Posts Tagged: cante alentejano

“no silêncio da noite…” por Lídia Rocha – Lindo Ramo Verde-Escuro

Monda é o nome de um projeto recente, nascido no improviso de querer cantar e tocar os melhores saberes do Alentejo. “Lindo Ramo Verde-Escuro” é uma canção popular com arranjos do grupo “Monda”, formado por Jorge Roque (Voz), Pedro Zagalo

“no silêncio da noite…” por Lídia Rocha – Lindo Ramo Verde-Escuro

Monda é o nome de um projeto recente, nascido no improviso de querer cantar e tocar os melhores saberes do Alentejo. “Lindo Ramo Verde-Escuro” é uma canção popular com arranjos do grupo “Monda”, formado por Jorge Roque (Voz), Pedro Zagalo

Música ao Romper da Aurora – Trago Alentejo na Voz

“Trago Alentejo na Voz” é uma composição com letra e música de José Luís Gordo na voz do cantor alentejano António Zambujo.  

Música ao Romper da Aurora – Trago Alentejo na Voz

“Trago Alentejo na Voz” é uma composição com letra e música de José Luís Gordo na voz do cantor alentejano António Zambujo.  

DIA 12 DE DEZEMBRO, EM BEJA, JORNADA SOBRE “CANTE – TRADIÇÃO VIVA”

O Instituto Politécnico de Beja vai promover, no próximo dia 12 de Dezembro, uma jornada sobre o Cante, subordinada ao tema “Cante – Tradição Viva”, cumprindo assim a sua missão de ligação à cultura da comunidade envolvente. Esta jornada visa

DIA 12 DE DEZEMBRO, EM BEJA, JORNADA SOBRE “CANTE – TRADIÇÃO VIVA”

O Instituto Politécnico de Beja vai promover, no próximo dia 12 de Dezembro, uma jornada sobre o Cante, subordinada ao tema “Cante – Tradição Viva”, cumprindo assim a sua missão de ligação à cultura da comunidade envolvente. Esta jornada visa

“no silêncio da noite…” por Lídia Rocha – Catarina Eufémia

Ainda durante a ditadura fascista Zeca Afonso homenageou Catarina Eufémia entoando “O Cantar Alentejano” música sua e letra de Vicente Campinas. Esta canção faz parte do álbum “Cantigas de Maio” editado em 1971.

“no silêncio da noite…” por Lídia Rocha – Catarina Eufémia

Ainda durante a ditadura fascista Zeca Afonso homenageou Catarina Eufémia entoando “O Cantar Alentejano” música sua e letra de Vicente Campinas. Esta canção faz parte do álbum “Cantigas de Maio” editado em 1971.

NO PORTO, NA CASA DA MÚSICA, DIA 14 DE MARÇO, ÀS 21:30 H, VOZES DO ALENTEJO

Dia 14 de Março, às 21h e 30 m, na sala Suggia, o melhor do Cante Alentejano é um novo espectáculo de celebração de uma cultura que acaba de receber o selo de reconhecimento da Unesco sendo classificado como Património

NO PORTO, NA CASA DA MÚSICA, DIA 14 DE MARÇO, ÀS 21:30 H, VOZES DO ALENTEJO

Dia 14 de Março, às 21h e 30 m, na sala Suggia, o melhor do Cante Alentejano é um novo espectáculo de celebração de uma cultura que acaba de receber o selo de reconhecimento da Unesco sendo classificado como Património

HOMENAGEM AO CANTE ALENTEJANO DO CCB, EM LISBOA, DIA 25 DE JANEIRO, ÀS 18 H

Cerca de uma dezena de grupos corais vão actuar no dia 25 de Janeiro, às 18 horas,  no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, numa homenagem ao Cante Alentejano, declarado em Novembro de 2014 Património Imaterial

HOMENAGEM AO CANTE ALENTEJANO DO CCB, EM LISBOA, DIA 25 DE JANEIRO, ÀS 18 H

Cerca de uma dezena de grupos corais vão actuar no dia 25 de Janeiro, às 18 horas,  no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, numa homenagem ao Cante Alentejano, declarado em Novembro de 2014 Património Imaterial

A TAP E O CANTE ALENTEJANO – DESAPARECE O PATRIMÓNIO MATERIAL, AUMENTA O IMATERIAL

  A TAP trouxe de volta a casa a delegação promotora da candidatura do Cante Alentejano a Património Cultural Imaterial da Humanidade, que esteve em Paris para receber da UNESCO o importante reconhecimento universal. O nosso património material vai sendo

A TAP E O CANTE ALENTEJANO – DESAPARECE O PATRIMÓNIO MATERIAL, AUMENTA O IMATERIAL

  A TAP trouxe de volta a casa a delegação promotora da candidatura do Cante Alentejano a Património Cultural Imaterial da Humanidade, que esteve em Paris para receber da UNESCO o importante reconhecimento universal. O nosso património material vai sendo

“as nossas músicas” – Lídia e Luís Rocha – Vou-me embora vou partir

“Vitorino” O Grupo de Cantares do Redondo foi fundado em 1977 pelos irmãos Salomé, Janita e Vitorino, com o apoio de Zeca Afonso. Esta iniciativa destinava-se a preservar o “cante alentejano” modernizando-o. Uma das canções interpretada por este grupo foi,

“as nossas músicas” – Lídia e Luís Rocha – Vou-me embora vou partir

“Vitorino” O Grupo de Cantares do Redondo foi fundado em 1977 pelos irmãos Salomé, Janita e Vitorino, com o apoio de Zeca Afonso. Esta iniciativa destinava-se a preservar o “cante alentejano” modernizando-o. Uma das canções interpretada por este grupo foi,