Posts Tagged: fontaínhas

“CULTURA EM EXPANSÃO” JUNTA EDGAR PÊRA EM CINECONCERTO COM RUI LIMA & SÉRGIO MARTINS NAS FONTAINHAS, no PORTO – HOJE, SÁBADO, 25 de NOVEMBRO, às 21.30, no CCOP.

O programa “Cultura em Expansão” vai juntar Edgar Pêra em cine concerto com Rui Lima & Sérgio Martins nas Fontainhas, no CCOP (Círculo Católico de Operários do Porto). O espectáculo “25 de Novembro – 42 anos depois” vai acontecer no

“CULTURA EM EXPANSÃO” JUNTA EDGAR PÊRA EM CINECONCERTO COM RUI LIMA & SÉRGIO MARTINS NAS FONTAINHAS, no PORTO – HOJE, SÁBADO, 25 de NOVEMBRO, às 21.30, no CCOP.

O programa “Cultura em Expansão” vai juntar Edgar Pêra em cine concerto com Rui Lima & Sérgio Martins nas Fontainhas, no CCOP (Círculo Católico de Operários do Porto). O espectáculo “25 de Novembro – 42 anos depois” vai acontecer no

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (148)

O PORTO EM IMAGENS (11)                    

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (148)

O PORTO EM IMAGENS (11)                    

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (91)

  OS VENTOS FRIOS E AS NUVENS BAIXAS Nestes dias de Junho, que deveriam ser soalheiros mas que estão cheios de ventos frios e nuvens baixas e até de uns chuviscos desagradáveis (1), vem-me a vontade de ficar em casa,

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (91)

  OS VENTOS FRIOS E AS NUVENS BAIXAS Nestes dias de Junho, que deveriam ser soalheiros mas que estão cheios de ventos frios e nuvens baixas e até de uns chuviscos desagradáveis (1), vem-me a vontade de ficar em casa,

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (43)

    DA NOITE EM QUE O PORTO NÃO DORME O Verão começado, o São João acabado, e eu sentado na Marina do Freixo, olhando o rio que, imperturbável, segue o seu rumo de todos os dias. O dia estava

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (43)

    DA NOITE EM QUE O PORTO NÃO DORME O Verão começado, o São João acabado, e eu sentado na Marina do Freixo, olhando o rio que, imperturbável, segue o seu rumo de todos os dias. O dia estava

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (39)

SOU BAIRRISTA O amor à cidade do Porto, não se explica, sente-se. Mas, só percebe o que se sente, quem cá vem, quem nos visita, e nos olha com “olhos de ver”. Às vezes, muitas vezes, dá-me uma coisa assim.

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (39)

SOU BAIRRISTA O amor à cidade do Porto, não se explica, sente-se. Mas, só percebe o que se sente, quem cá vem, quem nos visita, e nos olha com “olhos de ver”. Às vezes, muitas vezes, dá-me uma coisa assim.

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (30)

 OS TONS, OS SONS E OS CHEIROS DA CIDADE . Se eu quisesse traduzir em palavras, qual o cheiro, o tom e o som da Primavera, teria muita dificuldade. A Primavera tem tantos cheiros quantos os cantos da minha cidade,

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (30)

 OS TONS, OS SONS E OS CHEIROS DA CIDADE . Se eu quisesse traduzir em palavras, qual o cheiro, o tom e o som da Primavera, teria muita dificuldade. A Primavera tem tantos cheiros quantos os cantos da minha cidade,