Posts Tagged: grupos económicos

O RISCO DE DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO NA ADSE E O VOGAL PARA O CONSELHO DIRETIVO ELEITO PELOS BENEFICIÁRIOS QUE NÃO É DO AGRADO DOS GRANDES GRUPOS ECONÓMICOS PRIVADOS DE SAÚDE – INFORMAÇÃO 3/2018 AOS BENEFICIÁRIOS DA ADSE – por EUGÉNIO ROSA

O RISCO DE DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO NA ADSE E O VOGAL PARA O CONSELHO DIRETIVO ELEITO PELOS BENEFICIÁRIOS QUE NÃO É DO AGRADO DOS GRANDES GRUPOS ECONÓMICOS PRIVADOS DE SAÚDE INFORMAÇÃO 3/2018 AOS BENEFICIÁRIOS DA ADSE   A SITUAÇÃO DA ADSE

O RISCO DE DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO NA ADSE E O VOGAL PARA O CONSELHO DIRETIVO ELEITO PELOS BENEFICIÁRIOS QUE NÃO É DO AGRADO DOS GRANDES GRUPOS ECONÓMICOS PRIVADOS DE SAÚDE – INFORMAÇÃO 3/2018 AOS BENEFICIÁRIOS DA ADSE – por EUGÉNIO ROSA

O RISCO DE DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO NA ADSE E O VOGAL PARA O CONSELHO DIRETIVO ELEITO PELOS BENEFICIÁRIOS QUE NÃO É DO AGRADO DOS GRANDES GRUPOS ECONÓMICOS PRIVADOS DE SAÚDE INFORMAÇÃO 3/2018 AOS BENEFICIÁRIOS DA ADSE   A SITUAÇÃO DA ADSE

UM COMENTÁRIO DE JOSEP ANTON VIDAL SOBRE O EDITORIAL “OS MONOPÓLIOS, A COMUNICAÇÃO SOCIAL E VARGAS LLOSA”.

El problema de Vargas Llosa y de aquellos con quienes comparte posiciones ideológicas y políticas es la manipulación conceptual, a veces burda y otras veces sutil. En definitiva, acaban utilizando la “salvaguarda de la democracia” como escudo contra los progresos

UM COMENTÁRIO DE JOSEP ANTON VIDAL SOBRE O EDITORIAL “OS MONOPÓLIOS, A COMUNICAÇÃO SOCIAL E VARGAS LLOSA”.

El problema de Vargas Llosa y de aquellos con quienes comparte posiciones ideológicas y políticas es la manipulación conceptual, a veces burda y otras veces sutil. En definitiva, acaban utilizando la “salvaguarda de la democracia” como escudo contra los progresos

LANÇAMENTO DE “GRUPOS ECONÓMICOS E DESENVOLVIMENTO EM PORTUGAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO”, de EUGÉNIO ROSA – dia 4 de DEZEMBRO, no MONTEPIO, em LISBOA

Quem é o Autor Eugénio Óscar Garcia da Rosa , licenciado em economia e doutorado pelo ISEG, com a tese “Grupos Económicos e o desenvolvimento em Portugal no contexto da globalização” publicada em livro (476 páginas) com prefácio do Prof. João

LANÇAMENTO DE “GRUPOS ECONÓMICOS E DESENVOLVIMENTO EM PORTUGAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO”, de EUGÉNIO ROSA – dia 4 de DEZEMBRO, no MONTEPIO, em LISBOA

Quem é o Autor Eugénio Óscar Garcia da Rosa , licenciado em economia e doutorado pelo ISEG, com a tese “Grupos Económicos e o desenvolvimento em Portugal no contexto da globalização” publicada em livro (476 páginas) com prefácio do Prof. João

A CAPTURA DAS ENTIDADES REGULADORAS PELOS GRUPOS ECONÓMICOS DOMINANTES NO SECTOR – por EUGÉNIO ROSA

A CAPTURA DA ENTIDADE REGULADORA DA ENERGIA (ERSE) PELOS GRUPOS ECONÓMICOS DO SETOR DA ELETRICIDADE E A SUBIDA DO PREÇO DA ELETRICIDADE EM 2014 PARA GARANTIR AS “RENDAS EXCESSIVAS”   Joseph Stiglitz, prémio Nobel da economia, no seu livro “O

A CAPTURA DAS ENTIDADES REGULADORAS PELOS GRUPOS ECONÓMICOS DOMINANTES NO SECTOR – por EUGÉNIO ROSA

A CAPTURA DA ENTIDADE REGULADORA DA ENERGIA (ERSE) PELOS GRUPOS ECONÓMICOS DO SETOR DA ELETRICIDADE E A SUBIDA DO PREÇO DA ELETRICIDADE EM 2014 PARA GARANTIR AS “RENDAS EXCESSIVAS”   Joseph Stiglitz, prémio Nobel da economia, no seu livro “O

AS MEDIDAS DO RELATÓRIO SOBRE O IRC FAVORECEM PRINCIPALMENTE OS GRUPOS ECONÓMICOS. Por EUGÉNIO ROSA – ANEXO – I

Texto abaixo pertence a 4 – Redução dos Níveis de Litigiosidade Fiscal, coluna PERDA(-) / AUMENTO (+)   RECEITA -Milhões € Não era aceite como gasto a transmissão onerosa de partes de capital quando detidas por período inferior a três anos

AS MEDIDAS DO RELATÓRIO SOBRE O IRC FAVORECEM PRINCIPALMENTE OS GRUPOS ECONÓMICOS. Por EUGÉNIO ROSA – ANEXO – I

Texto abaixo pertence a 4 – Redução dos Níveis de Litigiosidade Fiscal, coluna PERDA(-) / AUMENTO (+)   RECEITA -Milhões € Não era aceite como gasto a transmissão onerosa de partes de capital quando detidas por período inferior a três anos

AS MEDIDAS DO RELATÓRIO SOBRE O IRC FAVORECEM PRINCIPALMENTE OS GRUPOS ECONÓMICOS. Por EUGÉNIO ROSA – III

(continuação) A EROSÃO DA BASE FISCAL EM PORTUGAL, A MULTIPLICAÇÃO DE BENEFÍCIOS PARA AS GRANDES EMPRESAS E PARA OS GRUPOS ECONÓMICOS, O DISPARAR DO DÉFICE ORÇAMENTAL E MAIS IMPOSTOS PARA OS PORTUGUESES A erosão da base fiscal, que está a

AS MEDIDAS DO RELATÓRIO SOBRE O IRC FAVORECEM PRINCIPALMENTE OS GRUPOS ECONÓMICOS. Por EUGÉNIO ROSA – III

(continuação) A EROSÃO DA BASE FISCAL EM PORTUGAL, A MULTIPLICAÇÃO DE BENEFÍCIOS PARA AS GRANDES EMPRESAS E PARA OS GRUPOS ECONÓMICOS, O DISPARAR DO DÉFICE ORÇAMENTAL E MAIS IMPOSTOS PARA OS PORTUGUESES A erosão da base fiscal, que está a

AS MEDIDAS DO RELATÓRIO SOBRE O IRC FAVORECEM PRINCIPALMENTE OS GRUPOS ECONÓMICOS. Por EUGÉNIO ROSA – II

(continuação) A REDUÇÃO DA TAXA DE IRC TAL COMO DEFENDE A COMISSÃO BENEFICIA FUNDAMENTALMENTE AS GRANDES EMPRESAS, JÁ QUE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS VÃO PAGAR MAIS IRC  Uma das razões mais matraqueadas no Relatório Final da Comissão de reforma

AS MEDIDAS DO RELATÓRIO SOBRE O IRC FAVORECEM PRINCIPALMENTE OS GRUPOS ECONÓMICOS. Por EUGÉNIO ROSA – II

(continuação) A REDUÇÃO DA TAXA DE IRC TAL COMO DEFENDE A COMISSÃO BENEFICIA FUNDAMENTALMENTE AS GRANDES EMPRESAS, JÁ QUE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS VÃO PAGAR MAIS IRC  Uma das razões mais matraqueadas no Relatório Final da Comissão de reforma

AS MEDIDAS DO RELATÓRIO SOBRE O IRC FAVORECEM PRINCIPALMENTE OS GRUPOS ECONÓMICOS. Por EUGÉNIO ROSA – I

O RELATÓRIO SOBRE A REFORMA DO IRC DE LOBO XAVIER:- A manipulação da opinião pública, a redução da taxa de IRC e a erosão da base fiscal que beneficiam fundamentalmente as grandes empresas e os grupos económicos No estudo anterior

AS MEDIDAS DO RELATÓRIO SOBRE O IRC FAVORECEM PRINCIPALMENTE OS GRUPOS ECONÓMICOS. Por EUGÉNIO ROSA – I

O RELATÓRIO SOBRE A REFORMA DO IRC DE LOBO XAVIER:- A manipulação da opinião pública, a redução da taxa de IRC e a erosão da base fiscal que beneficiam fundamentalmente as grandes empresas e os grupos económicos No estudo anterior

A DESINDUSTRIALIZAÇÃO DE PORTUGAL E DA UNIÃO EUROPEIA CAUSADA PELOS GRUPOS ECONÓMICOS E PELA LIBERALIZAÇÃO

A DESINDUSTRIALIZAÇÃO DE PORTUGAL E DA UNIÃO EUROPEIA CAUSADA PELO DOMÍNIO DOS GRUPOS ECONÓMICOS E FINANCEIROS E PELA LIBERALIZAÇÃO Parte II O DOMÍNIO DOS GRUPOS ECONÓMICOS ANTES DO 25 DE ABRIL, E O CONDICIONAMENTO DE TODA A POLITICA ECONÓMICA POR

A DESINDUSTRIALIZAÇÃO DE PORTUGAL E DA UNIÃO EUROPEIA CAUSADA PELOS GRUPOS ECONÓMICOS E PELA LIBERALIZAÇÃO

A DESINDUSTRIALIZAÇÃO DE PORTUGAL E DA UNIÃO EUROPEIA CAUSADA PELO DOMÍNIO DOS GRUPOS ECONÓMICOS E FINANCEIROS E PELA LIBERALIZAÇÃO Parte II O DOMÍNIO DOS GRUPOS ECONÓMICOS ANTES DO 25 DE ABRIL, E O CONDICIONAMENTO DE TODA A POLITICA ECONÓMICA POR