IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (125)

 

DOCEMENTE

 

 

 

Docemente,

Olho o tecto do quarto,

Do nosso quarto.

Docemente

Sinto no ar o teu perfume selvagem

De que nunca me farto,

Docemente.

Docemente

Passas por mim com a aragem

Passas como quem vai de viagem

Docemente,

Pelo tecto do nosso quarto.

 

Docemente,

Olho as horas que nunca passam,

Horas mortas que fracassam.

Docemente

Olho para onde já não estás

Para os locais que me trespassam,

Docemente.

Docemente

Imagino que me sorrirás

Quando me abrires as portas do Céu, bem para trás

Docemente,

Nas horas que nunca passam.

.

.

.

About José Fernando Magalhães

Escrevo e fotografo pelo imenso prazer que daí tiro

5 comments

  1. Pingback: IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (125) | joanvergall

  2. Rachel Gutiérrez

    Lindo poema, amigo José.
    Muito inspirado.
    abraço

    Liked by 1 person

  3. Adriano Silva

    Fantástico!

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: