUMENTOU 3.643 MILHÕES €, ENTRE 2015 E 2017 (PS) OS IMPOSTOS AUMENTARAM 3.304 MILHÕES € MAS O PIB CRESCEU 13.240 MILHÕES

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte II – Introdução (2ª parte-conclusão), por Júlio Marques Mota

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Parte II – Introdução. Um texto que poderia ser uma carta a enviar ao ministro Manuel Heitor sobre o ensino superior em Portugal. (2ª parte-conclusão) Por Júlio

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte II – Introdução (2ª parte-conclusão), por Júlio Marques Mota

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Parte II – Introdução. Um texto que poderia ser uma carta a enviar ao ministro Manuel Heitor sobre o ensino superior em Portugal. (2ª parte-conclusão) Por Júlio

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte II – Introdução (1ª parte), por Júlio Marques Mota

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Parte II – Introdução. Um texto que poderia ser uma carta a enviar ao ministro Manuel Heitor sobre o ensino superior em Portugal. (1ª parte) Por Júlio

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte II – Introdução (1ª parte), por Júlio Marques Mota

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Parte II – Introdução. Um texto que poderia ser uma carta a enviar ao ministro Manuel Heitor sobre o ensino superior em Portugal. (1ª parte) Por Júlio

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 12. A Alemanha irá ela apanhar a doença fiscal de Trump? Por Marcel Fratzscher

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 12. A Alemanha irá ela apanhar a doença fiscal de Trump? Por Marcel Fratzscher, 26 de janeiro

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 12. A Alemanha irá ela apanhar a doença fiscal de Trump? Por Marcel Fratzscher

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 12. A Alemanha irá ela apanhar a doença fiscal de Trump? Por Marcel Fratzscher, 26 de janeiro

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 11. O que significa realmente a redução de impostos de Trump para a economia dos EUA. Por James K. Galbraith

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 11. O que significa realmente a redução de impostos de Trump para a economia dos EUA  por James

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 11. O que significa realmente a redução de impostos de Trump para a economia dos EUA. Por James K. Galbraith

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 11. O que significa realmente a redução de impostos de Trump para a economia dos EUA  por James

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 10. Os receios sobre o peso da dívida retiram o brilho à reforma tributária. Por Sam Fleming

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 10. Os receios sobre o peso da dívida retiram o brilho à reforma tributária    Por Sam

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 10. Os receios sobre o peso da dívida retiram o brilho à reforma tributária. Por Sam Fleming

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 10. Os receios sobre o peso da dívida retiram o brilho à reforma tributária    Por Sam

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 9. Um sinal de alarme: como é que uma medida fiscal pode piorar a próxima recessão. Por Nick Timiraos e Kate Davidson

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 9. Um sinal de alarme: como é que uma medida fiscal pode piorar a próxima recessão Por

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 9. Um sinal de alarme: como é que uma medida fiscal pode piorar a próxima recessão. Por Nick Timiraos e Kate Davidson

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 9. Um sinal de alarme: como é que uma medida fiscal pode piorar a próxima recessão Por

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 8. Como é que os cortes de impostos vão desencadear uma recessão. Por Patrick Watson

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 8. Como é que os cortes de impostos vão desencadear uma recessão Por Patrick Watson  Publicado por

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 8. Como é que os cortes de impostos vão desencadear uma recessão. Por Patrick Watson

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 8. Como é que os cortes de impostos vão desencadear uma recessão Por Patrick Watson  Publicado por

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 7. Como é que os défices crescentes, os enormes buracos na lei e os pequenos ganhos familiares são uma praga para a reforma fiscal (3ª parte-conclusão). Por Kent Smetters

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 7. Como é que os défices crescentes, os enormes buracos na lei e os pequenos ganhos familiares

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 7. Como é que os défices crescentes, os enormes buracos na lei e os pequenos ganhos familiares são uma praga para a reforma fiscal (3ª parte-conclusão). Por Kent Smetters

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 7. Como é que os défices crescentes, os enormes buracos na lei e os pequenos ganhos familiares

CARTA DE BRAGA – “NOVOS ESCRIBAS?” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

    Em 2017 foram entregues 150 mil declarações em papel. Este ano já não será possível. E a tecnologia para entregar pela Internet mudou. Foram apenas 2,8% do total, mas, em valor absoluto, o número de declarações de IRS

CARTA DE BRAGA – “NOVOS ESCRIBAS?” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

    Em 2017 foram entregues 150 mil declarações em papel. Este ano já não será possível. E a tecnologia para entregar pela Internet mudou. Foram apenas 2,8% do total, mas, em valor absoluto, o número de declarações de IRS

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 7. Como é que os défices crescentes, os enormes buracos na lei e os pequenos ganhos familiares são uma praga para a reforma fiscal (2ª parte). Por Kent Smetters

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 7. Como é que os défices crescentes, os enormes buracos na lei e os pequenos ganhos familiares

Trickle-down, trickle-up, eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte I – 7. Como é que os défices crescentes, os enormes buracos na lei e os pequenos ganhos familiares são uma praga para a reforma fiscal (2ª parte). Por Kent Smetters

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte I – 7. Como é que os défices crescentes, os enormes buracos na lei e os pequenos ganhos familiares