REFLEXÕES SOBRE A MORTE DA ZONA EURO, SOBRE OS CAMINHOS SEGUIDOS NA EUROPA A CAMINHO DOS ANOS 1930

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

mapa_franca

A imposição das políticas de austeridade mantém-se

 Eric Heyer, OFCE

Este texto resume as perspectivas de 2013-2014 de OFCE para a economia francesa.

Em média anual, a economia francesa deve ter em  2013 um ligeiro declínio do PIB (-0,2%) e uma recuperação modesta em 2014, com um crescimento de 0,6% (tabela 1). Este desempenho particularmente medíocre está muito longe de ser o caminho que normalmente deveria tomar  uma economia em crise.

Quatro anos depois do início da crise, o potencial de recuperação da economia francesa é importante: deve ter levado a um crescimento espontâneo médio do ano de 2,6% nos anos de 2013 e 2014, permitindo alcançar uma parte da diferença  do produto acumulado desde o início da crise. Mas esta recuperação espontânea é travada, principalmente com a implementação de planos de economias  orçamentais em França e no conjunto de todos os países europeus. Para reflectir o seu empenho em alcançar e respeitar um défice  público de  3% até 2014, o governo francês deve prosseguir a sua  estratégia consolidação orçamental – adoptada em 2010 – imposta pela Comissão Europeia a  todos os países da zona euro. Esta estratégia orçamental deve cortar 2,6 pontos de PIB na  actividade em França em 2013 e de 2,0 pontos do PIB em 2014 (tabela 2).

Heyer - I

Fixando-se num ritmo muito longe de seu potencial, o esperado crescimento irá exacerbar o atraso na produção acumulado desde 2008 e continuará a degradar a situação no mercado de trabalho. A taxa de desemprego aumentaria regularmente para se estabelecer em 11,6% até ao final de 2014.

Apenas uma mudança na estratégia orçamental europeia iria acabar com  o aumento do desemprego. Isso implicaria que os impulsos orçamentais negativos estão limitados a (-0,5) ponto do PIB, em vez de (- 1,0)  pontos no  total da zona euro em 2014. Este esforço de orçamento mais fraco  poderia ser repetido até que o défice ou a dívida pública atinja um objetivo definido. Em comparação com os  planos atuais, pois o esforço seria mais medido, o fardo do ajustamento incidiria de  maneira mais justa  sobre os contribuintes de cada país, evitando a armadilha dos cortes drásticos nos orçamentos públicos. Esta nova estratégia conduziria  certamente a uma mais lenta redução dos défices públicos (-3,4% em 2014, contra -3,0% no nosso cenário central), mas também e sobretudo para o crescimento económico (1,6% vs 0,6%). Este cenário de ‘menos austeridade’, iria permitir que a economia francesa venha a criar  119.000 empregos em 2014 ou seja mais de  232 000 mais do que na nossa previsão central e o desemprego baixaria em vez de continuar a aumentar.

Eric Heyer, OFCE, Tenue de rigueur imposée, 18 de Abril de  2013

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: