Posts Tagged: polícia

QUANTOS MAIS CRIMES por Luísa Lobão Moniz

Foram assassinadas, até 31 de Março deste ano, e depois assassinou sete mulheres. Pai matou os seus quatro filhos e suicidou-se. Homem feriu gravemente o amigo com uma garrafa partida. Enfim, é um sem fim de crimes praticados intencionalmente. Aqueles,

QUANTOS MAIS CRIMES por Luísa Lobão Moniz

Foram assassinadas, até 31 de Março deste ano, e depois assassinou sete mulheres. Pai matou os seus quatro filhos e suicidou-se. Homem feriu gravemente o amigo com uma garrafa partida. Enfim, é um sem fim de crimes praticados intencionalmente. Aqueles,

ESTA É TAMBÉM A MINHA TERRA por Luísa Lobão Moniz

Tranca-se a janela e dá-se um passo atrás. Fecha-se a porta e afasta-se, não vá alguma bala perdida ir certeira para a porta que tenta proteger quem está do outro lado. São correrias, sapatos e botas quase que voam para

ESTA É TAMBÉM A MINHA TERRA por Luísa Lobão Moniz

Tranca-se a janela e dá-se um passo atrás. Fecha-se a porta e afasta-se, não vá alguma bala perdida ir certeira para a porta que tenta proteger quem está do outro lado. São correrias, sapatos e botas quase que voam para

COVA DA MOURA E QUESTÕES SOCIAIS por Luísa Lobão Moniz

Cova da Moura, bairro inicialmente construído por migrantes rurais. Nos anos 70 começou a ser ocupado por caboverdeanos e por outros grupos oriundos de África. Vindos de longe, onde todos tinham a mesma cor de pele, os mesmos problemas sociais

COVA DA MOURA E QUESTÕES SOCIAIS por Luísa Lobão Moniz

Cova da Moura, bairro inicialmente construído por migrantes rurais. Nos anos 70 começou a ser ocupado por caboverdeanos e por outros grupos oriundos de África. Vindos de longe, onde todos tinham a mesma cor de pele, os mesmos problemas sociais

NUNCA O FIZERAM, POIS NÃO? POIS FAÇAM-NO! Por Luísa Lobão Moniz

Nada melhor para comemorar o Dia da Criança do que pô-la envolvida na simulação de um motim a ser reprimido. Crianças, desordeiras, atiram algo, como se fossem pedras. Crianças, polícias de choque, investem sobre os desordeiros, com escudos. O que

NUNCA O FIZERAM, POIS NÃO? POIS FAÇAM-NO! Por Luísa Lobão Moniz

Nada melhor para comemorar o Dia da Criança do que pô-la envolvida na simulação de um motim a ser reprimido. Crianças, desordeiras, atiram algo, como se fossem pedras. Crianças, polícias de choque, investem sobre os desordeiros, com escudos. O que

CONTOS & CRÓNICAS – “A HISTÓRIA INTERMINÁVEL QUE MEU PAI ME CONTAVA” – Por José Magalhães (15)

UMA HISTÓRIA INTERMINÁVEL Ia eu por ali a passar, subindo e descendo por uma ladeira acima, quando ouvi dois tiros. Pum!, Pum!. Horríveis, assustadores, medonhos. Juntou-se muita gente, muita gente, muita gente, e eu também, ansioso, na esperança de ajudar

CONTOS & CRÓNICAS – “A HISTÓRIA INTERMINÁVEL QUE MEU PAI ME CONTAVA” – Por José Magalhães (15)

UMA HISTÓRIA INTERMINÁVEL Ia eu por ali a passar, subindo e descendo por uma ladeira acima, quando ouvi dois tiros. Pum!, Pum!. Horríveis, assustadores, medonhos. Juntou-se muita gente, muita gente, muita gente, e eu também, ansioso, na esperança de ajudar