IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (118)

QUANDO ESCREVO, NÃO ENVELHEÇO

.

 

.

Quando escrevo
Não envelheço
Olho os livros que enchem a casa
Respiro o tempo e as palavras
Que não mereço
Olvido os nomes e as datas
Que alguma vez tenha dito
Torno presente o ausente
E o antigo
Relembro a cama, o lençol, o livro lido
Mantenho o amor acordado
A perda, a morte
O dia maldito
E a partida do amado.

.

Quando escrevo
Tudo mereço
Ouço as vozes esquecidas
Transformo a perda em ganho
E reconheço
Na intimidade e na tragédia
Um problema qualquer
Um sentimento
E um tema
Na imagem da mulher
Da mãe, do amigo
Ou no que der.

.

Quando escrevo
Escrevo a vida
Sem nunca envelhecer
Um amor tamanho
O poder
Da palavra
Do tempo
E da perda.
Escrevo para não esquecer.

.

.

.

About José Fernando Magalhães

Escrevo e fotografo pelo imenso prazer que daí tiro

One comment

  1. Pingback: IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (118) | joanvergall

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: