Posts Tagged: pobreza

A SUBUTILIZAÇÃO DO TRABALHO EM PORTUGAL, OS BAIXOS SALÁRIOS E AS BAIXÍSSIMAS PENSÕES, E A REDUZIDA COBERTURA DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO – por EUGÉNIO ROSA.

A SUBUTILIZAÇÃO DO TRABALHO REDUZIU-SE EM PORTUGAL MAS É AINDA INSUFICIENTE, A PERPETUAÇÃO DOS BAIXOS SALÁRIOS EXPULSA PARA O ESTRANGEIRO OS MAIS QUALIFICADOS. Quadro 1 – A dimensão da subutilização do trabalho em Portugal – 2015/2018 Quadro 2- Salários líquidos

A SUBUTILIZAÇÃO DO TRABALHO EM PORTUGAL, OS BAIXOS SALÁRIOS E AS BAIXÍSSIMAS PENSÕES, E A REDUZIDA COBERTURA DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO – por EUGÉNIO ROSA.

A SUBUTILIZAÇÃO DO TRABALHO REDUZIU-SE EM PORTUGAL MAS É AINDA INSUFICIENTE, A PERPETUAÇÃO DOS BAIXOS SALÁRIOS EXPULSA PARA O ESTRANGEIRO OS MAIS QUALIFICADOS. Quadro 1 – A dimensão da subutilização do trabalho em Portugal – 2015/2018 Quadro 2- Salários líquidos

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – As falsidades da suposta recuperação económica promovida pelo pensamento neoliberal dominante. Por Vicenç Navarro

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares As falsidades da suposta recuperação económica promovida pelo pensamento neoliberal dominante  Por Vicenç Navarro  em 16 de agosto de 2018 Está a criar-se a perceção nos países do capitalismo desenvolvido

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – As falsidades da suposta recuperação económica promovida pelo pensamento neoliberal dominante. Por Vicenç Navarro

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares As falsidades da suposta recuperação económica promovida pelo pensamento neoliberal dominante  Por Vicenç Navarro  em 16 de agosto de 2018 Está a criar-se a perceção nos países do capitalismo desenvolvido

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Afinal, o que falta na Grécia?  Por Francisco Tavares

Afinal, o que falta na Grécia?  Por Francisco Tavares, em 28 de agosto de 2018 Obrigado ao Júlio Marques Mota pela revisão do presente texto Ou o discurso dos que nada aprenderam com o mais repugnante processo de humilhação e

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Afinal, o que falta na Grécia?  Por Francisco Tavares

Afinal, o que falta na Grécia?  Por Francisco Tavares, em 28 de agosto de 2018 Obrigado ao Júlio Marques Mota pela revisão do presente texto Ou o discurso dos que nada aprenderam com o mais repugnante processo de humilhação e

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Os pobres que não merecem ser ajudados: toda uma pequena história. Por Elizabeth Bruenig

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Os pobres que não merecem ser ajudados: toda uma pequena história  Por Elizabeth Bruenig, colunista no Washington Post Publicado por MEDIUM em 7 de janeiro de 2018 Na coluna que publiquei ontem no Post

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Os pobres que não merecem ser ajudados: toda uma pequena história. Por Elizabeth Bruenig

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Os pobres que não merecem ser ajudados: toda uma pequena história  Por Elizabeth Bruenig, colunista no Washington Post Publicado por MEDIUM em 7 de janeiro de 2018 Na coluna que publiquei ontem no Post

CARTA DE BRAGA – “O pobre está na moda!” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

    Um império, a saber pelo que li num sítio qualquer, é um território em expansão, integrando mesmo uma grande variedade de línguas e culturas, mas regido e regimentado por uma elite que faz questão de estar bem distante

CARTA DE BRAGA – “O pobre está na moda!” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

    Um império, a saber pelo que li num sítio qualquer, é um território em expansão, integrando mesmo uma grande variedade de línguas e culturas, mas regido e regimentado por uma elite que faz questão de estar bem distante

O RENDIMENTO MÉDIO EM PORTUGAL CONTINUA A SER MUITO INFERIOR AO DA MÉDIA DA UNIÃO EUROPEIA E DA ZONA EURO, E É INFERIOR AO DOS PORTUGUESES EM 2008, por EUGÉNIO ROSA

  O RENDIMENTO MÉDIO EM PORTUGAL CONTINUA A SER MUITO INFERIOR AO DA MÉDIA DA UNIÃO EUROPEIA E DA ZONA EURO, E É INFERIOR AO DOS PORTUGUESES EM 2008   Gráfico 1- A degradação da vida dos portugueses medida em

O RENDIMENTO MÉDIO EM PORTUGAL CONTINUA A SER MUITO INFERIOR AO DA MÉDIA DA UNIÃO EUROPEIA E DA ZONA EURO, E É INFERIOR AO DOS PORTUGUESES EM 2008, por EUGÉNIO ROSA

  O RENDIMENTO MÉDIO EM PORTUGAL CONTINUA A SER MUITO INFERIOR AO DA MÉDIA DA UNIÃO EUROPEIA E DA ZONA EURO, E É INFERIOR AO DOS PORTUGUESES EM 2008   Gráfico 1- A degradação da vida dos portugueses medida em

E AGORA? Por Luísa Lobão Moniz

Hoje deveria ser um dia de início de uma reflexão sobre as oportunidades de mudar a vida de todos para melhor. Quantas pessoas deram a vida pelas suas convicções sociais? Quantas pessoas morreram em prol da liberdade e da igualdade?

E AGORA? Por Luísa Lobão Moniz

Hoje deveria ser um dia de início de uma reflexão sobre as oportunidades de mudar a vida de todos para melhor. Quantas pessoas deram a vida pelas suas convicções sociais? Quantas pessoas morreram em prol da liberdade e da igualdade?

OS DESEMPREGADOS DO NOSSO PAÍS DE QUE NINGUÉM FALA, por EUGÉNIO ROSA

  OS DESEMPREGADOS DO NOSSO PAÍS DE QUE NINGUÉM FALA  A redução do desemprego em Portugal, embora conseguida também à custa da criação de empregos com salários muito baixos e da emigração que continua, é um fator positivo. No entanto,

OS DESEMPREGADOS DO NOSSO PAÍS DE QUE NINGUÉM FALA, por EUGÉNIO ROSA

  OS DESEMPREGADOS DO NOSSO PAÍS DE QUE NINGUÉM FALA  A redução do desemprego em Portugal, embora conseguida também à custa da criação de empregos com salários muito baixos e da emigração que continua, é um fator positivo. No entanto,

CONTO DE NATAL, de ADÃO CRUZ

Sábado à noite dia vinte e um vésperas do Santo Natal. O frio enrugava os ossos a rua de Santa Catarina era um rio de gente um rio de águas desencontradas sem destino nem rumo umas correndo para baixo outras

CONTO DE NATAL, de ADÃO CRUZ

Sábado à noite dia vinte e um vésperas do Santo Natal. O frio enrugava os ossos a rua de Santa Catarina era um rio de gente um rio de águas desencontradas sem destino nem rumo umas correndo para baixo outras

É URGENTE QUE O GOVERNO PASSE DAS DECLARAÇÕES DE INTENÇÃO DE COMBATE À POBREZA AOS ATOS (AÇÃO) – por EUGÉNIO ROSA

  O COMBATE À POBREZA EM PORTUGAL ESTÁ AINDA NA FASE DE DECLARAÇÕES DE INTENÇÃO, NÃO TENDO AINDA CHEGADO VERDADEIRAMENTE ÀS PESSOAS Um dos instrumentos utilizados pelo governo PSD/CDS e pela “troika” para reduzir o défice orçamental foi um corte

É URGENTE QUE O GOVERNO PASSE DAS DECLARAÇÕES DE INTENÇÃO DE COMBATE À POBREZA AOS ATOS (AÇÃO) – por EUGÉNIO ROSA

  O COMBATE À POBREZA EM PORTUGAL ESTÁ AINDA NA FASE DE DECLARAÇÕES DE INTENÇÃO, NÃO TENDO AINDA CHEGADO VERDADEIRAMENTE ÀS PESSOAS Um dos instrumentos utilizados pelo governo PSD/CDS e pela “troika” para reduzir o défice orçamental foi um corte

HÁ MAIS VIDA PARA ALÉM DA VIOLÊNCIA, DO PODER E DA DISCRIMINAÇÃO por Luísa Lobão Moniz

A pobreza é falta de vida, é falta de respeito pela dignidade humana, é o que nos faz virar a cabeça para o lado, mas encolher o coração. A pobreza não escolhe género, idade ou etnia, a pobreza é um

HÁ MAIS VIDA PARA ALÉM DA VIOLÊNCIA, DO PODER E DA DISCRIMINAÇÃO por Luísa Lobão Moniz

A pobreza é falta de vida, é falta de respeito pela dignidade humana, é o que nos faz virar a cabeça para o lado, mas encolher o coração. A pobreza não escolhe género, idade ou etnia, a pobreza é um