Da histeria na diabolização à necessidade em silenciar as vozes discordantes – Reflexões sobre a atual cacofonia em torno da guerra na Ucrânia — Texto 4. O REGRESSO DOS ASSASSINOS DA MEMÓRIA.  Por Régis de Castelnau

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

10 m de leitura

Texto 4. O REGRESSO DOS ASSASSINOS DA MEMÓRIA

 

 Por Régis de Castelnau

Publicado por  em 26 de Junho de 2022 (original aqui)

 

A primeira vítima da guerra é a verdade”. A famosa citação atribuída a Clemenceau ou Kipling está mais uma vez a ser ilustrada após a intervenção russa na Ucrânia. É difícil saber como é organizada a propaganda russa, uma vez que todos os canais de informação vindos da Rússia estão proibidos, e a transmissão do que vem daquele país expõe-no a uma censura muito rápida. Por outro lado, é possível apreciar o delírio russofóbico que tem dominado as elites ocidentais. O autor destas linhas tem alguma experiência das lutas ideológicas da Guerra Fria e das memórias amargas que se seguiram à invasão do Afeganistão pela URSS em Dezembro de 1979. Perante estes excessos, é-se agora forçado a notar que, tal como o antissionismo é frequentemente a máscara do antissemitismo, o antisovietismo era a máscara da Russofobia. Não entraremos aqui em detalhes sobre a triste mistura de narrativas baseadas em pedaços de realidade, preconceitos militantes presentes em todo o lado, ignorância grosseira da história e da geografia e submissão servil às narrativas concebidas nos Estados Unidos e pelas agências de comunicação que rodeiam Wolodymir Zelensky. Salvo a chamada “debandada do exército russo”, que é particularmente saborosa à luz das faces daqueles que foram os seus retransmissores entusiásticos.

Há, contudo, um ponto estranho que merece ser desenvolvido: o da negação da importância da corrente ultranacionalista, ou mesmo neonazi existente na Ucrânia, e do seu peso na vida política do país. Porque estamos a assistir à negação de um facto óbvio que foi reconhecido há apenas alguns meses por aqueles que hoje nos garantem que tudo está bem e que é apenas folclore. O que é inacreditável é que esta propaganda conduz a um verdadeiro negacionismo que diz respeito, desculpem o trocadilho, aos genocídios da Segunda Guerra Mundial! O paroxismo foi alcançado no início do mês durante as comemorações do desembarque dos Aliados na Normandia, quando a imprensa publicou na primeira página uma foto da cerimónia oficial onde se podia ver a bandeira ucraniana desfraldada no meio das bandeiras Aliadas na praia, saudada no céu por uma patrulha francesa. Desculpem?

A 6 de Junho de 1944, havia de facto ucranianos a combater na costa da Normandia, mas eles estavam no exército nazi e opunham-se ao avanço das forças aliadas. Pois é de facto uma questão de negacionismo, uma vez que nesse mesmo mês de Junho de 1944, aqueles que hoje são homenageados na Ucrânia e apresentados como heróis oficiais, estiveram lá ao lado dos nazis para levar a cabo os massacres de judeus e polacos. Se bem o entendemos, o negacionismo do Holocausto é como o colesterol ou os caçadores, há um bom e um mau. E o fim que justifica os meios, o negacionismo em apoio da Ucrânia, seria um bom negacionismo?

Desde o início da intervenção russa, Vladimir Putin tinha salientado a existência de grupos neonazis ativos no aparelho de estado ucraniano e envolvidos na repressão sofrida pelas populações de língua russa de Donbass desde 2014. Tornou esta uma das razões para a intervenção militar. A imprensa ocidental em geral e a imprensa francesa em particular, que se tinha desinteressado da guerra civil na Ucrânia durante oito anos, minimizou a existência destas correntes, apresentando-as como folclore marginal.

 

Uma realidade problemática

Mas qual é então o problema? Uma série de sinais no mínimo preocupantes foram observados por toda uma série de ONG anglo-saxónicas de direitos humanos, pela imprensa israelita, por membros do Congresso dos EUA, por senadores e políticos franceses. Tratava-se da existência de grupos violentos numericamente grandes, que realizavam demonstrações de força baseadas em desfiles de milícias e procissões de tochas, brandindo diretamente insígnias nazis. Muito mais grave ainda, estes grupos envolveram-se regularmente em violência, até ao ponto de assassinato contra representantes da população de língua russa, que têm sido vítimas de uma discriminação inegável desde o golpe de Estado de 2014. A Human Rights Watch e a Amnistia Internacional têm denunciado regularmente estas ações e apontado a responsabilidade pessoal de vários líderes destes grupos que se encontram agora ao mais alto nível do aparelho de Estado.

Por exemplo, Maksym Marchenko, o governador de Odessa, com o qual BHL se mostrou sem hesitações como amigo . É um antigo líder do batalhão Aidar apresentado da seguinte forma por um relatório da OFPRA incidindo sobre “atrocidades atribuídas a grupos paramilitares ultranacionalistas ucranianos desde 2014 na zona de conflito de Donbass e outras regiões da Ucrânia contra pessoas suspeitas de apoiar as repúblicas separatistas de Donetsk de Luhansk“. O relatório é uma leitura edificante.

Há muitos exemplos deste tipo, todos eles retratando ultranacionalistas com simpatias neonazis, líderes de grupos conhecidos pela sua violência. Poderíamos também citar o criador do batalhão Azov, Andriy Biletsky, nomeado por Zelensky como conselheiro do chefe do Estado-Maior do exército ucraniano, ou a nomeação de Vadym Troian como diretor da polícia ucraniana, “uma promoção que sugere uma porosidade perturbadora entre a polícia e os círculos paramilitares, mantida pelo próprio Arsen Avakov, o Ministro do Interior“, como a imprensa suíça assinalou.

Uma simples pesquisa na Internet dá uma ideia desta realidade e da preocupação que ela suscita nas organizações de direitos humanos. Claro que, para apresentar a Ucrânia numa perspetiva favorável, foi-nos explicado que a partir de 2015, as milícias foram integradas nas forças regulares e em grande parte purgadas de neonazis e supremacistas ao abrigo dos Acordos de Minsk. Só que esta invocação da aplicação dos acordos de Minsk é uma piada, uma vez que a Ucrânia, embora signatária, nunca quis aplicá-los sob pressão de grupos neonazis. Recordemos que estes acordos previam uma modificação prévia da constituição para permitir uma federalização do país. Todos aqueles que ousaram mencioná-lo foram imediatamente ameaçados de morte. É interessante ouvir o antigo Presidente Poroshenko, que foi instalado pelo golpe de 2014, confirmar alegremente que esta nunca foi a sua intenção. Era uma questão de ganhar tempo para trazer a Ucrânia para a NATO em termos militares. Quanto à purga, o exame dos corpos dos membros de Azov que deixaram Azovstal após a sua rendição mostra que esta purga não incluiu a remoção das tatuagens nazis e em particular aquele que é o símbolo do ódio: a braçadeira suástica no braço. Muito na moda na Ucrânia, como as fotos de polícias tiradas pela agência Reuters em Kiev acabam de revelar.

 

Honrar os cúmplices do nazismo

Mas na realidade, o problema é a penetração da ideologia e dos homens no aparelho estatal ucraniano. A expressão deste facto encontra-se na referência permanente por estes últimos àqueles que durante a Segunda Guerra Mundial fizeram uma aliança com os nazis, participaram em todas as abominações, e em particular no Shoah por balas e no massacre de polacos em Volynia. Também aqui o convidamos a dar um pequeno passeio na Internet para ver com quem estamos a lidar e para medir a extensão da ignomínia.

Há já alguns anos que a Ucrânia honra as pessoas que se empenharam na colaboração militar ativa com os nazis. Colaboração que fez da participação nos massacres de judeus, polacos e partidários soviéticos uma prioridade. Estas pessoas estiveram na vanguarda da invasão nazi, mas também da sua retirada, participando no estabelecimento daquilo a que os alemães chamavam “terras mortas” na Ucrânia e Bielorrússia. Muitas avenidas, boulevards e ruas têm o nome de genocidas, em particular o de Stepan Bandera.

Foram-lhes erigidas estátuas e foram colocados enormes retratos nas fachadas dos edifícios. Pior, estas e outras pessoas foram nomeadas “Heróis da Ucrânia” pelas autoridades públicas e o Estado organiza anualmente comemorações oficiais em seu nome e durante as quais grupos de pessoas desfilam em torno deles, exibindo sem prurido toda uma série de símbolos abertamente nazis. Até os livros escolares são purgados de todas as referências negativas ao papel dos genocidas, a fim de os apresentar como bons patriotas.

Para descobrir o que realmente aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial, convido-o a consultar as páginas da Wikipédia sobre as explorações de Bandera e Roman Shukhevich, e a reler as obras de Raul Hilberg (Executors, Victims, Witnesses: The Jewish Catastrophe 1933-1945), Timothy Snyder (Lands of Blood), Marie Moutier Bitan (The Fields of the Shoah), que descrevem a contribuição para o horror daqueles que hoje em dia são apresentados como heróis. Hilberg relata que a multiplicação de batalhões de auxiliares ucranianos preocupou o próprio Hitler como: “arriscando-se a apoiar possíveis veleidades de independência do seu país. Mas nada pôde quebrar o ímpeto”. Deve acrescentar-se que os colaboradores ucranianos acrescentaram ao seu sinistro registo o massacre de 80.000 polacos em Volynia, por medo de que a Polónia reclamasse este território após a guerra.

 

Assassinando a memória

Fala-se muitas vezes de um passado que não passa, que é história, que é trágico e de que se deve saber virar as páginas. O problema é que a página não foi virada! Recordemos que havia um grande número de ucranianos no Exército Vermelho e nas fileiras dos partidários e que eles pagaram um preço pesado no esmagamento do nazismo. Pode-se mesmo dizer que o povo ucraniano se encontrava, na sua maioria, do lado certo. O problema é que hoje, os memoriais de guerra que recordam os seus sacrifícios são destruídos, saqueados, proibidos por aqueles que se apresentam como herdeiros dos colaboradores do nazismo.

E quando Zelensky é questionado sobre estas honras oficiais, ele responde que acha que é “fixe”! Será que ele também acha ótimo que a avenida que conduz ao local memorial do Babi-Yar, o maior massacre ucraniano do Holocausto em que participaram os seus apoiantes, tenha o nome de Bandera? Havia um governo colaboracionista em França, auxiliares que serviam as exações alemãs, mas em França não há avenida Pétain, nem colégio Pierre Laval ou praça Joseph Darnand. E os seus retratos não decoram as fachadas dos edifícios. A rua que conduz ao memorial comemorativa da razia de Vel’ d’Hiv’ também não tem o nome de René Bousquet.

Não há milícias de extrema-direita agitando bandeiras neonazis, incorporadas tal qual como um regimento no exército francês. Quando Éric Zemmour (erradamente) alegou que Pétain tinha salvo judeus, viu-se imediatamente levado a tribunal. E aqueles que se calam sobre os excessos ucranianos foram os primeiros a apelar a uma barragem contra o fascismo imaginário de Marine Le Pen, votando em Macron.

Mas no final, o que é difícil de suportar no choque de propaganda em torno deste conflito é a capacidade das nossas próprias elites mediáticas de o negar. Incluindo invocando o argumento insano da origem judaica de Zelensky, tornando estes abusos impossíveis. É difícil acreditar que eles não estejam conscientes da realidade problemática que acabamos de descrever. Simplesmente negam-no hoje porque não se enquadra na retórica do “bom” e do “mau” que pensam ser-lhes útil.

Pierre Vidal-Naquet, numa obra indispensável, descreveu os negacionistas  como “assassinos da memória”. Hoje, os apoiantes desta propaganda negacionista merecem esta qualificação.

 

________

O autor: Régis de Castelnau [1950 – ], advogado francês nascido em Rabat (Marrocos), de uma antiga família da nobreza de Rouergué, é licenciado pela Universidade de Paris Pantheón Assas, especializado em direito social e económico. Dirige o site Vu du Droit, onde publica artigos sobre acontecimentos actuais. Em 2019, aderiu ao Partido da República Soberana de Djordje Kuzmanovic, uma cisão de La France insoumise.

Advogado empenhado, tornou-se próximo do movimento operário francês e nos anos 70 tornou-se um dos advogados do Partido Comunista Francês (PCF) e da CGT. Em especial, liderou a defesa dos trabalhadores da indústria siderúrgica entre 1978 e 1982. A partir desta experiência, escreveu um livro, La Provocation2, escrito com o escritor François Salvaing. Como membro do gabinete da Comissão de Política Externa do PCF (La Polex), desenvolveu uma actividade internacional significativa e reuniu-se, nomeadamente, com Indira Gandhi em 1982 e Mikhail Gorbachev em 1987. Os seus compromissos valeram-lhe no Eliseu a alcunha de “Barão Vermelho. A partir dos anos 90, ao analisar a importância crescente das questões jurídicas no processo iniciado em França pelas leis de descentralização de 1982 e 1983, reorientou as suas actividades para o direito público local. Foi membro do Conselho Sindical do Sindicato dos Advogados Franceses entre 1974 e 1975 e Presidente da Associação França-América Latina entre 1981 e 1985. Foi Vice-Presidente, Presidente e então Presidente Honorário da Associação Francesa dos Advogados do Governo Local (Association française des avocats conseils des collectivités). É também Presidente do Instituto de Direito e Gestão Local desde 1997. Ensinou direito urbanístico na Universidade de Borgonha e direito da responsabilidade pessoal dos decisores públicos locais na Universidade de Paris II Panthéon Assas. Publicações e escritos: paralelamente a uma forte atividade doutrinal que assistiu à publicação de vários trabalhos, incluindo Le Fonctionnaire et le Juge pénal em 1997, Portrait des chambres régionales des comptes em 1997, Pour l’amnistie em 2001, Les Chambres régionales et territoriales des comptes em 2004.

 

 

Leave a Reply