Tomgram: Engelhardt, É Donald Trump o Big Brother? 2084: Orwell revisitado na época de Trump. Por Tom Engelhardt

alterações climáticas 1984 2019 1 1

Seleção e tradução por Júlio Marques Mota

Tomgram: Engelhardt, É Donald Trump o Big Brother?

2084: Orwell revisitado na época de Trump

Tom Engelhardt Por Tom Engelhardt

Publicado por tomdispatch_logo_v2 em 18 de agosto de 2019 (ver aqui)

 

Eu, Winston Smith… Quero dizer, eu Tom Engelhardt…. não tenho estado apenas a ler um romance distópico, mas, ao que parece, tenho estado a viver um – e suspeito que tenho estado a viver um durante toda a minha vida.

Sim, reli recentemente o clássico romance de George Orwell de 1949, 1984. Nele, Winston Smith, um oponente secreto do mundo totalitário da Oceania, uma das três grandes superpotências imperiais situadas no planeta Terra, afunda-se às mãos do Big Brother. Foi talvez a terceira vez que o li nos meus 75 anos de vida.

Desde criança, sempre tive um certo fascínio pela ficção distópica. Começou, penso eu, com a Guerra dos Mundos, aquele romance dos aliens vindos de fora do espaço terrestre em que os marcianos aterram no sul da Inglaterra e começam a destruir Londres. O seu autor, H.G. Wells, escreveu-o no final do século XIX, evidentemente para dar aos seus leitores ingleses um sentido de como seria viver na Tasmânia, a ilha ao largo da costa da Austrália, e tiveram o equivalente aos marcianos – os britânicos, como aconteceu – que aparecem no seu mundo e começam a destruí-lo (e a sua cultura com eles).

Lembro-me, talvez aos 13 anos de idade, de ler aquele livro debaixo dos cobertores com uma lanterna quando era suposto estar a dormir; lembro-me, isto é, de estar sozinho, cheio de frio (e emocionado) até aos ossos pela visão sombria da destruição civilizacional de Wells. Para contextualizar: em 1957, eu já teria sabido que estava a viver num mundo de potencial destruição civilizacional e que os marcianos estavam aqui. Eram então chamados os russos, os russos, os comunistas, os vermelhos. Eu só mais tarde entenderia que nós (ou nós também) éramos marcianos neste planeta.

O mundo que eu habitava era, é claro, um mundo pós-Hiroshima, pós-Nagasaki. Nasci em 20 de julho de 1944, apenas um ano e poucos dias antes do meu país lançar bombas atómicas sobre essas duas cidades japonesas, devastando-as em explosões de um tipo nunca antes experimentado e matando mais de 200.000 pessoas. Treze anos depois, eu já me tinha habituado a cenários dos tipos mais distópicos de destruição global – de um tipo que teria transformado esses marcianos em passarinhos – enquanto os EUA e a União Soviética (a um distante segundo lugar) construíam os seus arsenais nucleares a um ritmo impressionante.

A obliteração nuclear tinha-se tornado, nessa altura, parte do nosso modo de vida quotidiano. Afinal de contas, que americano de certa idade que tenha estado a viver numa grande cidade é que não se consegue lembrar, em qualquer outro dia perfeitamente normal, de sirenes de raides aéreos que de repente começam a uivar do lado de fora da janela da sala de aula quando as ruas se esvaziam? Eles instantaneamente chamaram a isto uma visão de um mundo em cinzas. É claro que nós, crianças, tínhamos apenas uma vaga ideia do que tinha acontecido sob aquelas nuvens de cogumelos que se ergueram sobre Hiroshima e Nagasaki. Enquanto nos amontoávamos debaixo de nossas mesas, mãos sobre as cabeças, “mergulhando e cobrindo” como Bert, a Tartaruga, enquanto um rádio na mesa do professor emitia avisos de Conelrad, sabíamos o suficiente, no entanto, para perceber que aquelas mesas e mãos eram improváveis de nos salvar do armamento mais poderoso do mundo. A mensagem que estava a ser-nos enviada não era de segurança, mas de vulnerabilidade máxima às bombas nucleares russas. Depois desses testes, como o historiador Stephen Weart lembrou no seu livro Nuclear Fear, “A imprensa relatou com precisão fantasmagórica quantos milhões de americanos ‘morreram’ em cada ataque falso”.

Se esses exercícios não eram suficientes para viver uma visão diária do apocalipse quando criança, o que seria sufuciente? Eu cresci, por outras palavras, com uma nova realidade: pela primeira vez na história, a humanidade tinha nas suas mãos possibilidades como o Armagedom de um tipo de destruição previamente deixado aos deuses. Considere, por exemplo, o Plano Operacional Integrado Único (SIOP) do exército dos EUA de 1960 para um ataque nuclear em massa contra o mundo comunista. Era, agora sabemos, destinado a “distribuir” mais de 3.200 armas nucleares por 1.060 alvos, incluindo pelo menos 130 cidades. Oficial, se então secreto, as estimativas de baixas chegaram a 285 milhões de mortos e 40 milhões de feridos (e provavelmente subestimavam os efeitos a longo prazo da radiação).

No início da década de 1960, um lugar comum nas ruas de Nova York onde eu morava era o símbolo dos “abrigos de emergência” (como eram então chamados), os lugares para onde se iria durante uma conflagração global tão iminente. Ainda me lembro de como as visões de destruição nuclear povoaram os meus sonhos (ou melhor, pesadelos) e os dos meus amigos, como alguns mais tarde me vieram pessoalmente a admitir. Até hoje, lembro-me da sensação de calor repentino, de um lado do meu corpo quando uma bomba nuclear explodiu no horizonte distante de um desses meus sonhos. Da mesma forma, lembro-me de ter entrado num cinema da Broadway para ver On the Beach com dois amigos – as crianças da nossa idade não podiam entrar nesses filmes sem os pais – e assim ter um vislumbre, pipoca na mão, de como seria uma cidade de S. Francisco devastada e nuclearizada. Naquela tarde e naquele filme, eu também vivi o fim do mundo pós-nuclear-holocausto na Austrália com nada menos que Gregory Peck, Ava Gardner e Fred Astaire como companhia.

Uma semana de ódio por todo o país

Assim, a minha vida – e, sem dúvida, a sua também – foi vivida, pelo menos em parte, como se fosse um romance distópico. E certamente desde novembro de 2016 – ou seja, desde a eleição de Donald Trump – a sensação (para mim, pelo menos) de estar num mundo assim, só se tornou mais forte. Pior ainda, não há nada debaixo dos cobertores à luz da lanterna sobre o Donald ou quanto à sua visão invasiva do nosso futuro americano. E desta vez, enquanto não membro da sua “base”, isto tem sido tudo menos emocionante até aos ossos.

Foi com um tal sentimento crescendo em mim que, todos estes anos depois, eu mais uma vez peguei no romance clássico de Orwell e logo comecei a questionar-me se Donald Trump não seria a nossa própria versão idiossincrática do Big Brother. Se o leitor se lembra, quando Orwell terminou o livro em 1948 (ele parece ter mudado os números desse ano para título), ele imaginou uma Inglaterra, que fazia parte da Oceania, uma das três superpotências deixadas no planeta. As outras duas eram Eurásia (essencialmente a antiga União Soviética) e Eastasia (pense: uma China muito expandida). No livro, os três estão em guerra constante uns com os outros nas suas fronteiras (principalmente no Sul da Ásia e na África), uma guerra que nunca parece ser decisiva ou estar para acabar.

Na Airstrip One da Oceania (a antiga Inglaterra), onde Winston Smith é um funcionário menor no Ministério da Verdade (um ministério de mentiras, é claro), o partido governa eternamente num mundo no qual – uma formulação clássica orwelliana – “A GUERRA É PAZ, A LIBERDADE É ESCRAVIDÃO, A IGNORÂNCIA É FORÇA”. É um mundo de membros “internos” do partido (com grande privilégio), e de um círculo externo como Smith que vão andando e, abaixo deles, uma vasta população de “proletários” empobrecidos.

É também um mundo em que o presente é sempre o futuro e o passado, enquanto cada documento, cada jornal, cada pedaço de história está constantemente a ser reescrito – o trabalho de Smith – para o tornar assim. Ao mesmo tempo, a documentação do atual passado é atirada para o “buraco da memória” e incinerada. É um mundo em que um “ecrã” está em cada quarto, anunciando invariavelmente notícias esplêndidas (que poderiam ter sido notícias terríveis num outro tempo). Esse ecrã também pode espiar o leitor em praticamente qualquer momento da sua vida. Nisso, Orwell, que viveu numa altura em que a televisão estava a chegar, apanhou algo essencial sobre os futuros mundos da vigilância e das redes sociais.

No seu mundo distópico, o próprio inglês está a ser reformulado para uma coisa chamada Novilíngua, de modo que, num futuro distante, será impossível para alguém expressar um pensamento que não seja aprovado pelos partidos. Enquanto isso, qualquer uma dessas outras duas superpotências Oceania está em guerra com alguém num determinado momento, bem como com uma oposição ao Partido local possivelmente mítica, são regularmente submetidos a uma massa diária de “dois minutos de ódio” por sessão assim como a periódicas “semanas de ódio”. Acima de tudo, é um mundo em que, aqueles ecrãs e cartazes em todos os lugares com a cara de Big Brother com bigode, o líder oficial do partido – “Big Brother está a observar-te! — …. pairam por todo o lado, com o apoio do Ministério do Amor (ou seja, prisão, reeducação, tortura, dor e morte).

Essa era a imagem de Orwell de uma espécie de União Soviética Estalinista aperfeiçoada para um futuro de horror eterno. Hoje, pode-se argumentar, os americanos fomos mergulhados na nossa própria versão bizarra de 1984. No nosso mundo, Donald Trump tem, em certo sentido, absorvido na sua própria pessoa mais ou menos tudo o que é distópico nas proximidades. De alguma forma estranha, ele e a sua administração já parecem uma combinação do Ministério da Verdade (um ministério de mentiras eternas), do buraco da memória (onde o passado, especialmente o legado de Obama e as declarações descartadas pelo próprio presidente, desaparecem diariamente), das sessões de ódio de dois minutos e da semana de ódio que são a essência de qualquer dos seus comícios (“prendam-na”, “mandem-na de volta” e, recentemente, o massacre de “ódio” de mexicanos e hispânicos em El Paso, Texas, por um pistoleiro com uma trumpiana “invasão hispânica do Texas” gravada no seu cérebro. E não se esqueça do Big Brother.

Em certo sentido, o Presidente Trump pode ser pensado como um Big Brother invertido. Na versão de Donald’s do romance de Orwell, ele não nos está a observar em todos os momentos do dia e da noite, somos nós que o estamos a observar de uma forma historicamente sem precedentes. No que eu chamei de presidência White Ford Bronco, nada como a atenção 24/7, 24 horas por dia, sete dias por semana, dos media sempre sobre ele jamais terá sido igualada. Nenhum ser humano jamais foi acompanhado, visto ou discutido dessa forma – todos os seus gestos, tweets, comentários de passagem, pensamento meio verbalizados, slogans, grandes planos, explosão de raiva, tudo o mais. No passado, essa cobertura só era feita com, digamos, um assassinato presidencial, não com a vida quotidiana na Casa Branca (ou em Bedminster, Mar-a-Lago, os seus comícios, no Air Force One, onde quer que esteja ).

Quarto 101 (em 2019)

Pense na América de Donald Trump como, em certo sentido, uma versão satírica de 1984 em versão louca. Não surpreendentemente, no entanto, Orwell, notável como ele era, não conseguiu, como nenhum de nós, imaginar o futuro. O que ele não viu quando se apressou a terminar esse romance antes da sua própria vida terminar, torna o presente trumpiano muito mais potencialmente distópico do que ele mesmo poderia ter imaginado. No seu livro, ele criou uma visão de pesadelo de algo como o Partido Comunista da União Soviética da Era Estaline a perpetuar-se na eternidade, regenerando-se constantemente e reforçando-se ao máximo de poder possível em cada momento presente. Para ele, a distopia era uma versão acentuada de uma tal eternidade, um “enorme e bem planeado esforço para congelar a história num determinado momento”, como diz um documento do livro, para “deter o curso da história” durante “milhares de anos”.

Sim, em 1948, Orwell conhecia obviamente Hiroshima e Nagasaki e o armamento que acompanhou estes ataques. (Em 1984, ele menciona mesmo o uso de tal armamento nos então futuros anos 50.) O que ele não imaginava no seu livro era um mundo distópico, não do tipo mais cruel em curso, mas de fins, de destruição final. Ele não invocou um apocalipse nuclear desencadeado por uma das suas três superpotências e, claro, não tinha como imaginar outro tipo de apocalipse potencial que se tornou cada vez mais familiar a todos nós: as alterações climáticas.

Infelizmente, em ambos os casos, Donald Trump está a provar ser realmente distópico. Ele é, afinal, o presidente que ameaçou desencadear “fogo e fúria como o mundo nunca viu” na Coreia do Norte (antes de se apaixonar pelo seu ditador). Ele ainda recentemente afirmou que poderia alcançar a vitória na Guerra Afegã de quase 18 anos “numa semana”, limpando aquele país “da face da Terra” e matando “10 milhões de pessoas”. Pela primeira vez, os seus generais usaram a “Mãe de todas as bombas”, a arma mais poderosa do arsenal convencional dos EUA (com uma nuvem de cogumelo que, num teste, pelo menos, podia ser vista a 20 milhas de distância), nesse mesmo país, para impressioná-lo claramente.

Mais recentemente, a partir da sua retirada do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermédio de 1987, a sua administração começou a destruir a arquitetura nuclear de contenção da era da Guerra Fria, que manteve os arsenais das grandes potências sob algum controlo. No processo, está claramente a ajudar a lançar uma nova corrida às armas nucleares extremamente cara no Planeta Terra. E tenha em mente que isso está a acontecer num momento em que sabemos que uma guerra nuclear relativamente localizada entre potências regionais como a Índia e o Paquistão (cujos políticos estão mais uma vez a apertarem-se a garganta um do outro sobre Caxemira) poderia criar um inverno nuclear global e levar a morrer de fome até um milhar de milhões de pessoas.

E tenha também em mente que tudo isso pode ser o menor dos atos distópicos de Donald Trump quando se trata do futuro último da humanidade. Afinal, ele e a sua administração estão, em quase todos os sentidos imagináveis, a fazerem o máximo para ajudar e incentivar a mudança climática, assegurando que cada vez mais carbono será libertado na atmosfera, aquecendo ainda mais um planeta já sobreaquecido. Esse é o próprio planeta em que a humanidade, desde 1990, já queimou metade dos stocks conhecidos de todos os combustíveis fósseis já utilizados. Apesar do acordo de Paris sobre o clima e de muita conversa sobre a necessidade de colocar a mudança climática sob algum tipo de controle, o carbono ainda está a ser libertado na atmosfera em níveis recordes. (Não surpreendentemente, as emissões dos EUA começaram a aumentar novamente em 2018.)

Neste verão, no meio de fortes ondas de calor nos EUA, na Europa e noutros lugares, bem como o estabelecimento de recordes globais de calor, com partes do Ártico literalmente a arderem (enquanto aquecem duas vezes mais rápido que a média mundial), com a Groenlândia a derreter-se e a Antártida a perder gelo marinho em quantidades recordes, algumas das previsões do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática da ONU para um futuro relativamente distante já parecem estar à vista. Como disse recentemente o cientista climático Marco Tedesco, falando do Ártico, “Estamos a ver o gelo a derreter agora enquanto esperávamos que isso viesse a acontecer daqui a 30 ou 40 anos”.

Por outras palavras, já estamos num planeta distópico. Com as ameaças ao abastecimento alimentar do mundo e a inundação das cidades costeiras a dar-se no nosso futuro, com a migração de populações nunca antes vistas nesse mesmo futuro, com o aumento do calor para níveis que pode, em alguns lugares, tornar-se insuportável, deixando partes do planeta inabitáveis, é pelo menos possível agora imaginar o futuro colapso da própria civilização.

E tenha em mente também que a nossa própria versão distorcida do Big Brother, aquele sujeito de cabelo cor de laranja em vez do bigode, poderia estar por perto para ser observado por muito mais tempo, caso ganhe a eleição de 2020. (Os seus números de votação têm, em geral, subido lentamente, não caindo nestes anos).

Por outras palavras, com o presidente americano a dar uma mãozinha de forma significativa, podemos tornar tudo isto em 2084 muito mais cedo do que alguém esperaria. Com isso em mente, vamos voltar por um momento ao livro 1984. Como ninguém que tenha lido o livro de Orwell provavelmente o esquecerá, o seu moderadamente dissidente anti-herói, Winston Smith, é finalmente levado para o Ministério do Amor pela Polícia do Pensamento para que a sua consciência seja sintonizada com as necessidades do partido. No processo, ele é brutalmente torturado até que ele possa realmente concordar que 2 + 2 = 5. Só quando ele acha que reajustou a sua mente para se adequar à versão do mundo do partido é que ele descobre que as suas dores de parto estão longe de terem acabado.

Ele ainda tem de visitar o quarto 101. Como o seu inquisidor lhe diz: “Você perguntou-me uma vez o que estava no quarto 101. Eu disse-lhe que o senhor já sabia a resposta. Toda a gente sabe isso. A coisa que está no quarto 101 é a pior coisa do mundo”. E essa “pior coisa” é sempre ajustada para as torturas específicas de cada prisioneiro específico.

Então aqui está uma maneira de pensar onde estamos neste momento no Planeta Terra: Os americanos – toda a humanidade, de facto – podem já estar na Sala 101, quer saibamos ou não, e a verdade é que, por este verão fumegante, a maioria de nós já o deveria saber.

Obviamente, é hora de agir a uma escala global. Diga isso ao Big Brother.

__________________________

O autor: Tom Engelhardt [1944 – ] , escritor, editor norte-americano há mais de 30 anos, é co-fundador de American Empire Project e é o autor de uma história da Guerra Fria , The End of Victory Culture. Ele dirige TomDispatch.com e é membro do Type Media Center. O seu sexto e mais recente livro é A Nation Unmade by War (Dispatch Books).

Engelhardt formou-se na Universidade de Yale e depois concluiu um mestrado em Estudos da Ásia Oriental pela Universidade de Harvard. Como estudante, foi atraído para o estudo da história chinesa por Mary C. Wright, e foi assistente de pesquisa de Jonathan Spence. Em Harvard, ele foi membro fundador do Comité de Académicos Asiáticos Preocupados e envolveu-se num projeto de movimento de resistência em oposição à guerra americana no Vietname. Como parte dessas atividades, ele tornou-se impressor e mudou-se para Berkeley, Califórnia. Lá ele começou a escrever sobre a resistência à guerra e, como ele mais tarde disse, “a próxima coisa que eu sabia era ser jornalista e editor”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: