Posts Tagged: silêncio

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (119)

  SEDUÇÃO     Quero seduzir-te Fazer-te parte de mim E levar-te por bons e por maus caminhos, Quero usar as minhas ironias Apreciar as tuas graças E utilizar a subtileza das palavras, Mas, nada. Fico à espera de uma

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (119)

  SEDUÇÃO     Quero seduzir-te Fazer-te parte de mim E levar-te por bons e por maus caminhos, Quero usar as minhas ironias Apreciar as tuas graças E utilizar a subtileza das palavras, Mas, nada. Fico à espera de uma

O MUNDO CONTINUA SILENCIOSO por Luísa Lobão Moniz

  “Eu não adopto este silêncio” foi publicitado por todo o lado, por homens e mulheres. Gentes vestiram-se de preto. Mulheres trabalhadoras em escritórios, super mercados, limpezas, fábricas adoptam este silêncio e muitos mais. O que fizemos desde o primeiro

O MUNDO CONTINUA SILENCIOSO por Luísa Lobão Moniz

  “Eu não adopto este silêncio” foi publicitado por todo o lado, por homens e mulheres. Gentes vestiram-se de preto. Mulheres trabalhadoras em escritórios, super mercados, limpezas, fábricas adoptam este silêncio e muitos mais. O que fizemos desde o primeiro

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (69)

MAS, NADA! Quero seduzir-te Fazer-te parte de mim E levar-te por bons e por maus caminhos, Quero usar as minhas ironias Apreciar as tuas graças E utilizar a subtileza das palavras, Mas, nada. Fico à espera de uma palavra tua

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (69)

MAS, NADA! Quero seduzir-te Fazer-te parte de mim E levar-te por bons e por maus caminhos, Quero usar as minhas ironias Apreciar as tuas graças E utilizar a subtileza das palavras, Mas, nada. Fico à espera de uma palavra tua

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (60)

QUANTO DEVE DEMORAR UM ABRAÇO     Preciso de um beijo, amor, E de um abraço, Terno, forte, sentido, apertado, E de me encostar no teu regaço. O teu silêncio prolongado Dói-me, intriga-me, E começo a duvidar. A tua lonjura

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (60)

QUANTO DEVE DEMORAR UM ABRAÇO     Preciso de um beijo, amor, E de um abraço, Terno, forte, sentido, apertado, E de me encostar no teu regaço. O teu silêncio prolongado Dói-me, intriga-me, E começo a duvidar. A tua lonjura

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (56)

  PINTO O MEU POEMA Pinto o meu poema E desenho o meu caminho Num mar de letras. Às vezes junto alfazema Outras jasmim, Tudo no mesmo cadinho E às vezes umas fraquezas. Pinto o amor As cores, Os cheiros

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (56)

  PINTO O MEU POEMA Pinto o meu poema E desenho o meu caminho Num mar de letras. Às vezes junto alfazema Outras jasmim, Tudo no mesmo cadinho E às vezes umas fraquezas. Pinto o amor As cores, Os cheiros

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (19)

O SILÊNCIO Gostar de ouvir o silêncio É um luxo que aprecio E vivencio Sempre que me deixo Gosto de ouvir o silêncio Esse nó de pedra plebeu E de o vivenciar Enquanto troco o meu corpo pelo teu. Gosto

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (19)

O SILÊNCIO Gostar de ouvir o silêncio É um luxo que aprecio E vivencio Sempre que me deixo Gosto de ouvir o silêncio Esse nó de pedra plebeu E de o vivenciar Enquanto troco o meu corpo pelo teu. Gosto

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (11)

NO ALTO DESTE MORRO No alto deste morro Olhando o sol surgir Escuto atentamente o silêncio   São tão calmos Os breves momentos Da natureza a sorrir   A brisa não se ouve Nem o ralo Nem o grilo Nem

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (11)

NO ALTO DESTE MORRO No alto deste morro Olhando o sol surgir Escuto atentamente o silêncio   São tão calmos Os breves momentos Da natureza a sorrir   A brisa não se ouve Nem o ralo Nem o grilo Nem

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (10)

QUASE COM CUIDADO   Quase com cuidado Muito ao de leve O silêncio foi quebrado. Era quase nada! Como se fora Do cair da neve O rumor que se adivinhava. Ou talvez da leve brisa De tão leve Mal se

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (10)

QUASE COM CUIDADO   Quase com cuidado Muito ao de leve O silêncio foi quebrado. Era quase nada! Como se fora Do cair da neve O rumor que se adivinhava. Ou talvez da leve brisa De tão leve Mal se

“no silêncio da noite…” por Lídia Rocha – Silencio

  “Silencio” é um tema do cantor e compositor espanhol David Bisbal incluído no seu álbum “Premonición” de 2006.

“no silêncio da noite…” por Lídia Rocha – Silencio

  “Silencio” é um tema do cantor e compositor espanhol David Bisbal incluído no seu álbum “Premonición” de 2006.

CONTOS & CRÓNICAS – “POIS É” – Por José Magalhães (17)

POIS É! . Quand il ne disait rien il observait le silence . Parávamos todos os dias no mesmo local para descontrair e tomar um café. Olhei-a de longe, mais tempo do que deveria. Nem sei porquê. Naquele dia havia

CONTOS & CRÓNICAS – “POIS É” – Por José Magalhães (17)

POIS É! . Quand il ne disait rien il observait le silence . Parávamos todos os dias no mesmo local para descontrair e tomar um café. Olhei-a de longe, mais tempo do que deveria. Nem sei porquê. Naquele dia havia