UMA CARTA DO PORTO – Por José Fernando Magalhães (70) – reposição

carta-do-porto

SER PORTUGUÊS – SER PORTUENSE – SER DA FOZ

A Foz do Douro é um lugar com personalidade própria, inserida no aglomerado urbano do Porto. Esse individualismo é-lhe conferido pelas particularidades do seu passado histórico, com raízes anteriores ao inicio da nacionalidade.
A Foz, foi e será uma espécie de cidadezinha, aconchegada no litoral, longe da cidade grande de que hoje é parte integrante, estando agora, já bem acordada e cheia de vida.

Saberemos o que é ser-se da Foz, se conhecermos as suas gentes, o seu povo, as suas origens, os seus anseios, as suas virtudes e os seus defeitos.
De um modo geral, todos nós, os que aqui nascemos, os que aqui vivemos e/ou trabalhamos, sendo Portugueses, somos Porto. E ser Porto, é uma paixão, é uma forma de estar, de viver, e de se ser.
No entendimento Portuense, Foz é quase todo o Porto Ocidental, que engloba toda a área de Nevogilde, uma parte substancial de Lordelo, e toda a zona fluvial, rio acima, até mesmo quase à beira de Massarelos, ali pelas bandas da ponte da Arrábida.

Olhando o mar
Olhando o mar

Ser da Foz, é ser Português, é ser do Norte, e é ser do Porto, mas é ainda muito mais.
Ser-se Foz é um estado de alma. É uma mais-valia e é um orgulho.
A Foz do Douro, é um mundo à parte, no nosso mundo que é a cidade do Porto.
Vivemos muito bem com essa diferença. Não somos melhores, longe disso, nem somos distantes, somos nós, e vivemos numa das salas de visitas da nossa terra. Somos uma parte, com vida própria, integrante e orgulhosa da nossa cidade.
No nosso cantinho, temos, por companhia, o rio e o mar, o sol e o sal, e ainda temos a maior mancha verde da cidade.
Ser Foz é saber apreciar a escuridão romântica dos fins de dia no Jardim do Passeio Alegre ou no da Praça de Liége.
Ser Foz é saber ouvir a melodia das ondas nas noites quentes.
Ser Foz é viver com a fúria do mar, quando ele está zangado com o Molhe de Carreiros ou com o Farol de Felgueiras.
Ser Foz é saber olhar o mar, mirar o Gilreu e ver muito mais que um simples rochedo.

Gilreu
Gilreu

Ser Foz é apreciar as ruas estreitas da Foz Velha, descer da Ervilha até Sobreiras, visitar o Mercado da rua de Diu, ir da Cantareira até Cadouços e ir à Senhora da Luz subindo depois até ao farol do Monte da Luz, gostar de falar com quem ainda por esses lugares vive, e ouvir as histórias de toda uma vida, saber ouvir as suas queixas e ajudar a enaltecer as virtudes que lhes assistem.
Ser Foz é perceber porque ainda se diz que se vai ao Porto quando nos deslocamos ao centro da cidade, seja, atravessando-a em direcção à Rotunda da Boavista, seja bordejando-a rio acima, pela rua do Ouro até chegar à Alfândega, fazendo a inflexão, tanto num caso como noutro, para a baixa.
Ser-se da Foz implica ser-se educado, atencioso, solícito, solidário, amigo, bairrista (no bom sentido), sempre mais e melhor do que os outros em outros lugares (ou pelo menos, se o não formos, esforçarmo-nos por que tal assim seja).
Ser Foz é ser Raúl Brandão, Magalhães Basto, Eugénio de Andrade, Vasco Graça Moura, Irene Vilar, e tantos outros que nos orgulham, e ao País.
Ser Foz é ser rio e é ser mar, é ter castelos e faróis, é ter jardins e parques, é ter praias e molhes, é ter ruas lindas para se viver e um ar saudável para se respirar.
Num sentido lato, ser Foz é ter orgulho na nossa história e nas pessoas que cá nasceram, nas que cá vivem e cá viveram, nas que sobre nós escreveram, nas que aqui exerceram as mais variadas artes, e nas que por nós lutaram.
Ser Foz, é ser Porto, é ser Norte, é ser Portugal.

Foz-do-douro

15 Comments

  1. Ser Foz, é o encantamento de criança ao ver apaixonada a cor do Mar e o bailado das suas ondas . Essa paixão perdurará até sempre , até ao fim….
    Yolanda Coutinho

    1. Lamento, cara amiga Manuela Maia, e não me leve a mal por isso, que não reveja assim e até que o entenda pomposo.
      Ser da Foz, é ser Português, é ser do Norte, e é ser do Porto, mas é ainda muito mais. Ser-se Foz é um estado de alma, como será, para os que o são, o ser-de de Campanhã, do Bonfim ou de Massarelos. Mas eu sou da Foz, e como tal, sem desprimor seja por quem for, tenho um enorme orgulho nisso.
      Um abraço amigo e um obrigado pelo comentário.

Leave a Reply