DEIXEM-NOS EM PAZ, por JOÃO MARQUES

 

O Presidente Trump decidiu não participar, sábado passado, no jantar habitual com os jornalistas e os correspondentes dos principais órgãos de informação internacionais, oficialmente admitidos na Casa Branca, preferindo ser o único ator num comício em Michigan, repetindo a atitude que já tinha assumido, meses depois de ser eleito.

A questão não está tanto na ausência, mas nas palavras que dirigiu contra os jornalistas que identificou como “falsificadores de fontes ou de nem sequer as ter para produzir informações falsas” (fake news), levando a assistência ao rubro. Muito naturalmente, desconhece o último relatório dos Repórteres sem Fronteiras (RSF, 25 de Abril), que revela a situação que os atinge – assassinatos (Eslováquia, Malta, Suécia, Afeganistão, países da Ásia do Sul), prisões da Turquia à China, passando pela Arábia Saudita e outros países árabes para não evocar as pressões a que estão sujeitos nas redações, em médias recentemente adquiridos por grandes grupos económicos, nesta tão democrática Europa.

Na mesma semana em que recebeu o seu homólogo francês Macron, com beijos, abraços e uma “limpeza”, em direto, do ombro do seu casaco, que designou por “películas” – simplesmente infamante – e de ter reunido, na véspera do comício com a chanceler Merkel para encontrar posições comuns quanto ao Irão, taxas alfandegárias sobre o aço/alumínio e a defesa ambiental, ei-lo, a acusar “as nações europeias de ter criado uma União para se aproveitarem dos Estados-Unidos”, para gáudio da plateia.

Na mesma semana, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação revelou a existência de 91 contas bancárias na Mauritânia, em nome de um investidor Jean-Claude Bastos, em conexão com coliderança africanas, nomeadamente angolanas e onde surge a conhecida auditora financeira KPMG, mas Trump optou por ignorar a finança dos algoritmos e desregular o pouco que Wall Street tinha permitido fazer, o que significa um regresso brutal aos anos 2007/8, com as consequências que ainda hoje quase todos sentimos.

Depois de ter dispensado quase três dezenas de colaboradores, alguns deles insultados na praça pública, ei-lo a nomear indivíduos como Mike Pompeo, conhecido extremista do Tea-Party, para seu Secretário de Estado. Após tomar posse e neste último fim-de-semana, ei-lo a visitar o seu “eixo do bem” (Arábia Saudita, Israel e Jordânia). Como por acaso, três importantes bases militares sírias foram atacadas na madrugada desta segunda-feira. Pelos vistos e para esta gentalha, não bastam 350 mil mortos, dez vezes mais de deslocados, cidades e famílias destruídas, a fome e a sede, pelo que receio que se prepare um conflito de maior dimensão, em que a Rússia, o Irão e, talvez, a Turquia não poderão deixar de reagir, num regresso amplificado e mortífero entre sunitas e xiitas, iniciado em junho do ano de 632, em Medina, quando sob uma temperatura escaldante, o Profeta do islão, Maomé (Muhammad) deu os seus últimos suspiros, vítima de uma doença estranha que o vitimou em poucas semanas e cujo funeral já nem sequer ocorreu, tais as divergências que, naturalmente, aqui não posso desenvolver.

Num outro plano, ninguém pode ficar indiferente aos líderes coreanos pisarem o mesmo solo, 65 anos depois dos massacres americanos no norte com “napalm”, precedidos pelos japoneses, então os verdadeiros senhores da região.

Em contraponto ao esplendor de Maio de 1968, que não teve a sua origem nas universidades francesas de Nanterre/Sorbonne, antes na terra do senhor Trump – facto que ele deve ignorar profundamente – com a criação de uma organização de estudantes universitários para uma sociedade democrática (SDS, 1962), a não distinção em todos os aspetos da vida quotidiana entre feminino/masculino, a oposição massiva à Guerra do Vietname e na luta pelos direitos cívicos dos negros americanos. E, é neste âmbito que termino, recordando o cinquentenário do assassinato de Martin Luther King, após o que seria a sua última intervenção pública (Abril, 68).

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

One comment

  1. Carlos A.P,M.Leça da Veiga

    Algum dos Jornalistas vitimados escrevia nalgum jornal com circulação apreciável no chamado mundo ocidental? O Trump devia estar a referir-se a quantos, como entre nós, estão sempre a brindar os leitores com as maiores falsificações. Não será assim? CLV

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: