Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Introdução.


Introdução

(Júlio Marques Mota, 18 de Fevereiro de 2019)

julio-marques-mota

Com esta serie de textos sobre a trajetória do euro nestes seus vinte anos de vida difícil ,  tomamos como eixo central da série, por um lado,  o que os neoliberais e defensores do euro consideravam que seriam os resultados económicos obtidos com a criação da moeda única, e por outro lado,  os resultados económicos a que se chega nestes 20 anos de moeda única.

Nesta base,  procura-se perceber quais as razões explicativas  para o facto de que os resultados económicos obtidos tenham sido  opostos aos que nos foram sucessivamente anunciados pelos defensores do euro.

Mais ainda, ao longo de vários destes textos levanta-se a questão de   saber  se  os resultados  a que se chega são ou não são, afinal,  coerentes  com a  arquitetura da União Europeia. Como é evidente, se esta coerência é estabelecida, o que é então  incoerente são os resultados esperados pelos ideólogos do euro e propalados pela Instituições Europeias, pelos seus ideólogos e pelos media e centros de reflexão ao seu serviço.

Portanto, se considerarmos, como se considera, que os resultados são coerentes com a estrutura institucional da EU, com a sua arquitetura, então para mudarmos  de resultados, o que é urgente,  impõe-se que haja uma significativa mudança de arquitetura da própria União Europeia ou, parafraseando Martin Wolf, podemos com ele dizer que a Europa estará  condenada ao sucesso mas  para isso tem de mudar muita coisa.

Nesta lógica, estamos bem acompanhados por autores como Martin Wolf (Financial Times), Bruno Colmawnt (Les Echos) dois dos mais importantes jornais financeiros europeus,  Jacques Sapir, Ashoka Mody, (Universidade de Princeton)  Antonio Lettieri, (Editor de  Insight and Presidente do CISS – Center for International Social Studies (Roma),  Heiner Flassbeck,  Olivier Delorme e  Joseph Stiglitz, entre outros.

Como introdução à série e tendo como principais destinatários os eleitores habituados a estudar  temas de economia e na base de análise gráfica, começaremos por  apresentar  uma síntese de dois trabalhos importantes de Patrick Artus, diretor  de um importante banco de investimento francês, NATIXIS, onde se sintetiza o que se esperava alcançar com a moeda única e o que de facto se alcançou com ela. Nada tem a ver uma coisa com a outra. Naturalmente assim, é depois o que nos explicarão vários dos restantes  textos, textos estes  que desenvolvem muita da sua argumentação em torno das questões levantadas por Patrick Artus.

Aos leitores não habituados a este tipo de análise leiam pelo menos o texto de Artus mesmo que dispensem os seus gráficos.

Boas leituras.

Júlio Marques Mota


O primeiro texto desta série será publicado amanhã, 19/02/2019


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: