UMA CARTA DO PORTO – Por José Fernando Magalhães (122) Reposição

carta-do-porto

A RUA DOS PRAZERES

 

Ao passear pela cidade, seja qual for a freguesia, encontramos muitas vezes nomes bem curiosos. Foi o caso deste meu passeio pela Foz do Douro.
Dirijo os meus passos pelos Pinhais da Foz em direcção ao Passeio Alegre. Rua Bartolomeu Velho, rua Padre Luis Cabral, e aí encontro uma ruela com um nome curioso; rua dos Prazeres. E por aí enveredo enquanto me pergunto que prazeres teriam sido aqueles, que ditaram um nome para uma rua.
Ao descer a rua dos Prazeres, encontro o último dos lavradores da Foz junto a um dos campos onde ainda cultiva as suas hortaliças. O Sr. Almeida, o seu cavalo castanho e a sua carroça, chegavam depois de mais um dia a vender, casa a casa, o que ele cultiva. Simpático, de cima dos seus cerca de oitenta anos, não nos deixa sem uma palavra afável. Adora o que faz, o cultivo de hortaliças, e o passeio pelas ruas da Foz a vender os artigos acabados de colher, aos seus muitos clientes. Mas da origem do nome da rua, nada sabe.

RUA DOS PRAZERES
RUA DOS PRAZERES

E abalo com um cumprimento, recebendo um amigável aceno.

RUA DOS PRAZERES
RUA DOS PRAZERES

A rua não acaba nas escadas com que parece terminar. Do outro lado da (“Estrada Nova”, como é conhecida pelos que há muitos anos habitam naquele local) rua de Diogo Botelho, ainda lá está a rua dos Prazeres, com cerca de vinte metros e duas casas de habitação. Termina na rua de Montebelo, junto ao final do aqueduto.

RUA DOS PRAZERES (DO OUTRO LADO)
RUA DOS PRAZERES (DO OUTRO LADO)

Encontro mais três pessoas, que ao que apurei, ali viveram a vida toda. Uma na rua da Quinta, outra na da Santa Escolástica e outra na rua Alegre. Sabiam muito sobre as ruas onde ainda vivem; da quinta (Quinta do Vareta) para onde o aqueduto levava a água, do parentesco da Santa Escolástica com o São Bento e do local, no Gerês, onde está a imagem da Santa, e diziam que a rua Alegre era assim chamada porque os seus habitantes assim o eram, muito alegres. Mas ninguém sabia que até 1891, a rua Alegre se chamara rua Nova dos Prazeres (Blogue Ruas da Minha Terra – Porto), muito embora, na Monografia da Foz do Douro, de Óscar Fangueiro, diga que a rua Alegre assim é chamada desde 1860 e que entre 1836 e 1853, se chamava “da Alegria”. Curiosidades sobre as quais provavelmente nunca chegaremos a saber a verdade e os nomes a que chamavam às ruas ou aos locais, na altura.
Mas voltando à rua dos Prazeres. Que prazeres seriam aqueles?

RUA DE MONTEBELO
RUA DE MONTEBELO

Sabemos que estamos numa zona que foi até há poucos anos, rural (numa pequeníssima parcela junto à rua dos Prazeres, ainda assim é nos dias de hoje), com campos agrícolas rodeados pelos Pinhais da Foz. Era um local provavelmente bucólico, prazenteiro, florido, e nas cercanias tínhamos e temos a rua das Laranjeiras, de Montebelo, Alegre e dos Olivais. Não sei explicar a origem do nome, mas os prazeres referidos “só” podem dizer respeito aos que referi, da mesma forma que não sei a razão, ou o critério, da troca do nome de rua Nova dos Prazeres para rua Alegre (assumindo que era assim, como se diz no blogue a que acima referi, e não a troca de rua da Alegria para rua Alegre, facto que facilmente se entende por causa da anexação da Foz do Douro à cidade do Porto, e por já aí haver uma rua com o mesmo nome).
De uma forma ou de outra, bem que me era agradável saber realmente o porquê do nome da rua dos Prazeres.

 

 

 

 

 

Esta sessão também será transmitida através da plataforma ZOOM, com ingresso livre, e os links de acesso são:

 

Dia 2 – Manhã https://zoom.us/j/91795828954?pwd=cktQbi91K2xNSm1XWC8vVENsNHJaQT09

 

Dia 2 – Tarde https://zoom.us/j/96761034082?pwd=V3k2Vy90dmhTcmRNdUY5UjUvcTBLZz09

 

Dia 3 – Manhã https://zoom.us/j/99021758791?pwd=bHdUOG9pR3ZJRnpoL0NVd1E5N3dsUT09

No dia 3, Sábado, às 10h., este vosso amigo fará uma intervenção neste 5º Encontro Nacional de Literaturismo. Espero vê-los por lá.

 

1 Comment

Leave a Reply