A AMÉRICA LATINA SOB O FOGO DO NEOLIBERALISMO, SOB A PRESSÃO DA AUSTERIDADE – VI – THE ECONOMIST – OS TÍTULOS FINANCEIROS QUE COMPROMETEM – A ARGENTINA ENFRENTA A PERSPETIVA DE OUTRO INCUMPRIMENTO

Obrigado à Wikipedia

 

Um triunfo da oposição nas eleições primárias leva a uma  venda brutal a preço de saldo 

 

 

The bonds that tie. Argentina faces the prospect of another default

The Economist, 15 de Agosto de 2019

Blogue Gonzallo Raffo

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

A eleição de Mauricio Macri em 2015 deveria inaugurar uma nova era na Argentina, um país com uma reputação de boa carne de bife, inflação rápida e  incumprimento quanto à sua dívida.  Macri prometeu domesticar a alta dos preços com uma política monetária rígida, um problema que Cristina Fernández de Kirchner, ex-presidente da Argentina, tinha tentado  ofuscar ao publicar dados macroeconómicos duvidosos e impor controles monetários.

Macri aboliu esses controles,  permitindo que o peso flutuasse livremente, e eliminou as quotas de exportação e os direitos aduaneiros. Os investidores aplaudiram. Depois de resolver disputas de longa data com investidores sobre obrigações de dívida pública, a Argentina conseguiu emitir dívida mais uma vez. Em junho de 2017,  Macri chegou a emitir títulos de 100 anos no valor de US$ 2,7 mil milhões com um rendimento de 8%. Foram quase quatro vezes mais do que a subscrição.

A boa sorte não durou muito. Mudanças inesperadas nas metas de inflação e a rápida emissão de dívida alarmaram os investidores em 2017. Esses receios  transformaram-se numa  crise cambial no ano passado. Quando o peso caiu, o banco central aumentou as taxas de juros para 40%.

Macri foi forçado a pedir um empréstimo de 57 mil milhões de dólares ao FMI. A fim de satisfazer os termos do resgate, ele teve de reduzir a despesa pública  e aumentou os preços dos serviços públicos, como  o gás, a eletricidade, e dos transportes públicos. A crise teve um pesado impacto sobre a economia. A Argentina está em recessão desde o ano passado; a inflação é superior a 50%. A taxa de pobreza, medida pela Universidade Católica da Argentina, subiu de 27% em 2017 para 35% agora.

 

 

As dificuldades económicas não têm caído bem  aos eleitores. “Votamos pela última vez para o presidente porque queríamos uma vida melhor, especialmente para os nossos filhos “, diz Mercedes, uma assistente de loja em Buenos Aires. “Mas a vida ficou pior sob a sua Presidência. Trabalhamos mais para termos menos”.

Em 11 de agosto, a população  expressou o  seu descontentamento nas eleições primárias para a presidência. A oposição, liderada por um  peronista veterano, Alberto Fernández, com a ex-presidente Fernández (sem  nenhum parentesco entre eles ) como sua companheira de candidatura, ganhou 47% dos votos. A coligação de  Macri ganhou apenas 32%.

A reação dos investidores foi rápida e cruel. Em 12 de agosto, eles apressaram-se a despejar  no mercado os ativos argentinos.  Macri pode não ter sido uma panaceia para todos os males da Argentina, mas a sua administração da economia foi muito mais sóbria do que a da sua antecessora, a quem  agora parece provável que lhe seja restituído o alto cargo. A bolsa de valores da Argentina, o Merval, caiu 37%. Em dado momento do dia, o peso caiu 30% antes que o banco central interviesse e aumentasse as taxas de juros para 74%. Ele ainda fechou 15% mais abaixo.

Em termos de dólar, o colapso da bolsa de valores é a segunda maior queda em um dia registada em qualquer parte do mundo desde, pelo menos, 1950. As obrigações a 100 anos que os investidores tanto desejaram  quando Macri as emitiu valem agora apenas 54 cêntimos sobre o dólar, o que implica um risco de incumprimento de 57%.

A queda no  preço dos ativos foi severa, em primeiro lugar, porque a esperança de que  Macri possa recuperar é pequena.

No dia 11 de Agosto ninguém ganhou ou perdeu o mandato: a votação foi tecnicamente primária e os principais candidatos não foram contestados nos seus partidos. Mas como todos os argentinos com mais de 16 anos eram legalmente obrigados a votar, funcionou como um ensaio completo para a verdadeira eleição, que será realizada no final de outubro. Se Fernández ganhar mais de 45% dos votos novamente em outubro, eles conquistarão a vitória na primeira volta.

Em segundo lugar, os investidores temem, com razão, as políticas que a dupla de peronistas pode pôr  em prática. A reputação de gastadora da Sra. Fernández  precede-a. O candidato a Presidente, Fernández , advertiu nos últimos dias da campanha que a desvalorização do peso estava a chegar. Ele também prometeu renegociar o empréstimo de US$ 57  mil milhões do FMI, e disse que poderia, de facto, não pagar os títulos argentinos.

Na sequência da votação, o senhor Fernández tentou usar um tom mais moderado. “Não éramos loucos no governo antes”, declarou. Reduzindo as expectativas, um de seus assessores ressalta que, se o presidente Fernández vencer, um peso fraco tornará o cargo de presidente “muito mais difícil”. Mas talvez já seja tarde demais. Enquanto The Economist estava a ser fechado para ir para a tipografia, o peso caiu 25% em relação ao dólar desde a eleição.

Uma moeda mais fraca fará subir os preços dos bens importados, fazendo com que a inflação suba ainda mais. Também tem implicações adversas para os títulos do país. A Argentina inadimpliu em sua dívida soberana oito vezes desde a independência em 1816, mais recentemente em 2014, quando a Sra. Fernández entrou em conflito com os fundos hedge. A dívida pública na Argentina vale atualmente 88% do PIB. Três quartos estão denominados em moeda estrangeira. Um peso em queda aumentará o fardo do seu serviço. Economistas do Bank of America agora acham que a probabilidade de uma reestruturação no próximo ano é alta e que o valor da recuperação da dívida da Argentina pode chegar a 40%.

Na sequência da votação, o senhor deputado Fernández tentou usar um tom mais moderado. “Não éramos loucos no governo antes”, declarou. Reduzindo as expectativas, um de seus assessores ressalta que, se o presidente Fernández vencer, um peso fraco tornará o cargo de presidente “muito mais difícil”. Mas talvez já seja tarde demais. Enquanto o The Economist foi à imprensa, o peso caiu 25% em relação ao dólar desde a eleição.

Uma moeda mais fraca fará subir os preços dos bens importados, fazendo com que a inflação suba ainda mais. Também tem implicações adversas para os títulos financeiros do país (as obrigações de dívida). A Argentina não cumpriu com os seus pagamentos de  dívida soberana oito vezes desde a independência em 1816, mais recentemente em 2014, quando a Sra. Fernández entrou em conflito com os fundos de cobertura. A dívida pública na Argentina representa  atualmente 88% do PIB. Três quartos estão denominados em moeda estrangeira. Um peso em queda aumentará o fardo do  serviço da dívida. Economistas do Bank of America agora acham que a probabilidade de uma reestruturação no próximo ano é alta e que o valor da recuperação da dívida da Argentina pode ser tão baixo como cerca  de  40%.

Será que o colapso dos mercados poderia persuadir os argentinos a mudarem de opinião até outubro? Alguns eleitores aproveitaram certamente a oportunidade para punir Macri na votação primária e voltarão para ele quando a eleição for efetiva. Mas poucos pensam que isso  será suficiente. Eduardo D’Alessio, da empresa de sondagens  D’Alessio/Berensztein, diz que seria preciso “um grande e óbvio erro” de Los Fernández antes de outubro para manter  Macri no cargo. Dentro do campo do  presidente, o clima é de  desgraça. “Isto é uma catástrofe”, disse um dos  seus assessores. “É quase impossível dar a volta a isto”,  disse um de seus assessores.

O Sr. Macri prometeu reagir. Em 14 de agosto, ele disse aos eleitores: “Eu entendo o sentimento de raiva”.

Ele introduziu um pacote de estímulo de $740 milhões de cortes de impostos, congelamento de preços e pagamentos de benefícios mais elevados.

Talvez isso o ajude a recuperar alguns votos.

Mas para quem ficar com o cargo  depois da votação em outubro, isto acaba por se tornar muito mais  difícil.

Fonte:  The bonds that tie – Argentina faces the prospect of another default, publicado por The Economist e republicado por Gonzalo Raffo. Texto disponível em:

https://gonzaloraffoinfonews.blogspot.com/2019/08/the-bonds-that-tie-argentina-faces.html

https://www.economist.com/the-americas/2019/08/15/argentina-faces-the-prospect-of-another-default

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: