RETRATOS, IMAGENS, SÍNTESE DOS EFEITOS DA CRISE DA ZONA EURO SOBRE CADA PAÍS

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

Europa - II

A verdadeira crise da zona euro é muito mais do que a crise da dívida

Matthew Boesler

(continuação)

 2/26

Por outro lado, os críticos da UE afirmam habitualmente que a democracia é o maior inimigo da UE…

maisdoqueeuro - III

 

 

 

 

Presidente da União Europeia  Herman Van Rompuy
How Hwee Young/Getty Images

O autor alemão Hans Magnus Enzensberger argumenta que os princípios antidemocráticos fazem parte do núcleo central da  construção da União Europeia.

Enzensberger escreve no seu ensaio, Brussels, the gentle monster:

Enzensberger escreve no  seu ensaio, Bruxelas, o monstro suave: oficialmente, [o problema central da UE] tem uma designação eufemística. O défice democrático’ ‘, como é chamado, é considerado uma deficiência crónica, aparentemente difícil de tratar, que é lamentada e imediatamente esquecida. Ainda está longe de ser um enigma médico; em vez disso, este défice representa uma clara decisão de ser um princípio geral.

Como se as lutas constitucionais dos séculos XIX e XX nunca tivessem acontecido, o Conselho de Ministros e a Comissão já acordaram na fundação da Comunidade Europeia que a população em geral não deve ter nenhuma palavra a dizer nas suas decisões. Actualmente, já ninguém mais acredita que esta recaída nas  condições pré-constitucionais  pode ser curada por correcções de cosméticas. O défice  é, portanto, nada mais do que um termo de fantasia para caracterizar a privação de voto efectivo  dos cidadãos.

Read more: http://www.businessinsider.com/europes-next-big-crisis-democracy-2012-10?op=1#ixzz2Aceg1zDp

The REAL Eurozone Crisis Is About Much More Than Debt

3/26

E o facto é que a estrutura da UE não é propícia para ao processo democrático

maisdoqueeuro - IV

Parlamento europeu, Comissão Europeia

O escritor austríaco Robert Menasse diz que a forma como a UE está estruturada, o efeito da instituição sobre a democracia na Europa é como uma espécie de  buraco negro:

Só podemos falar de democracia desenvolvida e aprofundada quando há uma separação de poderes…

Na UE, no entanto, a divisão dos poderes se foi feita, da União está bem afastada . O Parlamento é, na verdade, eleito mas não tem o direito de iniciativa legislativa (ou, agora, depois de Lisboa, têm-na mas apenas pelas portas traseiras): apenas a Comissão tem o direito de iniciativa legislativa…

Mas a Comissão é a instituição em que, no final, a legitimação democrática é anulada: eis pois um aparato em funcionamento que não é eleito e não pode ser demitido  e que aboliu a separação de poderes…

Em termos de política democrática, portanto, esta tríade, o Parlamento, o Conselho e a Comissão Europeia produzem um buraco negro no qual o que nós entendemos por democracia pura e simplesmente não existe.

Read more: http://www.businessinsider.com/europes-next-big-crisis-democracy-2012-10?op=1#ixzz2AcfCOBOc

(continua)

Leave a Reply