O MAPA (A saga do anadel/44) – O debuxante de mapas -por Carlos Loures

Estabeleceu, à falta de melhor, conversa com o desenhador de cartas. Num ambiente hostil como aquele, uma amizade, por mais precária que fosse, tornava-se numa jóia preciosa. Em todo o caso, quando o andaluz se calou, ficando à espera de que o português lhe contasse a sua história, foi parco de explicações, dizendo que, sendo um simples trabalhador do porto de rio, fora preso devido a uma rixa numa taverna e levado directamente da prisão para bordo. Julián comentara que era um consabido negócio de meirinhos esse, o de venderem presos aos comandantes de navios. Que isso não ocorria apenas em Lisboa. As prisões eram, em todos os portos, uma fonte de braços robustos para os navios que a eles aportassem. Assentiu a este comentário que credibilizava a sua história, mas olhando a pouca corpulência do andaluz, pensou que, para o terem escolhido, em Sevilha as prisões deviam estar naquela cidade muito mal providas de gente robusta. Eram cerca de seis da manhã. O sol de Verão ia subindo no céu, tingindo de vermelho o Ocidente. Vendo que o português não acabava de comer o biscoito e que o segurava olhando a paisagem, Julián avisou-o:

– Só ao meio-dia receberemos comida. Come o teu biscoito ou guarda bem o que te ficar, senão os outros vão roubar-to mal te distraias. Aqui não há piedade. Cada um procura sobreviver. Com essa tarefa já temos preocupação que baste.

No início do século XV, Veneza empreendeu a conquista de novos territórios em «Terra Firme», consolidando o domínio ao longo das rotas terrestres através dos Alpes e das comunicações fluviais com a Lombardia, rotas importantes para o seu trânsito mercantil. Utilizando exércitos na sua maior parte formados por mercenários, foi anexando a marca de Treviso, em 1339, o Paduano, em 1405, e, após três guerras contra Milão, Brescia e Bérgamo, entre os anos de 1426 e de 1429, Crema, em 1454, e, finalmente, Cremona, em 1499. Quando começou o novo século, a República possuía em redor das suas doze ilhotas iniciais, territórios como os de Izonzo, e do Adriático ao Adda e dos Alpes ao Pó. A inicial confederação de cidades da laguna, constituída com fins defensivos, convertera-se agora numa forte potência continental. Quando os Turcos conquistaram Constantinopla, em 1453, Veneza, que não se prendia com escrúpulos de natureza religiosa ou de fidelidade ao Ocidente cristão, negociou com o Império Otomano, embora não tenha podido evitar, entre 1464 e 1479, uma guerra contra os Turcos que lhe custou a perda de Eubeia e de diversas praças do Peloponeso. Conservou, no entanto, os seus privilégios comerciais a troco de um avultado tributo pago à Sublime Porta. Pôde também, mercê da sua capacidade diplomática, instalar-se, a partir de 1489, em Chipre.

Veneza conhecera já dias melhores e um dos factores para o seu declínio eram os descobrimentos portugueses e castelhanos, sobretudo os nossos, abrindo rotas alternativas às do Mediterrâneo. As relações entre Portugal e Veneza, que quase não existiam até ao início das navegações, foram marcadas quase sempre por um clima de conflitualidade. A abertura da rota do Cabo não podia deixar de afectar o monopólio que Veneza detivera até então sobre o tráfico de especiarias e de outros produtos vindos do Oriente. Até então, dominara esse comércio, revendendo as mercadorias nos principais portos europeus. A possibilidade de transportar os produtos da Índia por mar, poupando os demorados e acidentados trajectos das caravanas, bem como onerosos e múltiplos tributos alfandegários, permitindo que as mercadorias chegassem aos destinos a preços mais competitivos, não podia deixar de originar uma grave crise entre Veneza e Portugal.

Veneza, porém, nunca descurava a vertente diplomática. Ao mesmo tempo que espiava e por vezes preparava expedições militares, nunca deixava de negociar acordos e tratados. Em 1392, quando reinava o Mestre de Avis e governava Veneza o doge Antonio Venier, fora assinado pacto de colaboração comercial entre os dois estados. Ambas as partes beneficiavam com este acordo: os navios venezianos podiam aportar a Lisboa sem pagar a dízima, ou seja, a décima parte do valor das mercadorias transportadas, a menos que essas mercadorias se destinassem a ser vendidas em território português, cláusula que constituía grande privilégio para os comerciantes da República. Portugal beneficiava da experiência de Veneza nas artes de viajar e de mercadejar. Pilotos, astrónomos, debuxantes, geógrafos, artífices, comerciantes de Veneza, passaram a circular com frequência em Lisboa, beneficiando quase todos de bom acolhimento e alguns de protecção por parte da Corte. Foi o caso de Alvise Ca’da Mosto que, em 1456, em nome da Coroa de Portugal, atingiu a foz do rio Geba, na Guiné.

Vieram navegadores e debuxantes venezianos – à mistura com maiorquinos, catalães, castelhanos, genoveses. Em Veneza, a arte de desenhar cartas foi acompanhando o avanço das navegações, narrando em planisférios, mapas e cartas portulanas o descobrimento de novas terras. As relações entre os dois estados nem eram más. O pior estava para vir, pois as navegações iam tornando inúteis as rotas terrestres usadas pelas caravanas, mudando as regras de um jogo que parecia eterno. Sob a capa diplomática, as coisas foram azedando. Entraram então em cena os espias. Na pelagem do nosso cão, as pulgas iam sempre aumentando.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: