IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (17)

imagenspoesia1

NÃO TENHO PRINCÍPIO NEM FIM

DSC07918-1000x

Não tenho princípio nem fim
Não principio nem acabo

Sou o rumor das pétalas a abrir
Sou o grito das cores berrantes
O vestígio de beijos a florir
A noite a cair em instantes

Sou o sangue a correr em mim
Sou a vida e a morte por um bocado

Sou o som da semente a nascer
Sou o que sou, de minha autoria
Volto amanhã, se hoje morrer
Sou o rumor do nascer do dia

Não tenho princípio nem fim
Não principio nem acabo
Anseio por ser eterno,
Ao fim e ao cabo.

(In Uma, Duas Vezes e Três)

About José Fernando Magalhães

Escrevo e fotografo pelo imenso prazer que daí tiro

3 comments

  1. Maria Melo

    Gostei do poema.

  2. Pingback: IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (17) | joanvergall

  3. Alberto Joaquim de Macedo Pereira Martins

    Aprecio muito as suas cartas e o carinho que tem pela sua Cidade, Mui Nobre, Invicta e Sempre Leal, Cidade do Porto!
    Gosto também muito do Porto, que considero a minha segunda Terra! /

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: