Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 2 – Assalariado e Código do Trabalho – Parte IV

Se existe uma “Organização Internacional do Trabalho”, é para que estes direitos humanos se estendam  universalmente e não para que eles sejam atrofiados, de derrogação em  derrogação, ao nível das necessidades de cada empregador, empresa por empresa.


.

Assalariado e Código do Trabalho – Parte IV

Direito do Trabalho e direitos humanos

(Gérard Filoche, Setembro de 2017)

O código de trabalho nasceu em 1910 após a catástrofe de Courrières de 1906 no Pas-de-Calais. Aquando desta tragédia, 1099 mineiros perderam as suas vidas no fundo dos poços. O choque emocional tinha sido tal que foi decidido criar o Ministério do trabalho para escapar às exigências  do Ministério da economia.

Além disso, quando o Presidente Holland anunciou em setembro de 2015 que ele ia  “adaptar o direito de trabalhar às  necessidades das empresas”, foi uma contrarrevolução conceptual . Não tinha nada “moderno” e nada tinha a ver com a “crise”: foi o retorno ao século XIX, bem antes de 1906, no início do assalariado pós-escravatura , quando nessa altura  não havia nem leis nem  contribuições sociais.

Isto não tem nada a ver com o trabalho: François Hollande confessou-o em 21 de fevereiro de 2016, afirmando que esta lei “não terá efeitos em termos de emprego por vários meses. Mas trata-se da  criação de um novo modelo social, ele não poderia reconhecer melhor que o desemprego era um pretexto.

Durante 100 anos, o Código do Trabalho foi construído para assegurar que os direitos dos  humanos no trabalho escapam às  exigências cegas do mercado, da rentabilidade e da competitividade.

Na verdade, as leis do trabalho  são – e devem continuar a ser –universais no sentido de que elas estão ligados aos direitos humanos, independentemente do tamanho da empresa, da sua especificidade, do ramo a que pertence. Elas devem portanto prevalecer sobre os “contratos”, sobre os  “acordos”, “derrogações”, “exceções” e não o contrário. É isto que é garantido  pela Declaração dos Direitos do Homem de 1948, pela Carta Europeia dos direitos fundamentais de 1999, pelas  convenções da OIT, tais como o n. 81 ou 158.

Se existe uma “Organização Internacional do Trabalho”, é para que estes direitos humanos se estendam  universalmente e não para que eles sejam atrofiados, de derrogação em  derrogação, ao nível das necessidades de cada empregador, empresa por empresa.

Em resumo, pela lei  El Khomri e as ordenanças Macron, a escolha fundamental é doravante adaptar os seres humanos à empresa e não as empresas aos seres humanos. É a luta de classes entre o assalariado e o acionista. O salário está a ser  atacado poderosamente e vê-se assim  forçado a agir também  massivamente.


Notas:

[1]  O salário bruto inclui o salário líquido e  as chamadas contribuições sociais da folha de pagamento; O salário super-bruto inclui, além disso, as contribuições sociais ditas patronais. O conjunto das cotizações sociais  constitui  o salário socializado


.Artigo original aqui

 O terceiro texto desta começará a ser publicado, amanhã, 16/11/2017, 22h


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: