HAARP: A NOVA ARMA ABSOLUTA DOS ESTADOS UNIDOS – HAARP (HIGH ATMOSPHERE AURORAL RECHEARCH PROGRAM), o que é? – JOURNAL D’UN TERRIEN, de SERGE BOISSE.

planete

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

HAARP: a nova arma absoluta dos Estados Unidos

Haarp (High Atmosphere Auroral Rechearch Program), é o quê?


haarp-i

Os militares americanos são mestres na arte de camuflar as suas operações secretas a pretexto de investigações pacíficas. Assim, HAARP significa “High Atmosphere Auroral Rechearch Program” (“programa de investigação sobre as auroras boreais em elevada atmosfera”), um nome calculado para não meter medo à ninguém, com um orçamento aparentemente não demasiado elevado (30 milhões de dólares por ano, oficialmente).

haarp-ii

Na realidade, desde há mais de quinze anos, desenrola-se sob esta cobertura um projeto gigantesco de construção de uma nova arma aterrorizadora. A primeira realização é uma estação situada em Gakona no Alasca, estação cuja potência duplica regularmente à medida que novas instalações são construídas. (960 kw em 2003, 3,6 megawatt em 2006, 20 megawatt em 2008). Outras estações estão em construção. Mas tudo isto constitui apenas a parte emersa do iceberg. A ilha americana de Diego Garcia, a sudoeste da Índia, seria outro elo da rede HAARP. Há ainda um outro em Pine Gap, na Austrália.

O objectivo real de HAARP é simples: poder atingir e bombardear à vontade qualquer ponto da terra e do espaço próximo com um feixe de energia directivo ultrapotente… sem estar a utilizar nenhum satélite! Mas com efeito Haarp tem evoluído tão bem que um grande número de novos objectivos aparecem agora como possíveis e estão em curso de desenvolvimento/testes:

-Destruir em voo os mísseis, foguetões, aviões e satélites,

– Colocar fora de serviço instalações eléctricas civis e militares

– comunicar com submarinos mesmo à grande profundidade

– provocar incêndios em instalações industriais

– impedir sempre que se queira as comunicações rádios sobre uma dada zona

– varrer e recolher imagens do solo e dos oceanos a grande profundidade

– manipular à distância o espírito das pessoas e o comportamento das multidões (se, se!) realizar um escudo antimíssil para os EUA atacar alvos ao solo

– Realizar um escudo antimíssil para os EUA

– atacar alvos no solo

-e mesmo… controlar o clima e criar uma arma climática

Estes objetivos certamente não são confessados pelos americanos, porque são contrários à convenção ENMOD de 1977 que proíbe as modificações da biosfera para fins hostis. Notemos contudo que as Nações Unidas, sob a instigação dos americanos, recentemente excluíram da sua ordem do dia as mudanças climáticas que resultam dos programas militares. Contudo, os EUA não puderam impedir que algumas informações escapassem, e isto começou a alarmar as autoridades de certos países. Em Fevereiro de 1998, o Comité dos negócios estrangeiros, da segurança e da política de defesa do Parlamento europeu teve uma audiência pública em Bruxelas a respeito de HAARP. Este Comité apresentou ao Parlamento europeu em 1999 uma moção que estipula que “HAARP… em virtude do seu impacto que se estende até às questões climáticas, constitui uma preocupação mundial… [o Comité] pede que as suas implicações legais, ecológicas e éticas sejam avaliadas por um organismo internacional independente… [o Comité] lamenta a recusa reiterada dos Estados Unidos de apresentar provas na audiência pública relativas aos riscos para o ambiente e para o público do programa HAARP”. Este pedido foi rejeitado sob o pretexto que a Comissão Europeia não dispunha do órgão jurisdicional necessário que lhe permita intrometer-se nas relações entre o ambiente e a defesa. A verdade, é que Bruxelas não desejava entrar em conflito aberto com Washington… Retenham uma coisa: Haarp, é assunto sério.

A Duma, o Parlamento Russo, também se preocupou com o HAARP: em 2002 os seus membros exprimiram a sua viva apreensão evocando “um salto qualitativo considerável em matéria de armamento”. O relator indicou três sítios previstos para HAARP: Alasca, Gronelândia e Noruega. Um apelo assinado por 90 deputados da Duma foi transmitido à O.N.U bem como ao Parlamento e aos líderes dos países aderentes à O.N.U.

Como é que isto funciona?

haarp-iii

HAARP utiliza as propriedades da ionosfera, uma camada atmosférica situada a cerca de 270 Km de altitude , que possui a propriedade de reflectir as ondas rádios. Os Radio‑amadores conhecem efectivamente a ionosfera, é ela que lhes permite estabelecer por exemplo das ligações rádios transatlânticas, sem satélite. A ionosfera é assim uma espécie de espelho rádio natural, que reenvia para o solo as ondas rádio (de certas frequências precisas) emitidas desde a terra. A ionosfera assim é chamada porque são íões ( átomos electrizados) que reflectem as ondas.

Simplesmente a ionosfera é caprichosa. As condições rádios e as frequências mudam de hora a hora, ou mesmo de minuto em minuto, e são sujeitas às variações da actividade solar. É de resto na ionosfera que se produzem as auroras boreais, ou auroras polares.

haarp-iv
(le dessin ci-dessus est dû à Jean-Pierre Petit, qui a par ailleurs sur son site une excellente page sur Haarp)
(o desenho acima deve-se à Jean-Pierre Petit, que tem além disso sobre o seu sítio uma excelente página sobre Haarp)

Daí a ideia: e se se pudesse, com um emissor HF de forte potência, controlar a ionosfera, pelo menos sobre uma pequena porção (cerca de centena de quilómetros quadrados), e transformá-la num espelho perfeito, e mesmo num espelho parabólico perfeito, será que se poderia aproveitar este controlo sobre a ionosfera para enviar um segundo feixe de ondas, bem mais potente, que se reflectiria sobre este espelho para atingir qualquer alvo designado com uma precisão de metros?

Dito assim, isto até parece simples, mas os detalhes técnicos são muito complicados. Os americanos, contudo, parecem ter conseguido . A estação de Gakona (no Alasca), apesar da sua gigantesca potência HF emitida, serve apenas para iniciar na ionosfera as condições rádios de modo que outras estações, bem mais potentes (!) (fala-se aqui gigawatts emitidos por rádio) e emitindo noutras gamas de frequência (VLF e ELF), possam utilizar o espelho assim criado para atingir instantaneamente um alvo no solo, em voo ou no espaço, por toda a parte no mundo, e com uma potência tal que o alvo é imediatamente vaporizado. Haarp tem isto de “maravilhoso”: o espelho ionosférico funciona nos dois sentidos e permite também criar um radar perfeito, por conseguinte de seguir o alvo ao mesmo tempo que o destrói. E como a ionosfera se desioniza muito rapidamente, nenhuma prova pode ser apresentada quanto ao autor do TIR. Nem visto nem conhecido! Mas se houvesse apenas isto….

Numerosos peritos em armamento e cientistas manifestaram já a sua viva apreensão face à HAARP, incluindo no Parlamento europeu. O físico alemão Zielinsky e o químico Richard William afirmam que as enormes potências postas em jogo são susceptíveis de influenciar a meteorologia de um país e provocar efeitos catastróficos. Gratan Healy, perito em energia, foi encarregado por deputados de reunir provas sobre esta arma que aterroriza.

A estação de Gakona

haarp-v

Esta estende-se por vários hectares em Gakona, uma pequena localidade ao Sul de Anchorage. É situada muito ao lado das imensas reservas de gás e petróleo da sociedade (ecrã) ARCO, que é… proprietária das patentes HAARP. A instalação está ligada a um dos mais potentes computadores do planeta, sobre o campus da universidade do Alasca, no edifício Butrovich. É protegida por uma rede de defesa antiaérea comparável à de Washington: baterias de míssil terra-ar disseminadas por toda a parte no Alasca com o único objetivo de proteger a estação de Gakona. A fotografia acima mostra apenas uma parte das instalações, “caviardée”, mas infelizmente não encontrei melhor que isto.

haarp-vi

HAARP dispõe (actualmente) de 48 enormes antenas de 20 metros de altura , ligadas cada uma a um emissor de 1 megawatt. O projecto a prazo prevê 360 antenas de 3 megawatt cada uma, ou seja 1 gigawatt! (E recordemos que isto é unicamente para criar “o espelho” que será utilizado por instalações secretas cuja potência é largamente superior… e cujo valor é desconhecido).

Os emissores HF são alimentados em energia por 6 turbinas que queimam 95 toneladas de diesel por dia. A instalação rejeita 7 toneladas de desperdícios por dia.

Em 2005, a sociedade BAE Systems Advanced Tecnologias Inc, com sede em Washington D.C viu-se atribuir um contrato firme de 35 milhões de dólares TTC no âmbito de contratos sem limitação de atribuição e de volume (N00014-02-D-0479) para construir transmissores de elevada frequência no quadro do projecto de investigação HAARP, de investigação de activação auroral por elevadas frequências, situado em Gakona, e operando graças a um sistema de antenas emissoras. O trabalho será efectuado em 72% em Dallas, no Texas, e em 28% em Washington e estava previsto que tudo estaria terminado em Junho de 2007. O Gabinete das Investigações Navais, Washington S.C é a estrutura encarregada de gerir este contrato. Certamente, é apenas um dos múltiplos contratos ligados a HAARP…

Para que serve isto?

No início, tratava-se simplesmente de fracas energias: utilizavam-se ondas HF emitidas desde Gakona para ionizar a ionosfera e criar um espelho sobre o qual se enviavam ondas ELF, utilizados para comunicar por exemplo com os submarinos: as ondas de muito dbaixas frequências, ou ELF, têm com efeito a propriedade de poder penetrar vários quilómetros sob terra ou sob o mar. Porém, estas ondas são muito pouco directivas, e é necessário antenas de vários quilómetros de comprimento (os submarinos nucleares arrastam consigo fio de antena deste comprimento). Com Haarp, a ionosfera permite por último focalizar os ELF e de enviar potências gigantescas (sabe-se fazer emissores extraordinariamente potentes nestas gamas de ondas) directamente para os submarinos. As aplicações são incríveis dado que se fala mesmo de recarregar baterias a distância…

Muito rapidamente, os militares americanos aperceberam-se que HAARP estava a evoluir muito bem e que outras aplicações eram possíveis: em primeiro lugar “um radar ELF” capaz de varrer o subsolo da terra inteira para investigação de bases secretas, e os mares à procura de submarinos (que também já não nada invisíveis para os americanos, que assim destroem uma boa parte da estratégia de dissuasão nuclear, pelo menos francesa).

Por último HAARP permite criar uma arma EMP, uma arma de impulso eletromagnético… sem estar a fazer explodir uma bomba atómica no espaço. As armas EMP destroem instantaneamente todas as comunicações e dispositivos electrónicos do inimigo. Uma arma EMP foi utilizada contra o Iraque em 1991 durante a guerra do Golfo , o que explica porque é que Saddam e a sua clique se rendeu tão rapidamente.

Mas “o jogo” não se fica por aqui: os americanos rapidamente compreenderam que podiam utilizar energias ainda mais intensas para destruir simplesmente alvos terrestres ou aéreos… E até mesmo controlar simplesmente a meteorologia?

Controlar o clima?
haarp-viiAcima: buraco nas nuvens provocado por HAARP?

.
Para um cientista como eu, isto parece uma tolice. As energias postas em prática na natureza estão com efeito sem comum medida com as energias humanas…. Mas é necessário reconhecer que quando se vê que HAARP é capaz de fazer com nuvens (ver acima)… Pomo-nos a ter dúvidas. E se os americanos tivessem realmente a capacidade de criar/influenciar furacões e tornados?

Mas atenção, há muitos fenómenos “divertidos” e perfeitamente naturais na nossa atmosfera. Posso dar uma explicação à fotografia de esquerda: provavelmente ondas de temperatura provocadas pelo vento e pelo relevo.

É possível que esta história de controlo do clima esteja puro vento. Talvez se trate simplesmente de uma operação de desinformação, destinada a desviar a atenção dos verdadeiros objectivos de HAARP.

Esta operação desenrolar-se-ia em três tempos: 1) os americanos deixam filtrar a informação de que Haarp pode servir para manipular o clima, 2) os difusores de rumores e outros adeptos “da conspiração” agarram a informação. 3) os americanos ridiculizam-nos apelando à qualquer perito meteorologista que afirmará que para criar um tornado a energia necessária não se calcula nem em megawatt nem mesmo gigawatts, mas tetra watts (milhares de gigawats) ou mesmo mais . E é verdade!

MAS é possível também que agindo em certos lugares e nos momento chave, mesmo com uma energia limitada como a de Haarp, desencadeiam-se perigosos fenómenos meteorológicos. Então, o controlo o clima, é informação ou intoxicação? Não sei nada. O que é verdade, porém, é que HAARP existe e que os americanos se servem e e investem centenas de milhões de dólares anualmente.

Ainda mais forte: manipulação mental?

Um certo número de pessoas empenharam-se num verdadeiro jogo de detetive a fim de determinar o verdadeira objectivo de HAARP: Rosalie Bertelle, cientista e consultor para o Parlamento europeu, e Nick Begish, ecologista que com Jeanne Manning, jornalista independente, é o autor do livro “os anjos não tocam esta HAARP”, que teve grande êxito.

haarp-viiiSegundo eles, as armas EMP (e por maioria de razão, HAARP) têm um efeito psicológico perturbante sobre o ser humano. Poderia acontecer que HAARP, arma polivalente se assim for, possa também ser utilizados neste objectivo. Uma arma “psicotrónica ” que utiliza uma onda ELF (ultra baixa frequência) de forte potência, capaz de manipular mentalmente as populações como se quiser. As ondas ELF são com efeito, como o tinha descoberto a partir de 1952 o professor José Delgado da universidade de Yale, capazes de interferir com as frequências cerebrais e provocar a síntese de substâncias neuro químicas que alteram as emoções: medo, depressão, cólera… Isto poderia (?) explicar porque é que aquando da guerra do golfo, milhares de militares iraquianos se renderam sem combater.

E é um facto que as moléculas de ADN e de RNA, devido ao seu comprimento, são particularmente sensíveis às elevadas frequências moduladas em baixa frequência. É possível que doenças que afectam o sistema de orientação dos cetáceos, fazendo-os encalhar por manadas inteiras sobre as costas (o que nunca se tinha visto anteriormente) sejam causadas pelos ensaios HAARP para comunicarem com os submarinos.

E sabe-se desde há décadas que colocando a cabeça no eixo do guia da onda de um radar, do qual o portador é modulado em frequência, ouve-se claramente a modulação “na sua cabeça”, (o que não deve ser bom para a saúde; – ()

O texto seguinte é extraído de uma revista interna do Pentágono: “the revolution in military affairs – strategic studies institute, US army War college”, e bem nos faz estremecer:

“Os nossos valores alteram-se e a tecnologia abre-se sobre novos horizontes. Há pouco, durante a guerra fria, as operações psicológicas e o armamento psicológico eram ainda primitivos.

Enquanto que agora entramos com os dois pés no chão na era da electrónica e da bio electrónica torna-se necessário avaliar as barreiras morais e éticas que pusemos proibindo [qualquer tecnologia] que possa manipular o espírito dos nossos inimigos tanto dentro do país como a um nível internacional…

Logo que seja possível, incentivaremos empresas privadas ou semiprivadas a desenvolverem uma tecnologia adequada… Podemos agir do mesmo modo com os novos tipos de armamento como as armas biológicas incapacitantes e as armas psicotecnológicas.”

Notar-se-á que HAARP não é citado neste texto, mas para quem sabe ler nas entrelinhas… é necessário saber também, que a despeito das convenções internacionais, os americanos experimentam desde há mais de quarenta anos armas psicológicas, sob diversos nomes de código: Argus (1968), Solar power sattelite (1968-1978), Space Shuttle experiments (1985), Mighty Oaks (1986), Desert Storm (1991)…

HAARP, a primeira arma “de mind control” (controlo do pensamento) à escala mundial?

Em todo caso, se for verdade, HAARP é então a arma absoluta. E se for falso, as outras capacidades deste projecto são também muito aterradoras. Não se pode deixá-lo sem controlo internacional… A menos que tudo isto seja somente contra-desinformação e que Haarp não tenha nenhum perigo… Difícil de saber!

Web log de Serge Boisse, Journal d’un terrien, HAARP : la nouvelle arme absolue des USA, Haarp, c’est quoi?. Texto disponível em :

http://sboisse.free.fr/technique/haarp.php

Uma outra boa página está disponível na Internet sobre HAARP no endereço:

http://www.jp-petit.org/nouv_f/Crop%20Circles/Haarp.htm

Leave a Reply