FRATERNIZAR – O QUE ESPERAR DA GERAÇÃO NASCIDA NO ANO 2000? – por MÁRIO DE OLIVEIRA

 

Depois de dois mil anos de (in)civilização ocidental cristã que tem estado aí só para roubar, matar e destruir os povos e o planeta, a geração nascida no ano 2000 e que completa 19 anos em 2019 apresenta-se disposta a pôr fim a todos estes crimes e pecados institucionalizados. Vistos desde o início do terceiro milénio, estes dois milénios têm tudo de pré-história. Com as minorias privilegiadas ao comando das nações e dos Estados. Conseguem, desse modo, branquear todos os seus crimes e pecados. Que apresentam como outros tantos feitos gloriosos e virtudes heróicas. Condecoram e premeiam os seus mais eficientes carrascos institucionais armados e não armados. E canonizam como santos e mártires os seus clérigos e sacerdotes, frades e monges e casais cristãos ricos que erguem Misericórdias e Hospitais para os pobres produzidos por eles próprios. Dois mil anos de cristianismo são dois mil anos de horrores. Cometidos sob a presidência do papa de Roma, ou Santo Padre. Tudo nomes e títulos pomposos que mais não fazem do que esconder e branquear o absurdo e o horror institucionais.

A geração nascida no ano 2000 completa no próximo ano 19 anos. Confirma-se no estado de maioridade e apresenta-se disposta a pôr fim a toda esta desordem mascarada de ordem, a todo este crime-e-pecado mascarado de heroicidade e de virtude. Basta de crime e de pecado. Cabe à primeira geração do terceiro milénio pôr fim à pré-história que foi a (in)civilização ocidental cristã e iniciar a história dos povos, com todos como sujeitos e protagonistas. Sem religiões e sem igrejas. Sem clérigos e sem pastores. Sem grupos financeiros formatados para liquidar os povos e a Natureza. O novo milénio é , tem de ser, dos povos. Das maiorias empobrecidas e excluídas. Se há criminosos e pecadores são as minorias privilegiadas. As maiorias são as vítimas. Este,porém, é o milénio das vítimas tomarem a palavra. Sem pedirem autorização às minorias que teimam em manter-se ao comando dos Estados criados por elas. Sem perceberem que o seu tempo já passou.

Dois mil anos de cristianismo e de (in)civilização ocidental cristã são demasiado tempo. Tempo demais. Todos os institucionais criados nestes dois mil anos e ainda aí a funcionar em pleno são lixo tóxico que adoece, cega, paralisa e mata os povos. Já não é possível disfarçar mais. Está tudo a rebentar pelas costuras. A implodir. Serviram só para gerar, manter e legitimar as minorias dos privilégios. Mais não são do que corporações inimigas dos povos que ainda se arrogam o direito de os guiar e conduzir. Governam-se, a pretexto de governarem os povos. Só que, ao contrário das gerações anteriores, a primeira geração do terceiro milénio vê esta clamorosa injustiça e apresenta-se determinada a mudar radicalmente o mundo. ‘Para vinho novo, odres novos’, diz a Sabedoria que as minorias privilegiadas logo matam e expulsam da História. Pensam-se livres dela, mas ela, como Sabedoria que é, actua dia e noite, feriados e domingos incluídos, como fermento na massa. É chegada a sua hora. A hora de erguer, imparável, uma nova terra. Com os povos todos religados uns aos outros, ao modo dos vasos comunicantes.

‘Eis que faço novas todas as coisas’, diz o contínuo respirar da geração que no próximo ano completa 19 anos. Dos milénios passados nada se aproveita. Até o objectivamente óptimo depressa se corrompeu e passou a péssimo. É que tudo o que as minorias privilegiadas concebem e tocam apresenta-se movido por um sopro ideológico e teológico que só sabe roubar, matar e destruir. Para um novo milénio, respostas novas. Alegremo-nos. As presentes dores são de parto. Não é o fim. É o começo do mundo finalmente Humano. Com todos os povos, nascidos de mulher, religados entre si. Sem fronteiras nem Estados. Guiemo-nos pelos Sinais dos tempos. São eles a nossa estrada para a realidade. Concretamente, os Povos e a Natureza que vemos. Por isso, ainda antes de Deus que nunca vemos!

N.D.

Como é habitual, JF interrompe a sua regular actividade para uns dias de descanso natalício. Contamos reaparecer em Janeiro 2019, dia 4. Com a Edição 144.

 

www.jornalfraternizar.pt

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

One comment

  1. Carlos A.P,M.Leça da Veiga

    O império que sucedeu ao romano, agora, ao fim de dois milénios entrou em franca decadência e, por fim, outro virá. Do Atlântico vai passar-se para o Pacifico. É a evolução e dela, todos os impérios, tiveram de sentir a sua inevitabilidade. Que os jovens actuais podem corrigir as coisas parece-me idealismo a mais. A avaliar pelo que é dado observar a geração em que o Senhor deposita tanta esperança já está formatada pela ilusão tecnológica e, isso, nada de bom permite bons augúrios.CLV

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: