UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (143)

carta-do-porto

O MENINO E O PAPAGAIO I

A vontade comandava-lhe o sonho e este regia-lhe a vida, que nunca fora fácil nem doce nem bonita, e enquanto pensava olhava a sua mão frágil que com a guita bem esticada segurava o papagaio voador que bem lá no alto rodopiava sem parar, olhava para cima e pensava em como gostaria de se ver lá no alto, ouvindo o ruído suave do vento, um ou outro pio de uma qualquer companheira de viagem e vendo tudo na sua real dimensão, tudo pequenino, muito pequenino, quais formiguinhas na sua labuta diária, mas não era assim, as coisas tinham o tamanho que tinham, e como que para lhe provar isso, de vez em quando o vento soprava mais forte e ele quase não conseguia segurar o cordel que lhe magoava as mãos, ora uma ora outra, que se iam revezando no esforço, com a mestria a que já estava habituado, que sempre assim fora toda a vida, sempre tivera que lutar para ter alguma coisa e a luta por vezes era renhida embora fosse bom chegar ao fim e ganhar, não como desta vez em que se sentia perdido e tonto, sozinho com o papagaio pela primeira vez, que quase não conseguira pô-lo no ar, e era domingo como das outras vezes, mas ao contrário dessas estava só, com uma lágrima por companhia.

(publicado pela primeira vez em Janeiro de 2011 no Blogue Atributos – Contos)

 

SONY DSC

O PORTO EM IMAGENS (8)

GENTES NO PORTO

 

Praia do Carneiro
Praia do Carneiro

 

Av. D. Carlos
Av. D. Carlos

 

Praia de Angeiras
Praia de Angeiras

 

Molhe de Felgueiras
Molhe de Felgueiras

 

Cais Novo de Felgueiras
Cais Novo de Felgueiras

 

Molhe de Felgueiras
Molhe de Felgueiras

 

Praça da Batalha
Praça da Batalha

 

Praça da Batalha
Praça da Batalha

 

Praia do Molhe
Praia do Molhe

 

Revista TimeOut – London fala do Porto

http://www.timeout.com/london/music/ten-reasons-to-go-to-a-festival-in-porto

 

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply