Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 18. O euro tem 20 anos: quem são os perdedores? quem são os ganhadores? – Parte I


O euro tem 20 anos: quem são os perdedores? quem são os ganhadores?

Mesmo 20 anos após a sua introdução, o euro continua a ser controverso. No presente trabalho utilizou-se o método do controlo sintético para analisar quais os países que beneficiaram e os que perderam  com a criação do euro

► A Alemanha é de longe o país que mais beneficiou com a introdução do euro: de 1999 a 2017, com um ganho de quase  1,9 milhão de  milhões  de euros. Isto corresponde a cerca de 23.000 euros por habitante. Além da Alemanha  só os Países Baixos beneficiaram substancialmente com a introdução do euro.

► Nos primeiros anos após a introdução do euro, a Grécia beneficiou massivamente  do euro, mas sofreu perdas significativas desde 2011. Durante todo o período, o saldo é levemente  positivo em +2 mil milhões de euros, ou seja, +190 euros por habitante.

► Em todos os outros países estudados, o euro levou a uma queda na prosperidade: em França, 3,600 milhões de  milhões de euros e até mesmo 4,300 milhões de  milhões de euros na Itália. Isto corresponde a uma perda de 56 000 euros por habitante em França e 74 000 euros por habitante em Itália. 


(Alessandro Gasparotti et Matthias Kullas, Fevereiro de 2019)

csm_stock-photo-17700718-euro-coins_59484fb94d

 

Um estudo empírico

Sumário

1   Notas preliminares ………………………………………………

2   Metodologia  : o método do controlo  sintético  ……………………

3  Apresentação dos resultados sobre os efeitos da introdução do euro

4   Resultados por país  ……………………………………………..

4.1  Bélgica          ………………………………………………………………………………………… ..  6

4.2  Alemanha                ……………………………. …………………………………………………   7

4.3  França .  ………………………………………………………………………………………………….. 8

4.4   Grécia    …………………………………………………………………………………………………   9

4.5  Itália   …………………………………………………………………………………………………….. 10

4.6  Holanda  ………………………………………………………………………………………………… 11

4.7  Portugal …………………………………………………………………………………………………  12

4.8  Espanha      ……………………………………………………………………………………………  13

Anexo                               ……………………………………..                                                     14


1. Observações iniciais

Este ano, o euro celebra o seu 20º aniversário. Passou a ter  curso legal em 1 de Janeiro de 1999. No entanto, as celebrações deste aniversário prosseguem sem muita euforia. A razão para isso é a crise do euro, que ainda não está ultrapassada. Esta última teve início na Grécia no final de 2009 e estendeu-se a muitos outros países da zona euro. No seu auge ,em meados de 2012, cinco dos 17 países da época  – Grécia, Irlanda, Espanha, Portugal e Chipre – solicitaram assistência financeira: através dos fundos de emergência criados para o efeito – O Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), o Mecanismo Europeu de Estabilidade ( MEE)  e o Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (MEEF) – e de empréstimos bilaterais, a Grécia recebeu 261,9 mil milhões de euros, a Irlanda 45,0 mil milhões de euros, a Espanha 41,3 mil milhões de euros, Portugal 50,3 mil milhões de euros e Chipre 6,3 mil milhões de euros. A situação só se acalmou quando o Presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, prometeu em 26 de julho de 2012 que o BCE faria tudo o que estivesse ao seu alcance, no âmbito das suas competências, para preservar a união monetária: “Dentro do seu mandato, o BCE está disposto a fazer tudo o que for necessário para salvar o euro”[1]. O desmantelamento do euro só pode, portanto, ser evitado mesmo à justa .

Enquanto Mario Draghi tem sido capaz de tranquilizar os participantes do mercado financeiro com esta promessa, isso não mudou os problemas fundamentais da zona euro. Em particular, o problema das diferenças de competitividade entre os países da zona euro  ainda está por resolver . Este problema deve-se ao facto de os Estados-Membros da zona euro já não poderem desvalorizar as suas moedas para se manterem competitivos a nível internacional. No período anterior à introdução do euro, esta prática era comum. Inversamente, desde a introdução do euro, a erosão da competitividade internacional levou a um menor crescimento económico, a um aumento do desemprego e a menores receitas fiscais. Neste momento, a Grécia e a Itália, em particular, estão a sofrer com o facto de já não poderem desvalorizar as suas moedas.

Esta evolução conduziu a um debate sobre as vantagens e desvantagens da moeda única em quase todos os países da zona euro. Enquanto a população dos países da zona euro em crise lamenta o baixo crescimento económico e o elevado desemprego, a intervenção e o apoio financeiro de Mario Draghi aos países em crise são criticados nos países da zona euro que tiveram de contribuir para esta assistência financeira. Vinte anos após a sua introdução, o euro é, portanto, mais controverso  do que nunca

No entanto, não existem ainda estudos empíricos sólidos sobre os países da zona  euro relativamente a saber-se em que países a sua criação tenha tido efeitos positivos e negativos. Embora tenha havido estudos sobre se o euro promoveu o comércio entre os países da zona euro,  os resultados das suas análises não são claros[2]. Além disso, a ênfase no comércio realça apenas um aspeto muito parcial da introdução do euro.  Além disso, a concentração no comércio apenas lança luz sobre um pequeno aspeto da introdução do euro. As desvantagens da introdução do euro que decorrem  facto de os países da zona euro já não poderem desvalorizar as suas moedas não são sempre tidas em conta.

A evolução do produto interno bruto per capita (PIB per capita) é uma medida significativa para determinar se o euro conduziu a um aumento ou a uma diminuição líquida da prosperidade de cada Estado-Membro da área do euro. É, portanto, nesta base que se baseia o seguinte estudo empírico. O método de controlo sintético é utilizado para alguns países da zona euro para determinar a forma como o PIB per capita teria evoluído se não tivessem aderido ao euro. Uma comparação com a evolução real do PIB per capita permite então determinar os efeitos sobre a prosperidade havida  com a entrada na zona euro. O estudo só pode, pois, ser realizado para os países da zona euro  onde o período decorrido  entre a adesão à UE e a  introdução do euro é longo. Esta é a única forma de garantir que os resultados do inquérito não sejam distorcidos pela adesão à UE e pelo seu mercado interno.

Por esta razão, o inquérito é realizado apenas para a Bélgica, França, Alemanha, Itália, Países Baixos, Portugal e Espanha. Embora o Luxemburgo e a Irlanda, enquanto membros fundadores da UE, também tenham um desfasamento suficientemente grande entre a adesão à UE e a introdução do euro, os dados disponíveis não permitem obter resultados fiáveis para estes dois países [3] .

O capítulo 2 explica brevemente o método de controlo sintético. O Capítulo 3 apresenta uma panorâmica dos efeitos da introdução do euro sobre a riqueza nos países da área do euro que foram analisados. O Capítulo 4 apresenta  retratos dos países em que são analisados os efeitos da introdução do euro no período 1999-2017.

2. Metodologia: o método de controlo sintético

A nossa pergunta é: qual seria o PIB per capita de um país da zona euro se este não tivesse adotado o euro? A resposta a esta questão é obtida pelo método de controlo sintético[4].

Este método permite quantificar o impacto de uma medida política – neste caso a introdução do euro – sobre uma determinada variável  – neste caso o produto interno bruto per capita. Com o método de controlo sintético [5]( 5) , a evolução real do PIB per capita de um país da zona  euro pode ser comparada com a evolução que teria sido a  sua se não tivesse adotado o euro (o chamado cenário “contra factual”).

O cenário contra factual é calculado extrapolando a evolução do PIB per capita de outros países que não adotaram o euro e que, em anos anteriores, registaram desenvolvimentos económicos muito semelhantes aos do país da zona  euro em causa (o chamado grupo de controlo). Para obter a melhor representação possível do país da zona euro, a  cada país do grupo de controlo é atribuída uma ponderação específica entre 0% e 100% através de um algoritmo, sendo a soma das ponderações de 100%. Os pesos específicos são escolhidos de forma a que a média ponderada da evolução do PIB per capita nos países do grupo de controlo seja a mais próxima da do PIB per capita no país da área do euro antes da sua introdução[6]. Os pesos não são determinados com base em considerações de plausibilidade, mas por meio de um procedimento de otimização econométrica.

O método de controlo sintético é significativamente superior a outros métodos em que um só país não pertencente à área do euro é utilizado para efeitos de comparação. Com efeito, é muito mais provável que se verifique uma evolução concomitante para o período anterior à introdução do euro e, por conseguinte, também um cenário contra factual realista para o período posterior à introdução do euro se, em vez de um único país, pode  ser utilizada uma combinação de vários países em que cada país recebe um ponderador específico.

A formação da média ponderada do grupo de controle está no coração do método de controle sintético. Ocorre em duas fases. Em primeiro lugar, os países que constituem o grupo de controlo para cada Estado-Membro da área do euro são selecionados em todo o mundo. Têm de cumprir três condições.

Em primeiro lugar, apenas os países que não foram afetados por choques fortes específicos durante todo o período considerado – de 1980 a 2017 – são tidos em conta, uma vez que isso distorceria os resultados. Em segundo lugar, estes países não podem ser países da zona euro. Em terceiro lugar, o PIB per capita de um país do grupo de controlo nos anos anteriores à introdução do euro (o chamado período de pré-intervenção) não deve ser significativamente diferente do PIB do país da zona euro em causa (nem superior nem inferior) [7]. Esta condição impede que países com níveis significativamente mais altos ou mais baixos de desenvolvimento económico distorçam os resultados do cenário contra atual.

Quanto mais longo for o período pré-intervenção, mais fiáveis serão os resultados. Os nossos cálculos são baseados no período de 1980 a 1996. A data do final de 1996 pode constituir uma surpresa, uma vez que as taxas de câmbio do euro só  foram irrevogavelmente fixadas em  1 de Janeiro de 1999, três anos mais tarde. No entanto, pode assumir-se, pelo menos sem exclusão, que os participantes nos mercados financeiros já alteraram o seu comportamento antes de 1999, devido à introdução prevista do euro [8].

Em resultado da terceira condição, os grupos de controlo dos diferentes Estados-Membros da zona  euro em causa são compostos por países diferentes. Os grupos de controlo respetivos para os países da zona  euro examinados são enumerados no anexo.

Numa segunda fase, é utilizado um algoritmo econométrico para calcular uma ponderação de 0% a 100% para cada país do grupo de controlo, de modo a que a média ponderada do grupo de controlo reflita tão rigorosamente quanto possível a evolução do PIB per capita do país da área do euro a examinar antes da introdução da moeda única. Quanto mais semelhantes forem as características do país do grupo de controlo às do país estudado da zona  euro antes da introdução do euro, mais importante será o seu peso. Para a ponderação, a variação do PIB per capita (em preços de 2010 em dólares americanos [9] dos países do grupo de controlo é comparada com a do país analisado da zona euro . Além disso, são tidos em conta outros indicadores económicos que têm uma influência importante no PIB per capita. Estas incluem a taxa de inflação, o valor acrescentado na indústria e na construção (em % do PIB), a formação bruta de capital fixo (em % do PIB) e a soma das exportações e importações de bens e serviços (em % do PIB)[10].

É importante ter isto presente na interpretação dos resultados: o método de controlo sintético assume implicitamente que nem no país da zona euro analisado nem nos países do seu grupo de controlo associado com uma ponderação maior que zero foram realizadas reformas para aumentar o PIB per capita após a introdução do euro nem medidas para o reduzir. Na realidade, é claro que esta hipótese raramente é confirmada. No entanto, isto não reduz a relevância do método de controlo sintético: em primeiro lugar, os resultados são tão fortes que as pequenas reformas não os põem em causa. Em segundo lugar, no caso de reforma fundamental, o que importa é o que a causou. Se, por exemplo, ao contrário de um país do grupo de controlo, um país da  zona euro  analisado tiver efetuado  uma reforma fundamental após a introdução do euro que conduziu a um aumento do PIB per capita, isso pode, em princípio, conduzir a uma sobreavaliação dos ganhos obtidos com a adesão  ao euro. No entanto, a experiência passada mostrou que foi precisamente o euro que levou alguns países da área do euro a empreender reformas que, muito provavelmente, não teriam realizado de outra forma. Neste caso, evidentemente, o resultado não é distorcido pela reforma.

3. Apresentação dos resultados sobre os efeitos da introdução do euro

O Quadro 1 mostra, para cada um dos países da área do euro estudados, qual a percentagem do seu PIB per capita (coluna 2) e do PIB global (coluna 3) que teria sido superior ou inferior em 2017 se o país em questão não tivesse aderido ao euro.

ct2

Em 2017, dos países da zona euro examinados, apenas a Alemanha e os Países Baixos ganharam com o euro. Na Alemanha, o PIB aumentou 280 mil milhões de euros e o PIB per capita 3 390 euros. A Itália foi  o país  que mais perdeu. Sem o euro, o PIB italiano teria sido superior em 530 mil milhões de euros, o que corresponde a uma perda de 8,756 euros per capita. Também em França, o euro provocou perdas significativas de prosperidade de 374 mil milhões de euros, o que corresponde a 5 5 570 euros per capita.

O Quadro 2 apresenta os efeitos riqueza implícitos na introdução do euro per capita (coluna 2) e no PIB global (coluna 3) para todo o período desde a introdução do euro – em 1999 para todos os países estudados, exceto a Grécia, que introduziu o euro em 2001 – até  2017. Os efeitos sobre a prosperidade são calculados adicionando-se os valores per capita anuais e multiplicando os totais obtidos pela taxa de  consumo nacional médio do país[11] da  zona euro em causa durante o período pré-intervenção [12].

ct3

Quadro  2 : Efeitos acumulados da introdução   sobre a prosperidade  de 1999 à 2017[13]

A introdução do euro conduziu, por conseguinte, a uma perda de prosperidade em Itália de cerca de 74 000 euros per capita ou 4,3 mil milhões de euros para o conjunto da economia durante o período 1999-2017. Para a França, a perda ascende a pouco menos de 56.000 euros por habitante, ou seja, 3,6 milhões de milhões de euros no seu conjunto. A Alemanha alcançou um ganho de prosperidade de 23.000 euros per capita, ou 1,9 milhões de milhões de euros no seu conjunto.

O facto de os efeitos do euro na prosperidade da Grécia continuarem a ser levemente positivos deve-se ao facto de a Grécia ter beneficiado massivamente com o euro nos primeiros anos após a sua introdução. Esta situação alterou-se em 2011 após o rebentamento da bolha de 2009, que se tinha formado em anos anteriores. Desde então, o euro teve um impacto negativo na prosperidade da Grécia.


Notas:

[1] Discurso de Mario Draghi, Presidente do BCE durante a  Global Investment Conference em Londres, no dia 26 de Julho de   2012. Texto disponível em:      https://www.ecb.europa.eu/press/key/date/2012/html/sp120726.en.html, consultado em  15.01.2019.

[2] Ver . Berger e  Nitsch (2005) CesIfo Working Paper 1435, Bun and Klaassen (2007) Oxford Bulletin of Economics and Statistics, Faruqee (2004) IMF Working Paper 154, Rose and Stanley (2005) Journal of Economic Surveys or Baldwin (2006) ECB Working Paper 594.

[3] Para mais detalhes veja-se a secção  2.

[4] Cf. Abadie e  Gardeazabal (2003) The American Economic Review, Abadie et al. (2010) Journal of the American Statistical Association and Abadie et al. (2015) American Journal of Political Science.

[5] O pacote estatístico  pode ser executado  em  MATLAB, STATA and R. Nós utilizámos  STATA  nos nossos cálculos. Este pacote está disponível em: ver  aqui https://web.stanford.edu/~jhain/synthpage.html (last accessed on 15.01.2019).

[6] Para uma visão geral dos países do grupo de controlo e respetivas ponderações, ver anexo.

[7] Esta condição para a seleção do grupo de controlo  foi estabelecida por  Puzzello e  Gomis-Porqueras (2018). Para detalhes sobr esta condição  veja-se  Puzzello e  Gomis-Porqueras (2018) European Economic Review.

[8] Para a Grécia, que introduziu o euro dois anos mais tarde, o período de pré-intervenção  vai de 1980 to 1998.

[9] A fim de apresentar  os resultados em euros  – utilizando  o método do Banco Mundial – é  uma  utilizada uma taxa de câmbio  $/€ exchange de  1.324.

[10] O dados são todos eles provenientes do Banco Mundial  (http://data.worldbank.org/).

[11] Assim, foram utilizadas as seguintes taxas de consumo: BE 77,55%, DE 77,83%, FR 77,86%, GR 81,88%, IT 77,59%, NL 72,52%, PT 81,09% e ES 78,7%. Os dados provêm do Banco Mundial (http://data.worldbank.org/).

[12] Na mesma altura, os valores da coluna 2 foram ponderados pela população anual a fim de neutralizar as flutuações demográficas, particularmente na Grécia ao longo dos anos. Os dados são do Banco Mundial (http://data.worldbank.org/

[13] Para a Grécia,  o período cobre os anos de   2001 a  2017, desde o momento em que a Grécia aderiu ao euro em n 2001.


A segunda parte deste texto será publicada amanhã, 30/04/2019, 22h.


Tradução de Júlio Marques Mota – Fonte aqui

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: