Posts Tagged: revolução de abril

Música ao Romper da Aurora – Venham mais cinco

“Venham mais cinco” é um álbum de canções originais de José Afonso. Foi gravado em Paris com a ajuda de José Mário Branco e editado no Natal de 1973, sendo o último álbum de José Afonso antes da revolução de

Música ao Romper da Aurora – Venham mais cinco

“Venham mais cinco” é um álbum de canções originais de José Afonso. Foi gravado em Paris com a ajuda de José Mário Branco e editado no Natal de 1973, sendo o último álbum de José Afonso antes da revolução de

UMA CARTA DO PORTO – Por José Fernando Magalhães (329)

  O RELÓGIO DE PÉ ALTO   Jérémie Girod, Porto, é o nome que no mostrador branco esmaltado sempre me habituei a ver. No pêndulo, o velho lembra-me o meu avô materno, o cão sempre pensei que era o “Berlim”

UMA CARTA DO PORTO – Por José Fernando Magalhães (329)

  O RELÓGIO DE PÉ ALTO   Jérémie Girod, Porto, é o nome que no mostrador branco esmaltado sempre me habituei a ver. No pêndulo, o velho lembra-me o meu avô materno, o cão sempre pensei que era o “Berlim”

ACR – ASSOCIAÇÃO CONQUISTAS DA REVOLUÇÃO – APRESENTAÇÃO de “A CONQUISTA DOS DIREITOS DEMOCRÁTICOS” – HOJE, 15 de DEZEMBRO, entre as 18 e as 20 horas, na BIBLIOTECA MUNICIPAL de VILA NOVA DE GAIA

No âmbito das Comemorações dos 40 anos da Constituição da República a Associação Conquistas da Revolução (ACR) editou o livro “A Conquista dos Direitos Democráticos”. É com a maior honra que vimos convidar V.Exa a estar presente na apresentação pública

ACR – ASSOCIAÇÃO CONQUISTAS DA REVOLUÇÃO – APRESENTAÇÃO de “A CONQUISTA DOS DIREITOS DEMOCRÁTICOS” – HOJE, 15 de DEZEMBRO, entre as 18 e as 20 horas, na BIBLIOTECA MUNICIPAL de VILA NOVA DE GAIA

No âmbito das Comemorações dos 40 anos da Constituição da República a Associação Conquistas da Revolução (ACR) editou o livro “A Conquista dos Direitos Democráticos”. É com a maior honra que vimos convidar V.Exa a estar presente na apresentação pública

ONTEM, 24 de NOVEMBRO de 2016, JOÃO MARTINS PEREIRA TERIA FEITO 84 ANOS – Leiam O “MEDO” RACIONAL DA MOEDA ÚNICA, um texto de 1996.

João Martins Pereira, engenheiro industrial, economista, jornalista, ensaísta, foi secretário de estado da indústria do 4º governo provisório chefiado por Vasco Gonçalves entre Março e Agosto de 1975, sendo Ministro da Indústria e da Tecnologia João Cravinho. Ocupou-se especialmente das

ONTEM, 24 de NOVEMBRO de 2016, JOÃO MARTINS PEREIRA TERIA FEITO 84 ANOS – Leiam O “MEDO” RACIONAL DA MOEDA ÚNICA, um texto de 1996.

João Martins Pereira, engenheiro industrial, economista, jornalista, ensaísta, foi secretário de estado da indústria do 4º governo provisório chefiado por Vasco Gonçalves entre Março e Agosto de 1975, sendo Ministro da Indústria e da Tecnologia João Cravinho. Ocupou-se especialmente das

A “ALEGRIA” A PEDIDO por Luísa Lobão Moniz

    Ouvirás cantar nas alturas trovas e cantigas de embalar Dorme que inda a noite é uma menina Deixa-a vir também adormecer … trovas e cantigas de embalar são gritos de ternura que queremos que todas as meninas e

A “ALEGRIA” A PEDIDO por Luísa Lobão Moniz

    Ouvirás cantar nas alturas trovas e cantigas de embalar Dorme que inda a noite é uma menina Deixa-a vir também adormecer … trovas e cantigas de embalar são gritos de ternura que queremos que todas as meninas e

MARIA TERESA HORTA E “A ESCOLA E OS CRAVOS” por Luísa Lobão Moniz

  Obrigada a todos quantos foram ao lançamento do livro “A Escola e os Cravos” no dia 17 de Março. Estava um fim de tarde em que a chuva não dava tréguas. …mas, nem que chova picaretas, lá vamos para

MARIA TERESA HORTA E “A ESCOLA E OS CRAVOS” por Luísa Lobão Moniz

  Obrigada a todos quantos foram ao lançamento do livro “A Escola e os Cravos” no dia 17 de Março. Estava um fim de tarde em que a chuva não dava tréguas. …mas, nem que chova picaretas, lá vamos para

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (31)

DO HIGH-LIFE ATÉ PRATICAMENTE NADA! Tempos houve em que, no Porto, uma ida ao cinema era um acontecimento social. Como o era uma ida ao teatro (que o havia pouco, na cidade), ou à ópera (que quase não havia). Não

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (31)

DO HIGH-LIFE ATÉ PRATICAMENTE NADA! Tempos houve em que, no Porto, uma ida ao cinema era um acontecimento social. Como o era uma ida ao teatro (que o havia pouco, na cidade), ou à ópera (que quase não havia). Não