A Cimeira de Gotemburgo vista do Japão. 1. Da Europa para o mundo: a corrida geral para o fundo (1ª parte). Por Lucia Pradella

bla bla 1

A Cimeira de Gotemburgo vista do Japão

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

1. Da Europa para o mundo: a corrida geral para o fundo (1ª parte)

Por Lucia Pradella lucia pradella

Publicado por Magazine Jacobin, em 29 de janeiro de 2015

 

(1ª parte)

O grave mal-estar e privação que os trabalhadores europeus estão a enfrentar faz parte de um processo internacional de empobrecimento

texot 1 da europa para o mundo corrida geral para o fundo construction-1

Um trabalhador da construção em Catalunha, Espanha. Sergi Bernal / Flickr

O desemprego alcançou níveis sem precedentes na Europa Ocidental, os salários estão em declínio, e os ataques ao trabalho organizado estão a intensificar-se. Quase um quarto da população da Europa Ocidental, cerca de 92 milhões pessoas, estava em risco de pobreza ou de exclusão social em 2013. Isto significa quase 8,5 milhões de pessoas mais do que antes da crise.

A pobreza, a privação material e a super-exploração tradicionalmente associadas ao sul global estão a reaparecer nas zonas ricas da Europa.

A crise está a minar o “modelo social europeu”, e o seu pressuposto de que o emprego protege os indivíduos da pobreza. O número de trabalhadores pobres – empregados com família com um rendimento anual abaixo do limiar de pobreza – está a crescer, e a austeridade vai tornar as coisas muito piores no futuro.

Os críticos da austeridade argumentam que isto é absurdo e contraproducente, mas os líderes europeus discordam. Durante a última ronda de negociações com a Grécia, a Chanceler alemã Angela Merkel argumentou: “isto não se trata de vários milhares de milhões de euros — isto é fundamentalmente sobre a forma como a EU se pode manter competitiva no mundo.”

Há alguma verdade nisso. O que Merkel não menciona é que os trabalhadores na Europa, no sul da Europa, em particular, estão cada vez mais a competir com os trabalhadores no Sul global. O aumento do empobrecimento e a austeridade na UE são dois lados da mesma moeda, e refletem tendências estruturais na via do empobrecimento e profundas mudanças na economia global.

Numa sociedade capitalista os lucros vêm do trabalho vivo dos trabalhadores, e, assim, aumentar a produtividade não visa melhorar os padrões de vida, mas sobretudo em baixar o salário relativo, isto é, a diferença entre o valor produzido e o valor retido pelos trabalhadores.

A acumulação de capital tende assim para uma polarização crescente entre a riqueza relativa e a pobreza, que pode coexistir com padrões de vida crescentes para algumas seções da classe trabalhadora.

Esta dinâmica, e a relação social entre os trabalhadores e os capitalistas que a sustentam, não está confinada às fronteiras nacionais. Para Marx o empobrecimento não era apenas uma questão do salário real das classes trabalhadoras no norte: o empobrecimento envolve aspetos quantitativos e qualitativos do trabalho e das condições de vida dos trabalhadores a um nível global, em vez de ser considerada apenas a uma escala nacional.

O expansionismo económico e militar é parte integrante da acumulação de capital — permite o crescimento do exército de reserva global de trabalho explorável através de investimento estrangeiro ou migração. Uma maior oferta de trabalho permite que o capital diminua os salários e prolongue o dia de trabalho, reduzindo a procura de novos trabalhadores e aumentando ainda mais a oferta laboral, num círculo vicioso de excesso de trabalho e sub/desemprego que se desenrola agora a uma escala global.

 

Integração e globalização

Estas dinâmicas ajudam a explicar como é que no meio de uma das maiores revoluções em tecnologias de informação e comunicação desde meados dos anos 1970, se tem verificado no mundo um rápido aumento da pobreza global.

Mesmo o Banco Mundial admite que, com exclusão da China, entre 1981 e 2004 a pobreza extrema (pessoas que vivem com menos que $1,25 por dia) aumentou em todas as “regiões em desenvolvimento.” Um estudo recente do Pew Research Center mostrou que, apesar de brilhantes relatórios sobre uma classe média emergente global, se tomarmos a linha de pobreza dos EUA como uma métrica, em 2011 84% da população mundial era pobre (vivendo com menos de $20 por dia).

Além disso, a parte dos salários no PIB caiu na maioria dos países nos últimos trinta anos, indicando o agravar de uma posição do trabalho em relação ao capital, mesmo nas regiões onde a pobreza extrema diminuiu mais recentemente, como na China, na América Latina e na Europa Oriental.

Estes processos de empobrecimento devem ser vistos no contexto do surgimento do neoliberalismo desde meados da década de 1970 e dos programas de ajustamento estrutural impostos por instituições financeiras lideradas pelo Norte, como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. Junto com guerras imperialistas e catástrofes ecológicas em alguns países, a neoliberalização levou a processos acelerados de desapropriação rural, privatização e reestruturação de produção, aumentando o número de trabalhadores “vulneráveis” e desempregados. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, este exército de reserva de mão-de-obra industrial global agora compreende cerca de 2,4 mil milhões de pessoas.

Em 2010, cerca de 942 milhões de trabalhadores pobres – quase um em cada três trabalhadores em todo o mundo – viviam abaixo da linha de pobreza de US $ 2 / dia. Era apenas uma questão de tempo até que esse crescente empobrecimento começasse a ser sentido seriamente na Europa Ocidental.

Há vários fatores em jogo neste processo. Respondendo à queda dos lucros, o relançamento do processo de integração da UE a partir de meados da década de 1980 e o alargamento a leste da UE nos anos 2000 contribuíram para a internacionalização do capital da Europa Ocidental. Outro impulso importante veio da abertura da China para o mercado mundial, assim como da sua adesão à OMC em 2000.

A introdução do euro não só impediu os Estados membros do Sul de utilizarem a desvalorização competitiva para apoiar as suas exportações; também reduziu os custos de transação e eliminou as incertezas cambiais, acelerando os fluxos de capital para os novos Estados membros da Europa Central e Oriental e, cada vez mais, em direção à Ásia. Ao mesmo tempo, a imigração líquida para a UE-15 aumentou e, com ela, a oferta de mão-de-obra.

O aumento resultante do desemprego na Europa Ocidental foi apenas parcial e inicialmente compensado pela tão célebre expansão do emprego atípico e do setor de serviços.

A desregulamentação, a privatização e as reformas da workfare [regime de prestações sociais com contrapartidas] e das pensões contribuíram para aumentar a oferta de mão-de-obra, enquanto as reformas legais que reduzem o campo da atividade sindical corromperam a densidade sindical e a cobertura da negociação coletiva, levando ao aumento da desigualdade salarial e da baixa remuneração.

As políticas de imigração restritivas e racistas nunca procuraram impedir a imigração para a “Fortaleza da Europa”, mas produziram a ilegalidade e um sistema diferencial de direitos visando estratificar e dividir a classe trabalhadora.

A Grã-Bretanha de Thatcher mostrou o caminho para o resto da Europa Ocidental. Após uma transformação profunda na direção de uma economia baseada em serviços, no Reino Unido a pobreza e o emprego mal remunerado (empregados que ganham dois terços ou menos do que salário mediano horário bruto nacional) quase duplicaram.

Ao contrário do resto da Europa, a pobreza no trabalho começou a aumentar na Grã-Bretanha na década de 1980, e os horários de trabalho tornaram-se extremamente polarizados – têm ainda a semana horária de trabalho mais longa dos trabalhadores em tempo integral na Europa Ocidental (em 2008: 42,4 horas / semana versus 37,3 horas por semana, de acordos coletivos).

A Alemanha seguiu um caminho semelhante após a reunificação. Embora tenha mantido uma maior participação no emprego industrial do que a maioria dos outros países da Europa Ocidental, desde o final da década de 1990 a internacionalização do capital desempenhou um papel importante no crescimento das exportações da Alemanha, assim como a imigração. Em 2003-2005, além disso, as “reformas” de Hartz I-IV introduziram políticas de workfare na Alemanha, forçando os desempregados a aceitar qualquer trabalho sob quaisquer condições.

Como resultado de todos estes fatores, o setor de baixos salários da Alemanha aumentou de 13% em meados da década de 1990 para 20% em 2005, juntamente com a pobreza no trabalho. A tendência anterior para a redução do horário de trabalho também reverteu: entre 2003 e 2008, o tempo real de trabalho dos funcionários a tempo inteiro aumentou em média 0,8 horas.

A Itália apresenta também tendências semelhantes de reestruturação de produção e imigração, aumentando o emprego atípico e uma polarização das horas de trabalho desde o final da década de 1980; em 2008, os empregados em tempo integral trabalharam em média 39,2 horas por semana, 0,7 horas por semana, mais do que em 1995.

Até recentemente, a Itália não tinha sofrido uma profunda desregulamentação do mercado de trabalho como a Grã-Bretanha e a Alemanha. O emprego com baixos salários no setor formal italiano (9,5%) manteve-se menor do que na Alemanha, que exibiu em 2008 a segunda maior participação em empregos com baixos salários na UE-15 (20,2%) atrás do Reino Unido (20,6%). Mas a Itália tinha uma das populações mais altas e estáveis de trabalhadores pobres na Europa Ocidental, em torno de 10% e principalmente concentrada no sul.

A estabilidade e o número global dos trabalhadores pobres da Itália decorrem da imposição de políticas neoliberais de precarização e privatização do trabalho sem compensação de bem-estar correspondente e também refletem a especialização internacional do sistema de produção italiano.

(continua)

Texto original em https://www.jacobinmag.com/2015/09/merkel-austerity-globalization-eu-poverty/

 

Sobre a autora

Lucia Pradella é professora de economia política internacional no King’s College de Londres. É autora de Globalization and the Critique of Political Economy e co-editora em Polarizing Development.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: