Ainda a geringonça – Os êxitos do atual governo, vistos do exterior e vistos desde Portugal. A resposta de António Gomes Marques às interrogações de Nuti sobre Portugal

sobre artigo novo partido corrupcao geringonça

Cartoon da autoria de Vasco Gargalo realizado para uma reportagem da RTP que regista o segundo aniversário dos inéditos acordos de Governo entre PS, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes

Os êxitos do atual governo, vistos do exterior e vistos desde Portugal. A resposta de António Gomes Marques às interrogações de Nuti sobre Portugal

Por António Gomes Marques antonio gomes marques

em 22 de maio de 2018

 

Visto desde Itália, desde 2015 Portugal é um caso exemplar de políticas socialistas com sucesso, caso único na Europa, sem austeridade, crescimento do PIB de 2% ao ano e de 3,2% do emprego, com os socialistas, os comunistas, os verdes e o Bloco de Esquerda: um exemplo para todos nós, principalmente em Itália onde a esquerda se dividiu várias vezes. Como parece a geringonça de António Costa vista desde Portugal? Desde já grato por alguma orientação que me possa dar. – Mario Nuti, 19 de maio de 2018

 

Muito gostaria de subscrever um caso de sucesso de políticas socialistas, ou de outro tipo de partidos desde que a bem de Portugal e dos portugueses; neste caso, a suceder, lamentaria que tal sucesso não estivesse associado ao Partido Socialista Português.

Somos constantemente bombardeados, onde os burocratas de Bruxelas têm papel de relevo, com o êxito do actual governo português. De facto, parece que tal êxito é bem real, a começar pela reposição dos rendimentos, a deixar os espoliados bem contentinhos e, tendo sido eu um deles, deveria também estar a bater palmas, o que não acontece. O actual governo dá com uma mão e retira com a outra, agravando os tais impostos que todo o mundo paga e de que não dá conta. Vejam, como pequenos exemplos, os recibos da água e da electricidade e analisem cada uma das rubricas e os respectivos valores.

Com os preços da electricidade e dos combustíveis que temos fico admirado como é que conseguem os produtores portugueses de bens transaccionáveis aumentar as exportações, a que não podemos deixar de juntar os custos que os esperam nos chamados «portos secos espanhóis» junto à fronteira.

Temos um ministro das Finanças, cuja competência técnica não está em dúvida, que se mostra mais preocupado com fazer carreira em Bruxelas do que no bem-estar dos portugueses.

Temos 25% da população portuguesa a viver com um rendimento abaixo do mínimo indispensável, com uma classe média a aproximar-se destes 25% e uma minoria de ricos cada vez mais ricos, onde, há uns anos, se ficou a saber que um desses mais ricos triplicou em 5 anos a sua fortuna. Quantos desses ricos foram beliscados por este governo aclamado pelos seus «êxitos exemplares»? Não, não estou a propor que se acabe com os ricos, mas um governo tão cheio de êxito teria a obrigação de diminuir substancialmente a referida percentagem de 25% da população portuguesa e promover uma bem melhor distribuição da riqueza produzida.

Seria um governo a felicitar se tivesse levado a efeito alguma das tão necessárias reformas estruturais, expressão esta com que todos os partidos enchem a boca, mas a verdade é que nem sequer uma temos para amostra. Recentemente, no meu texto «Afinal, que reformas?», publicado no blogue «aviagemdosargonautas.net», aflorei esta questão, tendo sido muito pouco exigente. Não vou repetir-me, mas não posso deixar de lembrar que na educação, na ciência e na cultura essas reformas são absolutamente urgentes, reformas essas que criariam uma massa crítica indispensável ao desenvolvimento de qualquer país e muito mais a Portugal, o que nenhum governo dos últimos 20 anos fez (já estou a desculpar os governos dos primeiros 24 anos após o 25 de Abril).

As actuais camadas jovens, as mais bem preparadas do pós-25 de Abril -afirmação que estou a aceitar sem crítica-, apressam-se a procurar vida em países que lhes oferecem o que em Portugal não conseguem. Parte dos tais mais bem preparados que vão ficando está a ser contratada para dar aulas em universidades portugueses a troco de um vencimento à hora inferior ao que em minha casa se paga à senhora da limpeza, sem que haja um responsável governamental a levantar a voz contra tal situação e sem haver um movimento de Norte a Sul do país, sem esquecer as Regiões Autónomas, a avisar para o desastre que, no futuro, isto constituirá para Portugal.

No ensino, a única preocupação governamental parece ser a de obter bons números estatísticos, continuando (ou aprofundando?) o facilitismo em que os governos chefiados por José Sócrates se especializaram e que o governo de Passos Coelho não alterou, não me parecendo que o actual esteja a reverter a situação, este governo tão louvado pela reversão das políticas do anterior.

Seria possível num país de sucesso o bombardeamento diário com a promoção da violência no futebol, com os resultados que já se vão mostrando e que virão a ser bem piores se não houver uma alteração de 180º nas políticas do desporto em geral e no futebol em particular? E ainda alguns se mostram preocupados com o populismo quando este é propagandeado diariamente, quase minuto a minuto?

Lutemos ao menos por uma indispensável reforma, uma só!, que poderá facilitar depois as outras, que é a reforma do sistema eleitoral, que permita a escolha dos melhores para nos representar politicamente. Fosse esta concretizada e eu já morreria mais tranquilo!

A terminar, vou desiludir alguns de vós ou mesmo todos! Sinto-me de tal modo desiludido mas incapaz de votar noutro partido que não seja o PS, por estar convencido, tendo em conta o panorama partidário português, a começar pelos partidos com representação parlamentar, com os portugueses a mostrarem-se absolutamente incapazes de o alterar sequer a médio prazo, ser este PS o partido que representa o menor dos males.

Como eu gostaria de ter dado uma grande alegria ao Domenico Mário Nuti, mas é-me impossível!

Abraço caloroso a todos do

António

One comment

  1. Carlos A.P,M.Leça da Veiga

    Responder, respondeu e – bem haja ! – fê-lo com verdade, coisa que, mal vão os tempos, já é uma novidade no actual panorama nacional. Aceitar o menor dos males pode ser necessário inclusive justo mas – haja deus – apenas, quando o mal não é tão mau. Abração do CLV

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: