Homenagem ao Carlos Tenreiro, uma série de textos sobre questões de macroeconomia e de alta finança – 4. Onde é que vamos arranjar o dinheiro? (2ª parte-conclusão). Por John Mauldin

Carlos Tenreiro

Carlos Tenreiro, um estudante de excecional maturidade emocional, de rara cultura, de rara sensibilidade e de alta capacidade pedagógica para transmitir o que sabia e até muitas vezes a gerar nos estudantes uma apetência por aquilo que ele mesmo ainda não sabia, mas que faria parte da sua trajetória de conhecimentos a desenvolver.

 

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

4. Onde é que vamos arranjar o dinheiro? (2ª parte-conclusão)

Por John Mauldin john mauldin

mauldin economics logo 10 de fevereiro de 2018

 

Em busca de credores

Em teoria, não deve ser um problema para o governo dos EUA obter de empréstimo todo o dinheiro que precisa. Artimanhas políticas ocasionais à parte, somos o melhor risco de crédito do mundo. Ninguém se preocupa com o facto de que poderão não receber o principal do título do Tesouro de volta. Todo o sistema financeiro global depende dessa garantia sólida.

Assim, a questão importante é menos de se saber se o Tesouro pode reembolsar do que saber se os potenciais credores são suficientemente saudáveis para satisfazer as nossas necessidades ou se pode haver alternativas melhores. Esta questão é importante porque o Tesouro está a perder o Federal Reserve como principal fonte de financiamento. Quem pode tomar o seu lugar? Existem vários candidatos. Infelizmente, cada um tem barreiras que podem reduzir os seus interesses de compra.

Os aforradores e os investidores americanos são possibilidades se tiverem dinheiro para emprestar.  Infelizmente, o número daqueles que têm não está a crescer. Pode crescer se o desemprego se mantiver baixo e o crescimento dos salários se acelerar, mas os que formam a geração do pós-guerra estão a passar do modo de poupança para o modo de despesa, de forma que estes não serão de grande ajuda.

Os planos de pensões dos EUA e outras instituições que precisam financiar obrigações futuras também são compradores do Tesouro naturais. Taxas mais elevadas podem atrair de volta alguns compradores que se tinham mudado para títulos corporativos ou de longo prazo na última década. Então, novamente, as taxas elevadas elevarão qualquer pessoa de volta, mas essas taxas mais elevadas vêm com um custo.

Os planos de pensão dos EUA e de outras instituições que precisam de financiar obrigações futuras também são naturais compradores do Tesouro. As taxas mais elevadas podem atrair alguns compradores que se mudaram para títulos de empresas privadas ou de longo prazo na última década. Mais uma vez, as taxas suficientemente elevadas irão atrair qualquer um de volta, mas essas taxas mais elevadas vêm com um custo.

Especificamente, cada 1% mais alto significa US $ 10 milhões por cada milhão de milhões de dólares de dívida emitida. Sobre os nossos US $ 22 milhões de milhões de dívida total dos EUA (no final do ano, adicione ou subtraia alguns milhares de milhões), serão cerca de US $ 220 mil milhões em juros à medida que as taxas aumentam e a dívida seja renovada. Isso são juros anuais!

Isso significa que estamos a gastar aproximadamente 15% de nossa receita e 12% das despesas reais apenas com juros.

Há também a questão dos fundos de pensão estaduais e locais, muitos dos quais têm vastas obrigações futuras que estão mal financiadas e provavelmente permanecerão assim, dada a situação financeira precária dessas entidades. Eles provavelmente deveriam comprar mais papel do Tesouro, mas não está claro que eles o possam fazer.

Texto 4 8

Getty Images

Outros compradores naturais estão no exterior. Ouve-se muito falar sobre a China possuir tanta dívida do nosso governo. É verdade, mas até certo ponto eles não têm muita escolha. Enquanto os EUA tiver um défice comercial com a China e insistirmos em pagar as nossas importações com dólares, a China provavelmente continuará a usar esses dólares para comprar ativos em dólares com essa receita de exportação. Isso pode acontecer de forma indireta: talvez a China compre matérias-primas da Austrália com os dólares e, em seguida, os australianos compram ativos em dólares. Mas, em qualquer caso, os montantes são tão vastos que os chineses gravitam em direção aos ativos em dólares mais líquidos – as Obrigações do tesouro.

A China gostaria de convencer os seus parceiros comerciais a lidar com o renminbi, e os parceiros estão muito lentamente a começar a fazê-lo. Isso está a acontecer especialmente através da gigantesca iniciativa de infraestruturas One Belt, One Road da China. As nações asiáticas e africanas onde a China está a construir portos, linhas de caminho-de-ferro e outras instalações estão a ser “encorajadas” a aceitar o renminbi em pagamento e utilizar a moeda para comprar produtos chineses. Mas o simples facto é que muitos dos projetos da One Belt, One Road exigem despesas que são feitas em dólares verdadeiros.

Esse processo chinês está-se a desenrolar de forma lenta. Não me preocupo com a China de repente decidir boicotar os títulos norte-americanos. Presentemente, os chineses não têm essa escolha. No entanto, eles tencionam firmemente reduzir a sua dependência do dólar sempre que possível. Não vejo que se ofereçam para nos emprestarem significativamente mais dinheiro do que eles o estão a fazer agora. E, de facto, têm vindo a reduzir as suas compras em dólares – significativamente.

A OPEP é outro credor fiável mas que agora está a sê-lo menos. O motivo não é difícil de entender. A crescente produção de xisto dos EUA reduz a necessidade de comprar petróleo nos países da OPEP, no Médio Oriente e em outros lugares. Estamos a comprar menos 7 milhões de barris por dia de petróleo ao exterior do que costumávamos comprar. Se os países da OPEP nos mandam menos petróleo e gás, mandamos-lhe menos dólares, e eles perdem capacidade para comprar a nossa dívida, mesmo que o desejem fazer.

Na verdade, a dívida federal detida por investidores estrangeiros aumentou de cerca de US $ 1 milhão de milhões em 2001 para cerca de US $ 6 milhões de milhões em 2013, mas já está longe deste valor, desde então. A China e Japão já não estão a comprar grandes montantes de dívida dos EUA. Também não estão a vendê-la.

Veja-se isto desta maneira. Eu tenho alguns amigos bastante ricos que são agressivos no mercado do ouro. Mas quando eu lhes pergunto em particular se eles estão a adicionar muito ao ouro físico que já possuem, eles dizem-me: “Não tanto como isso”. Mesmo que eles estejam firmemente convencidos de que o ouro finalmente vai para US $ 10-15000, o apetite deles para aumentar o seu stock de ouro parece-me estar saciado.

Da mesma forma, a China e o Japão e muitos outros países estrangeiros parecem dizer: “Temos títulos suficientes dos EUA; Vamos ver se podemos encontrar outra maneira de gastar o nosso dinheiro”.

Por favor, note que o Japão, a Austrália e a Europa, todos têm iniciativas para construir infraestruturas e fazer parte do crescimento que se vai produzir em conjunto com One Belt, One Road. A China está completamente à vontade com esses movimentos, uma vez que é dinheiro que eles não precisam de gastar – tudo o que realmente precisam é da infraestrutura de transporte para movimentarem os seus produtos de um lado para o outro, da frente para traz e vice-versa. Eles estão perfeitamente dispostos a permitir que a Europa e a Austrália ajudem a construir África e a Ásia do Sul.

E embora o assunto não tenha muita repercussão, e a Casa Branca de Trump não pareça levar a questão em conta, o renminbi é atualmente muito forte. Os consumidores chineses estão na melhor forma relativamente aos tempos passados e estão a utilizar a força de sua moeda para importar bens, que geralmente precisam de ser comprados em dólares.

Além disso, muitas das grandes empresas estatais chinesas detêm uma dívida denominada em dólares que é essencialmente garantida pelo governo chinês. Alguns desses dólares voltarão para as mãos dos credores, não importando sequer de onde vêm.

Cada um de nós pode aceder a este link para ver o quanto cada governo em todo o mundo realmente investiu em títulos do Tesouro dos EUA.

Texto 4 9

Curiosamente, a Irlanda e as Ilhas Cayman estão em terceiro e quarto lugar atrás da China e do Japão. Em dado momento, no ano passado, a China realmente teve um pouco menos em títulos do Tesouro do que o Japão, mas ambos estão acima de um total de US $ 1 milhão de milhões. Os seguintes quatro países combinados representam no total mais de US $ 1 milhão de milhões. E assim sucessivamente. Também se pode ver que muitos dos 10 maiores detentores estão associados a grandes centros bancários. E embora o apetite ainda esteja a aumentar, já não está a crescer muito.

Os compradores estrangeiros podem representar outros $ 400 mil milhões disponíveis este ano para comprar títulos do Tesouro dos EUA. Isso ainda significa que temos de encontrar pelo menos US $ 1,5 milhão de milhões de fontes norte-americanas. A lógica no campo monetário sugere que as taxas de juros irão subir para atrair esses compradores. Essa é uma das razões pelas quais estamos a ver a circunstância muito incomum de as taxas de juros crescerem, ao mesmo tempo que o mercado de ações está a “cair da cama”.

Lateralmente: o rendimento das obrigações de dívida pública a 10 anos dos EUA está em 2,86% conforme escrevo. Isto está acima dos 2,05% de julho passado, mas ainda é menor do que há pouco mais de quatro anos, quando atingiu 3%. Nessa altura, 3% de rendimentos a 10 anos não pararam o mercado em alta.

Como se pode ver, a nossa busca de credores não será necessariamente rápida ou fácil. Existe uma maneira certa de assustar os credores … mas tem alguns inconvenientes.

Golpe de misericórdia

A indústria financeira dos EUA é extremamente hábil a avaliar o risco de crédito para os mutuários individuais- ou pelo menos pensa que o é. A maioria das pessoas podem obter um empréstimo se o quiserem, mas a sua taxa de juro refletirá o seu rating de crédito.

Da mesma forma, o Tesouro pode pedir tudo o que precisa pagando taxas mais altas. Esse não é o resultado preferido, mas é provavelmente o que vai acontecer. Já estamos a ver as taxas com tendência a subir como o valor de referência de 10 anos sobe para 3% a partir de cerca de 2% apenas há 8 meses atrás. Este aumento também reflete as expectativas de inflação, mas a crescente oferta de dívida do Tesouro ainda é a chave dessa variação.

O que se passou na semana passada, pode ser apenas um indício do que está para vir. Os mercados de crédito nada mais são do que os mutuários a concorrerem uns contra os outros pelos credores. O Tesouro concorre com empresas de investimento, que concorrem com os emitentes de alto rendimento. Depois tem-se emitentes de obrigações municipais e muitos devedores menores. Todos precisam de dinheiro mas, diga-se de passagem, há um limite para todos.

O aumento da emissão do Tesouro forçará outros mutuários a pagar taxas mais elevadas, o que, por sua vez, levará os compradores de títulos do Tesouro a exigirem taxas mais elevadas. O processo alimenta-se por si mesmo. Os mutuários eventualmente irão considerar que o serviço da dívida lhes come uma parte maior do seu rendimento. Este aumento do fardo da dívida deixa-lhes menos dinheiro para gastar em outros bens e serviços.

Enquanto isso, com o passar do tempo, os mutuários que estavam abrigados em taxas de juro mais baixas durante os anos de QE precisarão de se refinanciar e verão que têm de pagar taxas muito mais altas.

Alguns não poderão fazê-lo e entrarão em falência despedindo trabalhadores e deixando os seus próprios credores pendurados nas suas perdas. Esse processo será extremo para emissores de títulos de alto rendimento. Conforme se observou na semana passada, existe agora um dramático crescimento da dívida em obrigações de elevada rentabilidade que deve ser renovada ano após ano.

Esse processo, eventualmente, poderá contribuir para uma recessão, o que faz com que as despesas do governo aumentem ainda mais à medida que as pessoas perdem os seus empregos. A que distância estamos desta terrível situação? Ainda assim, não espero uma recessão para este ano, mas os riscos aumentarão à medida que chegarmos a 2019. A partir daí, a imagem piora rapidamente.

Eu não quero deixá-lo deprimido, então vou parar aqui. Nada disso é inevitável, mas também se deve dizer que também não é improvável.

Agora é tempo de nos prepararmos.

 

Texto original em https://www.mauldineconomics.com/frontlinethoughts/where-will-we-get-the-cash

Reproduzido por Gonzalo Raffo Infonews WHERE WILL WE GET THE CASH? / JOHN MAULDIN´S WEEKLY NEWSLETTER

 

John Mauldin: reputado especialista financeiro, com mais de 30 anos de experiência em informação sobre risco financeiro. Editor da e-newsletter Thoughts from the Frontline, um dos primeiros boletins informativos semanais proporcionando aos investidores informação e orientação livre e imparcial. É presidente da Millennium Wave Advisors, empresa de consultoria de investimentos. É também presidente de Mauldin Economics. Autor de Bull’s Eye Investing: Targeting Real Returns in a Smoke and Mirrors Market, Endgame: The End of the Debt Supercycle and How It Changes Everything, Code Red: How to Protect Your Savings from the Coming Crisis, A Great Leap Forward?: Making Sense of China’s Cooling Credit Boom, Technological Transformation, High Stakes Rebalancing, Geopolitical Rise, & Reserve Currency Dream, Just One Thing: Twelve of the World’s Best Investors Reveal the One Strategy You Can’t Overlook e The Little Book of Bull’s Eye Investing: Finding Value, Generating Absolute Returns and Controlling Risk in Turbulent Markets.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: