Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 6º Texto – Itália: Ficar para trás

A recessão na Itália reflete os problemas no país e do exterior

(The Economist, 2 de Fevereiro de 2019)

it4

A ITÁLIA não se vangloria de nenhum recorde económico brilhante. O crescimento do PIB tem seguido a média da zona do euro todos os anos desde 1999. Apesar de um desempenho decente em 2016-17, a economia ainda não recuperou plenamente a produção perdida durante a crise mundial de há uma década e a banca nacional assustou alguns anos depois.

Agora, mesmo a sua modesta recuperação parece ter-se invertido. Os números publicados em 31 de janeiro mostraram que a Itália entrou em recessão no segundo semestre de 2018. A economia caiu 0,2% no último trimestre de 2018, a sua segunda contração consecutiva (ver gráfico). As causas são internas e externas. Parece provável que elas deprimam a economia também este ano e piorem uma posição fiscal já de si carregada.

A zona euro – notavelmente a Alemanha – perdeu impulso com o comércio global desacelerando-se. A Itália não tem estado imune. As exportações aumentaram quase 6% em 2017, mas Loredana Federico, do UniCredit, um banco, estima que provavelmente cresceram apenas 1% no ano passado. Giada Giani do Citigroup, outro credor, argumenta que o destino da economia da Itália está ligado ao da Alemanha, em parte por causa das cadeias integradas de fornecimento da indústria transformadora. O declínio da produção industrial na Alemanha é provável que se tenha espalhado para o sul. (O PIB da Alemanha caiu mais acentuadamente do que o da Itália no terceiro trimestre de 2018, embora parte dessa queda tenha sido causada por uma interrupção temporária da produção de automóveis devido a novos padrões de emissões).

it5

A recessão da Itália também é parcialmente interna. Em setembro de 2018, o seu governo populista revelou planos orçamentários para 2019 que desafiaram as regras orçamentais da União Europeia. Como a linha com Bruxelas piorou, os custos dos empréstimos governamentais aumentaram acentuadamente. As tensões acabaram por ser atenuadas em dezembro, quando o governo concordou em executar um défice menor, em grande parte devido ao adiamento de seus planos de aumentar as despesas. Embora a diferença entre os rendimentos das obrigações do governo italiano e os da Alemanha, um refúgio-seguro, tenha descido do seu valor de pico, esta diferença ainda é maior do que era há um ano atrás.

A instabilidade teve um custo económico. Uma pesquisa feita pelo Banco Central Europeu (BCE) junto aos credores revelou que, no quarto trimestre de 2018, os bancos italianos ficaram mais exigentes sobre a quem emprestaram, mesmo com o alívio dos padrões de crédito em outros grandes países da zona do euro. Isso poderia refletir o aumento dos custos de financiamento. O Banco da Itália, o banco central nacional, espera que os aumentos nos rendimentos de títulos soberanos levem a que os custos de empréstimos às empresas italianas subam um ponto percentual nos próximos três anos. Olivier Blanchard e Jeromin Zettelmeyer, do Peterson Institute for International Economics, um grupo de reflexão, estimaram em outubro que tais efeitos no mercado financeiro provavelmente anulariam o impulso das medidas orçamentais do governo.

Estas forças internas e externas têm efeitos económicos semelhantes, observa Nicola Nobile, da Oxford Economics, uma empresa de consultoria. Elas abalam a confiança das empresas e das famílias, levando-as a adiar as despesas. As medidas quer expressam um sentimento de confiança enfraqueceram. O Banco de Itália observa que a percentagem de empresas que esperam aumentar o investimento em 2019 diminuiu. Os economistas reduziram as suas previsões para o crescimento do PIB em 2019. O FMI espera um crescimento de 0,6% em 2019, abaixo da sua previsão de 1% em outubro. Nobile e Giani estimam uma taxa ainda mais sombria, entre 0,2-0,3%.

Os observadores do BCE pensam que o banco pode alargar as suas operações de refinanciamento a longo prazo. O sistema, que oferece aos bancos financiamento barato em troca de empréstimos a empresas e famílias, pode ajudar a aliviar as condições de crédito em Itália. Além disso, as opções políticas são limitadas. O BCE injetará mais estímulos apenas no caso de uma desaceleração mais ampla, em vez de se limitar à Itália. De qualquer forma, qualquer abrandamento nas suas condições para concessão de crédito pode ser muito pouco para contrariar a recessão mais profunda da Itália.

O governo da Itália encontra-se agora cercado. A fraqueza económica piora a sua posição orçamental. A dívida pública, que já representa 132% do PIB, pode aumentar ainda mais. O déficit orçamental provavelmente excederá a meta do governo de 2% do PIB. Essa pior posição orçamental poderia, por sua vez, tornar mais difícil para o governo estimular a economia.

Se a Comissão Europeia decidir que a Itália infringiu as suas regras orçamentais, qualquer despesa adicional provocará uma nova discussão, acrescentará uma nova linha de tensão. E o episódio do ano passado mostrou que os grandes planos de gastos podem ser autodestrutivos se os mercados financeiros ficarem assustados. O governo da Itália precisaria convencer tanto Bruxelas quanto os investidores de que a despesa publica adicional pretendida ajudaria a economia a crescer. Até lá, a Itália continuará a cambalear.


O sétimo texto desta série será publicado amanhã, 30/11/2019, 22h


Tradução de Júlio Marques Mota

Fonte aqui

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: