Posts Tagged: maus tratos

MAIS UMA MULHER ASSASSINADA POR UM HOMEM por Luísa Lobão Moniz

  Mais um número incerto de mulheres maltratadas! Pela primeira vez vi um homem na televisão a dizer que é vítima de violência doméstica. E mais uma mulher é maltratada. Vieram-lhe as lágrimas aos olhos e disse sentir-se mal com

MAIS UMA MULHER ASSASSINADA POR UM HOMEM por Luísa Lobão Moniz

  Mais um número incerto de mulheres maltratadas! Pela primeira vez vi um homem na televisão a dizer que é vítima de violência doméstica. E mais uma mulher é maltratada. Vieram-lhe as lágrimas aos olhos e disse sentir-se mal com

NÃO HÁ HOMEM LIVRE por Luísa Lobão Moniz

Homens, mulheres, crianças e violência parecem estar a preocupar a sociedade e os políticos. Já se fala e reconhece que as leis terão que mudar, mas todos sabemos que não se mudam leis sem se mudarem mentalidades. Mais anos de

NÃO HÁ HOMEM LIVRE por Luísa Lobão Moniz

Homens, mulheres, crianças e violência parecem estar a preocupar a sociedade e os políticos. Já se fala e reconhece que as leis terão que mudar, mas todos sabemos que não se mudam leis sem se mudarem mentalidades. Mais anos de

CALÇADA DE CARRICHE por Luísa Lobão Moniz

  Luísa sobe, sobe a calçada, sobe e não pode que vai cansada. Sobe, Luísa, Luísa, sobe, sobe que sobe sobe a calçada. Saiu de casa de madrugada; regressa a casa é já noite fechada. Na mão grosseira, de pele

CALÇADA DE CARRICHE por Luísa Lobão Moniz

  Luísa sobe, sobe a calçada, sobe e não pode que vai cansada. Sobe, Luísa, Luísa, sobe, sobe que sobe sobe a calçada. Saiu de casa de madrugada; regressa a casa é já noite fechada. Na mão grosseira, de pele

O MENINO COMO EU por Luísa Lobão Moniz

Mês de ABRIL, mês de Revolução. Mês de tratar o tema das crianças maltratadas, é resultado da Revolução de Abril. Depois de Abril de 1974 temos liberdade e o dever de proteger os mais frágeis, de lhes dar “armas” para

O MENINO COMO EU por Luísa Lobão Moniz

Mês de ABRIL, mês de Revolução. Mês de tratar o tema das crianças maltratadas, é resultado da Revolução de Abril. Depois de Abril de 1974 temos liberdade e o dever de proteger os mais frágeis, de lhes dar “armas” para

LAÇO AZUL por Luísa Lobão Moniz

Abril, mês de comemorar a nossa Liberdade e Democracia, mês de luta contra os maus tratos nas crianças. Um dia em Abril de 1989, nos EUA, uma mulher colocou um laço azul na antena do seu carro. Porquê e para

LAÇO AZUL por Luísa Lobão Moniz

Abril, mês de comemorar a nossa Liberdade e Democracia, mês de luta contra os maus tratos nas crianças. Um dia em Abril de 1989, nos EUA, uma mulher colocou um laço azul na antena do seu carro. Porquê e para

E MAIS UM HORIZONTE…. por Luísa Lobão Moniz

Nunca conseguimos chegar à linha do horizonte porque há sempre mais horizonte para nos orientar. É bom porque se chegássemos à linha do horizonte isto quereria dizer que não poderíamos melhorar mais a Humanidade nem a Natureza. São as utopias

E MAIS UM HORIZONTE…. por Luísa Lobão Moniz

Nunca conseguimos chegar à linha do horizonte porque há sempre mais horizonte para nos orientar. É bom porque se chegássemos à linha do horizonte isto quereria dizer que não poderíamos melhorar mais a Humanidade nem a Natureza. São as utopias

MAIS UMA… por Luísa Lobão Moniz

Não há um dia em que não haja uma notícia de feminicídio, cada vez mais violento e cruel. O homem já não se satisfaz com assassinar a mulher ou a companheira, cada vez mais estes assassinatos são acompanhados por assassinatos

MAIS UMA… por Luísa Lobão Moniz

Não há um dia em que não haja uma notícia de feminicídio, cada vez mais violento e cruel. O homem já não se satisfaz com assassinar a mulher ou a companheira, cada vez mais estes assassinatos são acompanhados por assassinatos

PARA QUE NASCI por Luísa Lobão Moniz

Vendiam bebes franceses a mil euros. Mãe e filho pretendem casar-se e terem filhos. Menina com 10 anos deu à luz um bebé, o pai tem 17 anos. Pai põe à venda bebé de 10 dias no OLX. Mãe do

PARA QUE NASCI por Luísa Lobão Moniz

Vendiam bebes franceses a mil euros. Mãe e filho pretendem casar-se e terem filhos. Menina com 10 anos deu à luz um bebé, o pai tem 17 anos. Pai põe à venda bebé de 10 dias no OLX. Mãe do

A VIOLÊNCIA E OS IDOSOS por Luísa Lobão Moniz

A violência e os idosos. A sociedade para se sentir mais organizada precisa de categorias para agrupar as diferentes realidades, assim a palavra idoso serve para definir uma pessoa com 60 ou mais anos de idade. Não se percebe então

A VIOLÊNCIA E OS IDOSOS por Luísa Lobão Moniz

A violência e os idosos. A sociedade para se sentir mais organizada precisa de categorias para agrupar as diferentes realidades, assim a palavra idoso serve para definir uma pessoa com 60 ou mais anos de idade. Não se percebe então

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA: UM ALERTA EM ABRIL por Clara Castilho

A Câmara Municipal de Lisboa, a Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco e a Associação de Mulheres Contra a Violência levam a cabo, durante o mês de Abril, um programa de alerta para os maus tratos

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA: UM ALERTA EM ABRIL por Clara Castilho

A Câmara Municipal de Lisboa, a Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco e a Associação de Mulheres Contra a Violência levam a cabo, durante o mês de Abril, um programa de alerta para os maus tratos

MENINA DE 12 ANOS, SURDA-MUDA, FOI VIOLADA PELO PADRASTO por Luísa Lobão Moniz

Diz-se que este século é o século da Criança. Pois bem, a criança tornou-se visível é, agora, um ser com especificidades, com o seu saber, com o seu afecto, é vista pela sociedade como alguém que necessita de ser amada

MENINA DE 12 ANOS, SURDA-MUDA, FOI VIOLADA PELO PADRASTO por Luísa Lobão Moniz

Diz-se que este século é o século da Criança. Pois bem, a criança tornou-se visível é, agora, um ser com especificidades, com o seu saber, com o seu afecto, é vista pela sociedade como alguém que necessita de ser amada

AFINAL QUEM MALTRATA QUEM? MÊS DA PREVENÇÃO DE MAUS TRATOS NA INFÂNCIA – por clara castilho

Mais uma vez estamos no Mês da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância.  E mais uma vez temos que falar nisto. Falando só de Portugal, por um lado temos as instituições e os serviços cada vez mais alerta e a intervir,

AFINAL QUEM MALTRATA QUEM? MÊS DA PREVENÇÃO DE MAUS TRATOS NA INFÂNCIA – por clara castilho

Mais uma vez estamos no Mês da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância.  E mais uma vez temos que falar nisto. Falando só de Portugal, por um lado temos as instituições e os serviços cada vez mais alerta e a intervir,

O SILÊNCIO DA DOR INSTALA-SE por Luísa Lobão Moniz

O homem mau era amigo do pai e amigo ficou. O menino, silenciosamente, chorava sem que ninguém visse. Nas veias, em vez de sangue, corria-lhe a dor e as lágrimas de quem foi humilhado, magoado, silenciado, como tantas outras crianças.

O SILÊNCIO DA DOR INSTALA-SE por Luísa Lobão Moniz

O homem mau era amigo do pai e amigo ficou. O menino, silenciosamente, chorava sem que ninguém visse. Nas veias, em vez de sangue, corria-lhe a dor e as lágrimas de quem foi humilhado, magoado, silenciado, como tantas outras crianças.

SOMOS TODOS MALTRATADOS por Luísa Lobão Moniz

Somos tão mal tratados enquanto cidadãos. Imagine-se que é possível ver-se na sala de espera da Caixa Geral de Aposentações um homem que mal se podia mexer, numa maca acompanhado por bombeiros…será possível que não haja sensibilidade com as pessoas

SOMOS TODOS MALTRATADOS por Luísa Lobão Moniz

Somos tão mal tratados enquanto cidadãos. Imagine-se que é possível ver-se na sala de espera da Caixa Geral de Aposentações um homem que mal se podia mexer, numa maca acompanhado por bombeiros…será possível que não haja sensibilidade com as pessoas

DIA DA MULHER por Luísa Lobão Moniz

Hoje é sábado, mas não é “Porque Hoje é Sábado” que é dia Mundial das Mulheres, é sim, como sabemos, porque muitas mulheres lutaram pelos seus direitos enquanto eram violentamente tratadas. A dor das mulheres é a dor da humanidade.

DIA DA MULHER por Luísa Lobão Moniz

Hoje é sábado, mas não é “Porque Hoje é Sábado” que é dia Mundial das Mulheres, é sim, como sabemos, porque muitas mulheres lutaram pelos seus direitos enquanto eram violentamente tratadas. A dor das mulheres é a dor da humanidade.