Posts Tagged: línguas

A GALIZA COMO TAREFA – alteridades – Ernesto V. Souza

Sempre gostei da história alternativa. Também da história como fição alternativa, como género de romance, mas não falo nisso. Apenas de se focar num momento da história, num episódio, numa biografia e de analisa-lo contextual e documentalmente no possível e

A GALIZA COMO TAREFA – alteridades – Ernesto V. Souza

Sempre gostei da história alternativa. Também da história como fição alternativa, como género de romance, mas não falo nisso. Apenas de se focar num momento da história, num episódio, numa biografia e de analisa-lo contextual e documentalmente no possível e

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Europopulismo: a imigração proporciona uma oportunidade à [ultra] direita sueca. Por Richard Milne

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Europopulismo: a imigração proporciona uma oportunidade à [ultra] direita sueca Isolados pelos partidos tradicionais, os Democratas Suecos poderão tornar-se um dos maiores partidos [1]   Por Richard Milne em Hassleholm Publicado

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Europopulismo: a imigração proporciona uma oportunidade à [ultra] direita sueca. Por Richard Milne

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Europopulismo: a imigração proporciona uma oportunidade à [ultra] direita sueca Isolados pelos partidos tradicionais, os Democratas Suecos poderão tornar-se um dos maiores partidos [1]   Por Richard Milne em Hassleholm Publicado

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Genes, povos e línguas (2ª parte-conclusão). Por Luigi Luca Cavalli-Sforza

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Genes, povos e línguas (2ª parte-conclusão)  Por Luigi Luca Cavalli-Sforza janeiro de 1992   Em geral, os processos migratórios refletem alterações que obedecem a pressões e a novas possibilidades ou

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Genes, povos e línguas (2ª parte-conclusão). Por Luigi Luca Cavalli-Sforza

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Genes, povos e línguas (2ª parte-conclusão)  Por Luigi Luca Cavalli-Sforza janeiro de 1992   Em geral, os processos migratórios refletem alterações que obedecem a pressões e a novas possibilidades ou

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Genes, povos e línguas (1ª parte). Por Luigi Luca Cavalli-Sforza

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Genes, povos e línguas (1ª parte)  Por Luigi Luca Cavalli-Sforza janeiro de 1992 As árvores genealógicas que relacionam povos e línguas sobrepõem-se. Ambos, povos e línguas, remetem para correntes migratórias.

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Genes, povos e línguas (1ª parte). Por Luigi Luca Cavalli-Sforza

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Genes, povos e línguas (1ª parte)  Por Luigi Luca Cavalli-Sforza janeiro de 1992 As árvores genealógicas que relacionam povos e línguas sobrepõem-se. Ambos, povos e línguas, remetem para correntes migratórias.

CARTA DE VENEZA – VENEZA E AS LÍNGUAS – por Vanessa Castagna

Pelo número avultadíssimo de turistas vindos das sete partidas do mundo, é inevitável que Veneza se pareça hoje com uma labiríntica Babel e pouco à altura da situação se encontram os venezianos, mesmo os que trabalham na área da restauração,

CARTA DE VENEZA – VENEZA E AS LÍNGUAS – por Vanessa Castagna

Pelo número avultadíssimo de turistas vindos das sete partidas do mundo, é inevitável que Veneza se pareça hoje com uma labiríntica Babel e pouco à altura da situação se encontram os venezianos, mesmo os que trabalham na área da restauração,

A GALIZA COMO TAREFA – línguas? – Ernesto V. Souza

Mas, realmente, as línguas existem? É dizer por que o gascão terminou francês e o catalão não foi mais limusino ou o provençal não se diz hoje catalão? Por que achamos que o bávaro é alemão, que o andaluz ou

A GALIZA COMO TAREFA – línguas? – Ernesto V. Souza

Mas, realmente, as línguas existem? É dizer por que o gascão terminou francês e o catalão não foi mais limusino ou o provençal não se diz hoje catalão? Por que achamos que o bávaro é alemão, que o andaluz ou