SOBRE AS REMUNERAÇÕES DE GOVERNADORES DE BANCOS CENTRAIS QUE NOS DESGOVERNAM – 5. O SENADOR LANNUTTI DIZ NÃO A DRAGHI.

Adrian Pingstone – Taken by Adrian Pingstone in November 2004 and released to the public domain. – obrigado à wikipedia

 

 

Il senatore Lannutti: ho votato no a Draghi

Il Tempo, 11 de Fevereiro de 2021

Selecção, tradução e adaptação de Júlio Marques Mota

Revisão de João Machado

 

 

A fronda anti-Draghi na votação. O senador do Movimento 5S, Elio Lannutti, tuitou o seu não ao primeiro-ministro responsável na plataforma Rousseau. E convidou todos os membros da plataforma a votar. Porque “liberdade é participação”.

Demonstrando que os grupos parlamentares do M5S estão de tal forma em desacordo  que é a própria a unidade do Movimento 5S que está cada vez mais em risco. Disso tinha falado abertamente o deputado Pino Cabras, um dos mais hostis à hipótese de um executivo liderado pelo antigo governador do BCE: “Uma cisão – disse ele a Adnkronos – não deve ser excluída … Não é indiferente dizer sim ou não a Draghi. Significa despojarmo-nos das nossas batalhas históricas”. Ontem à noite, na plataforma Zoom, os rebeldes celebraram o “Dia V”: uma assembleia virtual na qual “porta-vozes” e ativistas reiteraram o seu não ao governo Draghi. Entre os oradores encontravam-se Barbara Lezzi, Elio Lannutti, Bianca Laura Granato, Andrea Colletti, Mattia Crucioli e o próprio Cabras. Uma longa discussão caracterizada por tons quentes e acusações pesadas à liderança do Movimento. “Pedem-nos que nos juntemos a um agrupamento. Primeiro roubaram-nos a liderança que 11 milhões de eleitores reconheceram, e agora os líderes golpistas, aqueles que nos expulsaram, pedem-nos que participemos num governo com eles”, acusa a senadora  Granato, segundo a qual ainda é possível virar a mesa: “Com os presidentes da Comissão e 30% dos assentos podemos bloquear o Parlamento e impedir tudo. Se Draghi perceber que com esses números contra não pode governar, será o primeiro a render-se e a dar lugar a outra pessoa.

O receio é que a direita possa obter um bom resultado nas urnas em 2023: “Os conservadores de Giorgia Meloni poderão ser os beneficiários.” e “A Meloni nas próximas eleições avança. Corremos o risco de nos encontrarmos numa situação semelhante à Hungria e à Polónia”. disse o ex-Presidente da Adusbef (1) Elio Lannutti usando palavras duras: “Creio que os interesses de Draghi, da finança tóxica, do neo-liberalismo ditatorial, das agências de classificação são incompatíveis com o Movimento 5 Estrelas, que foi fundado por Beppe Grillo e por um visionário de maneiras suaves chamado Gianroberto Casaleggio, que pode estar a excomungar-nos de lá de cima. Não só a nós, mas também a Beppe Grillo”. E acrescentou: “Não poderei sentar-me do mesmo lado que o esfaqueador em série Matteo  Renzi e daqueles que foram apelidados de ‘psicanano’ (anões psicológicos) por Beppe Grillo” mas “se os activistas nos disserem para irmos para o governo com Berlusconi e Renzi, eu adaptar-me-ei”.

Para Cabras, Draghi “é o homem que em 2015 pôs a Grécia a afogar-se: no momento em que precisavam de liquidez, ele bloqueou as suas máquinas ATMs…. É um administrador de falências. A sua especialidade”, disse Cabras durante a reunião, “é um gattopardismo (2) tecnocrático que também está a mudar a natureza dos partidos em Itália. Entretanto, a pressão da base está a aumentar. Muitos militantes da primeira hora, desapontados com as posições de Grillo, espalham a sua raiva no Stelle Blog (3) com comentários brutalmente críticos. Uma centena de ativistas prepararam um documento, enviado aos membros do M 5S no parlamento, para pedir “uma posição clara” dos eleitos “contra a construção de um governo no qual, como grupo parlamentar, nunca poderíamos ser decisivos”: “em todo o caso – lê-se na missiva – nunca poderíamos estar ao lado daqueles que foram cúmplices da prevalência das finanças sobre a política, com aqueles que fizeram a liberalização e privatização que destruíram o tecido económico do nosso país, empobrecendo o povo e aumentando as desigualdades”.

__________

(1) – ADUSBEF – Associação de Utentes dos Serviços Bancários e Financeiros, Ver em  Adusbef – Associazione Difesa Utenti Servizi Bancari Finanziari Postali e Assicurativi – Associazione di consumatori riconosciuta dal CNCU

(2) –  Refere-se a Il Gattopardo, romance de Tomasi di Lampedusa adaptado ao cinema por Luchino Visconti. Nele, Tancredo, sobrinho de Dom Fabrizio, a certa altura diz uma frase que equivale ao seguinte: “É sempre preciso que algo mude para que tudo fique na mesma”.

(3)Blog da Stelle (wordpress.com)

__________

Leia este artigo no original clicando em:

Il senatore Lannutti: ho votato no a Draghi – Il Tempo

 

Leave a Reply