Posts Tagged: economia

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 16. A construção europeia: o caminho mais fácil era também uma via sem saída

(Jean-Claude Werrebrouck., 09/01/2019)

A Europa não passa agora de um modelo de direitos humanos e de direitos  cada vez mais aberto a todas as particularidades, cada vez menos e menos definíveis, cada vez menos baseados em valores. Isto faz do mundo europeu um mundo sem forças e sem voz fora da voz do indivíduo como sujeito de desejos, ajudado pelas burocracias judiciais. É este movimento que arruína qualquer desejo de acção colectiva e, por conseguinte, de cooperação para um objectivo que já não é definível.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 16. A construção europeia: o caminho mais fácil era também uma via sem saída

(Jean-Claude Werrebrouck., 09/01/2019)

A Europa não passa agora de um modelo de direitos humanos e de direitos  cada vez mais aberto a todas as particularidades, cada vez menos e menos definíveis, cada vez menos baseados em valores. Isto faz do mundo europeu um mundo sem forças e sem voz fora da voz do indivíduo como sujeito de desejos, ajudado pelas burocracias judiciais. É este movimento que arruína qualquer desejo de acção colectiva e, por conseguinte, de cooperação para um objectivo que já não é definível.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 15. O euro: um aniversário de 20 anos que ninguém quer festejar

(Bruno Colmant, 27/12/2018)

Para alguns países, sobretudo do Sul da Europa, esta moeda tornar-se-á um uma ascese estatal  que poderá levar à sua rejeição pelas  populações asfixiadas pela crise económica. A moeda federal será dividida  por políticas orçamentais confederais. Minada  por expressões políticas centrífugas, a sustentabilidade do euro é, por conseguinte, condicional.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 15. O euro: um aniversário de 20 anos que ninguém quer festejar

(Bruno Colmant, 27/12/2018)

Para alguns países, sobretudo do Sul da Europa, esta moeda tornar-se-á um uma ascese estatal  que poderá levar à sua rejeição pelas  populações asfixiadas pela crise económica. A moeda federal será dividida  por políticas orçamentais confederais. Minada  por expressões políticas centrífugas, a sustentabilidade do euro é, por conseguinte, condicional.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 14. Uma análise sobre a criação da União Europeia e sobre a sua trajetória até aos dias de hoje – Parte II

(Entrevista a  Olivier Delorme por GALAAD WILGOS, 04/12/2018)

Dito isto, acredito agora que a dissolução da UE deixará de ter lugar de forma pacífica, negociada e regular, como seria desejável. Devido à falta de coragem de todas as forças políticas constituídas, da sua recusa em explicar claramente porque razão é necessário sair deste impasse, da sua teimosia em cultivar ambiguidades e artifícios (Plano A – Plano B, desobediência aos tratados…), o que reflete quer a trágica ilusão de que tudo pode ser mudado neste edifício, quer o desejo de esconder que nada será mudado.
.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 14. Uma análise sobre a criação da União Europeia e sobre a sua trajetória até aos dias de hoje – Parte II

(Entrevista a  Olivier Delorme por GALAAD WILGOS, 04/12/2018)

Dito isto, acredito agora que a dissolução da UE deixará de ter lugar de forma pacífica, negociada e regular, como seria desejável. Devido à falta de coragem de todas as forças políticas constituídas, da sua recusa em explicar claramente porque razão é necessário sair deste impasse, da sua teimosia em cultivar ambiguidades e artifícios (Plano A – Plano B, desobediência aos tratados…), o que reflete quer a trágica ilusão de que tudo pode ser mudado neste edifício, quer o desejo de esconder que nada será mudado.
.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 14. Uma análise sobre a criação da União Europeia e sobre a sua trajetória até aos dias de hoje – Parte I

(Entrevista a  Olivier Delorme por GALAAD WILGOS, 27/12/2018)

Na realidade, a UE é apenas a expressão de vinte e sete cobardias, vinte e sete renúncias a existir por si própria; a UE só pode ser um monstro brando, um gigante indeciso, sem vontade, incapaz de decidir seja o que for e sem agilidade. Hoje como ontem, e talvez mais do que ontem, é melhor ser uma potência média, ágil, que sabe o que quer e coopera em todas as direções com os outros, com base na igualdade e nos benefícios mútuos, do que uma parte impotente de um Império impotente – mais a cana do que o carvalho, parafraseando La Fontaine.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 14. Uma análise sobre a criação da União Europeia e sobre a sua trajetória até aos dias de hoje – Parte I

(Entrevista a  Olivier Delorme por GALAAD WILGOS, 27/12/2018)

Na realidade, a UE é apenas a expressão de vinte e sete cobardias, vinte e sete renúncias a existir por si própria; a UE só pode ser um monstro brando, um gigante indeciso, sem vontade, incapaz de decidir seja o que for e sem agilidade. Hoje como ontem, e talvez mais do que ontem, é melhor ser uma potência média, ágil, que sabe o que quer e coopera em todas as direções com os outros, com base na igualdade e nos benefícios mútuos, do que uma parte impotente de um Império impotente – mais a cana do que o carvalho, parafraseando La Fontaine.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 13. Joseph Stiglitz : « Será talvez necessário abandonar o euro para salvar o projeto europeu »

(Entrevista a Joseph Stiglitz por Benoit GEORGES, 16/09/2016)

Normalmente, existem várias formas de responder a uma crise: baixam-se as taxas de câmbio, baixam-se as taxas de juro, diferentes países podem agir de forma diferente. Com a moeda única, estes mecanismos foram suprimidos. E nada foi posto em prática. Ao fazê-lo, a Europa está de mãos atadas: não se pode utilizar taxas de câmbio, instrumentos de política monetária, fiscalidade… porque se tem de limitar os défices a 3% do PIB. Todos os instrumentos de ajustamento foram suprimidos. E, pior ainda, não foram criadas as instituições necessárias.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 13. Joseph Stiglitz : « Será talvez necessário abandonar o euro para salvar o projeto europeu »

(Entrevista a Joseph Stiglitz por Benoit GEORGES, 16/09/2016)

Normalmente, existem várias formas de responder a uma crise: baixam-se as taxas de câmbio, baixam-se as taxas de juro, diferentes países podem agir de forma diferente. Com a moeda única, estes mecanismos foram suprimidos. E nada foi posto em prática. Ao fazê-lo, a Europa está de mãos atadas: não se pode utilizar taxas de câmbio, instrumentos de política monetária, fiscalidade… porque se tem de limitar os défices a 3% do PIB. Todos os instrumentos de ajustamento foram suprimidos. E, pior ainda, não foram criadas as instituições necessárias.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 12. Como a governação da zona euro alarga as diferenças de riqueza entre os países europeus

(Jérémy Giraud, 4 de Novembro de 2018)

O euro forte permite à Alemanha exportar seus veículos, máquinas-ferramentas e produtos químicos a preços mais altos para mercados que são relativamente menos sensíveis aos preços do que os mercados de exportação de empresas francesas, italianas ou espanholas. Ao mesmo tempo, o euro forte tornou as indústrias dos países do Sul mais precárias ao reduzir a sua competitividade pelos  preços, reforçando assim a polarização industrial da Europa em torno do eixo do Reno.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 12. Como a governação da zona euro alarga as diferenças de riqueza entre os países europeus

(Jérémy Giraud, 4 de Novembro de 2018)

O euro forte permite à Alemanha exportar seus veículos, máquinas-ferramentas e produtos químicos a preços mais altos para mercados que são relativamente menos sensíveis aos preços do que os mercados de exportação de empresas francesas, italianas ou espanholas. Ao mesmo tempo, o euro forte tornou as indústrias dos países do Sul mais precárias ao reduzir a sua competitividade pelos  preços, reforçando assim a polarização industrial da Europa em torno do eixo do Reno.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 11. O euro já tem 20 anos: a zona euro está condenada ao sucesso.

(Martin Wolf, 27 de Janeiro de 2019)

Em segundo lugar, como é que o euro se tem comportado? Obviamente, sobreviveu, apesar dos grandes choques e das divisões dolorosas. Fê-lo porque os custos da dissolução, ou mesmo da partida de membros individuais, parecem aterradores. Fê-lo também porque, no fundo das crises, os decisores políticos fizeram o suficiente para o manter vivo.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 11. O euro já tem 20 anos: a zona euro está condenada ao sucesso.

(Martin Wolf, 27 de Janeiro de 2019)

Em segundo lugar, como é que o euro se tem comportado? Obviamente, sobreviveu, apesar dos grandes choques e das divisões dolorosas. Fê-lo porque os custos da dissolução, ou mesmo da partida de membros individuais, parecem aterradores. Fê-lo também porque, no fundo das crises, os decisores políticos fizeram o suficiente para o manter vivo.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 10. Como é que a crise não resolvida na zona euro nos põe a todos em perigo

(Grace Blakeley, 23 de Janeiro de 2019)

A crise da zona euro é, no fundo, uma crise política. O principal obstáculo à sua resolução é a recusa da Alemanha e dos seus aliados do norte da Europa em apoiar uma política macroeconómica inflacionista – maior despesa pública e reduções fiscais – em toda a UE.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 10. Como é que a crise não resolvida na zona euro nos põe a todos em perigo

(Grace Blakeley, 23 de Janeiro de 2019)

A crise da zona euro é, no fundo, uma crise política. O principal obstáculo à sua resolução é a recusa da Alemanha e dos seus aliados do norte da Europa em apoiar uma política macroeconómica inflacionista – maior despesa pública e reduções fiscais – em toda a UE.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 9. No 20º aniversário do euro, a homenagem de Draghi perpetua mitos há muito rejeitados

(Ashoka Mody,  25 de Janeiro de 2019)

O problema com a UE e o Euro é que se baseiam em mentiras sob a presunção de que, se repetidas com suficiente frequência, se tornarão realidade. Isto funcionou bem durante algum tempo, mas como disse Abraham Lincoln: “Você pode enganar todas as pessoas em algum momento do tempo, e algumas pessoas o tempo todo, mas  não pode enganar todas as pessoas durante todo o tempo. O número de pessoas que  pode enganar está a afundar-se   muito rapidamente.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 9. No 20º aniversário do euro, a homenagem de Draghi perpetua mitos há muito rejeitados

(Ashoka Mody,  25 de Janeiro de 2019)

O problema com a UE e o Euro é que se baseiam em mentiras sob a presunção de que, se repetidas com suficiente frequência, se tornarão realidade. Isto funcionou bem durante algum tempo, mas como disse Abraham Lincoln: “Você pode enganar todas as pessoas em algum momento do tempo, e algumas pessoas o tempo todo, mas  não pode enganar todas as pessoas durante todo o tempo. O número de pessoas que  pode enganar está a afundar-se   muito rapidamente.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 8. O euro, 20 anos de cegueira

(Romain Masson , 10 de Janeiro de 2019)

Os defensores dos “Estados Unidos da Europa” também ignoram ou fingem ignorar que o federalismo implica uma política fiscal comum para permitir transferências das regiões mais ricas para as mais pobres, como está a acontecer  dentro das nações. No entanto, desde a criação do euro, a Alemanha recusou-se categoricamente a avançar para uma união de transferências que os teria obrigado a subsidiar os outros Estados-Membros e continua a opor-se-lhe.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 8. O euro, 20 anos de cegueira

(Romain Masson , 10 de Janeiro de 2019)

Os defensores dos “Estados Unidos da Europa” também ignoram ou fingem ignorar que o federalismo implica uma política fiscal comum para permitir transferências das regiões mais ricas para as mais pobres, como está a acontecer  dentro das nações. No entanto, desde a criação do euro, a Alemanha recusou-se categoricamente a avançar para uma união de transferências que os teria obrigado a subsidiar os outros Estados-Membros e continua a opor-se-lhe.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 7. O conflito na zona euro e o seu futuro

(Antonio Lettieri , 20 de Janeiro de 2019)

Este ano, a zona euro faz vinte anos. Se os primeiros dez anos foram caracterizados por uma complexa fase de arranque em busca de um equilíbrio interno, a segunda década foi marcada por uma crise que ainda não encontrou solução. A zona euro sofreu duas crises em 2008-2009 e 2012-13. E, atualmente, está novamente marcada por um declínio no crescimento e por um aumento do desemprego.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 7. O conflito na zona euro e o seu futuro

(Antonio Lettieri , 20 de Janeiro de 2019)

Este ano, a zona euro faz vinte anos. Se os primeiros dez anos foram caracterizados por uma complexa fase de arranque em busca de um equilíbrio interno, a segunda década foi marcada por uma crise que ainda não encontrou solução. A zona euro sofreu duas crises em 2008-2009 e 2012-13. E, atualmente, está novamente marcada por um declínio no crescimento e por um aumento do desemprego.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 6. A Europa, um continente que se transforma num desolado modelo alemão

(Heiner Flassbeck, 25 de Janeiro de 2019)

Os políticos de centro-direita alemães dizem que os britânicos devem ser punidos por ousarem abandonar a União, enquanto os alemães de centro-esquerda lamentam que tenhamos de enfrentar seriamente uma reforma fundamental da UE, em vez de esperarmos uma desagregação da Europa. Há um grande debate na esquerda porque há quem acredite que o Brexit prova que sair da UE é uma “loucura”. Talvez a verdade esteja no meio ou noutro lugar qualquer.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 6. A Europa, um continente que se transforma num desolado modelo alemão

(Heiner Flassbeck, 25 de Janeiro de 2019)

Os políticos de centro-direita alemães dizem que os britânicos devem ser punidos por ousarem abandonar a União, enquanto os alemães de centro-esquerda lamentam que tenhamos de enfrentar seriamente uma reforma fundamental da UE, em vez de esperarmos uma desagregação da Europa. Há um grande debate na esquerda porque há quem acredite que o Brexit prova que sair da UE é uma “loucura”. Talvez a verdade esteja no meio ou noutro lugar qualquer.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 4. Porque é que o euro falhou

( Ashoka Moya, 3 de Setembro de 2018)

A falha essencial da moeda única era elementar. Ao renunciarem às suas moedas nacionais, os membros da zona euro perderam importantes alavancas políticas. Se um país membro entrasse em recessão, não teria uma moeda que pudesse desvalorizar para que as suas empresas pudessem vender no estrangeiro a preços mais baixos em dólares  americanos, a fim de aumentar as exportações e o emprego. O país membro também não teria um banco central que pudesse reduzir as suas taxas de juros para incentivar a despesa internamente  e estimular o crescimento.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 4. Porque é que o euro falhou

( Ashoka Moya, 3 de Setembro de 2018)

A falha essencial da moeda única era elementar. Ao renunciarem às suas moedas nacionais, os membros da zona euro perderam importantes alavancas políticas. Se um país membro entrasse em recessão, não teria uma moeda que pudesse desvalorizar para que as suas empresas pudessem vender no estrangeiro a preços mais baixos em dólares  americanos, a fim de aumentar as exportações e o emprego. O país membro também não teria um banco central que pudesse reduzir as suas taxas de juros para incentivar a despesa internamente  e estimular o crescimento.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 3. A zona euro tem 20 anos – Parte II

( Jacques Sapir, 1 de Janeiro de 2019)

O fracasso da zona euro é agora evidente para a grande maioria dos observadores. Este fracasso conduz os países da zona euro à sua perda, mas, para além disso, tem um impacto significativo na economia internacional. O facto de o Euro condenar um grupo de países a um baixo crescimento tem consequências importantes para o resto do mundo. É por isso que a dissolução da zona euro parece ser agora uma prioridade absoluta.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 3. A zona euro tem 20 anos – Parte II

( Jacques Sapir, 1 de Janeiro de 2019)

O fracasso da zona euro é agora evidente para a grande maioria dos observadores. Este fracasso conduz os países da zona euro à sua perda, mas, para além disso, tem um impacto significativo na economia internacional. O facto de o Euro condenar um grupo de países a um baixo crescimento tem consequências importantes para o resto do mundo. É por isso que a dissolução da zona euro parece ser agora uma prioridade absoluta.