SEM MOEDA NACIONAL NÃO HÁ DEMOCRACIA – por ENRICO GRAZZINI – I

Falareconomia1

Selecção, tradução e notas de tradução de Júlio Marques Mota

Nota de Introdução ao texto Sem moeda nacional  não há democracia

Dedico este trabalho ao meu amigo J.P.REIS,   que tão  incomodado ficou com o facto de num dos nossos textos se fazer alusão a Robespierre e ao  Terror,  apesar da referência  que  a seguir à morte  do considerado  O Incorruptível  muitas mais mortes houve que antes, mas isto já não  é  regime de Terror. É uma  outra forma de escrever a História, diríamos.  E neste texto que agora se edita mas de uma outra forma encontra as mesmas ideias que no texto de Marriner Eccles e encontra os mesmos receiros de que assim, como se governa actualmente, a democracia está em perigo. Dito com todas as letras e esse  sentimento de medos percorre grande parte do texto.

De referir ainda ao meu amigo J.P.Reis que não se preocupe com a inflação que a injecção de poder de compra expressa no texto de Marriner Eccles ou aqui expressa possa vir em abstrato a gerar, porque se trata de injecção de poder de compra para gerar no processo produtivo de bens e serviços esse mesmo poder de compra e não  se trata, como agora, de injecções de milhões de milhões para salvar os grandes bancos  e estrangular os povos sob o jugo da austeridade.  Ou   será que pode haver criação monetária desde que seja para fins privados e não para fins públicos, para servir o bem comum?  Esquece este meu amigo que qualquer crédito concedido seja a quem for  é, em si-mesmo, um poder de compra correspondente que é criado ex-nihilo na economia e ainda sem contrapartida real nessa mesma economia?  Esquece este meu amigo que os milhões de milhões concedidos pelo BCE aos bancos privados para comprar dívida pública são criação  monetária PURA  sem obrigação de mais nada… a não ser impor a seguir a AUSTERIDADE e paradoxo dos paradoxos, em que esta  austeridade impede que se crie a riqueza material de contrapartida a essa mesma injecção de liquidez ? Talvez seja bom lembrarmo-nos disto mesmo.

E na mesma linha do que aqui se disse sugiro que se leia e com urgência o texto de José Almeida Serra Divida Pública: que fazer ? cuja publicação  se segue à do presente trabalho.

Júlio Marques Mota

***

europe_pol_1993

Sem moeda nacional  não há democracia

Enrico Grazzini, Senza moneta nazionale non c’è democrazia

Sinistrainrete.info, Micromega, 15 de Dezembro de 2014


Na Europa, e na sobretudo na  Itália, ainda nos esforçamos para  compreender o valor decisivo da moeda na economia, na política e na democracia. Infelizmente o erro é partilhado mesmo por uma grande parte da esquerda. Todos compreendem (pelo menos aparentemente) que não há democracia política sem estado democrático, ou seja, sem instituições do Estado que garantam a democracia e que respondam pela soberania popular. Mas ainda são poucos os que compreendem que não existe um estado sem uma moeda nacional. Assim, não há democracia se não há moeda nacional, como não existe uma democracia se não há Estado e não existe um estado sem moeda. Infelizmente e de modo bem paradoxal são apenas os partidos populistas e os chauvinistas e antidemocráticos que parecem bem ter compreendido esta verdade simples e incontestável.

A moeda representa a comunidade nacional. Do ponto de vista económico, a moeda é o símbolo mais concreto da unidade e da força e até mesmo do bem-estar de uma nação. Não é por acaso que é a primeira coisa que uma nação se dá a si-mesma  logo que nasce  é uma moeda nacional.

A lira foi a moeda italiana com a qual se  obteve a unidade nacional, em 1862, até 2001. A partir de  2002, com o euro, a Itália deixou de ter a sua moeda nacional.  E já em 1981 – quando foi estabelecido o  divórcio entre governo e Banco Central e a independência do Banco da Itália, que deixava de poder  absorver a dívida de estado emitindo a sua moeda – a dívida pública italiana começou  a depender dos mercados financeiros. Então a dívida nacional disparou em alta devido às taxas de juro elevadas exigidas pelos grandes investidores institucionais (sobretudo estrangeiros). A Itália endivida-se com  uma moeda que não emite e não controla, com uma moeda estrangeira, o euro, que o Estado deve comprar sobre os mercados financeiros,  endividando-se.

Devido ao facto de que o Estado italiano  deixou de ter a sua própria moeda e um  Banco Central autónomo – que, em coordenação com o governo e as instituições políticas democraticamente eleitas,  poderia adquirir de forma ilimitada  os títulos de dívida pública  “imprimindo moeda nacional” – os títulos de dívida do estado italiano são agora  avaliados por  Standard & de Poor’ s e apenas a  um grau do que é considerado pura e simplesmente lixo  ou ainda como títulos de um devedor em  risco de falência e que paga uma taxa de juro muito alta. Apenas graças à protecção  actual e sobretudo à  protecção potencial do BCE é que os  títulos italianos de dívida pública não são definitivamente desclassificados   e mantêm ainda rendimentos relativamente contidos – que são de qualquer modo já insustentáveis, porque adquiridos a taxas de juro  superiores à soma da taxa de crescimento italiana real  com  a  taxa de inflação.[1]

A economia americana é representada pelo dólar; a dos chineses pelo remnimbi (literalmente: a moeda do povo). As suas moedas disputam-se sobre o seu papel e são assim concorrentes em termos da importância alcançada  num mundo globalizado. O Japão não se privaria nunca do iene, a Grã-Bretanha defende com unhas e dentes a sua libra  ex-imperial, a Índia a sua rupia, o Brasil o real, a Rússia o rublo, Israel o shekel, a Suécia e a Noruega têm as suas coroas, et etc, etc. A  Alemanha cedeu (aparentemente) o seu marco à Europa apenas porque em troca impôs que o euro e o BCE fossem  fundados sobre critérios análogos (para dizer melhor: quase idênticos , e talvez ainda mais severos) aos que tinham respectivamente o marco e o Bundesbank. Assim, não cedeu a sua soberania: estendeu-a antes a toda a Europa

Por sua vez,  o Estado italiano entregou  o controlo da sua moeda ao governo alemão: é com efeito o governo alemão de centro-esquerda que analisa os governos italianos quanto às políticas que estes desenvolvem e aplicam.  Angela Merkel e Sigmar Gabriel (Merkel é democrata-cristã  e o vice-primeiro ministro é social-democrata.) dão lições de austeridade à Itália para alcançarmos o equilíbrio das nossas contas públicas de modo a que o nosso país  esteja em condições de reembolsar as dívidas contraídas  para com os grandes bancos estrangeiros (alemães, franceses, anglo-saxónicos). Apesar dos enormes sacrifícios, o governo Renzi arrisca   sempre mais no sentido de que a Itália se transforme num  comissariato  tal como assim o tem estado a ser  a Grécia. Para Renzi seria o desastre e para a Itália seria uma tragédia grega.

Estamos numa situação análoga à dos países sul-americanos? Não, sobre o plano meramente monetário o Estado italiano está numa situação pior, porque na América do Sul  os estados têm uma moeda nacional ligada a uma moeda forte, o dólar. Nós não temos sequer  uma moeda nacional. A nossa moeda é emitida e controlada diretamente pelo BCE que não responde ao estado italiano. O principal accionista de BCE, não será necessário dizê-lo, é o governo alemão.

A situação é paradoxal e em  muitos aspectos. É como se os dirigentes do Inter estivessem a treinar o Milão. É como se a dirigir Google estivessem os directores da Apple. De acordo com esta linha será  como se Merkel-Sigmar-Shauble  estivessem a ditar as  leis de Itália a  Matteo Renzi e a Pier Carlo Padoan? Não existe nenhuma reciprocidade, mas sim subordinação do governo italiano (e do povo italiano) ao governo branco-rosa  alemão. Em nome da Europa. É supérfluo dizer  que sem moeda nacional, endividados em divisas, os cidadãos italianos não têm mais nenhuma  palavra a dizer sobre a sua economia.

Sem nenhuma soberania monetária e de crédito, a política nacional conta pouco ou mesmo nada. Se a política monetária e económica é  condicionada pela grande finança estrangeira, e dirigida pelo  BCE e pela EU então os cidadãos acabam por compreender  que não tem mesmo quase nenhum sentido  (ou mesmo nenhum sentido ) votar. Qualquer governo de qualquer Primeiro-ministro, seja de Monti, Letta, Berlusconi ou de Renzi, deverá  seguir as mesmas linhas ditadas a partir do exterior. Difunde-se a anti-política, a indiferença ou o protesto cego. Se a oposição não compreender as raizes da antipolítica e não a guiar, as derivações podem ser muito perigosas, na Itália assim como na Europa. O rápido sucesso de Marine Le Pen na França, de Nigel Farage no Reino Unido e de Matteo Salvini na Itália constituem campainhas de alarme  para a esquerda.

Apenas com formas (necessariamente apenas parciais) de soberania monetária nacional é possível escapar ao abraço mortal  do euro e da Europa do euro de Juncker. Daí a proposta keynesiana elaborada por  Biagio Bossone, Marco Cattaneo, Luciano Gallino, Stefano Sylos Labini e por mim ao propormos a criação de  uma nova moeda estatal/fiscal paralela ao euro (mas tendo como âncora o euro) para sair da actual armadilha da liquidez (1).

Dificilmente a economia italiana terá êxito em levantar-se  e a democracia italiana conseguirá ter êxito em salvar-se, sem se pôr  em prática e urgentemente novas formas de autonomia monetária, sem novas formas de soberania e de autonomia nacional. Sem nenhum controlo sobre a moeda e sobre o crédito, o Estado não tem mais nenhuma  possibilidade de efectuar uma política orçamental autónoma, seja de despesa social seja  de investimentos para as políticas de infraestruturas e industriais.

A moeda é o sangue da economia, a porta do oxigénio e a porta da vida. Se a moeda não circular – e não circula hoje – porque os bancos restringem o crédito, a economia morre, o emprego cai a pique e entra-se facilmente em recessão. Os bancos comerciais criam 95% da sua moeda graças ao crédito. Mas os bancos diminuem os créditos quando a economia vai mal (2). Se a moeda não circula  e torna-se  mercadoria cada vez  mais rara e mais preciosa, todos procuram tê-la, poupá-la, mantê-la; se a moeda não circular os preços caiem a pique e todos retardam ao máximo as suas compras e os seus consumos. É a armadilha da liquidez, é o processo deflacionista bem  descrito e bem estudado por  John Maynard Keynes. Então o Estado deveria intervir para introduzir nova moeda.

O BCE anuncia continuamente novas e extraordinárias medidas para combater a deflação. Mas a Alemanha e os outros países credores do norte da Europa são contrários a qualquer  forma de cooperação: por conseguinte o BCE está substancialmente  paralisado. O Quantitative Easing que anunciou, talvez  se venha a fazer em  2015 mas será insuficiente (demasiado atrasado e muito pouco) para nos  levar a sair  da crise, porque consiste na compra por parte de BCE de títulos de Estado detidos pelos bancos, pelos  seguros, etc. Não é  dito que o dinheiro chegará realmente à economia real. Chegará apenas uma parte. Enquanto os consumos não passarem a crescer, enquanto o emprego não aumentar significativamente, não haverá investimentos, não haverá retoma.

O BCE, guiado por  uma espécie de directório nomeado pelos  governos, decide e decidirá do futuro da Europa. O que há de democracia em tudo isto? O BCE é uma instituição formalmente privada em cujo capital participam os bancos centrais dos 18 países da zona euro: os principais  accionistas são a Alemanha (18%), a França (14%), a Itália (12%) e a Espanha (9%)[2]. Na prática os organismos dirigentes são nomeados pelos governos ainda que sejam  formalmente independentes. E a Alemanha tem um papel absolutamente predominante. Em suma a Itália já não tem a sua própria  moeda e conta como dois dos países pequenos nas decisões de política monetária.

Sobretudo por esta razão a Itália está a desabar. O nosso país infelizmente está a degradar-se cada vez mais e em nome de uma Europa que não existe como democracia e nem  mesmo como Estado, mas em que existe como   euro, como moeda estrangeira, e como dívida devida à grande finança, aos grandes bancos estrangeiros, representados muito bem nesta União Europeia pelo  presidente da Comissão da União Europeia,  Jean-Claude Juncker.

(continua)

________

Notas do texto original

[1] Micromega on line Marco Cattaneo, Enrico Grazzini, “Oltre l’euro, dentro l’euro: una nuova moneta fiscale per vincere la crisi

[2] Idem

________

[1] Nota de tradução. A evolução do rácio da dívida é-nos dada por : défice global= bt – b t-1 = , onde bt é o rácio da dívida no final do período t, b t-1 é o rácio da dívida no final do período t-1, e a diferença entre estes dois valores mede o acréscimo da dívida em t, ou seja o défice efectivamente registado em t.  A taxa de inflação é expressa por p e a taxa de  crescimento real é expressa por g,  a taxa de crescimento nominal expressa por (g+p)  e dt representa o saldo primário. À expressão  chama-se o efeito bola de neve uma vez que representa o acréscimo da dívida  presente que resulta exclusivamente da dívida passada. É a este efeito que o autor se refere no texto.

[2]  Nota de Tradução. Cerca de 30% das acções do BCE são detidas por 10 membros da UE que não são membros da UEM (com o Reino Unido a ter 14,5%), e o restante é dividido entre os membros da UEM: Alemanha com 18,9%, a França com 14,2%, a Itália com 12,5%,…, a Espanha com 8,3%, a Grécia com 2%, Portugal com 1,75%, a Irlanda com 1,11%,… e Malta com 0,06%.

________

Ver o original em:

http://www.sinistrainrete.info/europa/4457-enrico-grazzini-senza-moneta-nazionale-non-ce-democrazia.html

2 Comments

  1. Como é possível que a mais elementar das verdades – sem moeda nacional não há Democracia – não norteie o comportamento político dos chamados partidos políticos que, dia a dia, sob a roupagem mal disfarçada dum
    velho colaboracionismo, adulam o, agora, IVº Reich. CLV

Leave a Reply