Bérgamo, o massacre que as entidades patronais não quiseram evitar. Por Alba Sidera

Espuma dos dias Coronavirus

Seleção e tradução de Francisco Tavares

 

Bérgamo, o massacre que as entidades patronais não quiseram evitar

Alba Sidera Por Alba Sidera

Publicado por logo ctxt em 10/04/2020 (ver aqui)

 

A zona de Itália mais devastada pelo Covid-19 é um grande centro industrial. Nunca foi declarada uma zona vermelha devido à pressão dos empresários. O custo em vidas humanas foi catastrófico

73 Bérgamo o massacre que as entidades patronais não quiseram evitar
Caravana de camiões militares em Bérgamo

Há imagens que marcam uma época, que ficam gravadas no imaginário colectivo de um país. Uma que os italianos não poderão esquecer nos próximos anos é aquela que os residentes de Bérgamo fotografaram das suas janelas na noite de 18 de Março. Setenta camiões militares atravessaram a cidade no meio de um silêncio sepulcral, um após o outro, numa marcha lenta como sinal de respeito: transportavam cadáveres. Levavam-nos para outras cidades fora da Lombardia porque o cemitério, a morgue, a igreja convertida em morgue de emergência e o crematório a funcionar 24 horas por dia já não aguentavam mais. A imagem captou a magnitude da tragédia em curso na região de Itália mais afectada pelo coronavírus. No dia seguinte, o país foi despertado pela notícia de que era o primeiro no mundo em mortes oficiais de Covid-19, na sua maioria na Lombardia. Mas por que razão a situação é tão dramática precisamente em Bérgamo? O que aconteceu nessa zona para que, em Março de 2020, se tenham registado mais 400% de mortes do que no mesmo mês do ano anterior?

 

“A Lombardia é a região italiana que mais representa o modelo de mercantilização da saúde e foi vítima de um sistema corrupto a grande escala”

Em 23 de Fevereiro, registaram-se dois casos positivos de coronavírus na província de Bergamo. Numa semana, atingiram 220; quase todos em Val Seriana. No Codogno, uma cidade da Lombardia onde foi detetado o primeiro caso oficial de coronavírus em 21 de Fevereiro, 50 casos diagnosticados foram suficientes para encerrar a cidade e declará-la zona vermelha. Por que razão não se fez o mesmo em Val Seriana? Porque neste vale do rio Serio concentra-se um dos centros industriais mais importantes de Itália, e os industriais pressionaram todas as instituições para que não fechassem as suas fábricas e não perdessem dinheiro. E assim, por incrível que pareça, a zona com mais mortes de coronavírus por habitante em Itália – e na Europa – nunca foi declarada zona vermelha, apesar do espanto dos presidentes de câmara que a reclamavam, e dos cidadãos, que agora exigem responsabilidades. Os médicos de família de Val Seriana são os primeiros a pronunciar-se claramente: se tivesse sido declarada zona vermelha, como aconselhavam todos os especialistas, centenas de pessoas teriam sido salvas, dizem eles, impotentes.

A história é ainda mais sombria: aqueles que têm interesse em manter as fábricas abertas são, em alguns casos, os mesmos que têm interesse nas clínicas privadas. A Lombardia é a região italiana que mais representa o modelo de comercialização dos cuidados de saúde e tem sido vítima de um sistema corrupto em grande escala liderado pelo ex-governador durante 18 anos (de 1995 a 2013), Roberto Formigoni, um dos principais membros da Comunhão e Libertação (CyL). Ele era do partido de Berlusconi, que o definiu como “governador vitalício da Lombardia”, mas sempre teve o apoio da Liga, que governa a região desde que Formigoni partiu, acusado – e depois condenado – de corrupção no sector da saúde. O seu sucessor, Roberto Maroni, iniciou em 2017 uma reforma da saúde que reduziu ainda mais os investimentos em saúde pública e praticamente aboliu a figura do médico de família, substituindo-o pelo “gestor”. “É verdade que, nos próximos cinco anos, 45 mil médicos de família vão desaparecer, mas quem é que ainda vai ao médico de família?”, disse inconformado o político da Liga, Giancarlo Giorgetti, então Secretário de Estado Adjunto no Governo Conte-Salvini, em Agosto do ano passado.

A epidemia na região de Bergamo, a chamada Bergamasca, começou oficialmente na tarde de domingo 23 de Fevereiro, embora os médicos de família – na linha da frente da denúncia da situação – tenham dito que, desde o final de Dezembro, vinham a atender muitos casos de pneumonia anormal em pessoas com apenas 40 anos de idade. Em 23 de Fevereiro, os resultados dos exames do coronavírus de dois pacientes internados no hospital Pesenti Fenaroli em Alzano Lombardo, uma cidade de 13.670 habitantes a poucos quilómetros de Bergamo, foram positivos. Como ambos tinham estado em contacto com outros pacientes e com médicos e enfermeiros, a direcção do hospital decidiu fechar as portas. Mas, sem qualquer explicação, reabriram-nas algumas horas depois, sem desinfetar as instalações ou isolar os doentes com Covid-19. Além disso, o pessoal médico passou uma semana a trabalhar sem proteção; um bom número de enfermeiros do hospital foi infetado e espalhou o vírus entre a população. O contágio multiplicou-se por todo o vale. O hospital acabou por ser o primeiro grande foco de infeção: pacientes que foram admitidos por um simples problema na anca acabaram por morrer de infeção por coronavírus.

Os presidentes de câmara dos dois municípios mais atingidos de Val Seriana, Nembro e Alzano Lombardo, esperaram todos os dias, às sete horas, pela ordem de encerramento da cidade, que era o que tinham acordado fazer. Tudo estava pronto: as portarias tinham sido redigidas, o exército tinha sido mobilizado, o chefe da polícia tinha-os informado sobre os turnos a efetuar nas guardas e as tendas tinham sido montadas. Mas a ordem nunca chegou, e ninguém lhes conseguiu explicar porquê. Em contrapartida, houve chamadas contínuas dos empresários e proprietários de fábricas da zona, que estavam muito preocupados em evitar o encerramento das suas atividades a todo o custo. Não se estavam a esconder.

Sem qualquer vergonha, em 28 de Fevereiro, em plena emergência do Coronavírus – em 5 dias tinham sido atingidas as 110 infeções oficiais na zona, já fora de controlo – a associação patronal industrial italiana, Confindustria, iniciou uma campanha em rede com a designação #YesWeWork. “Temos de baixar o tom, fazer compreender ao público que a situação está a tornar-se normal, que as pessoas podem voltar a viver como antes”, disse o presidente da Confindustria Lombardia, Marco Bonometti, nos meios de comunicação social.

No mesmo dia, a Confindustria Bergamo lançou a sua própria campanha dirigida aos investidores estrangeiros para os convencer de que nada estava a acontecer ali e que não iriam fechar as portas. O slogan era inequívoco: “Bergamo non si ferma / Bergamo is running”. 

A mensagem do vídeo promocional para os parceiros internacionais era um disparate: “Foram diagnosticados casos de Coronavírus em Itália, tal como em muitos outros países”, minimizaram. E eles mentiam: “O risco de infeção é baixo”. Culpavam os meios de comunicação social por alarmismos injustificados e, ao mostrarem trabalhadores a trabalharem nas suas fábricas, vangloriavam-se de que todas as fábricas permaneceriam “abertas e em pleno rendimento, como de costume”.

Apenas cinco dias mais tarde, eclodiu o enorme surto de contágio e morte e tornou-se o maior em Itália e na Europa. Mas nem assim eles retiraram a campanha, nem consideraram encerrar as fábricas. A Confindustria Bergamo agrupa 1.200 empresas que empregam mais de 80.000 trabalhadores. Todos eles foram expostos ao vírus, forçados a ir trabalhar, em grande parte sem medidas adequadas – apinhados, sem distância de segurança ou material de proteção -, colocando-se a si próprios e a todo o seu ambiente em risco.

 

“O hospital Pesenti Fenaroli revelou-se o primeiro grande foco de infeção em Alzano Lombardo: pacientes que ingressavam devido a um simples problema de anca acabaram por morrer de Coronavírus”

O presidente da Câmara de Bergamo, Giorgio Gori, do Partido Democrata, também se juntou ao clamor para não fechar a cidade e no dia 1 de Março convidou as pessoas a encherem as lojas do centro com o slogan “Bergamo não pára”. Mais tarde, perante a evidência da catástrofe, lamentou-a e admitiu que tinha tomado medidas demasiado brandas para não entravar a atividade económica das poderosas empresas da região.

Em 8 de Março, os contágios oficiais na Bergamasca tinham passado de 220 para 997 numa semana. Durante a tarde, foi divulgado que o Governo queria isolar a Lombardia. Após horas de caos em que muitos deixaram Milão numa debandada, Giuseppe Conte apareceu, já ao amanhecer, numa confusa conferência de imprensa através do Facebook para anunciar o decreto. Não era o que os presidentes de câmara das povoações do Val Seriana esperavam: não era zona vermelha, mas laranja. Por outras palavras, restringiam-se as entradas e saídas dos municípios, mas todos podiam continuar a trabalhar.

Após dois dias, o confinamento foi alargado a toda a Itália por igual. E nada mudou na área da Bergamasca, onde os contágios cresciam e cresciam ao mesmo ritmo imparável das suas fábricas a funcionar a toda a velocidade. “Quando todos na região, especialmente em Nembro e Alzano Lombardo, tomaram como certo que a zona vermelha ia ser declarada, algumas empresas importantes da região fizeram pressão para a atrasar o mais possível”, diz Andrea Agazzi, secretário-geral do sindicato FIOM Bergamo, no programa Report, da RAI. E acrescenta: “A Confindustria jogou as suas cartas e o governo escolheu de que lado ia estar”.

Os contágios e as mortes aumentaram imparavelmente, especialmente nas zonas industriais da Lombardia entre Bérgamo e Brescia. Exactamente um mês após o primeiro caso oficial de coronavírus em Itália, no sábado, 21 de Março, foi atingido o triste recorde de quase 800 mortes por dia. Os governadores da Lombardia e do Piemonte – outro grande centro industrial – declararam que a situação era insustentável e que era necessário parar a atividade produtiva. Conte, que até então tinha sido contra a medida, apareceu à noite esmagado para dizer que sim, agora sim, “todas as atividades económicas produtivas não essenciais” seriam encerradas.

 

“As fábricas da Bergamasca continuaram praticamente todas abertas até 23 de março, quando os contágios oficiais na zona já eram quase de 6.500”

A Confindustria foi imediatamente ativada e iniciou uma ofensiva de pressão sobre o governo. “Nem todas as atividades não essenciais podem ser encerradas”, afirmaram numa carta ao primeiro-ministro, especificando as suas exigências. Os industriais conseguiram que o decreto demorasse 24 horas a ser aprovado e que Conte aceitasse as suas condições. Com efeito, o Governo tinha escolhido de que lado estava, e não era dos trabalhadores.

Os sindicatos, em bloco, puseram-se em pé de guerra e ameaçaram com uma greve geral se o verdadeiro encerramento das atividades produtivas não essenciais não fosse levado a cabo. A Confindustria tinha conseguido acrescentar muitas atividades não essenciais, como as da indústria do armamento e das munições, à lista de atividades que poderiam continuar a funcionar. Além disso, incluíam uma espécie de cláusula que permitia, na prática, que qualquer empresa que declarasse ser “funcional” para que uma atividade económica essencial permanecesse em aberto. Isto significa que num só dia, em Brescia, a outra província da Lombardia atingida pelo coronavírus, mais de 600 empresas que não constavam da lista das empresas essenciais iniciaram os procedimentos para continuar a funcionar.

“Não compreendo porque é que os sindicatos iriam querer fazer greve. O decreto já é muito restritivo: que mais havia que fazer?”, disse o presidente da Confindustria, Vincenzo Boccia, não muito empático. E acrescentou: “Já vamos perder 100 mil milhões de euros por mês; não parar a economia é do interesse de todo o país”. Annamaria Furlan, secretária-geral do sindicato da CISL, tentou explicar: “Sou sindicalista há 40 anos e nunca pedi o encerramento de nenhuma fábrica, mas agora está em risco a vida das pessoas”.

Os trabalhadores da fábrica iniciaram protestos e greves enquanto os sindicatos negociavam com o governo, que finalmente caiu em si. Algumas atividades foram retiradas da lista das mais de oitenta consideradas essenciais, tais como a indústria de armamento ou as centrais telefónicas que vendem ofertas não solicitadas por telefone, e as indústrias petroquímicas foram objecto de restrições. Foi igualmente acordado que a autocertificação de uma empresa não era suficiente para ser considerada funcional para uma empresa essencial e o compromisso de proteger o direito à saúde dos trabalhadores que permanecem nas fábricas. No entanto, foram deixados pontos ambíguos no decreto e existe uma zona cinzenta que permite que muitas fábricas permaneçam abertas. Do mesmo modo, muitos trabalhadores continuam a trabalhar sem a distância de segurança adequada ou sem equipamento adequado.

As fábricas da Bergamasca continuaram praticamente todas abertas até 23 de Março, quando o contágio oficial na zona foi de quase 6.500. Uma semana depois, em 30 de Março, apesar do decreto que encerra “todas as atividades de produção não essenciais”, havia 1 800 fábricas abertas e 8 670 casos oficialmente infectados na zona.

 

“Nenhuma autoridade esteve à altura das circunstâncias, exceto os presidentes de câmara das povoações pequeñas, os únicos que reconheceram –e denunciaram– as pressões dos industriais”

Ponhamos nome às fábricas que não quiseram fechar. Uma das empresas da região é a Tenaris, líder mundial no fabrico de tubos e serviços para a exploração e produção de petróleo e gás, com um volume de negócios de 7,3 mil milhões de dólares e sede legal no Luxemburgo. Emprega 1.700 trabalhadores na sua fábrica em Bergamasca e pertence à família Rocca, sendo o seu proprietário Gianfelice Rocca, o oitavo homem mais rico de Itália. Na província de Bergamo, como em toda a Lombardia, os cuidados de saúde privados são muito fortes. Em Bergamasca, em particular, metade dos serviços de saúde são privados. As duas clínicas privadas mais importantes da região, com um volume de negócios anual superior a 15 milhões de euros cada, pertencem ao grupo San Donato – cujo presidente é o antigo vice-primeiro-ministro italiano Angelino Alfano, o antigo delfim de Berlusconi – e ao grupo Humanitas. O presidente da Humanitas é Gianfelice Rocca, também proprietário da Tenaris, a indústria que não quis mandar os seus trabalhadores para casa. O sistema privado de saúde de Bergamo só foi ativado pela emergência do Coronavirus a 8 de Março, quando, por decreto, todos os serviços não urgentes tiveram de ser adiados. Só então começaram a dar lugar aos doentes do Covid-19.

A Brembo é outra grande empresa com fábricas na Bergamasca. Pertence à poderosa família Bombassei, também envolvida na política: Alberto, o filho do fundador, foi deputado pela Scelta Civica, o partido de Mario Monti. Tem 3.000 trabalhadores nas suas fábricas na zona de Bergamo, onde produzem travões para automóveis. O seu volume de negócios é de 2,6 mil milhões de euros. Eles não quiseram fechar.

A Val Seriana foi largamente industrializada por empresas suíças há mais de 100 anos, pelo que a presença de fábricas ligadas à Suíça continua a ser importante. Outra grande empresa que tem mais de 6.000 trabalhadores em Itália, mais de 850 na Bergamasca, é a ABB, de capital suíço e sueco. Líder em robótica, tem um volume de negócios de 2 mil milhões de euros. Em 30 de Março continuava aberta com total normalidade.

Persico, uma empresa italiana que produz componentes automóveis, com 400 trabalhadores e 159 milhões de facturação, está sediada em Nembro, o município com o maior número de mortos do Covid-19 por habitante em Itália. Pierino Persico, o proprietário, foi um dos que mais se opôs à declaração da zona vermelha.

Em Nembro, 14 pessoas morreram em março de 2019. No mesmo mês deste ano registaram-se 123 (um aumento de 750%). Em Alzano Lombardo, em março de 2019, morreram 9 pessoas; neste mês de Março, 101. Na cidade de Bergamo (120.000 habitantes), 553 morreram em março, enquanto que em março de 2019 tinham morrido 125.

Os dados das pessoas infetadas não são fiáveis porque não são testados, e da protecção civil italiana – que oferece as contas – avisa-se que os números devem ser multiplicados por, pelo menos, dez.

Segundo um estudo publicado pelo Giornale di Brescia, nesta província lombarda o número de pessoas infectadas seria 20 vezes superior ao número oficial, 15% da população. E o mesmo se aplica aos mortos. De acordo com este estudo, seriam o dobro dos oficiais, ou seja, 3 000 só na província de Brescia. A falta de testes – sobre os vivos e os mortos – torna impossível uma contagem fiável. O que sabemos é que a Itália é o país do mundo com o maior número de mortos do Covid-19, cerca de 18 000, e a maioria provém do norte industrial.

Agora, perante milhares de cadáveres e uma população que começa a transformar a sua dor em fúria, todos se livram da culpa. O governador da Lombardia, Attilio Fontana da Lega, culpa o governo central e assegura que ele não foi mais rigoroso porque eles não o deixaram. Na verdade, se tivesse querido, poderia ter sido, tal como os governadores da Emilia Romagna, do Lácio e da Campânia, que decretaram zonas vermelhas nas suas regiões. A verdade é que nenhuma autoridade esteve à altura da tarefa, excepto os presidentes de câmara das pequenas cidades, que são os únicos que reconheceram – e denunciaram publicamente – a pressão dos industriais, que os sitiavam com apelos para tentar impedir ou adiar o encerramento das fábricas.

De uma Bergamo ferida e ainda em estado de choque, os cidadãos começam a organizar-se para pedir que os factos sejam esclarecidos e que alguém assuma pelo menos a responsabilidade de ter permitido que os interesses económicos prevalecessem sobre a saúde – ou seja, a vida – dos trabalhadores de Bergamasca. Muitos deles, aliás, são precários.

________________________

A autora: Alba Sidera (Girona, 1979) é uma jornalista catalã. Correspondente do jornal El Punt-Avui em Roma desde 2012, é especialista no mundo político italiano. Ela recebeu uma menção honrosa da revista Pensamiento al margen em 2019 pelo seu artigo informativo: “A armadilha da postideologia protege os medíocres” e, em fevereiro de 2020, ela publicou o seu primeiro livro, Fascismo Persistente, no qual explica a sobrevivência da ideologia fascista, a exaltação da figura de Mussolini e a ascensão do político populista Matteo Salvini na península italiana.

 

 

 

 

 

2 Comments

  1. *“OS VERDE-AMARELO”: INIMIGOS MORTAIS DO BRASIL* – por Malu Aires
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2020/04/13/os-verde-amarelo-inimigos-mortais-do-brasil-por-malu-aires/

    “Nem Inglaterra, nem Estados Unidos, nem Alemanha, nem Itália acreditam mais na cura do Brasil. Pediram que seus cidadãos voltem imediatamente aos seus países.
    O Brasil precisa de ajuda, contra um inimigo mortal – os verde-amarelo.
    Não há mais como tolerar os verde-amarelo destruindo nosso país e colocando em risco a vida de milhões de brasileiros e estrangeiros que vivem aqui.
    São os verde-amarelo que organizaram desfiles pelo fim da nossa democracia, pelo fim da nossa soberania, entrega do nosso patrimônio, pela nossa ruína econômica e pela nossa crise social. …”

Leave a Reply