A Cimeira de Gotemburgo vista do Japão. 3. O problema do sub-emprego escondido no Japão, por Philip Lachowycz

bla bla 1

A Cimeira de Gotemburgo vista do Japão

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

3. O problema do sub-emprego escondido no Japão

Por Philip Lachowycz

Publicado por Seeking Alpha em 26 de setembro de 2014

texto 3 1

Sumário

  • O Banco do Japão acredita que o mercado de trabalho é suficientemente apertado para provocar um aumento sustentado dos salários reais. Não é o nosso ponto de vista.

  • Desde a profunda crise económica do Japão no final dos anos 90, houve uma mudança marcante do trabalho a tempo integral para o trabalho a tempo parcial.

  • A mudança foi conduzida pelos empregadores, que têm falta de confiança na recuperação económica do Japão. E ocorreu, em geral, contra os desejos da força de trabalho do Japão.

  • Há mais pessoas agora a trabalhar a tempo parcial no Japão, que prefeririam trabalhar em tempo integral, do que pessoas desempregadas.

  • É improvável que vejamos um aumento significativo no crescimento dos salários no Japão até que os empregadores tenham confiança para assumir mais trabalhadores a tempo inteiro, reduzindo o grupo de desempregados escondidos.

 

As remunerações de base estão finalmente a subir no Japão, mas somente em termos monetários. Após ajustamento pela inflação, os salários reais estão a cair rapidamente. Se a “Abenomics” for bem-sucedida, o setor das famílias deverá desempenhar um papel na recuperação da economia. No mínimo, isso requer que o aumento dos salários exceda o ritmo do aumento dos preços. No Japão, a proporção de vagas de emprego para os candidatos está agora em 1,10. Está não somente acima do seu pico da pré-crise de 1,07, ele está ao seu nível mais elevado desde há mais de 20 anos. O Banco do Japão espera que um mercado de trabalho mais apertado coloque pressão sobre os salários, incentivando mais o consumo.

texto 3 2

Nesta semana em News in Charts, nós investigámos um pouco mais a fundo o mercado de trabalho japonês e verificámos que existe uma quantidade considerável de desemprego oculto. Desde o final dos anos 1990, quando ficou claro que a economia japonesa estava em crise, o mercado de trabalho japonês passou por um grau significativo de mudanças estruturais que não são facilmente detetáveis nos indicadores económicos, como a taxa de desemprego. Os empregadores estão cada vez mais a procurar oferecer apenas trabalho a tempo parcial, a uma força de trabalho que ainda anseia pela segurança e pelo rendimento oferecido por um emprego a tempo inteiro. Isso significa que os empregos oferecidos são menos adequados para aqueles que procuram trabalho do que costumavam ser. Na linguagem técnica de economista, o grau de incompatibilidade no mercado de trabalho japonês aumentou, e a pressão ascendente sobre os salários é menor do que indicadores tais como a relação das ofertas de trabalho relativamente aos requerentes podem estar a sugerir.

O envelhecimento da população no Japão significa que a oferta de trabalho está a cair …

Os problemas demográficos do Japão são bem conhecidos. A partir de meados da década de 1990, a relação de dependência – o número de pessoas com menos de 15 ou com mais de 64 anos em relação ao número de pessoas entre 15 e 64 anos aumentou drasticamente. Com grupos etários mais velhos menos propensos a procurar trabalho, a consequência é uma queda dramática na taxa de participação- e por extensão uma queda dramática na oferta de mão-de-obra. Como o nosso gráfico abaixo mostra, a maior parte da queda na participação desde meados da década de 1990 é consequência do envelhecimento da população.

texto 3 3

Mas o Japão não é o único país que tem uma população envelhecida. A participação dos EUA começou por volta do ano 2000 à medida que a geração do pós-guerra começou a deslocar-se para a aposentação. A maior parte do declínio na participação dos EUA nos últimos anos é também uma consequência da demografia. Olhando para vários países, a taxa de participação do Japão dificilmente parece extrema. A sua taxa de participação está próxima da taxa da Alemanha e é superior à da zona euro como um todo.

texto 3 4

 

…mas a procura de trabalho decresce mais depressa

 A média de horas trabalhadas no Japão apresenta-se com uma tendência descendente desde pelo menos os anos 70. Esta é uma característica comum das economias desenvolvidas. À medida que as pessoas vivem melhor e têm um melhor património, optam por trabalhar menos horas. No entanto, há um elemento cíclico, bem como um elemento estrutural, no que diz respeito ao número médio de horas trabalhadas e o nivelamento feito a partir das correspondentes médias ao longo dos últimos dois a três anos, dificilmente sugere um mercado de trabalho que está em perigo de sobreaquecimento.

texto 3 5

 

Uma mudança para a utilização do trabalho a tempo parcial é responsável por uma boa parte da diminuição da média de horas após década de 1990. Contrariamente à perceção comum, cerca de 40% da força de trabalho japonesa está agora empregada a tempo parcial. A cultura de proteção do “trabalho-para-a-vida” através da qual os diplomados entravam para as empresas e aí permaneciam para o resto das suas carreiras não é o espírito atual. O gráfico abaixo mostra que a parte dos trabalhadores a tempo parcial relativamente ao total dos trabalhadores mais do que dobrou nos últimos 30 anos. E isso não é puramente uma consequência do aumento da participação feminina. As mulheres são mais propensas a trabalhar a tempo parcial, sim é verdade, mas a proporção de homens que estão a trabalhar a tempo parcial também mais do que dobrou desde o final dos anos 90.

texto 3 6

 

texto 3 7

De acordo com um inquérito ocasional realizado pelo Ministério da saúde, do trabalho e do bem-estar do Japão, grande parte do aumento do emprego a tempo parcial tem sido involuntário. O inquérito revela que a proporção de trabalhadores a tempo parcial que preferem trabalhar a tempo inteiro mais do que dobrou desde o final dos anos 1990, de cerca de um em cada dez para quase um em cada cinco. Como o gráfico abaixo mostra, o número de trabalhadores a tempo parcial no Japão, que preferem trabalhar a tempo inteiro- os chamados “sub-empregados” – excede o número de pessoas desempregadas em quase 50%. A esse respeito, o problema do sub-emprego do Japão pode ser considerado maior do que o encontrado nas economias americana e do Reino Unido.

texto 3 8

 

Um mercado de trabalho desajustado

O crescente problema do subemprego no Japão é espelhado num aumento dos desajustamentos do mercado de trabalho. As mudanças na eficiência com que os trabalhadores desempregados são capazes de ocupar vagas de postos de trabalho é muitas vezes avaliada utilizando um gráfico de dispersão simples relacionando a taxa de desemprego com a taxa de vagas de postos de trabalho não preenchidas – conhecida como a ‘curva de Beveridge’.

A amostra no nosso gráfico está dividida em dois períodos. Os pontos de cor alaranjada representam o período antes de se ter aprofundado a crise económica do Japão no final da década de 1990. Os pontos de cor azul refletem o período de pós-crise. Desde que a crise chegou, houve uma mudança notável na curva Beveridge. A qualquer taxa de desemprego, o nível das vagas associadas com um determinado grau de pressão salarial tende a ser maior porque os empregos a serem oferecidos são bem menos adequados para o conjunto de trabalhadores desempregados.

texto 3 9

 

texto 3 10

 

O grau de desajustamento no mercado de trabalho japonês, com um excesso de oferta de empregos a tempo parcial e um excesso de procura de empregos a tempo integral, resultando num significativo grau de sub-emprego, é evidente nas taxas de salários. Nos últimos 15 anos, os salários por hora oferecidos para o trabalho a tempo parcial têm aumentado, enquanto os salários por hora oferecidos para o trabalho a tempo inteiro têm uma clara tendência descendente.

Conclusões

O Banco do Japão acredita que o mercado de trabalho está suficientemente apertado para que possa provocar um aumento sustentado dos salários reais. Na nossa opinião, não é assim- pelo menos ainda não é assim. A existência de uma quantidade significativa de subemprego significa que o mercado de trabalho do Japão está menos restritivo do que poderia parecer. Desde a profundidade da crise económica do Japão no final da década de 1990, houve um afastamento relativamente à antiga cultura do “trabalho para a vida”, para uma outra realidade, onde o que se pretende oferecer mais são empregos a tempo parcial e temporários. É provável que uma mudança significativa no crescimento dos salários seja precedida de uma mudança de tempo parcial para o emprego a tempo inteiro. Há sinais de que isso está a acontecer nalgumas indústrias, como a restauração e a construção, onde há uma grave escassez de mão-de-obra. Mas, por enquanto, isto é a exceção e não a norma. A tendência para mais trabalho a tempo parcial que está em vigor desde o final dos anos 90 permanece. Os salários reais continuam a diminuir acentuadamente. E se o aumento da taxa de IVA de 8% para 10% planeado para o próximo ano avançar, isso só aumentará os problemas do setor das famílias já em dificuldades do Japão.

Philip Lachowycz, SeekingAlpha, Japan’s Hidden Unemployment Problem, Setembro de  2014,  disponível em https://seekingalpha.com/article/2524445-japans-hidden-unemployment-problem

E ainda:

Fathom Consulting,

News In Charts: Japan’s Hidden Unemployment Problem, texto disponível em http://lipperalpha.financial.thomsonreuters.com/2014/09/news-charts-japans-hidden-unemployment-problem/

Informação: O autor não ocupa qualquer cargo nas unidades populacionais mencionadas, nem tenciona ocupar qualquer cargo nas próximas 72 horas.

Informação sobre relações de negócio: Alpha Now at Thomson Reuters é uma equipa de peritos analistas que observam constantemente o panorama financeiro a fim de o manter atualizado sobre os mais recentes desenvolvimentos. Este artigo foi escrito por Philip Lachowycz, comentador independente e analista. Não recebemos qualquer compensação por este artigo, e não temos relações de negócio com qualquer empresa ou unidade mencionada neste artigo.

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: