Posts Tagged: saída da união europeia

A DERROTA DE CORBYN, UMA CONSEQUÊNCIA DA CRISE POLÍTICA A OCIDENTE – XIII – THE FULL BREXIT – TRANSFORMAR A GRÃ-BRETANHA DEPOIS DO BREXIT: EDDIE DEMPSEY E A ESQUERDA DIVIDIDA

  Transforming Britain After Brexit: Eddie Dempsey and the Divided Left, por George Hoare, Peter Ramsay, Lee Jones The Full Brexit, 4 de Abril de 2019 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota Uma resposta às críticas ao nosso recente

A DERROTA DE CORBYN, UMA CONSEQUÊNCIA DA CRISE POLÍTICA A OCIDENTE – XIII – THE FULL BREXIT – TRANSFORMAR A GRÃ-BRETANHA DEPOIS DO BREXIT: EDDIE DEMPSEY E A ESQUERDA DIVIDIDA

  Transforming Britain After Brexit: Eddie Dempsey and the Divided Left, por George Hoare, Peter Ramsay, Lee Jones The Full Brexit, 4 de Abril de 2019 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota Uma resposta às críticas ao nosso recente

A DERROTA DE CORBYN, UMA CONSEQUÊNCIA DA CRISE POLÍTICA A OCIDENTE – XI – UMA OUTRA LEITURA SOBRE O QUE É A CLASSE OPERÁRIA – PARA DERROTAR UM REVOLTADO DE EXTREMA-DIREITA, OS TRABALHISTAS DEVEM RESISTIR AO BREXIT COM TODA A SUA FORÇA – por PAUL MASON

To defeat an insurgent far-right, Labour must resist Brexit with all its force, por Paul Mason NewStatesman, 27 de Março de 2019 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   A esquerda deve lutar pela forma mais suave que possível

A DERROTA DE CORBYN, UMA CONSEQUÊNCIA DA CRISE POLÍTICA A OCIDENTE – XI – UMA OUTRA LEITURA SOBRE O QUE É A CLASSE OPERÁRIA – PARA DERROTAR UM REVOLTADO DE EXTREMA-DIREITA, OS TRABALHISTAS DEVEM RESISTIR AO BREXIT COM TODA A SUA FORÇA – por PAUL MASON

To defeat an insurgent far-right, Labour must resist Brexit with all its force, por Paul Mason NewStatesman, 27 de Março de 2019 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   A esquerda deve lutar pela forma mais suave que possível

A DERROTA DE CORBYN, UMA CONSEQUÊNCIA DA CRISE POLÍTICA A OCIDENTE – III – A UE, CORBYN E O “ESVAZIAMENTO” DA ALA ESQUERDA TRABALHISTA, por DANNY NICOL

    The EU, Corbyn and the “Hollowing Out” of Labour’s Left Wing, por Danny Nicol The Full Brexit, 16 de Abril de 2019 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   O Brexit pôs em evidência  que não foi

A DERROTA DE CORBYN, UMA CONSEQUÊNCIA DA CRISE POLÍTICA A OCIDENTE – III – A UE, CORBYN E O “ESVAZIAMENTO” DA ALA ESQUERDA TRABALHISTA, por DANNY NICOL

    The EU, Corbyn and the “Hollowing Out” of Labour’s Left Wing, por Danny Nicol The Full Brexit, 16 de Abril de 2019 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   O Brexit pôs em evidência  que não foi

JEREMY CORBYN, UM POLÍTICO QUE SE DISTINGUE PELA SUA SERIEDADE – PARA UM BREXIT DE ESQUERDA – por COSTAS LAPAVITSAS

  Pour un Brexit de gauche, de Costas Lapavitsas Contretemps, 5 de Agosto de 2019 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   A nova base militante do Labour, embora hostil ao neoliberalismo, é bastante relutante em relação ao Brexit,

JEREMY CORBYN, UM POLÍTICO QUE SE DISTINGUE PELA SUA SERIEDADE – PARA UM BREXIT DE ESQUERDA – por COSTAS LAPAVITSAS

  Pour un Brexit de gauche, de Costas Lapavitsas Contretemps, 5 de Agosto de 2019 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   A nova base militante do Labour, embora hostil ao neoliberalismo, é bastante relutante em relação ao Brexit,

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – A Grécia – Círculo dos patriotas desaparecidos – Parte B

(Olivier Delorme, 19 de Fevereiro de 2019)

O que a Grécia também mostra é que uma alternância da “esquerda radical” no contexto do euro e da UE só pode resultar na continuação e no agravamento continuado das mesmas políticas neoliberais. Porque, tal como a esquerda reformista antes dela, ela se desacredita e acaba por restaurar o poder à direita sem ter mudado nada na ordem económica e social, mas tendo acabado por desacreditar a política e a democracia: a única escolha hoje é entre o quadro europeu e a verdadeira alternância.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – A Grécia – Círculo dos patriotas desaparecidos – Parte B

(Olivier Delorme, 19 de Fevereiro de 2019)

O que a Grécia também mostra é que uma alternância da “esquerda radical” no contexto do euro e da UE só pode resultar na continuação e no agravamento continuado das mesmas políticas neoliberais. Porque, tal como a esquerda reformista antes dela, ela se desacredita e acaba por restaurar o poder à direita sem ter mudado nada na ordem económica e social, mas tendo acabado por desacreditar a política e a democracia: a única escolha hoje é entre o quadro europeu e a verdadeira alternância.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – A Grécia – Círculo dos patriotas desaparecidos – Parte A

(Olivier Delorme, 19 de Fevereiro de 2019)

Então, se na Grécia,  a Europa é paz, esta é então muito semelhante à paz dos cemitérios. E uma vez que nos disseram durante meses e em todos os tons que “a Grécia está melhor” e que os números o mostram, vejamos os números. Entre 2009 e 2017, a taxa de mortalidade caiu de 9,8 ‰ para 11 ‰, a taxa de natalidade caiu de 10,6 ‰ para 8 ‰, enquanto entre 2009 e 2015 a esperança de vida saudável caiu dois anos, de 66 para 64 anos. Tais variações nas estatísticas populacionais, que refletem mudanças que são geralmente de natureza de longo prazo, são mais parecidas com as variações dos tempos de guerra.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – A Grécia – Círculo dos patriotas desaparecidos – Parte A

(Olivier Delorme, 19 de Fevereiro de 2019)

Então, se na Grécia,  a Europa é paz, esta é então muito semelhante à paz dos cemitérios. E uma vez que nos disseram durante meses e em todos os tons que “a Grécia está melhor” e que os números o mostram, vejamos os números. Entre 2009 e 2017, a taxa de mortalidade caiu de 9,8 ‰ para 11 ‰, a taxa de natalidade caiu de 10,6 ‰ para 8 ‰, enquanto entre 2009 e 2015 a esperança de vida saudável caiu dois anos, de 66 para 64 anos. Tais variações nas estatísticas populacionais, que refletem mudanças que são geralmente de natureza de longo prazo, são mais parecidas com as variações dos tempos de guerra.

“O ÚLTIMO LANÇAMENTO DE DADOS DO ESTABLISHMENT “: O QUE ACONTECERÁ À EUROPA? – por ALASTAIR CROOKE

  Por Alastair Crooke, Ex-diplomata britânico, fundador e diretor do Fórum de Conflitos de Beirute. Publicado por Strategic Culture Foundation em 15 de fevereiro de 2019 (texto original aqui) Selecção e tradução de Júlio Marques Mota Revisão de Francisco Tavares  

“O ÚLTIMO LANÇAMENTO DE DADOS DO ESTABLISHMENT “: O QUE ACONTECERÁ À EUROPA? – por ALASTAIR CROOKE

  Por Alastair Crooke, Ex-diplomata britânico, fundador e diretor do Fórum de Conflitos de Beirute. Publicado por Strategic Culture Foundation em 15 de fevereiro de 2019 (texto original aqui) Selecção e tradução de Júlio Marques Mota Revisão de Francisco Tavares  

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 1º Texto – As onze questões sobre a União Europeia, de Coralie Delaume e David Cayla

(Jacques Sapir, 16 de Março de 2018)

Sobre a questão de Portugal, Coralie Delaume e David Cayla analisam de forma muito interessante, em poucas páginas, tanto o sucesso (relativo) da estratégia do governo português como as suas limitações. Mostram de forma convincente que aquilo a que agora se chama um “sucesso” nos círculos de “esquerda” se baseia, na realidade, numa emigração massiva e numa estratégia desenvergonhada de dumping social e fiscal [19]. A conclusão a que chegam é que Portugal adotou uma estratégia “parasitária”[20], uma estratégia que seria chamada, na linguagem de um economista (e entusiasta da teoria dos jogos), uma estratégia de passageiro clandestino.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 1º Texto – As onze questões sobre a União Europeia, de Coralie Delaume e David Cayla

(Jacques Sapir, 16 de Março de 2018)

Sobre a questão de Portugal, Coralie Delaume e David Cayla analisam de forma muito interessante, em poucas páginas, tanto o sucesso (relativo) da estratégia do governo português como as suas limitações. Mostram de forma convincente que aquilo a que agora se chama um “sucesso” nos círculos de “esquerda” se baseia, na realidade, numa emigração massiva e numa estratégia desenvergonhada de dumping social e fiscal [19]. A conclusão a que chegam é que Portugal adotou uma estratégia “parasitária”[20], uma estratégia que seria chamada, na linguagem de um economista (e entusiasta da teoria dos jogos), uma estratégia de passageiro clandestino.

EDITORIAL – BREXIT OR NOT BREXIT – THAT’S NOT THE ONLY QUESTION – por João Machado

    A saída do Reino Unido da União Europeia (não ficaria mal dizer “a saída da Inglaterra” da UE”) é obviamente uma questão importante. Entretanto, para muitas pessoas, talvez mesmo para a maioria das pessoas, o Brexit dever-se-á sobretudo

EDITORIAL – BREXIT OR NOT BREXIT – THAT’S NOT THE ONLY QUESTION – por João Machado

    A saída do Reino Unido da União Europeia (não ficaria mal dizer “a saída da Inglaterra” da UE”) é obviamente uma questão importante. Entretanto, para muitas pessoas, talvez mesmo para a maioria das pessoas, o Brexit dever-se-á sobretudo

A ERA DA HARMONIA NA EUROPA É COISA DO PASSADO, por GEORGE FRIEDMAN

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   A era da harmonia na Europa é coisa do passado George Friedman, Europe’s era of harmony is over GPF – Geopolitical futures, 13 de Dezembro de 2017   A União Europeia está

A ERA DA HARMONIA NA EUROPA É COISA DO PASSADO, por GEORGE FRIEDMAN

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   A era da harmonia na Europa é coisa do passado George Friedman, Europe’s era of harmony is over GPF – Geopolitical futures, 13 de Dezembro de 2017   A União Europeia está

EDITORIAL – A EUROPA A DUAS VELOCIDADES

Há algumas semanas atrás reuniram em Versalhes os líderes das quatro maiores economias da União Europeia, que são a  Alemanha, França, Itália Espanha, e manifestaram o seu apoio a uma Europa a diferentes velocidades (clicar no primeiro link abaixo). Um

EDITORIAL – A EUROPA A DUAS VELOCIDADES

Há algumas semanas atrás reuniram em Versalhes os líderes das quatro maiores economias da União Europeia, que são a  Alemanha, França, Itália Espanha, e manifestaram o seu apoio a uma Europa a diferentes velocidades (clicar no primeiro link abaixo). Um

UNIÃO EUROPEIA: TRÊS ANIVERSÁRIOS E UM FUNERAL, de DAVID CAYLA e CORALIE DELAUME

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   União Europeia: três aniversários e um funeral David Cayla e Coralie Delaume, Union européenne: trois anniversaires et un enterrement L’arène nue, 11 de Março de 2017 O ano 2017 promete ser um ano

UNIÃO EUROPEIA: TRÊS ANIVERSÁRIOS E UM FUNERAL, de DAVID CAYLA e CORALIE DELAUME

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota   União Europeia: três aniversários e um funeral David Cayla e Coralie Delaume, Union européenne: trois anniversaires et un enterrement L’arène nue, 11 de Março de 2017 O ano 2017 promete ser um ano

CRISE DA DEMOCRACIA, CRISE DA POLÍTICA, CRISE DA ECONOMIA: O OLHAR DE ALGUNS ANALISTAS NÃO NEOLIBERAIS – 3. FALHAS SÍSMICAS NA UNIÃO EUROPEIA (5ª PARTE), por DOMENICO MARIO NUTI

  Selecção e tradução por Júlio Marques Mota. Revisão de Joaquim Feio.  Falhas sísmicas na União Europeia – 5ª PARTE SEISMIC FAULTS IN THE EUROPEAN UNION Domenico Mario NUTI Transition, 8 de Janeiro de 2017 (CONCLUSÃO) … Conflitos Os remédios

CRISE DA DEMOCRACIA, CRISE DA POLÍTICA, CRISE DA ECONOMIA: O OLHAR DE ALGUNS ANALISTAS NÃO NEOLIBERAIS – 3. FALHAS SÍSMICAS NA UNIÃO EUROPEIA (5ª PARTE), por DOMENICO MARIO NUTI

  Selecção e tradução por Júlio Marques Mota. Revisão de Joaquim Feio.  Falhas sísmicas na União Europeia – 5ª PARTE SEISMIC FAULTS IN THE EUROPEAN UNION Domenico Mario NUTI Transition, 8 de Janeiro de 2017 (CONCLUSÃO) … Conflitos Os remédios

EDITORIAL – O TRATADO DE ROMA FAZ  HOJE SESSENTA ANOS

Hoje completaram-se 60 anos sobre o tratado de Roma, fundador da CEE – Comunidade Económica Europeia. Foi assinado pela Alemanha Ocidental, França, Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo.  O conjunto das nações aderentes foi-se alargando e, em 7 de Fevereiro de

EDITORIAL – O TRATADO DE ROMA FAZ  HOJE SESSENTA ANOS

Hoje completaram-se 60 anos sobre o tratado de Roma, fundador da CEE – Comunidade Económica Europeia. Foi assinado pela Alemanha Ocidental, França, Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo.  O conjunto das nações aderentes foi-se alargando e, em 7 de Fevereiro de

CRISE DA DEMOCRACIA, CRISE DA POLÍTICA, CRISE DA ECONOMIA: O OLHAR DE ALGUNS ANALISTAS NÃO NEOLIBERAIS – 3. FALHAS SÍSMICAS NA UNIÃO EUROPEIA (4ª PARTE), por DOMENICO MARIO NUTI

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota. Revisão de Joaquim Feio.  Falhas sísmicas na União Europeia – 4ª PARTE SEISMIC FAULTS IN THE EUROPEAN UNION Domenico Mario NUTI Transition, 8 de Janeiro de 2017 (CONTINUAÇÃO) … 10) A recapitalização dos

CRISE DA DEMOCRACIA, CRISE DA POLÍTICA, CRISE DA ECONOMIA: O OLHAR DE ALGUNS ANALISTAS NÃO NEOLIBERAIS – 3. FALHAS SÍSMICAS NA UNIÃO EUROPEIA (4ª PARTE), por DOMENICO MARIO NUTI

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota. Revisão de Joaquim Feio.  Falhas sísmicas na União Europeia – 4ª PARTE SEISMIC FAULTS IN THE EUROPEAN UNION Domenico Mario NUTI Transition, 8 de Janeiro de 2017 (CONTINUAÇÃO) … 10) A recapitalização dos