Posts Tagged: Galiza como tarefa

A GALIZA COMO TAREFA – Nacionalismos – Ernesto V. Souza

Após uma primeira fase francesa, racionalista e revolucionária, que pretendeu transplantar nos Reinos os princípios de nação e cidadania, entrou em jogo, nas primeiras décadas do século XIX, uma dinâmica constitutiva pós revolucionária, liberal e pragmática que fixava os Estados

A GALIZA COMO TAREFA – Nacionalismos – Ernesto V. Souza

Após uma primeira fase francesa, racionalista e revolucionária, que pretendeu transplantar nos Reinos os princípios de nação e cidadania, entrou em jogo, nas primeiras décadas do século XIX, uma dinâmica constitutiva pós revolucionária, liberal e pragmática que fixava os Estados

A GALIZA COMO TAREFA – Periferizações – Ernesto V. Souza

A geografia, a economia, os interesses de estado, uma série de catastróficas casualidades umas vezes de ordem estatal, internacional e mesmo global, fizeram que a Galiza apresente uma imagem mais que periférica, diríamos Provincial. Por igual que a Sicília e

A GALIZA COMO TAREFA – Periferizações – Ernesto V. Souza

A geografia, a economia, os interesses de estado, uma série de catastróficas casualidades umas vezes de ordem estatal, internacional e mesmo global, fizeram que a Galiza apresente uma imagem mais que periférica, diríamos Provincial. Por igual que a Sicília e

A GALIZA COMO TAREFA – Geografia política e cultural – Ernesto V. Souza

Os mapas são grandes narrativas; e por isso são também testemunhas da percepção cultural e da visão política de quem os desenha ou faz desenhar. Não é – e cada vez menos – que os seus dados, costas, situação de

A GALIZA COMO TAREFA – Geografia política e cultural – Ernesto V. Souza

Os mapas são grandes narrativas; e por isso são também testemunhas da percepção cultural e da visão política de quem os desenha ou faz desenhar. Não é – e cada vez menos – que os seus dados, costas, situação de

A GALIZA COMO TAREFA – Na origem dos grandes tropos – Ernesto V. Souza

Foi lendo em Hayden White, a quem cheguei por Edward W. Said, que pela primeira vez entendi com surpresa  que a História é apenas um conjunto de narrativas; e as histórias nacionais ou especializadas, com os seus tropos e grandes

A GALIZA COMO TAREFA – Na origem dos grandes tropos – Ernesto V. Souza

Foi lendo em Hayden White, a quem cheguei por Edward W. Said, que pela primeira vez entendi com surpresa  que a História é apenas um conjunto de narrativas; e as histórias nacionais ou especializadas, com os seus tropos e grandes

A GALIZA COMO TAREFA – Emigrantes – Ernesto V. Souza

Característica quase definitória da Galiza é a grande densidade de uma população dispersa em núcleos nodais e pequenos núcleos, ainda manifesta na alta concentração de topónimos e micro-topónimos habitados, semi-habitados ou já abandonados. Companheira desta característica é a emigração. Emigração

A GALIZA COMO TAREFA – Emigrantes – Ernesto V. Souza

Característica quase definitória da Galiza é a grande densidade de uma população dispersa em núcleos nodais e pequenos núcleos, ainda manifesta na alta concentração de topónimos e micro-topónimos habitados, semi-habitados ou já abandonados. Companheira desta característica é a emigração. Emigração

A GALIZA COMO TAREFA – d’um livro velho – Ernesto V. Souza

É muita a tarefa, o tempo pouco, a concentração escassa e as atenções diversas; e vão passando os dias, os meses e os anos. Contribuem a gastá-lo, as frustrações, os desgostos, as cavilações. Os livros, como conversas de amigos ao

A GALIZA COMO TAREFA – d’um livro velho – Ernesto V. Souza

É muita a tarefa, o tempo pouco, a concentração escassa e as atenções diversas; e vão passando os dias, os meses e os anos. Contribuem a gastá-lo, as frustrações, os desgostos, as cavilações. Os livros, como conversas de amigos ao

A GALIZA COMO TAREFA – Literatura – Ernesto V. Sousa

Seria impossível dissociar a história da literatura galega da história social e política da Galiza, da dos galegos, da de Espanha e da de Portugal. Neste território difuso, cheio de lealdades históricas, políticas de estado nacionais e de patacão, e pleno

A GALIZA COMO TAREFA – Literatura – Ernesto V. Sousa

Seria impossível dissociar a história da literatura galega da história social e política da Galiza, da dos galegos, da de Espanha e da de Portugal. Neste território difuso, cheio de lealdades históricas, políticas de estado nacionais e de patacão, e pleno

A GALIZA COMO TAREFA – Artesanato – Ernesto V. Sousa

Num ensaio ágil, experiente, instigador e luminoso, Richard Sennett, explorava e defendia a figura do artesão, na história e como fórmula humanística do trabalho e da vida mesma. Pertinente discurso contra o capitalismo desde as suas raízes e contra a

A GALIZA COMO TAREFA – Artesanato – Ernesto V. Sousa

Num ensaio ágil, experiente, instigador e luminoso, Richard Sennett, explorava e defendia a figura do artesão, na história e como fórmula humanística do trabalho e da vida mesma. Pertinente discurso contra o capitalismo desde as suas raízes e contra a

A GALIZA COMO TAREFA- Reset 2015 – Ernesto V. Sousa

Queimamos o facho na passagem do ano, ritual de purificação, de morte e ressurreição, que anuncia, crise e tudo, ou por isso justamente, um tempo novo. 2015 está agendado como um ano divertido e com mudanças de ciclos, jeitos e

A GALIZA COMO TAREFA- Reset 2015 – Ernesto V. Sousa

Queimamos o facho na passagem do ano, ritual de purificação, de morte e ressurreição, que anuncia, crise e tudo, ou por isso justamente, um tempo novo. 2015 está agendado como um ano divertido e com mudanças de ciclos, jeitos e

A GALIZA COMO TAREFA- Ruínas – Ernesto V. Sousa

Espanha e Portugal apresentam grandes semelhanças na conformação contemporânea de um sistema político excludente, baseado no caciquismo, no nepotismo e na corrupção e suportado por uma estrutura política rotativista com políticos profissionais e intercambiáveis. A ausência por gerações de Sociedade

A GALIZA COMO TAREFA- Ruínas – Ernesto V. Sousa

Espanha e Portugal apresentam grandes semelhanças na conformação contemporânea de um sistema político excludente, baseado no caciquismo, no nepotismo e na corrupção e suportado por uma estrutura política rotativista com políticos profissionais e intercambiáveis. A ausência por gerações de Sociedade

A GALIZA COMO TAREFA -Os dias históricos da Galiza- Ernesto V. Sousa

Em julho de 2002, a muito louvada e tristemente naufragada Edições do Castro, do Grupo Sargadelos, que amparava o saudoso e imenso Isaac Diaz Pardo, publicava, em edição e notas do bom Afonso Mato, o manuscrito, inédito – e infelizmente

A GALIZA COMO TAREFA -Os dias históricos da Galiza- Ernesto V. Sousa

Em julho de 2002, a muito louvada e tristemente naufragada Edições do Castro, do Grupo Sargadelos, que amparava o saudoso e imenso Isaac Diaz Pardo, publicava, em edição e notas do bom Afonso Mato, o manuscrito, inédito – e infelizmente

A GALIZA COMO TAREFA -Introdução ao Território-por Ernesto V. Sousa

Quando de se enxerga a Galiza querendo perceber algo da sua singularidade, convém reparar em três constantes: a antiquíssima e densa habitação do território, a fragmentação ou repartição em sub-territórios (países/comarcas) de muito velho definidos e a auto-sustentabilidade especializada das

A GALIZA COMO TAREFA -Introdução ao Território-por Ernesto V. Sousa

Quando de se enxerga a Galiza querendo perceber algo da sua singularidade, convém reparar em três constantes: a antiquíssima e densa habitação do território, a fragmentação ou repartição em sub-territórios (países/comarcas) de muito velho definidos e a auto-sustentabilidade especializada das

A GALIZA COMO TAREFA –Do monte Ártabro ao Guadiana- por Ernesto V. Sousa

Cada hum fala do que gosta & usa. Os cavaleyros falam da guerra, os pacíficos da paz, os lauradores da terra & e os marinheyros do mar. Do qual sabia bem pouco e menos poderá gostar se o nauegara, hum

A GALIZA COMO TAREFA –Do monte Ártabro ao Guadiana- por Ernesto V. Sousa

Cada hum fala do que gosta & usa. Os cavaleyros falam da guerra, os pacíficos da paz, os lauradores da terra & e os marinheyros do mar. Do qual sabia bem pouco e menos poderá gostar se o nauegara, hum

A GALIZA COMO TAREFA -Relógios- Ernesto V. Sousa

Quanto mais pressa mais devagar… não penso que ninguém na Galiza e menos os nossos avós se impressionassem quando Albert Einstein, esse filósofo da física moderna, anunciou entre outras muitas cousas que o tempo era relativo e que “depende” era

A GALIZA COMO TAREFA -Relógios- Ernesto V. Sousa

Quanto mais pressa mais devagar… não penso que ninguém na Galiza e menos os nossos avós se impressionassem quando Albert Einstein, esse filósofo da física moderna, anunciou entre outras muitas cousas que o tempo era relativo e que “depende” era