HOLLANDE E O INFERNO DOS PARAÍSOS FISCAIS, por AURÉLIEN BELEAU

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

Texto disponibilizado por Philippe Murer, Membre du bureau du Forum Démocratique. Président de l’association Manifeste pour un Débat sur le libre échange.

Parte I

Na crise política e económica, François Hollande declarou guerra aos paraísos fiscais. Manobra política para desviar a atenção dos escândalos? Ou verdadeira declaração de guerra contra os paraísos fiscais? As declarações do Presidente devem ser analisadas ao detalhe mas fora do contexto franco-francês.

“Os paraísos fiscais devem ser erradicados na Europa e no mundo porque é a condição para a preservação de postos de trabalho,” afirmou o Presidente francês repetidamente. «Não hesitarei em considerar como paraíso fiscal qualquer país que se recuse a cooperar plenamente com a França». O vocabulário é o de um guerreiro, a expressão é duríssima. Anuncia uma verdadeira guerra contra o flagelo dos paraísos fiscais. O golpe mediático parece bem montado, mas as medidas propostas parecem longe de estar à altura dos problemas levantados.

Máfia e colarinhos brancos

Terá sido necessária uma fome de orçamento sem precedentes e um escândalo político-financeiro no topo do Estado para que François Hollande se digne combater o veneno de paraísos fiscais que é um verdadeiro flagelo para a economia mundial, desde há décadas, e de tal forma que se assume como uma manobra em forma de confronto. Esta prática, incentivada por meio século de liberalização económica e financeira, permitiria armazenar em paraísos fiscais cerca de 8% da riqueza financeira das famílias, ou seja, cerca de 6 milhões de milhões, de acordo com um recente estudo por Gabriel Zuckamn, doutorando da Escola de Economia de Paris. Uma soma que está além de qualquer tipo de tributação e que é, além disso, não é redistribuído.

“A prática de paraísos fiscais seria ter em depósitos cerca de 8% do capital financeiro global, ou seja cerca de 6 milhões de milhões. “

Muitos Estados fizeram-se assim especialistas da lavagem de dinheiro, do branqueamento de capitais (mais ou menos sujo), alimentando as máfias, a corrupção e a violência que eles presumem. Indivíduos mais apresentáveis também eles integram esta casta de saqueadores de fundos públicos e acabam por bloquear fortemente a ideia de solidariedade nacional ao jogarem muito fortemente na corda bamba, no fio da moralidade fiscal. Esses mesmos fundos, que poderiam ser usados para projectos sociais, ou, no caso dos países do Sul, parai a implementação de uma verdadeira política de desenvolvimento, a permitir assim o acesso a água potável ou aos cuidados vitais. Parece claro que a oligarquia dominante preferiu até aqui fechar os olhos. Apesar da vontade do Presidente francês para combater os paraísos fiscais, o espírito mostrado não deve esconder as dificuldades que a França reencontrará na via difícil da transparência dos paraísos fiscais.

Uma espadeirada na água contra um truque mediático

paraíso fiscal - VI

O primeiro objectivo das afirmações de François Hollande parecem ser para reforçar os meios de comando e para lutar contra a fraude fiscal. Já relatamos, que os meios tinham sido drasticamente reduzidos desde a última década para esse combate contra os paraísos fiscais. O aumento dos meios de controle, ou seja, o anúncio da contratação de 1% do pessoal da administração dos impostos não é verdadeiramente uma medida. Da mesma forma, o reforço das sanções penais por evasão fiscal e a alteração do estatuto de limitações para os representantes eleitos parecem ser largamente insuficientes. A transparência deve aplicar-se a todos os actores da evasão fiscal: banqueiros, advogados e outros consultores fiscais devem, também, devem ser punidos por “incitação à fraude fiscal”.

” A transparência deve aplicar-se a todos os actores da evasão fiscal: banqueiros, advogados e outros consultores fiscais, devem, também, ser punidos por ‘incitação à fraude fiscal’. ‘.

Quando o presidente anuncia que os bancos devem “declarar anualmente a lista das filiais e das suas actividades no exterior”, a medida também soa a oco como um texto de Bénabar. Ela já estava no primeiro projecto de lei bancária. O texto deve-se estender também às multinacionais para evitar que a Total e outros consortes paguem apenas 8% sobre os lucros em vez de 33% como o fazem as PME e outras empresas à escala humana. No entanto, nada é menos seguro, uma vez que a criação de um «tribunal para assuntos de grande corrupção e grande fraude fiscal, com uma competência nacional ‘ não vai evitar o conflito de interesses aos quais estão já submetidos a maioria das outras jurisdições. Esta nova instituição permanecerá sob a responsabilidade do ministro da economia e das Finanças. Quando sabemos que Pierre Moscovici, o discípulo do homem de esquerda que é Dominique Strauss-Kahn, era o antigo vice-presidente do círculo da indústria, há necessariamente alguns problemas de transparência que irão surgir.

(continua)

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: