Posts Tagged: catarina eufémia

“CATARINA EUFÉMIA” – PRESERVAR A MEMÓRIA

Recordemos um texto do nosso saudoso colaborador Fernando Correia da Silva https://aviagemdosargonautas.net/2014/05/19/contos-cronicas-catarina-eufemia-por-fernando-correia-da-silva/ e outro de Carlos Loures https://aviagemdosargonautas.net/2013/10/14/catarina-eufemia-simbolo-da-resistencia-da-mulher-portuguesa-por-carlos-loures/  

A BARRACA – HÉLDER MATEUS DA COSTA FAZ-NOS O BALANÇO do ENCONTRO IMAGINÁRIO de 4 de FEVEREIRO de 2019, com EÇA DE QUEIROZ, MANUELINHO DE ÉVORA E CATARINA EUFÉMIA.

  Balanço EI  Eça de Queiroz, Manuelinho de Évora, Catarina Eufémia Foi bonita a Festa, pá! Oito anos de Encontros Imaginários, comemorados no dia 4 de Fevereiro 2019! Desta vez, o contexto social e político internacional com tintas carregadas alertando para

A BARRACA – HÉLDER MATEUS DA COSTA – ENCONTRO IMAGINÁRIO – debate entre personagens marcantes da história universal – EÇA DE QUEIRÓS, MANUELINHO DE ÉVORA e CATARINA EUFÉMIA – com a participação da sociedade civil – II PARTE – CORO ALENTEJANO DE ALCÂNTARA – HOJE, SEGUNDA-FEIRA, 4 de FEVEREIRO, às 21.30.

ATENÇÃO!!!! Hoje, dia 4 de FEVEREIRO é o 8.º aniversário dos nossos Encontros. É uma grande FESTA que termina com o CORO ALENTEJANO de Alcântara. E FAZEMOS NOVAMENTE A FOTO DE FAMÍLIA  COM PARTICIPANTES E AMIGOS, A PUBLICAR  NO PRÓXIMO

CATARINA EUFÉMIA, por SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN

              Catarina Efigénia Sabino Eufémia (1928 – 1954) completaria hoje oitenta e nove anos. Em Maio próximo passarão sessenta e três anos sobre o seu assassinato por um oficial da guarda republicana, quando protestava

EDITORIAL – No aniversário de Catarina Eufémia

Há dias atrás, dizíamos que estes textos diários devem, em princípio constituir  um reflexo da opinião comum dos argonautas e não apenas ser a expressão daquilo que o editorialista de serviço pensa sobre a temática que está a abordar. O

A PRAÇA DA REVOLTA – O POEMA DE «CANTAR ALENTEJANO» – quem é o autor? José Afonso? Vicente Campinas?

Prosseguimos a publicação de depoimentos e mensagens que nos vão chegando sobre  esta dúvida que se levanta sobre a autoria do poema «Cantar Alentejano», que faz parte do álbum «Cantigas de Maio«, editado em 1971. Na sua mensagem, o cantautor

PRAÇA DA REVOLTA – «CANTAR ALENTEJANO» – depoimentos de Mário Lima e de A. P. Braga

Diz Mário Lima* Carlos Loures a Anália já aqui disse tudo. Ter em conta uma antologia de 2014 onde aparece o “Cantar Alentejano” de José Afonso atribuído a Vicente Campinas não é de hoje. O José Casanova baseou-se no que

PRAÇA DA REVOLTA – Um esclarecedor depoimento de Anália Gomes* sobre a autoria do poema «Cantar Alentejano»-

Prezado Carlos Loures e restantes interlocutores nesta partilha de informação: Apenas há uns 2-3 anos tomei consciência de que havia uma polémica em torno da autoria da letra da canção Cantar Alentejano, que José Afonso gravou no disco “Cantigas do

PRAÇA DA REVOLTA – QUEM ESCREVEU A LETRA DE «CANTAR ALENTEJANO»?- Primeiros depoimentos.

Luís Cília, voz destacada da música de intervenção antifascista, diz: Caros amigos Desconhecia totalmente essa “polémica”. Conheci o Campinas, (excelente pessoa) no dia em que cheguei a Paris ( 1 de abril de 64). Foi sempre um homem solidário e

RETALHOS DA VIDA DE UM CANTAUTOR/8.«Catarina» – por Carlos Loures

Em Dezembro de 1971 é lançado o álbum Cantigas do Maio, gravado em França, num estúdio situado numa quinta dos arredores de Paris. José Mário Branco, também ele grande cantautor da Resistência antifascista, que, como participante, estava presente na gravação,

Catarina Eufémia e a poesia (2) – por Carlos Loures

  Passa hoje mais um aniversário do dia em que teve lugar um dos mais criminosos (e simbólicos) actos de repressão fascista – o assassínio de Catarina Eufémia no dia 19 de Maio de 1954, em Baleizão. A análise que fiz sobre

O crime de Baleizão e o seu impacto na poesia* – por Carlos Loures

  *Este artigo é uma versão do que, sob o título Catarina Eufémia e a poesia, publiquei em 19 de Maio de 2011 no Estrolabio. A trágica morte de Catarina Eufémia, transformou-a num símbolo da resistência à ditadura. Não havia,

“CATARINA EUFÉMIA” – por Fernando Correia da Silva

QUANDO TUDO ACONTECEU  1928: Filha de camponeses sem terra, Catarina Efigénia Sabino Eufémia nasce na aldeia de Baleizão, concelho de Beja (Alentejo, Portugal). 1945: Casa com António Joaquim do Carmo, operário da CUF e com ele vai viver, durante algum

CATARINA EUFÉMIA – por Fernando Correia da Silva

19 de maio de 1954, Baleizão, Alentejo. Tu, Catarina Eufémia, tens 26 anos e és mãe de 3 filhos. O teu marido arranjou emprego de cantoneiro em Quintos, aldeia que fica a 10 kms. Mas o seu ordenado não basta