Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 2º Texto – A Alemanha – O que é que se passa com a Alemanha?

A Alemanha – O que é que se passa com a Alemanha?

(Nick Kounis, 5 de Abril de 2019)

alemanha

O que é que se passa com a Alemanha?

– A economia alemã desacelerou drasticamente e parece estar em recessão

– O fraco desempenho da economia alemã reflete a sua forte dependência das exportações, em especial de bens de equipamento

– Enquanto isso, as famílias aumentaram as poupanças, levando a uma desaceleração no consumo.

– A Alemanha e a zona euro necessitam urgentemente de uma transição para a procura interna.

– O grande excedente da balança de transações correntes é o reverso de um excesso de poupança interna.

– A Alemanha tem espaço para aumentar a despesa pública, cortar impostos e aumentar os salários.

O colapso industrial da Alemanha conduz a economia à recessão

As encomendas industriais alemãs caíram 4,2% em fevereiro, após um declínio de 2,1% em janeiro. Mesmo tendo em conta que esta é uma série volátil, a fraqueza é surpreendente. Na verdade, as encomendas industriais estão abaixo em 8,4% ao longo do ano passado, o mais fraco desde a crise financeira global. Historicamente, o declínio das encomendas industriais desta magnitude têm sido consistentes com períodos de recessão na economia global (ver gráfico à esquerda). A Alemanha ainda não registou uma recessão técnica (definida como dois trimestres consecutivos de contração).

No entanto, para todos os efeitos, está a atravessar uma recessão modesta. A economia contraiu-se no terceiro trimestre, manteve-se estável no quarto trimestre e deverá contrair-se nos primeiros meses deste ano. A Alemanha tem tido um desempenho inferior ao da zona do euro, bem como de outras economias avançadas em todo o mundo. Então, o que é que está a dar errado na economia alemã?

al1

al2

Economia alemã é afetada pela queda das exportações

A economia alemã é particularmente sensível à procura da economia mundial , que enfraqueceu significativamente este ano. Na verdade, o comércio mundial está em contração ano após ano. Além disso, a economia alemã é particularmente forte na produção de bens de capital, e estes foram atingidos por uma desaceleração nos gastos globais de investimento (ver gráfico à esquerda). Nas encomendas industriais, os bens de equipamento diminuíram 9,8% em termos homólogos e as encomendas de bens de equipamento estrangeiros diminuíram 15,3% em termos homólogos. As despesas de investimento estão a abrandar na zona euro, mas também têm vindo a abrandar significativamente nos EUA, Japão e China.

al3

al4

A procura interna também enfraqueceu

O abrandamento da economia alemã foi também exacerbado pelo enfraquecimento da procura interna. Embora o emprego tenha vindo a expandir-se e o crescimento dos salários a acelerar, o consumo privado abrandou acentuadamente no decurso do ano passado. Tal facto reflete um aumento da taxa de poupança das famílias. Isto pode refletir uma poupança de precaução, dado o abrandamento da indústria e as preocupações que poderão vir a ser piores, dada a guerra comercial entre os EUA e a China e as preocupações de que isso possa vir a repercutir-se na UE. Além disso, também pode haver preocupações sobre o impacto de o Reino Unido deixar a UE sem um acordo.

Melhorias no final do ano

Desde o início deste ano, houve melhora nas inquéritos relacionados com a  economia interna, como o PMI de serviços. Isso sugere que essas preocupações poder-se-iam acalmar, embora reconhecidamente, ainda não vemos  sinais disso nos indicadores de confiança do consumidor. Além disso, acreditamos que a economia global deve melhorar modestamente no segundo semestre do ano, dada a mudança expansionista dos bancos centrais e alguma atenuação das incertezas discutidas acima. Assim, a economia alemã deverá melhorar no segundo semestre do ano.

O elefante na sala

No entanto, o abrandamento económico global põe em evidência um problema mais estrutural da economia. A sua dependência da procura externa e a falta de um motor de crescimento interno. A Alemanha tem um enorme excedente na balança de transações correntes. Nos últimos trimestres abrandou, mas continuava a situar-se em 7,4% do PIB no final do ano passado. O reverso da medalha é um grande excesso de poupança interna. Quem é que poupa? A resposta curta é toda a gente! O governo, as famílias e as empresas aumentaram as poupanças ao longo dos últimos anos.  O governo tem vindo a acumular excedentes orçamentais, enquanto as despesas de investimento público  têm estagnado. Além disso, as famílias podem estar a sentir-se menos seguras apesar da evolução do mercado de trabalho. Isto pode estar relacionado com preocupações sobre a futura provisão de pensões, bem como com o elevado número de mini-empregos temporários. Entretanto, a competitividade da Alemanha melhorou ao longo dos anos, graças à relativa contenção salarial. O peso dos rendimentos do trabalho no rendimento diminuiu e as empresas obtiveram grandes lucros. No entanto, o investimento empresarial manteve-se relativamente moderado, o que significa que a poupança das empresas também aumentou.

al5

al6

Governo tem margem para estímulos orçamentais

As autoridades alemãs poderiam fazer mais para incentivar uma transição para a procura interna, o que seria bom para a Alemanha e para a zona euro. O ponto de partida mais óbvio seria o reforço do estímulo orçamental. Na verdade, até mesmo o BCE começou a insinuar isso.

No relato da reunião do Conselho do BCE de março, os seus altos quadros pediram que  “jurisdições que tinham espaço orçamental  devem estar prontas para o utilizar, dados os riscos negativos para o crescimento”. Isto também poderia refletir algum reconhecimento de objetivo  mais limitado da política monetária para impulsionar a economia da zona do euro e, portanto, a inflação em comparação com o passado.

De acordo com a Comissão Europeia, a Alemanha terá um excedente orçamental estrutural de 1% do PIB este ano. Está em baixa em comparação com o ano passado, porque o governo está a criar um estímulo modesto de pouco menos de 0,5% do PIB. Mesmo de acordo com as próprias regras orçamentais do governo, este tem margem para um estímulo adicional de 1% do PIB, uma vez que pretende estar em equilíbrio uma vez tido em conta o impacto do ciclo. No entanto, com taxas de juro do crédito baixas, tem, sem dúvida, muito mais margem de manobra. Um programa de investimento público faria sentido e poderiam também ser consideradas reduções fiscais para incentivar a procura do sector privado. Além disso, um aumento dos salários mínimos poderia também contribuir para apoiar a procura interna.

al7


O terceiro texto desta série será publicado amanhã, 12/08/2019, 22h


Tradução de Júlio Marques Mota – Fonte aqui

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: