REVISTA DA SEMANA por Luís Rocha

revista semana

Revista da semana

De 14/02/ a 20/02/2016

Excertos das principais notícias

O referendo à permanência do Reino Unido na União Europeia vai realizar-se a 23 de Junho, anunciou neste sábado o primeiro-ministro britânico, David Cameron, horas depois de ter concluído em Bruxelas um acordo com os restantes Estados-membros para aquilo que chama “o estatuto especial” do país na União.

O Reino Unido afirmou-se como um dos principais destinos da emigração portuguesa nos últimos anos, o que faz com que este referendo seja seguido com interesse em Portugal. Segundo dados do Observatório da Emigração, no ano passado mais de 30 mil portugueses entraram no país, onde já vivem mais de 100 mil.

O Presidente francês, François Hollande, declarou que caso “um partido de extrema-direita tome o poder” num país da União Europeia (UE) “existem procedimentos que serão aplicados” e que no limite podem implicar a suspensão desse Estado-membro.

“Se um partido de extrema-direita tomar o poder, e isso é talvez possível na Europa de hoje tal como está, então haverá procedimentos que serão aplicados”, declarou o chefe de Estado à rádio France Inter, quando questionado sobre a situação política na Hungria e na Polónia.

O primeiro-ministro em funções, Mariano Rajoy, admitiu na quinta-feira, em conversa com o seu homólogo britânico, David Cameron, que o mais provável é Espanha voltar a ter eleições a 26 de junho, antecipando que nem o socialista Pedro Sánchez nem ele, em caso de convite do rei, conseguirão ver os seus nomes aprovados num debate de investidura. Ontem, o secretário-geral do PSOE garantiu que está a trabalhar para que tal não aconteça.

O ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis considerou ontem (20/02/2016) que é uma “mentira” dizer que Portugal, Espanha ou Irlanda estejam a recuperar economicamente, afirmando que a política económica da Europa “é um falhanço abjecto”.

Para o antigo ministro, o único plano de Bruxelas é “manter a estrutura de cartel da União Europeia”, independentemente de aferir se a receita económica está a resultar ou não nos países alvo de intervenção.

“O dinheiro é o principal meio de pagamento dos crimes financeiros, principalmente no caso de branqueamento de capitais, corrupção e financiamento do terrorismo. E quando dizemos «dinheiro», estamos principalmente a falar de nota de elevado valor, como a de 500 euros” (Giovanni Kessler).

“The hardest thing to understand in the world is the income tax”. A citação é atribuída a Einstein. O génio que a semana passada viu mais uma das suas teorias confirmadas (a das ondas gravitacionais), ironizava, assim, a fórmula utilizada para se apurar a taxação a aplicar ao fruto do trabalho de cada cidadão inserido numa sociedade que tenha um sistema fiscal a funcionar. (jornal Expresso em artigo sobre o E – fatura)

Decorreram ontem (20/02/2016), nos EUA, as eleições primárias para a escolha do candidato às presidenciais de novembro. Os republicanos votam na Carolina do Sul onde as sondagens atribuem a vitória a Donald Trump. Já os Democratas escolhem no Nevada entre Hillary Clinton e Bernie Sanders.

Morreu Umberto Eco (tinha 84 anos), o filósofo que ajudou a reinventar a figura do intelectual. O Autor de “O Nome da Rosa” editado em 1980 e que se transformou num best-seller internacional –  O romance, um mistério passado num mosteiro medieval, foi traduzido em todo o mundo e vendeu mais de 10 milhões de cópias. Mais tarde, foi adaptado ao cinema pelo realizador Jean-Jacques Annaud, com Sean Connery a desempenhar o papel principal.

TEMAS DOS ARTIGOS PUBLICADOS

1 – Política Nacional

2 – Economia Nacional

3 – Politica Internacional

4 – Economia internacional

5 – A morte de Umberto Eco

6 – História

7 – Saúde

 1 – Política Nacional

 

1.1 – Proibida de fazer contratos. Reguladora limita TAP à prática de atos de gestão corrente 

 Manuel Carlos Freire/DN (19/02/206) –  TAP foi adquirida pelo consórcio Gateway, formado pelo brasileiro David Neeleman e pelo português Humberto Pedrosa  |  GLOBAL IMAGENS. Autoridade Nacional da Aviação Civil encontrou “indícios de desconformidade da estrutura de controlo societários”

Dúvidas sobre a estrutura da nova administração da TAP levaram a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) a limitar a empresa à prática de atos de gestão corrente, soube esta sexta-feira o DN.

“Existem fundados indícios de desconformidade da estrutura de controlo societários no processo de privatização” da TAP, promovido pelo governo PSD/CDS, considerou a ANAC. […]

Com este acordo, o Estado tem 50% do controlo acionista da TAP e o consórcio Gateway 45%. Os restantes 5% destinam-se aos trabalhadores da empresa.

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/portugal/interior/anac-limita-tap-a-pratica-de-atos-de-gestao-corrente-5038753.html

1.2 – Trabalhadores da TAP “querem muito ser acionistas”

Ana Margarida Pinheiro/Dinheiro Vivo (19/02/2016) – Sindicatos da TAP saíram tranquilos da reunião com o Governo

Plataforma sindical da TAP promete afluência recorde à subscrição de 5% do capital da companhia pelos trabalhadores. Processo arranca “em breve”

Os trabalhadores da TAP “querem muito ser acionistas” e, vão contrariar a prática registada em Portugal nos últimos anos e que diz que os trabalhadores raramente subscrevem os 5% de capital que a que a lei das privatizações lhes dá direito. “Não há dúvida de que haverá interesse. Os trabalhadores da TAP sentem-se parte dela e este processo será drasticamente diferente do que tem acontecido em outras empresas como a ANA aeroportos”, disse André Teives, porta-voz da Plataforma sindical da TAP, ao Dinheiro Vivo. […]

Ler o artigo em: http://www.dinheirovivo.pt/empresas/trabalhadores-da-tap-querem-muito-ser-acionistas/

1.3 – PCP e BE querem renegociar dívida pública. PS desvaloriza

Dinheiro Vivo/Lusa (19/02/2016) – A zona euro vai gastar mais de 250 mil milhões em juros este ano (Fotografia: Kai Pfaffenbach/Reuters)

Portugal vai ser o país da zona euro que mais riqueza vai gastar com a dívida pública em 2016, cujos juros levam 4,5% do PIB este ano

O deputado do PS Ascenso Simões desvalorizou esta sexta-feira as pressões do BE e do PCP para a reestruturação da dívida, considerando que no contexto parlamentar os socialistas resolvem divergências e encontram soluções com aqueles partidos. Paulo Sá, deputado comunista, anunciou esta manhã em declarações ao Fórum TSF, que “em breve, o PCP apresentará uma iniciativa legislativa no sentido de renegociar a dívida, que é uma necessidade urgente do país para que este se possa desenvolver e libertar-se deste fado, e possa seguir o seu caminho de recuperação de rendimentos e melhoria da condição de vida dos portugueses”.[…]

Ler o artigo em: http://www.dinheirovivo.pt/economia/pcp-e-be-querem-renegociar-divida503980/

1.4 – Governo injeta mais 567 milhões de euros no BPN

Luís Reis Ribeiro/Dinheiro Vivo (17/02/2016) – Mário Centeno, ministro das Finanças. Foto: Orlando Almeida/Global Imagens

Maior parte das verbas vertidas nos veículos tóxicos do BPN é para estes pagarem o que devem à CGD. Novo governo continua trabalho dos antecessores

O Orçamento do Estado para este ano prevê injetar mais 567 milhões de euros nas chamadas sociedades “par”, os veículos criados pelo governo, em 2008, para gerir os ativos problemáticos e tóxicos do Banco Português de Negócios (BPN). Trata-se de despesa que inclui encargos financeiros, bem como empréstimos de médio e longo prazo executados como despesa em 2015 nesse mesmo universo, mostram os mapas que acompanham a proposta de lei do Orçamento do Estado para 2016 (OE/2016).[…]

Ler o artigo em: http://www.dinheirovivo.pt/banca/governo-injeta-mais-567-milhoes-de-euros-no-bpn/

1.5 – Governo aprova redução excecional da TSU

Filipe Paiva Cardoso/Dinheiro vivo (18/02/2016) – Ministro da Segurança Social e do Trabalho Vieira da Silva no seu gabinete de trabalho. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

Vieira da Silva defende que acordo é bom para empresas e trabalhadores. Exceção vigora para salários de fevereiro de 2016 a janeiro de 2017

O Governo aprovou “a criação de uma medida excecional de apoio ao emprego através da redução da taxa contributiva a cargo da entidade empregadora, em 0,75 pontos percentuais”, segundo o comunicado do Conselho de Ministros desta quinta-feira. Segundo o executivo, a decisão “decorre do acordo estabelecido entre o Governo e os parceiros sociais na sequência da atualização do valor do salário mínimo nacional para os 530 euros, com efeitos a partir de 1 de janeiro de 2016”, sendo identificada pelos ministros como “fundamental quer na perspetiva do trabalho digno e da coesão social, quer da competitividade e sustentabilidade das empresas”.[…]

Ler o artigo em

http://www.dinheirovivo.pt/economia/governo-aprova-reducao-excecional-da-tsu/

2 – Economia Nacional

2.1 – 2:59 (minutos) para explicar o mundo: o presente envenenado do Orçamento do Estado

Video publicado pelo Expresso sapo (18/02/2016)

Guião de Pedro Santos Guerreiro e João Silvestre; Realização e imagem de Joana Beleza; Grafismo animado de João Roberto

A carga fiscal estabiliza mas, em valor, o Estado cobrará este ano mais impostos do que nunca. Porquê e para quê? Pensionistas, trabalhadores, funcionário públicos… quem ganha e quem perde? Porque pagamos tantos juros, se a taxa média a que o Estado está a pagar a dívida é até a mais baixa de sempre? E se o Orçamento derrapar? Jornalismo de dados em dois minutos e 59 segundos. Para compreender o país e o mundo

Ver o vídeo em: http://expresso.sapo.pt/multimedia/259/2016-02-18-259-para-explicar-o-mundo-o-presente-envenenado-do-Orcamento-do-Estado-2

2.2 – Presidente do BPI diz que “é possível enganar o regulador sistematicamente”

Diogo Cavaleiro/Jornal negócios (19/02/2016) – Na entrevista ao Negócios, Artur Santos Silva considera que a estrutura de regulação em Portugal e na Europa tem falhas. E o Banco de Portugal foi incapaz de “identificar má gestão”. Não é o primeiro que diz isto.

Artur Santos Silva, o presidente do conselho de administração do Banco BPI, considera que os reguladores da banca, nomeadamente o Banco de Portugal, podem ser enganados. “Sistematicamente”.[…]

Ler o artigo em

http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/banca___financas/detalhe/presidente_do_bpi_diz_que_e_possivel_enganar_o_regulador_sistematicamente.html

2.3 – Os seus depósitos estão protegidos?

Economia/Visão (17/02/2016) – Os problemas dos grandes bancos europeus começam a gerar uma onda de desconfiança. E há limites à segurança dos depósitos. CONHEÇA ESSES LIMITES

O Fundo de Garantia dos Depósitos dá alguma segurança a quem tem dinheiro aplicado nos bancos. Mas tem limites. Veja quais:[…]

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/economia/2016-02-17-Os-seus-depositos-estao-protegidos-

2.4 – Mais de metade dos desempregados manteve situação no 3.º trimestre de 2015

Rodrigo Baptista/LUSA (19/02/2016) – Um em cada três desempregados em Portugal (64,2%) continuaram sem trabalho no segundo trimestre de 2015, acima da média da União Europeia (UE 62,7%), e 19,8% tinham arranjado emprego (UE 17,9%), segundo o Eurostat.[…]

Ler o artigo em http://observador.pt/2016/02/19/metade-dos-desempregados-manteve-situacao-no-3-trimestre-2015/

2.5 – Vendas de carros em Portugal disparam (e o crédito também)

Alexandra Correia/Visão (16/02/2016) – Somos o quarto país da Europa onde as vendas mais cresceram. Em janeiro, os portugueses compraram 14 mil automóveis

Os portugueses pediram emprestados 46,6 milhões de euros para comprar carro novo, em dezembro, e €100,7 milhões para adquirir um veículo usado. Estes dados do Banco de Portugal, publicados segunda-feira, mostram que o crédito automóvel concedido nesse mês aumentou 55% (no caso dos novos) e 36,1% (para os usados) em relação ao mesmo mês de 2014.[…]

Esta subida nas vendas foi a quarta maior da Europa, atrás da Irlanda (33,6%), do Chipre (25,9%) e da Eslováquia (19,7%).[…]

A compra de automóveis é um dos fatores que mais pesa no aumento das importações e no desequilíbrio da nossa balança comercial. Empresas como a Volkswagen Autoeuropa, a Siva, a Mercedes Benz e a BMW Portugal estão nas lista das 10 maiores importadoras. Por outro lado, Autoeuropa é, simultaneamente, a segunda empresa portuguesa que mais exporta.

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/economia/2016-02-16-Vendas-de-carros-em-Portugal-disparam–e-o-credito-tambem-

2.6 – Uma dor de cabeça chamada E-fatura

Pedro Miguel Oliveira/Expresso sapo (20/02/2016) – The hardest thing to understand in the world is the income tax”. A citação é atribuída a Einstein. O génio que a semana passada viu mais uma das suas teorias confirmadas (a das ondas gravitacionais), ironizava, assim, a fórmula utilizada para se apurar a taxação a aplicar ao fruto do trabalho de cada cidadão inserido numa sociedade que tenha um sistema fiscal a funcionar.[…]

Este é um dos motivos pelos quais não percebo alguns dos problemas ocorridos, agora, com o E-fatura. O novo sistema, que reforça o nosso papel de fiscal das finanças, mostra-se indisponível com uma frequência assustadora. E falo por experiência própria. Sou um dos tais portugueses (daqueles que entregam tudo no último dia) que ontem esteve umas boas horas a validar faturas naquele site. E não foi fácil. Sempre que validava uma fatura, o sistema caía. Lá aparecia uma página Web em branco com o erro: “Por motivos de ordem técnica não nos é possível responder ao seu pedido. Por favor tente mais tarde.” Este foi o erro “simpático”. Nas outras vezes recebia aquelas mensagens que indicavam erros em servidores ou, pior, uma página em branco sem qualquer mensagem. E assim passei umas horas da minha tarde de domingo a validar e introduzir faturas do agregado familiar.[…]

Plataformas bem feitas e a funcionar corretamente implicam, essencialmente, três fatores: inteligência, tempo e dinheiro. Não sei qual das premissas falhou na Autoridade Tributária. Talvez as três.

Ler o artigo em: http://expresso.sapo.pt/economia/2016-02-20-Uma-dor-de-cabeca-chamada-E-fatura

3 – Politica Internacional

3.1 – Referendo britânico à União Europeia a 23 de Junho

Ana Fonseca Pereira/Público (20/02/2016) – Primeiro-ministro britânico oficializa data, horas depois de ter concluído acordo em Bruxelas

Cameron à saída da cimeira europeia THIERRY CHARLIER/AFP. O referendo à permanência do Reino Unido na União Europeia vai realizar-se a 23 de Junho, anunciou neste sábado o primeiro-ministro britânico, David Cameron, horas depois de ter concluído em Bruxelas um acordo com os restantes Estados-membros para aquilo que chama “o estatuto especial” do país na União.[…]

Os pontos mais polémicos da renegociação

Os parceiros aceitaram que o Reino Unido, um dos principais destinos da emigração europeia, possa accionar durante um máximo de sete anos um “travão de emergência” que lhe permitirá suspender os apoios sociais aos trabalhadores comunitários recém-chegados. Os cortes sociais serão totais no primeiro ano de estadia, sendo depois atribuídos de forma gradual, e a partir do quarto ano não haverá qualquer restrição.

Quanto aos apoios relativos aos filhos de imigrantes que não residem no país, os recém-chegados passarão a receber um valor indexado ao nível de vida dos seus países de origem, uma redução que passa a ser aplicada a todos os trabalhadores europeus a partir de 2020.

Cameron conseguiu também a garantia de que o princípio da “união cada vez mais estreita não se aplica ao Reino Unido”, uma isenção de que já gozava na prática, mas que será inscrita nos tratados aquando de uma futura revisão. Da mesma forma, ficou decidido no Conselho Europeu que qualquer dos países que não aderiu à moeda única pode forçar um debate a nível europeu se entender que os seus interesses foram afectados por uma decisão da zona euro – um passo que, sublinha o texto do acordo, não equivale a um poder de veto.

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1723910

3.2 – Cameron pode dizer em casa que venceu a sua “batalha pela Inglaterra”

Teresa de Sousa/Público (19/02/2016) – 21:46 (actualizado às 22:50) – Depois de um dia frenético de negociações, Cameron viu aprovado um novo compromisso que o ajudará a ganhar um referendo sobre o lugar do seu país: dentro ou fora da Europa. Para os seus pares europeus, um fracasso seria um pesadelo.

Eram 22h30 (hora de Bruxelas) quando o presidente do Conselho Europeu anunciou através do Twitter o acordo final sobre o compromisso britânico, confirmando que as frenéticas negociações que decorreram na tarde de sexta-feira foram suficientes para redigir um texto que acabou capaz de servir a David Cameron para vencer a sua “batalha pela Inglaterra” e acomodar as garantias exigidas pelos seus pares europeus. Na sexta, disse aos jornalistas que o acordo dará ao Reino Unido “um estatuto especial” na União Europeia. Segundo a BBC, esse estatuto permite-lhe accionar o “travão de emergência” para os emigrantes durante um período que pode ir até sete anos não renováveis.[…]

 O pesadelo polaco – O Grupo de Visegrado, actualmente presidido pela República Checa, foi o osso mais difícil de roer ao ponto de ter reservado uma sala para as suas reuniões à qual chamou “Sala de Guerra”, um bom indicador do espírito que hoje anima a Europa. O primeiro-ministro checo foi rapidamente substituído pela sua homóloga polaca, Beata Szydlo, muito mais radical. Em Bruxelas, enquanto assistiam a este braço-de-ferro final, muitas das delegações recordaram a célebre cimeira de Junho de 2007, sob presidência alemã, quando o Governo dos gémeos Kaczynski resolveu bloquear as negociações do Tratado de Lisboa. O mesmo partido tomou agora conta do Governo de Varsóvia, com o mesmo programa nacionalista e conservador, e a luta afigurava-se tão dura como naquela altura.[…]

Papel de Portugal – Tal como prometera antes de partir para Bruxelas, António Costa dedicou a sua intervenção inicial ao problema dos direitos sociais dos emigrantes, que partilha com muitos outros países, pedindo garantias adicionais e criticando David Cameron por trazer para a Europa os seus problemas internos. Como o PÚBLICO escreveu na quinta-feira, essas objecções prendiam-se com a “travagem de emergência”, abrindo a porta à redução dos benefícios sociais dos emigrantes europeus, violando abertamente a não discriminação fixada pelos tratados, cuja natureza absolutamente excepcional e provisória não estava devidamente acentuada.[…]

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1723891

3.3 – François Hollande admite suspensão de um país da UE caso extrema-direita tome o poder

LUSA | 19 Fevereiro 2016 – O Presidente francês, François Hollande, declarou que caso “um partido de extrema-direita tome o poder” num país da União Europeia (UE) “existem procedimentos que serão aplicados” e que no limite podem implicar a suspensão desse Estado-membro.

“Se um partido de extrema-direita tomar o poder, e isso é talvez possível na Europa de hoje tal como está, então haverá procedimentos que serão aplicados”, declarou o chefe de Estado à rádio France Inter, quando questionado sobre a situação política na Hungria e na Polónia.[…]

Ler o artigo em:

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/europa/uniao_europeia/detalhe/francois_hollande_admite_suspensao_de_pais_da_ue_caso_extrema_direita_tome_o_poder.html

3.4 – Ciudadanos encontra-se com PP. PSOE aceita reunião a quatro

Ana Meireles/DN (20/02/2016) – Pablo Iglesias insiste em que quer fazer parte de um governo dos socialistas   |  REUTERS

Comissão executiva do partido de Albert Rivera discute amanhã um possível entendimento com os socialistas.

O primeiro-ministro em funções, Mariano Rajoy, admitiu na quinta-feira, em conversa com o seu homólogo britânico, David Cameron, que o mais provável é Espanha voltar a ter eleições a 26 de junho, antecipando que nem o socialista Pedro Sánchez nem ele, em caso de convite do rei, conseguirão ver os seus nomes aprovados num debate de investidura. Ontem, o secretário-geral do PSOE garantiu que está a trabalhar para que tal não aconteça.[…]

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/mundo/interior/ciudadanos-encontra-se-com-pp-psoe-aceita-reuniao-a-quatro-5039007.html

3.5 – Governo ucraniano perde maioria no parlamento e agrava crise política

João Ruela Ribeiro/Público (19/02/2016) – Dois dos partidos que apoiavam executivo abandonaram coligação. Iatseniuk pode fazer entrar partido nacionalista no governo. Arseni Iatseniuk, primeiro-ministro ucraniano, durante a sessão parlamentar em que foi chumbada a moção de censura GLEB GARANICH / REUTERS

O Governo ucraniano perdeu o apoio maioritário no parlamento, após a saída de dois dos partidos que faziam parte da coligação, aprofundando uma crise política que dura há várias semanas. Uma nova coligação estável terá agora de ser formada para evitar a dissolução do parlamento e a marcação de eleições antecipadas.

Primeiro foi o Pátria (Batkivshchyna), liderado pela ex-primeira-ministra Iulia Timochenko, que anunciou na quarta-feira a saída da coligação governamental. Seguiu-se, um dia depois, o fim do apoio pelo partido democrata-cristão Auto-Ajuda (Samopomich), deixando o executivo apenas com o suporte do Bloco Poroshenko, fundado pelo Presidente, e da Frente Popular, liderado pelo primeiro-ministro, Arseni Iatseniuk.[…]

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1723852

3.6 – União Europeia. Quem quer o quê para resolver a crise dos refugiados?

Catarina Falcao/Observador 18/02/2016 – Os 28 não estão de acordo sobre resolução da crise dos refugiados. Enquanto Bruxelas procura posição comum, Berlim confia na Turquia e outros países querem plano B: fechar as fronteiras com a Grécia.

A crise dos refugiados vai marcar o Conselho Europeu desta quinta e sexta-feira em Bruxelas, com os países a atingirem o seu ponto de ebulição sobre a falta de coordenação para identificar quem entra através das fronteiras externas da União. Com o sistema de quotas a não mostrar resultados – apenas algumas centenas de pessoas foram recolocadas a partir da Grécia e de Itália nos últimos meses – vários países estão a recorrer ao plano B, ou seja, encontrar medidas individuais ou em pequenas associações para travar o fluxo de migrantes que entram diariamente na União Europeia.[…]

Ler o artigo em

http://observador.pt/especiais/uniao-europeia-quer-resolver-crise-dos-refugiados/

3.7 – Tiranos do futuro: Filho de ditador, sabe mandar

João Dias Miguel/Visão (15/02/2016) – Alexander Lukashenko e o filho – VIKTOR DRACHEV/ Getty Images

Ditaduras. No final de janeiro, a Freedom House alertou para um recuo das liberdades em 72 países. De facto, impunemente, pelo globo, regimes autoritários tentam transformar-se em dinastias ditatoriais. Quem são os herdeiros destas supostas repúblicas?

TAJIQUISTÃO – O playboy de Duchambé; ANGOLA – Zenu sucede a Zedu?; BIELORRÚSSIA – O miúdo ‘general`; CAZAQUISTÃO – A filha do Presidente; UZBEQUISTÃO – Bruxarias e casas de milhões; UGANDA – O chefe da guarda pretoriana; GUINÉ EQUATORIAL – Os luxos de Teodorin

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/mundo/2016-02-15-Tiranos-do-futuro-Filho-de-ditador-sabe-mandar

4 – Economia internacional

4.1 – Draghi ganhou 385.860 euros no BCE em 2015 e Constâncio 330.744 euros

Agencia Lusa/Obserrvador 18/2/2016 – O presidente do Banco Central Europeu ganhou 385.860 euros em 2015, 1,64% mais do que no ano anterior, indicou a instituição no seu relatório anual. Constâncio 330 mil. – SERGIO GARCIA/Sintra 2015

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, ganhou 385.860 euros em 2015, 1,64% mais do que no ano anterior, indicou a instituição no seu relatório anual. A remuneração base de Vítor Constâncio, vice-presidente do BCE, foi de 330.744 euros, também um aumento de 1,64% em relação a 2014, precisou o BCE.[…]

O BCE tinha no final do ano passado 2.871 funcionários, mais 294 do que um ano antes. Em 2015, o lucro líquido do BCE subiu para 1.082 milhões de euros, mais 9,4% em relação a 2014 e o balanço do banco central foi de 257 mil milhões de euros, uma subida de 38,9%.

Ler o artigo em

http://observador.pt/2016/02/18/draghi-ganhou-385-860-euros-no-bce-2015-constancio-330-744-euros/

4.2 – O ex-ministro das Finanças grego afirma que a política económica da Europa “é um falhanço abjecto”

Lusa/DN (20/02/2016) – REUTERS/SERGIO PEREZ

O ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis considerou hoje que é uma “mentira” dizer que Portugal, Espanha ou Irlanda estejam a recuperar economicamente, afirmando que a política económica da Europa “é um falhanço abjecto”.

Varoufakis, que falava no Fórum por um Plano B na Europa, que arrancou sexta-feira em Madrid, agradeceu com um “grande obrigado” ao povo espanhol por, nas eleições gerais de 20 de dezembro, “não ter comprado a mentira da história de sucesso” da economia espanhola.[…]

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/mundo/interior/varoufakis-diz-que-a-recuperacao-economica-de-portugal-espanha-ou-irlanda-e-mentira-5039550.html

4.3 – BCE diz que inflação segue abaixo do esperado e que vai rever política monetária

Agencia Lusa/Observador 18/2/2016 – O Banco Central Europeu disse que a inflação segue abaixo do esperado e que o conselho de governadores recomenda que a política monetária seja revista e possivelmente reconsiderada em março. – ARNE DEDERT/EPA

O Banco Central Europeu (BCE) indicou hoje que a inflação segue abaixo do esperado e que o conselho de governadores recomenda que a política monetária seja revista e possivelmente reconsiderada em março. Uma inflação mais baixa do que o esperado, com uma queda das expectativas de inflação levaram a um aumento do risco de efeitos que podem afetar os salários, segundo as atas da reunião de política monetária de 21 de janeiro publicadas hoje.[…]

A taxa de juro diretora, que o BCE utiliza nas principais operações de refinanciamento na zona euro, está no mínimo histórico de 0,05%.

A taxa de depósitos está em -0,30% e a taxa aplicável à facilidade permanente de cedência de liquidez está em 0,30%.[…]

Ler o artigo em

http://observador.pt/2016/02/18/bce-diz-inflacao-segue-do-esperado-vai-rever-politica-monetaria/

4.4 – Fim da nota de 500 euros “é um passo na direcção certa”

 

Rosa Soares e Luís Villa Lobos/Público (20/02/2016) – Director-geral do organismo europeu de luta antifraude (OLAF), Giovanni Kessler, diz que o BCE “vai tomar a decisão certa”, no sentido de acabar com as notas de montante mais elevado, conhecidas como “Bin Laden”, e que chegam a ser transaccionadas acima do seu valor nos circuitos criminosos.

O director-geral do organismo europeu de luta antifraude (OLAF), Giovanni Kessler, não tem dúvidas sobre o fim da nota de 500 euros: “É um passo na direcção certa”, afirmou ao PÚBLICO. O tema entrou na agenda depois de uma série de altos responsáveis europeus, desde o presidente do BCE, Mario Draghi, ao presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, terem avançado com esse cenário.[…]

O ataque à nota de 500 euros, no entanto, dificilmente será uma solução mágica. Manuel dos Santos, porta-voz da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária, admite que o fim das notas de 500 euros não resolve o problema do branqueamento de capitais. “São mais fáceis de transportar, pelo que o seu fim pode obrigar a utilizar duas malas em vez de uma”, ironiza, em declarações ao PÚBLICO.[…]

No caso da nota de 500 euros, não se sabe como será ditado o seu fim. Mas o processo levaria certamente à entrada no circuito legal, via depósitos, de notas guardadas para outros fins, e de várias outras que estão simplesmente guardadas por falta de confiança ou necessidade de ter numerário em causa. Parte desse valor poderia reentrar em circulação, embora muito facilmente voltasse a ficar guardado em cofre pessoais ou debaixo do colchão, mas em notas de 200 e 100 euros.

Ler o artigo em:

http://www.publico.pt/n1723867

4.5 – Especialista defende que rendimento básico não promove a inatividade

Paulo Chitas/Visão (15/02/2016) – Economista holandês especializado em projetos de rendimento básico defende que esta pode ser uma forma de fugir à armadilha da pobreza. E, por se tratar de uma política de redistribuição, entende que é possível financiá-la mantendo o Estado Social

Através de crowdfunding conseguiu 25 mil euros para se dedicar apenas à defesa do rendimento básico na Holanda. Aos 25 anos, este economista é consultor de municípios holandeses que querem experimentar novas soluções para lidar com a pobreza. Na Holanda, há mais de 30 municípios a realizarem experiências com este novo tipo de política, que defende um rendimento básico para todos, sem condições de recurso. Em Lisboa, Sjir Hoeijmakers participa num encontro sobre o tema promovido pelo PAN – Pessoas, Animais, Natureza.[…]

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/economia/2016-02-15-Especialista-defende-que-rendimento-basico-nao-promove-a-inatividade

4.6 – Lagarde nomeada para um novo mandato à frente do FMI

João Pedro Prereira/Público (19/02/2016) – A francesa era a única candidata ao cargo de director-geral.

Lagarde, 60 anos, é bem vista por países como os EUA e o Reino Unido JOHN THYS/AFP

O desfecho era o único possível: sem candidatos concorrentes, a francesa Christine Lagarde foi seleccionada pelo conselho executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o segundo mandato à frente da instituição. Numa declaração escrita, e de circunstância, Lagarde elogiou o percurso do fundo ao longo do seu último mandato: “Nos últimos cinco anos, o FMI adaptou e fortaleceu a sua capacidade para responder às necessidades dos seus membros e está bem preparado para os ajudar a ir ao encontro dos desafios do futuro”.[…]

Nos próximos cinco anos, o FMI terá de se debater com os problemas provocados por um arrefecimento da economia mundial, nomeadamente das grandes economias emergentes, bem como com as dificuldades das economias dependentes do petróleo (o Azerbaijão e a Nigéria estão entre os países à procura de liquidez numa altura de abundância e consequente queda do preço de crude). A situação grega continuará também a ser um dos dossiers a ocupar Lagarde.

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1723848

5 – A morte de Umberto Eco  “As mentiras são mais fascinantes do que a verdade”

Texto de Luciana Leiderfarb, fotos de Nuno Botelho/Expresso (20/02/2016)

Tinha 84 anos e deixou-nos esta sexta-feira. Falámos com ele não há muito, em abril de 2015. A entrevista era sobre livros, sobretudo o dele que estava para sair, e aconteceu num tempo em que esta crise de refugiados que nos entrou pelas notícias já existia mas sem o impacto destes dias – transformados pela imagem do naufrágio da humanidade simbolizado num menino morto numa praia. A entrevista era pois sobre livros, mas Umberto Eco falou sobre mais – incluindo este tema que o preocupava há muito, o da migração e dos refugiados. É uma reflexão dura: “A Europa irá mudar de cor. E isto é um processo que demorará muito tempo e custará imenso sangue”. Mas também com fé no outros homens – nos que estão e nos que vêm: “A migração produz a cor da Europa”[…]

Ler o artigo em: http://expresso.sapo.pt/cultura/2016-02-20-As-mentiras-sao-mais-fascinantes-do-que-a-verdade

Trailer do filme “O NOME DA ROSA”

https://youtu.be/PSJMyCJC5uY

6 – HISTÓRIA

6.1 – A fome e a greve que marcaram São Pedro da Cova em 1946

Abel Coentrão/Público (20/02/2016)ABEL COENTRÃO 20/02/2016)

Há setenta anos, recusando “trabalhar com fome”, os mineiros desta freguesia conseguiram por via da greve impor aumentos salariais de 15%, apesar da repressão.

Trabalho nas minas em 1940, retratado para um álbum de fotos da companhiaDR – MUSEU MINEIRO DE SÃO PEDRO DA COVA

A guerra tinha acabado, mas dentro da mina não. Sujeitos a mobilização forçada desde 1943, em São Pedro da Cova, Gondomar, os quase 800 homens e mulheres que trabalhavam num dos mais importantes complexos de extracção de carvão do país ganhavam, naqueles anos de chumbo, dos salários mais baixos do sector. Incapazes de trabalhar “com fome”, muitos deles arriscaram, a 27 de Fevereiro de 1946, uma greve que acabaria por se prolongar por seis dias e que viria a obrigar a empresa concessionária a dar-lhes aumentos na ordem dos 15%. Passados 70 anos, um livro fixa, para memória futura, esse importante episódio da resistência de um povo cuja identidade é ainda moldada pelas memórias da exploração mineira.[…]

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1723774

6.2 – Um história de tapetes com raízes nos mouros de Lisboa

Carlos Pires/Público (20/02/2016)

Muitas são as questões quanto à origem e autenticidade dos tapetes de Arraiolos. Não é fácil identificar um tapete verdadeiro, muito devido ao desconhecimento dos compradores.

Quando surgem os tapetes de Arraiolos?

Não se consegue precisar uma data para o início da produção dos tapetes. A primeira referência data de 1598 e os investigadores acreditam que a origem esteja ligada aos tapeteiros muçulmanos de Lisboa, expulsos por D. Manuel em 1496. A caminho de Espanha e do Norte de África, alguns mouros ter-se-ão instalado em Arraiolos, território mais tolerante no que toca à religião, onde mantiveram as profissões que desempenhavam.[…]

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1723884

7 – Saúde –  5 mitos sobre a febre

Hugo Rodrigues (pediatria) Visão 17/02/2016 – A febre nas crianças é sempre motivo de apreensão por parte dos pais. Habituado a lidar com a “fobia da febre”, o pediatra Hugo Rodrigues esclarece alguns conceitos sobre o tema

A febre é o principal motivo de consultas urgentes em Pediatria e existe um receio enorme em relação a este sintoma instalado na nossa população. A “fobia da febre” é uma realidade com a qual lidamos diariamente, pelo que importa esclarecer alguns conceitos sobre este sintoma, que se trata apenas de uma manifestação e não de uma doença em si.[…]

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/opiniao/bolsa-de-especialistas/2016-02-17-5-mitos-sobre-a-febre

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: